Aprovação de Flávio Dino deixa oposição “histérica e desnorteada”

Para Márcio Jerry, “é exatamente a elevada aprovação do governo Flávio Dino que deixa a oposição histérica e desnorteada”

Portal Vermelho

O Maranhão encerra o ano com umas das melhores situações econômicas e fiscais do país. Mesmo diante um cenário de forte recessão nacional, o estado manteve as contas públicas ‘no azul’, recebendo inclusive classificação do Tesouro Nacional com o status de ‘estado bom pagador’. Com os notáveis avanços, o governo Flávio Dino encerra o primeiro biênio de gestão com índices de aprovação sempre acima de 60%.

Para Márcio Jerry, “é exatamente a elevada aprovação do governo Flávio Dino que deixa a oposição histérica e desnorteada.” Para Márcio Jerry, “é exatamente a elevada aprovação do governo Flávio Dino que deixa a oposição histérica e desnorteada.” Apesar da popularidade, a oposição tenta a todo custo disseminar a ideia de ‘desgaste’ do atual governo junto à população. E convocou um protesto contra o governo Flávio Dino, marcado para esta quinta-feira (22) na Avenida Litorânea, que não ocorreu por falta de manifestantes.

A edição desta quinta-feira (22) do jornal do grupo Sarney, diz que “Dino conseguiu o voto do eleitor maranhense, mas nunca teve carisma para conquistar a simpatia pessoal desse mesmo eleitor”. No texto, o Estado aponta suposta impopularidade do “governador comunista”.

O secretário de Estado de Comunicação Social e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, usou as redes sociais para se manifestar sobre a tendenciosa edição. “O Estado do Maranhão editorializa na coluna Estado Maior um desejo que gostaria de ver na realidade: desgaste do governo Flávio Dino. Sofrem com a aprovação”, destacou Jerry.

Para Márcio Jerry, “é exatamente a elevada aprovação do governo Flávio Dino que deixa a oposição histérica e desnorteada”, considerando que o com esse tipo de jornalismo, o Estado cai “no ridículo absoluto”.

Márcio Jerry avalia que “contra o desejo histérico do panfleto de José Sarney” a própria realidade mostra a boa aceitação população da gestão Dino entre os maranhenses.

Mega fiasco

Anunciado com estardalhaço nas redes sociais nas últimas 72 horas, o protesto contra o governo Flávio Dino, marcado para esta quinta-feira (22) na Avenida Litorânea, não aconteceu. Pelas informações de quem passou pelo local, apenas 14 pessoas participaram do ‘mega’ evento que pretendia colocar a população contra as medidas de ajuste no ICMS.

Ao não atender o chamamento daqueles que torcem para que o Maranhão descambe para o caos, a população mostra que o governo Flávio Dino tem ampla aprovação pelas ações sociais, obras e benefícios implantados em todo o estado e que a medida adotada de reajuste do ICMS, ainda que amarga, é necessária em um momento de grave crise econômica.

Governo protocola pedido no STJ para impedir fechamento de agências do BB no Maranhão

Juiz Douglas Martins deferiu ação impetrada pelo Procon do Maranhão

O Instituto de Proteção e Defesa do Consumidor do Maranhão (Procon/MA) protocolou no Superior Tribunal de Justiça (STJ), através da Procuradoria Geral do Estado, pedido para suspender a liminar do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) que permitiu a continuidade do processo de fechamento de agências do Banco do Brasil no estado, em julgamento realizado no último dia 12, pela 3ª Câmara Cível. O pedido do Governo do Estado foi protocolado na quarta-feira (21).

Uma vez que a decisão liminar foi proferida pelo Tribunal de Justiça, a competência para analisar tal decisão compete ao STJ. Inicialmente, o Procon moveu uma ação civil pública que assegurou a suspensão do fechamento de 13 agências do Banco do Brasil no Maranhão. A liminar em favor do pedido feito pelo Procon foi deferida pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís e, posteriormente, suspensa pela 3ª Câmara Cível do TJMA.

Cabe destacar que o fechamento das unidades bancárias fere o Direito do Consumidor, previsto na Constituição Federal de 1988, tendo em vista que o serviço bancário é um serviço essencial nos termos do artigo 10, da Lei nº 7.783/89. Além disso, a realocação de clientes para outras agências, devido ao possível fechamento, se configura como modificação unilateral do contrato de serviço, prática abusiva expressamente vedada pelo artigo 51, inciso XIII, do Código de Defesa do Consumidor.

Moradores de municípios menores como Olho D’Água das Cunhãs, Amarante, Itinga, Lima Campos, Matões e Parnarama terão que viajar até 60 km para a agência mais próxima. Mesmo a transformação de algumas agências em postos de atendimento não irá amenizar o problema, uma vez que os postos não trabalham com numerário. O banco alega que os clientes poderão ter acesso mais facilitado por meio dos serviços online. Contudo, somente 9,8% da população do Maranhão tem acesso à internet. Trabalhadores rurais, aposentados e pessoas que precisam de atendimento especial serão as mais prejudicadas.

Apoiam o Procon na ação civil pública que requer a suspensão do fechamento de agências: o Ministério Público do Estado, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA), a Defensoria Pública Estadual e o Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (IBEDEC-MA). Este mês, a OAB chegou a anunciar que deixará de trabalhar com o Banco do Brasil como banco oficial de suas contas institucionais em virtude do prejuízo que o fechamento causará aos advogados que precisam receber seus alvarás.

Além do pedido no STJ, o Procon também participará de audiência conciliatória com o Banco do Brasil no dia 24 de janeiro.