PAU MANDADO? Após sessão tensa, Roberto Costa e Sousa Neto se estranham…

VEJA O VÍDEO

OUÇA O ÁUDIO DA ENTREVISTA 

O clima tenso na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (06), não se limitou à tribuna. Logo após a sessão, com Andrea Murad (PMDB) já ausente, os deputados Roberto Costa (PMDB) e Sousa Neto (PTN), genro do ex-secretário Ricardo Murad, estranharam-se, enquanto a Imprensa fazia entrevistas no plenário sobre  o debate quente da sessão. Eles trocaram insultos.

No meio das entrevistas, os dois começaram a trocar acusações sobre questões  da gestão passada. Falaram em apresentar provas, quando Roberto Costa chamou Sousa Neto de “pau mandado” , esquentando, mais ainda, o clima que já estava tenso.

“Ah, tu és pau mandado?” – reagiu o peemedebista

“Pau mandado? Então eu vou mostrar quem é pau mandado” – rebateu Sousa Neto.

“É duas vezes pau mandado: de Ricardo e meu”, disparou Roberto Costa, deixando a relação política entre os dois bastante abalada.

CRISE NO PMDB – Andrea pede expulsão do prefeito de Bacuri do partido; e Roberto Costa, a de Ricardo Murad

Deputado disse que, se for por processo não concluído, a parlamentar teria que ter pedido, em primeiro lugar, a expulsão do próprio pai, Ricardo Murad, da sigla. Clima ficou muito quente e tenso!

Andrea Murad: "Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido não pode ficar no nosso partido"

Andrea Murad: “Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido, agiota, não pode ficar no nosso partido”

roberto costa

Roberto Costa: “Então que a deputada peça a expulsão do pai. Então, aí terá toda autoridade de pedir a saída de um membro do partido”

O clima foi tenso na Assembleia Legislativa durante e depois da sessão desta quarta-feira (06). Tudo começou quando a deputada estadual Andrea Murad (PMDB) foi à tribuna anunciar que pedirá ao presidente estadual do PMDB, João Alberto, a expulsão do prefeito de Bacuri, Richard Nixon Monteiro dos Santos, do partido, após prisão do mesmo em operação da Polícia Civil por suposto crime de agiotagem no Maranhão. A atitude mexeu com o também peemedebista, Roberto Costa, amigo do suspeito, que reagiu em forte pronunciamento.

“Eu creio que o senador João Alberto deve concordar comigo de que bandido não pode ficar no nosso partido. Ele, Roberto Costa, subiu hoje (06) à tribuna para defender o prefeito e eu vou voltar amanhã (07) para atacar. Não podemos aceitar esse tipo de gente no partido”, disse Andrea Murad em entrevista ao blog.

Segundo Andrea Murad, é inadmissível que o PMDB continue tendo, em seu quadro, um agiota, que inclusive faz acordos. Ela denunciou que o prefeito teria uma empresa “laranja” com a qual estaria prejudicando a Prefeitura de Zé Doca com contratos cruzados. “E quero saber aonde vamos parar com essa agiotagem aqui no Maranhão?”, indagou.

“Ninguém pode acusar, esquecendo dentro de casa”, diz Roberto

Na tribuna, Roberto Costa disse que o prefeito só pode ser responsabilizado ou punido com expulsão do partido quando for provado e condenado pela Justiça. “Se ele for culpado, tem que pagar quando o processo for concluso. Ninguém pode acusar todos aqui, esquecendo dentro de casa, o pai (Ricardo Murad). Não estou dizendo que ele (o ex-secretário de Saúde) é ocupado. Agora contra ele tem muito mais do que contra o prefeito de Bacuri. Então que a deputada peça a expulsão do pai. Então, aí terá toda autoridade de pedir a saída de um membro do partido”, disse.

À Imprensa, Roberto Costa reiterou o que falou na tribuna e disse que ninguém pode afirmar de nenhum cidadão a sua culpa até que o processo tenha o seu término final. No entanto, ele se disse favorável à investigação em relação a essa questão de agiotagem no Maranhão, que é um dos maiores problemas que afetam os  municípios do Maranhão.

FOTO DO FATO – Leite irregular continua circulando em São Luís…

Leite irregular está sendo produzido normalmente

Leite irregular está sendo produzido normalmente

O leite irregular,  produzido pelo Laticínio São José, tradicional indústria de alimentos no Maranhão, que está interditado pela fiscalização há seis meses, continua circulando em São Luís normalmente aos olhos das autoridades competentes. Pasmem! Veja foto do produto com validade em 06 de maio de 2015.

O lacre aconteceu por diversos motivos, entre eles falta de condições para higienização e controle de qualidade, que impossibilitariam a elaboração do produto. Mas o alarmante é que, mesmo assim, a fábrica permanece operando como se nada tivesse acontecendo (veja fotos  aos olhos da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Maranhão (SFA-MA), órgão do governo Federal.

A fábrica, localizada em Itapecuru-Mirim-MA, registrada sob o número 2386, foi interditada e lacrada pelo Serviço de Inspeção da SFA-MA, representação estadual do Ministério da Agricultura, no dia 16 de outubro de 2014, mas, como mostram as fotos, continua produzindo. A embalagem evidencia a data de fabricação em março de 2015, quando já estava, há meses, condenada e desautorizada a produzir.

Na ocasião do lacre, a energia estava cortada, não havendo como estocar os insumos de laboratório de forma adequada e impossibilitando a estocagem do produto. Não havia registro há meses de análise de controle de qualidade da matéria-prima e dos produtos. Além disso, a fábrica não tinha em estoque produtos adequados para realização da higienização das instalações e equipamentos.

Leia MaisATENÇÃO, PROCON E VIGILÂNCIA! Laticínio São José comercializa leite irregular no Maranhão

Zé Inácio defende que territórios rurais sejam unidades de planejamento estratégico

Deputado representou a Assembleia no evento

Deputado representou a Assembleia Legislativa no evento

O deputado estadual Zé Inácio (PT) participou do lançamento do Seminário Nacional “O Plano Mais IDH e o Desenvolvimento Territorial do Maranhão”, representando a Assembleia Legislativa. Ele defendeu que os territórios rurais sejam unidades de planejamento estratégicas da ação governamental.

“A politica de Desenvolvimento Territorial Rural tem que promover a integração e compatibilização de políticas públicas estaduais e municipais com base no planejamento territorial”, disse o deputado.

O seminário tem como objetivo elaborar diretrizes para o desenvolvimento territorial dos municípios-alvo e seus respectivos territórios e regiões. Voltado ao comitê gestor do Plano de Ações Mais IDH, técnicos e gestores das secretarias de Estado e órgãos envolvidos no Plano, prefeitos, gestores e técnicos representantes dos poderes municipais, representantes de entidades da sociedade civil envolvidos com questões territoriais, pesquisadores e demais interessados.

O evento foi realizado no auditório do Palácio Henrique de La Roque, com a presença do governador Flávio Dino (PC do B) e o presidente o Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), Felipe de Holanda.

TERRITÓRIOS RURAIS

O deputado Zé Inácio tem como proposta de seu mandato a implementação de politicas públicas para o Desenvolvimento Rural e Sustentável. Durante o período em que esteve à frente da Delegacia do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), foi implantado a política de Desenvolvimento Territorial, por meio da política dos Territórios da Cidadania.

Monitor é preso em flagrante no PSL 2 transportando drogas

O monitor penitenciário, Gilson Carlos Cordeiro, foi autuado em flagrante pela Polícia Militar, no Presídio São Luís 2, por volta das 20 h de terça-feira (5). O funcionário, que é contratado por empresa terceirizada, chegou ao presídio para cumprir o plantão dirigindo uma moto de sua propriedade e foi abordado pelos policias que localizaram mais de 350 pacotes de craque que, supostamente, seriam distribuídos aos detentos.

Gilson Cordeiro já foi conduzido à delegacia da Vila Embratel e até a próxima quinta-feira (7) estará formalmente desligado do quadro da Secretaria da Administração Penitenciária (Sejap).

Em cinco dias, esse foi o segundo episódio em que a Secretaria detectou e puniu, energicamente, funcionários tentando entrar em unidades prisionais com material ilícito. No dia 30 de abril, fato semelhante se deu quando o chefe de plantão Flávio Aroucha, outro funcionário terceirizado, também chegando para cumprir o turno da noite, por volta das 19h, foi flagrado com armas, droga e celulares transportados em seu carro, na entrada do Presídio São Luís I. Foi preso imediatamente e já perdeu a função.