Oposição pede presença da Força Nacional no Maranhão para conter clima de violência

Oposição reagiu ao clima de insegurança que se instalou em São Luís

A Bancada da Oposição, formada pelos deputados Bira do Pindaré (PSB), Cleide Coutinho (PSB), Marcelo Tavares (PSB), Othelino Neto (PCdoB), Raimundo Cutrim (PCdoB) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB), encaminhou, nesta quinta-feira (10), expediente ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, solicitando imediato envio da Força de Segurança Nacional ao Maranhão para ajudar a controlar o clima de terror e de insegurança que se instalou em São Luís. 

A comunicação ao plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão foi feita pelo líder da Oposição, Rubens Pereira Jr. O deputado disse que a oposição está solicitando ajuda do Ministério da Justiça para tentar encontrar um encaminhamento para o grave problema da segurança. 

A rebelião no Complexo Penitenciário de Pedrinhas resultou em um saldo de nove mortos e dezenas de feridos, além de  ter provocado uma onda de violência na cidade com ônibus incendiados e um clima de pânico em toda a capital maranhense.
Motins já vêm acontecendo há muito tempo em Pedrinhas, dando sinais do estopim de uma grande crise no Sistema de Segurança Na semana passada, três detentos foram mortos. Em 2010, no terceiro mandato de Roseana Sarney, uma rebelião em Pedrinhas deixou o saldo trágico de 19 mortos, alguns deles também decapitados.
Na ocasião, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados veio ao Maranhão e realizou estudo sobre os problemas do sistema penitenciário do Estado; apontou, entre outras situações, a superlotação que reúne, em um mesmo espaço, presos de façções rivais. Mas, até hoje, nada foi resolvido e o problema só fez aumentar.

“O Maranhão vive em absoluta falta de governo”, diz Othelino sobre crise no Sistema de Segurança

Deputado Othelino Neto
O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) disse, em pronunciamento nesta quinta-feira (10), que o clima de terror instalado em São Luís, depois de um dia de rebelião com saldo de mortos e feridos e incêndio a ônibus, é consequência de “uma absoluta falta de governo”. O parlamentar, que já abordou por diversas vezes o caos vivido na Penitenciária de Pedrinhas, disse que está acontecendo ali uma verdadeira “carnificina”, enquanto a insegurança tomou conta das ruas e bairros da capital maranhense, sem que o governo do Estado tome o controle da situação.


Segundo Othelino, é necessário que o governo Roseana Sarney deixe de cuidar do que não é essencial e passe a ter uma ação concreta  para resolver esse grave problema de segurança. “Está caracterizado um descontrole absoluto. Toda semana morre gente ali, há um motim. A cada 15 dias, há fugas. Já fugiu preso até pela porta da frente, usando um carro pequeno e o governo assiste a tudo, simplesmente, de braços cruzados”, disse.


Durante o pronunciamento, o deputado fez novamente um apelo para que  a governadora Roseana Sarney deixe apenas de fazer campanha e passe a cuidar do povo do Maranhão que anda assustado pelas ruas, porque sente que não há segurança.


“O que acontece em Pedrinhas é a prova concreta da irresponsabilidade e da falta de compromisso do governo do Estado com a segurança do povo do Maranhão”, frisou Othelino.

“O governo perdeu o controle do Estado”, diz Cutrim sobre clima de insegurança

Deputado Raimundo Cutrim
“O governo não está conseguindo garantir a integridade física nem para os que estão sob sua custódia, dentro dos presídios, como vai garantir segurança para os cidadãos que estão nas ruas? O governo perdeu o controle do Estado”, disse o deputado Raimundo Cutrim (PCdoB), ex-secretário de Segurança do Maranhão, a analisar a sensação de insegurança que demonstrou muita força durante toda a quinta (10).

Fragilidades nas estratégias e na gestão da Segurança Pública no Maranhão foram apontadas como as principais causas do descontrole do sistema penitenciário do Maranhão e do clima de insegurança em que tem vivido a população do estado. Na capital, cresceu o registro de arrastões, assaltos, homicídios e outras modalidades de crime.

Em entrevista ao Portal Vermelho, o deputado do PCdoB afirmou que falta credibilidade ao governo do Estado na condução da Segurança Pública e que hoje o que existe é “um desmando total e ausência de comando” nas pastas responsáveis por cuidar da Segurança Pública no Maranhão.

“Estamos num verdadeiro mar de sangue. Somente este ano já presenciamos aproximadamente 50 mortes dentro da penitenciária. O que estamos assistindo é que o crime organizado voltou com força e o governo não está sabendo como agir”, opinou.

Segundo Cutrim, em 1997, quando assumiu o comando da segurança no estado, a situação era muito difícil e o crime organizado estava enraizado no Maranhão. “Nós conseguimos sair em 2000 deixando o Maranhão como o estado com menor índice de violência, em 2005 ficou com o terceiro lugar neste ranking”, finalizou o deputado.

Aumento de homicídios

A grande incidência de homicídios tem preocupado a população de São Luís e de todo o Maranhão. O reflexo disso é que, no último mês (setembro), somente a região metropolitana registrou 93 homicídios e, segundo o deputado Raimundo Cutrim, a situação piora quando são incluídos os homicídios das outras 213 cidades maranhenses.

Cutrim lembrou ainda que outros fatores que demonstram o aumento progressivo da violência e não podem ser contabilizados geram clima de insegurança no estado inteiro, incluindo outras modalidades de violência.

São Luís vive dias de "filme de terror"…

Em represália às mortes em Pedrinhas, “Bonde dos 40”
 incendiou oito ônibus na capital maranhense

Rebelião acabou em mortes
O clima em São Luís é de medo e insegurança, depois da babárie da última quarta-feira (09) à noite. A toda hora, recebo mensagens de leitores e amigos, indicando uma desordem lá e acolá. A mais recente é de um tiroteio na porta do Ceuma, faculdade particular da capital maranhense.

Recebi outras mensagens de arrastões em vários pontos da cidade, mas que não foram confirmadas pela Polícia. Muitos estão sendo vítimas de trote de pessoas que aproveitam para aumentar o clima de terror que se instalou na capital maranhense, após rebelião na Penitenciária de Pedrinhas com saldo de 10 mortos, 30 feridos e oito ônibus incendiados na cidade. Mas grande parte é verdade. 

São Luís parece viver cenas de “filme de terror” diante de um sistema de segurança cheio de falhas que, como uma bomba, está explodindo agora. Tudo isso é muito lamentável e a população não admite mais que as autoridades cruzem os braços diante desse grande problema. É preciso gestão, é necessário ter iniciativa para conter esse levante da criminalidade no Maranhão.

Cenas de vandalismo
Em resposta às mortes na Casa de Detenção (Cadet) do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, o “Bonde dos 40”,  uma facção criminosa do tráfico de drogas em São Luís, incendiou oito ônibus na noite de quarta-feira. Foram cenas lamentáveis e inusitadas para quem vive na capital maranhense.

Feridos foram levados para hospitais
A ação que incendiou os ônibus foi motivada pela briga entre facções criminosas que deixou 10 mortos e 30 feridos em Pedrinhas. A confusão na penitenciária teria começado por causa da suspeita de um túnel no Bloco F, Pavilhão 2, por onde cerca de 60 presos pretendiam fugir da penitenciária.

Os corpos dos mortos foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) e os feridos permaneceram bastante tempo, na porta da penitenciária, aguardando por socorro. Os primeiros foram lavados para o Socorrão II.