CARTEL DOS COMBUSTÍVEIS – CPI fecha o cerco, mas Hélio Viana diz que “não sabe de nada”

Apesar de ter negado a formação de cartel para a CPI, há áudios em poder do Ministério Público, onde o mesmo empresário admitiu a prática de combinação de preços, chegando a apontar nomes de envolvidos

O empresário Hélio Viana foi o primeiro a depor como testemunha e negou a formação de cartel

O empresário Hélio Viana foi o primeiro a depor como testemunha e negou a formação de cartel

O primeiro dia das oitivas da CPI dos Combustíveis, aberta no dia 03 de abril e que tem como foco investigar o abusivo aumento dos preços e possível formação de cartel na capital maranhense, ouviu o empresário Hélio Viana, proprietário do posto que leva o mesmo nome, um dos que pratica a tabela mais alta para os produtos na cidade.

Em um depoimento que pareceu ensaiado e instruído por um advogado, Hélio Viana, que jurou dizer somente “a verdade, nada mais que a verdade”, negou que haja combinação de preços nos pontos de venda de São Luís.

Em uma frase repetida inúmeras vezes, a cada pressão e pergunta dos integrantes da CPI, Hélio Viana alegou que um tal “efeito psicológico levou os empresários do setor a não ultrapassar a barreira dos R$ 3,00”, fixando os preços em R$ 2,99 na cidade toda, o que chamou a atenção do Ministério Público e da Assembleia Legislativa.

Aos integrantes da CPI, leia-se Othelino Neto (PCdoB), César Pires (DEM), Jota Pinto (PEN) e Francisca Primo (PT), o empresário negou ter conhecimento de que esteja havendo uma espécie de cartel nos preços dos combustíveis, queixando-se ora ou outra de que o setor sobrevive com dificuldade e que muitos postos estão fechando as portas por dificuldade financeira.

Apesar de ter negado a formação de cartel para a CPI, há áudios em poder do Ministério Público, onde o mesmo empresário admitiu a prática de combinação de preços, chegando, inclusive,a  citar nomes de envolvidos.

CPI pressiona com bombardeio de perguntas

A Comissão Parlamentar de Inquérito fechou o cerco em cima de Hélio Viana com um verdadeiro bombardeio de perguntas que terminou levando o empresário a entrar em contradições por várias vezes. “O depoimento não convenceu e nós vamos continuar o nosso trabalho investigativo até apurarmos o que, de fato, está acontecendo em São Luís, porque a prática da cartelização é crime e inadmissível”, disse Othelino Neto, presidente da CPI.

Othelino Neto e César Pires foram os que mais pressionaram Hélio Viana com perguntas. Quiseram saber detalhes sobre a política de preços usada pelos empresários do setor em São Luís, citando, inclusive, exemplos práticos do dia-a-dia.

Antes de Hélio Viana, a CPI ouviria o presidente do Sindicato dos Combustíveis, Orlando dos Santos, que não compareceu e alegou estar em tratamento de saúde fora de São Luís.

Mais depoimentos nesta quarta

A CPI dos Combustíveis dá continuidade aos depoimentos nesta quarta-feira (23), a partir das 14:30h, no Plenarinho da Assembleia Legislativa. Desta vez, serão ouvidos: Dileno de Jesus Tavares, empresário e ex-presidente do Sindicato dos Combustíveis; Carlos Gustavo Ribeiro, empresário; e José de Almeida Barreto, gerente de rede de postos da Petrobras.

O Ministério Público, por meio da promotora do Consumidor, Lítia Cavalcante, que já tem um procedimento investigativo contra os abusos nos preços dos combustíveis, acompanha as oitivas da CPI dos Combustíveis, que foi aberta no dia 03 de abril. O foco principal é investigar a prática abusiva de preços e possível formação de cartel na capital maranhense.

TRE mantém inelegibilidade de Luciano Genésio até 2020

Luciano Genésio está inelegível mesmo

Luciano Genésio está inelegível mesmo

O pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) decidiu manter, nesta terça-feira (22), por 4×3, decisão que tornou o suplente de deputado estadual, Luciano Genésio (SDD), inelegível até 2020 por abuso de poder político nas eleições de 2012

Genésio foi acusado pela coligação “O Trabalho Está de Volta” de haver usado a realização do carnaval da cidade para promover o número do então candidato à reeleição.
“Pinheiro – Carnaval 40 Graus” era o slogan do evento.

Mesmo inelegível até 2020, Luciano Genésio insistia em afirmar para poucos que seria candidato nas eleições deste ano.

Agora sacramentada a inelegibilidade, o suplente de deputado terá que mudar de planos.

Flávio Dino X Edinho Lobão: eventos concorridos movimentam cena política

Flávio Dino apresentará resultado do Diálogos pelo Maranhão...

Flávio Dino apresentará resultado do Diálogos pelo Maranhão…

Os pré-candidatos ao governo do Maranhão pelo PCdoB, Flávio Dino, e pelo PMDB, Edinho Lobão, prometem movimentar a cena política, nesta quarta-feira (22), com eventos políticos de pré-campanha. O comunista apresentará os primeiros resultados do movimento “Diálogos pelo Maranhão”, no hotel Ponta D´Areia , às 11h.

Já Edinho Lobão lançará a pré-candidatura, no auditório Fernando Falcão, da Assembleia Legislativa, reunindo lideranças de partidos aliados, a partir das 14h.

Os eventos coincidem na forma e no horário, mas têm abordagens diferentes. Enquanto Flávio Dino caminha para já apresentar um esboço do que será o seu plano de governo, com base no que extraiu dos Diálogos pelo Maranhão, Edinho Lobão tentará consolidar o nome ao Palácio do Leões entre as lideranças governistas, sendo que muitas delas ainda torcem o nariz para o filho do ministro de Minas e Energia, Edson Lobão.

Enquanto Edinho Lobão lançará pré-candidatura, na tentativa de consolidar  seu nome ao Palácio dos Leões

Enquanto Edinho Lobão lançará pré-candidatura, na tentativa de consolidar seu nome ao Palácio dos Leões

Pesquisa da DataM está saindo…

Enquanto o clima aquece com os eventos políticos, a DataM, instituto de pesquisa, deve divulgar os números da primeira pesquisa com o nome do suplente de senador, Edinho Lobão, por esses dias.

A pesquisa deve ser o “termômetro” para que o grupo Sarney defina, de fato, se Edinho Lobão será mesmo o candidato ou se o substitui por uma já especulada candidatura do também senador do PMDB, João Alberto.

Os próximos capítulos desse desfecho político para as eleições de outubro prometem. É só agudar mais um pouco!

Gardeninha admite que caminho natural do PSDB é com Flávio Dino

Sobre a disputa pelo Senado, deputada diz que João Castelo não depende do PCdoB para sair candidato porque tem legenda 
Deputada tucana disse que candidatura de Castelo ao Senado independe de aliança com o PSDB

Deputada tucana disse que candidatura de Castelo ao Senado independe de aliança com o PSDB

A deputada estadual Gardenia Castelo (PSDB), uma das líderes do partido tucano, admitiu, na manhã desta terça-feira (22), que a sigla deve, sim, caminhar com o pré-candidato do PCdoB ao governo do Maranhão, Flávio Dino, nas eleições de outubro.

“No Maranhão, o senador Edinho Lobão dará palanque para a presidente Dilma Rousseff (PT). Flávio então deve fazer palanque para os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB). É normal que o PSDB do Maranhão caminhe mesmo com Flávio Dino, apesar de não haver batido o martelo ainda, até porque não se criou uma terceira via”, disse Gardenia Castelo em entrevista ao radialista Álvaro Luís da rádio Educadora, após a sessão desta terça (22) .

Quanto à candidatura do ex-prefeito de São Luís, João Castelo, ao Senado, a deputada disse que o tucano está amadurecendo e avaliando a ideia. Segundo ela, o ex-governador não depende do PCdoB para disputar a vaga, já que o PSDB lhe dá legenda e a legislação o garante.

Independente de aliança

“A candidatura de João Castelo ao Senado só depende do povo, independe de aliança. A legislação garante. O que a gente sabe é que todas as pesquisas o colocam em primeiro lugar pelo trabalho que fez como governador, prefeito, deputado federal e senador. Ele é uma das grandes lideranças e tem voto cristalizado. Tem partido e, se achar que tem condições, vai ser candidato a senador sim”, disse Gardeninha.

Gardenia disse que o PSDB tem como prioridades estabelecer um palanque para Aécio Neves no Maranhão, uma vaga na chapa majoritária, que pode ser de vice-governador ou de senador, e fortalecer as bancadas na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa.

Informalmente, tucanos já ventilam pelo menos três nomes para o posto de candidato a vice-governador. São eles o do presidente estadual da sigla, Carlos Brandão, que vem tendo certa rejeição entre determinados tucanos; o da professora Miosótis Lúcio e o do ex-prefeito de Açailândia, Ildemar Gonçalves.

O assédio ao PSDB no Maranhão se deve a um motivo justo. O partido pode oferecer um maior horário nos programas gratuitos, tem estrutura, bancada forte no Congresso Nacional e lideranças políticas espalhadas em todo o Estado.