Eliziane "gruda" no PSDB e torce pelo apoio do PT a Flávio Dino

Eliziane vive todo tempo “tricotando” com os tucanos.
Olha que “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”
A deputada estadual e pré-candidata do PPS ao governo do Maranhão, Eliziane Gama, apareceu, nesta quarta-feira (16), com o sorriso estampado no rosto após a repercussão da real possibilidade do Partido dos Trabalhadores vir apoiar o pré-candidato do PCdoB, Flávio Dino. Ela disse, em conversa com jornalistas, após a sessão, que essa aliança PT/PCdoB lhe é muito favorável, porque deixaria o PSDB, diria-se, “muito mais disposto” a se juntar ao seu projeto visando à sucessão estadual em 2014, levando em conta o palanque presidencial no Estado.

Ao mesmo tempo em que comemorou o fator Flávio Dino/PT no Maranhão, Eliziane foi à tribuna, pela primeira vez, negar qualquer ligação que seja com o grupo Sarney. Não é de agora que Imprensa e blogs batem nessa tecla de que haveria um interesse da dita oligarquia no projeto do PPS para a sucessão de 2014, mas só, neste momento, a deputada decidiu se pronunciar no parlamento, apesar de já ter soltado matérias neste sentindo por meio de sua assessoria.

De olho na articulação nacional, Eliziane aposta que a boa relação entre PPS e PSDB e a real possibilidade de uma união do PT com Flávio Dino possam lhe garantir uma aliança com os tucanos que, por sua vez, teriam a certeza de um palanque para o presidenciável Aécio Neves no Maranhão. 

A deputada fez questão de lembrar que o PPS, na conjuntura nacional, faz oposição ao governo da presidenta Dilma Rousseff, assim como o PSDB que não ficaria à vontade em uma aliança que tivesse o PT no Maranhão.

Além disso, a pré-candidata ainda sonha com um apoio do PSB no Maranhão sob as bênçãos da ex-senadora Marina Silva. Acredita ela que se o PT se somar mesmo ao PCdoB no Maranhão, a direção nacional petista vai exigir que Flávio Dino dê exclusividade de palanque e de apoio a Dilma na disputa presidencial, o que, obviamente, não vai agradar ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos, presidente do PSB e pré-candidato ao Planalto, abrindo possibilidade de aliança do partido com a deputada.

Mas muita água ainda vai rolar até junho para as definições das alianças. É aguardar para ver no que vai dar esse complicado cenário político.

Chacina em presídio deflagra guerra entre família Sarney e Judiciário do Maranhão

Senador responsabiliza os juízes das Varas de Execuções Penais em São Luís; magistrados culpam governo de Roseana Sarney

Sarney tenta administrar crise da Segurança no Maranhão

A carnificina dentro do maior presídio de regime fechado do Maranhão, com nove detentos mortos e dezenas de feridos na semana passada, deflagrou uma guerra entre o clã Sarney e o Judiciário no estado. O senador José Sarney (PMDB-AP) utilizou o jornal de propriedade de sua família, “O Estado do Maranhão”, para responsabilizar os juízes das Varas de Execuções Penais em São Luís pela rebelião e isentar o governo de sua filha, Roseana Sarney (PMDB), de qualquer culpa pela tragédia. 


Os magistrados reagiram e atribuíram ao Executivo estadual toda a responsabilidade pelas mortes. Os juízes também passaram a monitorar as investigações sobre o ocorrido, inclusive a apuração da suspeita de que agentes de segurança do complexo penitenciário deixaram de intervir intencionalmente na briga entre facções rivais que resultou na matança.

Num artigo publicado na primeira página da edição do último domingo, Sarney escreveu que os juízes de Execuções Penais determinaram a prisão de “todos juntos” e “sem distinção de regime” fechado ou semiaberto. “Isso colocou na mesma habitação, antagônicos, membros de facções rivais e o confronto aconteceu”, escreveu o senador. Ele ainda afirmou que nenhum dos mortos foi atingido por “guardas ou polícias, tudo entre eles”. Uma portaria conjunta das duas Varas de Execuções Penais, na verdade, determinou o contrário do afirmado pelo pai da governadora do Maranhão.

A portaria, de agosto deste ano, obrigou a Secretaria de Administração Penitenciária a separar os presos conforme o regime de cumprimento da pena e critérios como sexo, idade e reincidência. No entendimento dos juízes Carlos Roberto de Oliveira e Fernando Mendonça, responsáveis pelas duas varas, o Estado do Maranhão descumpre a Lei de Execução Penal. 

Na portaria, eles ainda fazem a ressalva para a “contenção das facções criminosas que dominam a vida carcerária” no estado. No último sábado, O GLOBO publicou uma matéria mostrando que 68% das unidades prisionais do país descumprem a norma que determina a separação dos presos conforme a natureza do delito cometido.

– O sistema prisional vive o colapso, a completa falência no Maranhão. Faltam vagas, trabalho aos presos e pessoal. Nada do que existe na lei é cumprido. O artigo foi uma infelicidade do presidente Sarney. Ele desconhece a área e se precipitou – disse ao GLOBO o juiz Carlos Roberto.

O presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão, Gervásio Santos, endossou as críticas a Sarney e à sua filha:

– Houve um flagrante equívoco do senador. O sistema está falido e não é uma prioridade do Executivo estadual. Na terra de Sarney, Pinheiro (cidade onde nasceu o senador), deveria ser construído um presídio com recurso federal, mas o dinheiro já foi devolvido duas vezes.
No início da noite de terça-feira, em resposta ao GLOBO, o senador reconheceu o equívoco e pediu desculpas aos juízes. “Recebi a informação dos órgãos de segurança do Maranhão. Agora, ao tomar conhecimento de que a mesma não tem fundamento, quero transmitir meu imenso pedido de desculpas a todos os juízes das Varas de Execuções Penais do Maranhão, reconhecendo o seu valioso trabalho”, diz a nota enviada pela assessoria de imprensa de Sarney.

Rebelião – A rebelião ocorreu na última quarta-feira, 9, na Casa de Detenção (Cadet), maior presídio de regime fechado do estado, no Complexo de Pedrinhas em São Luís. Facções rivais teriam se enfrentado após a descoberta de um plano de fuga. A Polícia Civil abriu uma investigação para apurar os responsáveis pelos disparos de arma de fogo. Os juízes das Varas de Execuções Penais decidiram requisitar informações sobre a investigação. Não estão descartadas as hipóteses de que os disparos tenham partido de agentes de segurança do complexo penitenciário ou de leniência no episódio, com uma suposta demora para interferir na briga entre as facções.

– Não é possível, por enquanto, confirmar ou negar essa informação – afirmou o presidente da Associação dos Magistrados.

Ele ressaltou que o Maranhão não tem um presídio de segurança máxima e que líderes de facções ficam em centros de detenção comuns. Para Gervásio, faltam presídios no interior do Estado, o que superlota as unidades na capital. As vagas precisariam ser duplicadas, segundo ele.

– Medidas urgentes precisam ser tomadas, sob pena de assistirmos a uma carnificina semanalmente.

Roseana tenta desviar foco da crise na Segurança 


A assessoria de imprensa da governadora Roseana Sarney sustenta que o sistema penitenciário no Maranhão está passando por uma reestruturação, com a construção de presídios, reformas de prédios e concurso público. “Os juízes e promotores da Execução Penal e defensores públicos têm acompanhado de perto todos os passos da atual administração, inclusive com ampla participação de representantes da sociedade civil organizada”, cita a assessoria em resposta ao GLOBO.


Um inquérito e um processo administrativo no âmbito da Secretaria de Administração Penitenciária investigam os procedimentos de segurança adotados na rebelião, segundo o governo do Maranhão. “Somente o inquérito instaurado a cargo da Polícia Civil declinará a individualização de autorias dos homicídios, lesões e demais responsabilizações dos fatos ocorridos, inclusive mediante perícias médico-legais e criminalísticas.”

Infelizmente, só rindo para não chorar…

As charges abaixo mostram situações extraídas do atual cenário político brasileiro e, claro, maranhense, que foram satirizadas para nos fazer sorrir, apesar da triste realidade que nos é apresentada. 

Políticos que antes se xingavam e, aparentemente, se odiavam, hoje estão se juntando para agir contra outros, fazendo o eleitor de verdadeiros tolos…

Políticos que, simplesmente, impõem seus idealismos ao povo oprimido como se estivessem com uma arma em punho…

Tudo isso em meio a um quadro de políticos fichas-sujas que continuam se mantendo, absurdamente, na política por meios inadmissíveis…

Infelizmente, como no meu título acima, é preciso satirizar…é melhor rir para não chorar diante do que ainda se vê na política brasileira, na política maranhense e tenho dito…

Reunião com Edivaldo Jr. discute o Banco da Cidade

Prefeito Edivaldo discutiu proposta apresentada por Roberto Jr
O vereador Roberto Rocha Júnior (PSB), acompanhado do secretário municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento, Marcelo Coelho, e de representantes do Banco do Nordeste (BNB), reuniram-se  com o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PTC), e o vice-prefeito, Roberto Rocha (PSB). A reunião aconteceu na Prefeitura e teve como objetivo apresentar ao chefe do Executivo Municipal o projeto que propõe a criação do Banco da Cidade.

Durante a reunião, o autor do projeto, vereador Roberto Rocha Júnior, destacou a importância de se criar políticas públicas para estimular o empreendedorismo em São Luís. Segundo ele, o Banco da Cidade irá fomentar a economia popular, criando ou mesmo ampliando os micro e pequenos negócios, de modo a gerar mais emprego e renda para aquelas pessoas que, apesar de terem uma profissão, hoje estão excluídas do emprego formal.

“O Nordeste é a região do Brasil com o maior percentual de pessoas que vivem em extrema pobreza. Somente em São Luís, cerca de 100 mil famílias vivem em situação de pobreza extrema. Dessa forma, precisamos somar esforços para permitir que o acesso ao crédito seja ampliado e beneficie, sobretudo, ás pessoas de baixa renda”, disse.

A data da assinatura para o início do Programa Crediamigo, que terá foco na zona urbana da capital, está marcada para o dia 25 de outubro, na Prefeitura de São Luís. Segundo o vereador, até o fim deste ano, o agroamigo também será assinado e vai beneficiar os pequenos produtores da zona rural.

O Banco da Cidade é um projeto de Roberto Rocha Júnior que propõe um Acordo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de São Luís e o Banco do Nordeste (BNB), por meio da Secretaria de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa). O objetivo é disponibilizar empréstimos de pequenas quantias, sem burocracia e com juros baixos, a fim de estimular o empreendedorismo na cidade de são Luís. O valor permitido vai variar de 100 a 15 mil reais.