Maranhão plantou mais de 1 milhão de hectares de soja na safra 2019/2020

Dados da ARC Mercosul apresentaram um crescimento de 5,8% na área plantada da soja no Maranhão

Dados publicados sexta-feira (3), pela consultoria ARC Mercosul, referência mundial em análises do mercado agrícola, apresentaram um crescimento de 5,8% na área plantada da soja no Maranhão, que passou de 0,99% milhões de hectares na safra 2018/19 para 1.05% na safra 2019/20.

O aumento está ligado aos estímulos do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc) ao segmento econômico, com redução de impostos, valorização do produtor, desburocratização nos processos de atividades ambientais, além da própria condição natural do Maranhão na produção dos grãos e da contribuição da conjuntura econômica mundial.

Entre 17 unidades da federação estudadas, o Maranhão apresentou o 8º crescimento. A região Nordeste ficou com a quarta colocação. Além do Maranhão, participaram da pesquisa os estados de Roraima, Rondonia, Acre, Pará, Tocantins, Piauí, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Norte.

Pelo fato do Maranhão ser um dos estados com destaque na produção de soja no Brasil, contribuindo para a consolidação do país como um dos principais players do agronegócio mundial, em 2017, o governador Flávio Dino assinou um decreto que reduz de 12% para 2% o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para a produção de soja, milho, milheto e sorgo.

De acordo com dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), a soja é um dos principais produtos exportados do Maranhão. Em 2019, o valor das exportações da soja mesmo triturada, registra mais de US$ 739 milhões. Para tanto, o Estado conta com uma localização privilegiada e com um complexo portuário e terminais integrados a malhas ferroviárias importantes para estimular o desenvolvimento regional.

Luciano Huck se aproxima da centro-esquerda no Nordeste

Luciano Huck e os governadores do Ceará, Maranhão e Pernambuco

Estadão

O encontro recente de Luciano Huck com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), não pode ser entendido como fortuito ou isolado, dizem interlocutores do apresentador.

Huck busca intensificar diálogo com a esquerda para evidenciar preocupação com a desigualdade social e a educação. O virtual presidenciável se aproximou dos governadores Camilo Santana (PT-CE) e Paulo Câmara (PSB-PE), considerados “moderados”.

No último semestre, Huck teve entre suas prioridades encontros com lideranças de esquerda do Nordeste. Os três se conheceram num evento da Fundação Lemann sobre Educação, em Cingapura, no ano passado.

Auxiliares dos governadores dizem que Huck os surpreendeu positivamente. “É liberal, mas não é um Paulo Guedes”, disse um interlocutor.

A ideia do grupo político do apresentador é criar uma frente de centro que possa chegar ao segundo turno. Lá, fazer uma aliança no estilo “geringonça” portuguesa.

Até o PSOL entrou na ciranda: Huck mantém conversas com Marcelo Freixo, candidato à prefeitura do Rio de Janeiro.