BALÃO NA PF – Sumiço da ex-prefeita de Bom Jardim completa 30 dias…

Lidiane deu um verdadeiro "balão" na Polícia Federal e já está foragida há 30 dias

Lidiane deu um verdadeiro “balão” na Polícia Federal e já está foragida há 30 dias

O sumiço da agora ex-prefeita de Bom Jardim, localizada na região central do Maranhão, Lidiane Leite, completou 30 dias neste final de semana, sem que a Polícia Federal tenha divulgado qualquer sinal do paradeira da jovem, acusada de desvio de mais de R% 15 milhões dos cofres públicos. Pode-se dizer que foi um verdadeiro “balão” na PF que, como todo o seu serviço de inteligência, não consegue prender a ex-gestora.

No dia cinco de setembro, a Câmara Municipal de Bom Jardim cassou o mandato da ex-prefeita. A perda do mandato aconteceu após Lidiane Leite se ausentar da cidade por mais de 15 dias sem a autorização dos vereadores, estando foragida da Polícia Federal. Ela teve sua prisão decretada pela “Operação Éden”, que investiga desvios de verbas da educação referentes à merenda escolar e reforma de escolas.
Após a decisão, a Casa empossou a vice-prefeita, Malrinete Gralhada, que já havia assumido o cargo interinamente. Dos 13 vereadores, 10 compareceram à sessão extraordinária.
Apelação ao TJ
A defesa de Lidiane Leite chegou a pedir ao Tribunal de Justiça a suspensão do mandado de segurança que dava, interinamente, a Malrinete Gralhada (PMDB) o comando da Prefeitura de Bom Jardim.
Na petição, Lidiane contestava a posse de Gralhada e dizia que a atitude era uma “verdadeira e grave ingerência do Poder Judiciário sobre as esferas de atuação do Poder Executivo Municipal”. A presidente e desembargadora do TJ, Cleonice Silva Freire, negou o pedido feito pela defesa da prefeita afastada.

Tentativas em vão
Em novembro de 2014, Ministério Público do estado do Maranhão (MPMA) solicitou o afastamento imediato da ex-prefeita da cidade maranhense por suspeita de fazer o uso ilegal de suas atribuições públicas.
No entanto, em dezembro, a desembargadora Cleonice Silva deferiu o pedido e derrubou a decisão do juiz da comarca de Bom Jardim, que havia afastado Lidiane, determinando que a vice-prefeita Malrinete Gralhada assumisse o cargo.
Ao suspender a decisão do juiz, a magistrada disse “que a decisão que determinou o afastamento provisório da requerida não indicou elemento seguro de que esta possa efetivamente dificultar a instrução processual, limitando-se, aparentemente, a suposições, o que vai de encontro à jurisprudência firmada pelo Superior Tribunal de Justiça”.
Habeas Corpus negado
No dia 26 de agosto, a ministra do Superior Tribunal de Justiça, Maria Thereza de Assis Moura, negou o Habeas Corpus impetrado pela defesa de Lidiane Leite solicitando a revogação da prisão preventiva da gestora.

Escândalo internacional
Procurada pela Polícia Federal (PF) desde o  dia 20 de agosto, a prefeita afastada ganhou destaque na imprensa internacional. O paradeiro dela ainda é desconhecido, mesmo depois de 30 dias dias
Prefeita ‘ostentação’
Antes de se tornar prefeita, Lidiane teve uma vida humilde e vendia leite na porta da casa da mãe, em Bom Jardim. Ela se candidatou a prefeita depois que o ex-namorado Beto Rocha teve a candidatura impugnada e acabou eleita.
Após assumir o cargo, começou a ostentar luxo na internet. A rotina de viagens, festas, roupas caras, veículos e passeios de luxo é incompatível com o salário de pouco mais de R$ 12 mil que recebia como prefeita.”Eu compro é que eu quiser. Gasto sim com o que eu quero. Tô nem aí pra o que achem. Beijinho no ombro pros recalcados”, comentou a prefeita na internet. Em outro post, ela diz: “Devia era comprar um carro mais luxuoso pq graças a Deus o dinheiro ta sobrando” (sic).

Desvios da educação
O caso de desvios em Bom Jardim ganhou repercussão nacional após uma reportagem exibida no telejornal Bom Dia Brasil mostrando a precariedade das escolas no município. A TV Globo obteve com exclusividade acesso a documentos da investigação de supostos desvios de recursos públicos da merenda escolar e da reforma de escolas.

No dia 20 de agosto, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e prisão de suspeitos por desvios de verbas da educação referentes à merenda escolar e à reforma de escolas.

Mais uma mentira do PMDB de Sarney contra Flavio Dino

Garrone

Projeto de Sarney e do PMDB é imputar a Flávio Dino a carga da volta da CPMF

Projeto de Sarney e do PMDB é imputar a Flávio Dino a carga da volta da CPMF para tentar atingi-lo

Sedento pelo poder, o PMDB de José Sarney fabrica uma história atrás da outra para tentar difamar seus adversários. Para variar, o governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), foi, mais uma vez, o alvo da velha raposa oligarca.

Sedentos por tomar o poder de Dilma Rousseff na Presidência, membros do PMDB querem imputar a Flávio Dino a criação da CPMF, cobrança de imposto federal que foi proposta pelo governo federal.

Veja as reportagens que foram feitas logo em seguida às reuniões dos governadores, que desmentem a versão dos aliados de Sarney:

Jornal Meio Norte:

“Flávio Dino afirmou, em Fortaleza, que é favorável à recriação do imposto desde que acompanha de uma cesta de co contribuições alternativas, como a contribuição social sobre o lucro liquido das instituições financeiras (CSLL) e a taxação de grandes fortunas, para que ‘a alíquota de CPMF seja menor que 0,38%”.

Essa declaração foi dada em 29 de agosto, quando Dino apresentou proposta de reduzir a alíquota aos demais colegas. Já em seguida ao jantar de governadores com Dilma, veja o que o Jornal O Globo relatou:

“— Olha, tem um caminho. Se vocês negociarem com o Congresso esse plus na alíquota, subindo para 0.38%, aí sim é possível o compartilhamento com estados e municípios — instruiu Jaques Wagner, que tem funcionado como um dos principais articuladores políticos da presidente Dilma Rousseff.

— Aí vai caber a nós a construção desse caminho no Congresso — concordou o governador de Alagoas, Renan Filho (PMDB), filho do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), peça fundamental na abertura de caminho para aprovação desse pacote no Congresso.”

Segundo todos os jornais, veja o que Flávio Dino disse na segunda-feira:

“Além das medidas discutidas, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), pediu apoio da presidente Dilma e da equipe econômica para articular junto à cúpula do Judiciário para apertar o cumprimento de medidas de combate à sonegação e liberação das dívidas ativas.

— Temos cerca de 1 trilhão ajuizado. O CNJ poderia fazer um mutirão para arrecadação desse dinheiro sonegado. A presidente Dilma nos disse: vamos fazer isso — contou Flávio Dino.” Dizem as matérias do dia.

Depois de tudo isso, fica a pergunta: Dá pra acreditar no PMDB de Sarney, seu partido e jornalistas que são pagos pra lhe elogiar???