Justiça Eleitoral condena Fernando Haddad por caixa 2

A suspeita é a de que recursos da empreiteira UTC foram utilizados para confecção de materiais de campanha do petista

O juiz Francisco Carlos Inouye Shintate, da primeira Vara Eleitoral, condenou o ex-candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), por crime de caixa 2 pago pela empresa UTC Engenharia na campanha eleitoral de 2012, quando foi eleito Prefeito de São Paulo. A pena estipulada é de quatro anos e seis meses em regime semiaberto.

A suspeita é a de que recursos da empreiteira UTC foram utilizados para confecção de materiais de campanha do petista. O juiz, no entanto, absolveu o ex-prefeito de outras acusações, como lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

A defesa de Haddad diz que vai recorrer da decisão, e que a decisão foi tomada com base apenas em uma delação premiada do executivo Ricardo Pessoa, que teria sido “prejudicado pelo então prefeito, que cancelou seus contratos com a Prefeitura de São Paulo”.

Além disso, os advogados de Haddad afirmam que o ex-prefeito não foi acusado pelo crime em questão. “O juiz absolveu Fernando Haddad de lavagem de dinheiro e corrupção, crimes dos quais ele não foi acusado. Condenou-o por centenas de falsidades quando a acusação mal conseguiu descrever uma. A lei estabelece que a sentença é nula quando condena o réu por crime do qual não foi acusado”, afirmou a defesa, em nota.

Fábio Macedo destaca realização do Dia Estadual de Combate à Depressão

O parlamentar é o autor desta lei e de outra que criou o Programa de Auxílio a Pessoas com Depressão no âmbito da Rede Pública Estadual de Saúde

O deputado Fábio Macedo (PDT) destacou, na sessão desta segunda-feira (19) da Assembleia Legislativa do Maranhão (Alema), a realização do Dia Estadual de Combate à Depressão, em 13 de setembro deste ano. O parlamentar é o autor desta lei e de outra que criou o Programa de Auxílio a Pessoas com Depressão no âmbito da Rede Pública Estadual de Saúde.

O presidente da Assembleia, deputado Othelino Neto (PCdoB), fez uma  intervenção para elogiar a iniciativa e enaltecer a importância da criação do Dia de Combate à Depressão. “Realmente, é um tema muito presente, certamente; todas as famílias enfrentam o problema da depressão, que é, como já dizem os especialistas, “o Mal do Século”. É realmente um tema que convém o envolvimento e a participação de todos nós”, assegurou o presidente da Casa.

Em Plenário, Fábio Macedo distribuiu aos colegas parlamentares o kit “Combatendo a Depressão – Cuidando de Vidas” contendo uma camisa com o logo da campanha e um impresso com informações detalhadas sobre a doença e outros assuntos. O deputado disse que vai fornecer ainda para a imprensa a programação e a localização do evento.

“O projeto foi sancionado pelo governador Flávio Dino (PCdoB) e o Maranhão, agora, passa a ser o único Estado do Brasil a possuir o Dia do Combate à Depressão. Algo pioneiro, algo que a gente deve se orgulhar muito de estar acordando para esta doença que, infelizmente, vem se alastrando muito”, contou. O parlamentar pediu e foi atendido para que o presidente suspendesse a sessão, momentaneamente, para fazer a entrega do kit e registros fotográficos.

Macedo fez agradecimento ao governador Flávio Dino, por haver sancionado as leis, e aos colegas de Plenário pela aprovação. “Além do Dia do Combate à Depressão, esta Casa também votou, por unanimidade, e foi sancionado pelo governador, o auxílio às pessoas com depressão. Todos sabem que um tratamento de depressão não é barato e não depende só de uma sessão. São várias sessões, e agora também o Maranhão passa a ter agora esse serviço nos hospitais da rede pública. Parabéns a todos os deputados que votaram, por unanimidade. E agora, quem tem esse problema vai poder contar com o tratamento necessário”, afirmou.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas sofrem com a depressão, segunda doença que mais cresce.

Projeto para criação do Estado do Maranhão do Sul é protocolado no Senado

A proposta foi assinada por 27 senadores, entre eles, a senadora Eliziane Gama (Cidadania).

Foi protocolado no Senado Federal um Projeto de Decreto Legislativo que vai analisar um possível desmembramento do Estado do Maranhão em duas partes e, com isso, a criação do Maranhão do Sul. A matéria é de autoria do senador Siqueira Campos, o grande responsável pela criação do Estado do Tocantins, que surgiu com o desmembramento de Goiás em duas partes. A proposta foi assinada por outros 26 senadores, entre eles, a senadora Eliziane Gama.

“A ideia do desmembramento do Estado do Maranhão em duas porções Norte e Sul não é nova, pois remonta ao século XIV. Mas as características que individualizam as duas metades do Estado foram definidas nos primórdios da nossa colonização. Com efeito, a parte Norte foi colonizada, predominantemente, por imigrantes vindos de além-mar, como os portugueses, holandeses e franceses, interessados mais que tudo no cultivo de cana de açúcar e no plantio de algodão. Já o Sul do estado abrigou, mais que tudo, nordestinos, que fixaram-se tanto nas regiões dos Pastos Bons, como nas terras virgens e férteis das margens do Tocantins e seus afluentes, para lá levando seu gado e seus costumes”, afirma o texto.

A proposta cita as cidades que serão incluídas no Estado do Maranhão do Sul: Açailândia, Alto Parnaíba, Amarante, Arame, Balsas, Barra do Corda, Benedito Leite, Bom Jesus das Selvas, , Buriticupu, Buritirana, Campestre do Maranhão, Carolina, Cidelândia, Davinópolis, Estreito, Feira Nova, Fernando Falcão, Formosa da serra Negra, Fortaleza dos Nogueiras, Governador Edison Lobão, Grajaú, Imperatriz, Itaipava do Grajaú, Itinga do Maranhão, Jenipapo dos Vieiras, João Lisboa, Lajeado Novo, Loreto, Mirador, Montes Altos, Nova Colina, Nova Iorque, Patos Bons, Porto Franco, Riachão, Ribamar Fiquene, Sambaíba, São Domingos do Azeitão, São Félix de Balsas, São Francisco do Brejão, São João do Paraíso, São Pedro da Água Branca, São Pedro dos Crentes, São Raimundo das Mangabeiras, Senador La Roque, Sítio Novo, Sucupira do Norte, Tasso Fragoso e Vila Nova dos Martírios.

O Projeto de Lei foi protocolado no Senado Federal e aguarda deliberação do Presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (AP). Assinaram o PL os senadores: Siqueira Campos (TO), Eliziane Gama (MA, Kátia Abreu (TO), Alessandro Vieira (SE), Alvaro Dias (PR), Mailza Gomes (AC), Maria do Carmo (SE), Arolde de Oliveira (RJ), Soraia Thronicke (MS), Zanaide Maia (RN), Chico Rodrigues (RR), Dário Berges (SC), Elmano Férrer (PI), Humberto Costa (PE), Jarbas Vasconcelos (PE), Jorginho Melo (SC), José Maranhão (PB), Luis Carlos (RS), Marcos do Val (ES), Otto Alencar (BA), Paulo Rocha (PA), Plínio Valério (AM), Randolfe Rodrigues (AP), Valentim (RN), Telmário Mota (RR), Vital do Rêgo (PB) e Zequinha Marinho (PA).

Bolsonaro admite rever indicação de Eduardo para embaixada dos EUA

Eduardo já recebeu o aval do governo norte-americano, mas a indicação ainda não foi encaminhada ao Senado devido a resistências ao nome do deputado federal

BR Político

Na “saidinha do Alvorada” desta terca-feira (20) – o já tradicional pit-stop do presidente na porta da residência oficial, a caminho do Planalto, para falar com a imprensa  e lançar balões de ensaio para testar sua acolhida ao longo do dia ou da semana–, Jair Bolsonaro levantou a possibilidade de desistir da indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington.

“Tudo é possível. Eu não quero submeter o meu filho a um fracasso. Acho que ele tem competência”, afirmou Bolsonaro.

Eduardo já recebeu o aval do governo norte-americano, mas a indicação ainda não foi encaminhada ao Senado devido a resistências ao nome do deputado federal. Eduardo tem feito corpo a corpo junto aos senadores.

Bolsonaro só parece esquecer que a possibilidade de submeter o 03 a um fracasso foi inteiramente provocada por ele, ao contrariar princípios como o da impessoalidade e indicar o próprio filho ao principal posto da diplomacia brasileira no exterior, sem um currículo que o credencie à função.