Rede estadual de ensino prepara estrutura para retorno das aulas em agosto

O plano de retorno das atividades tem como foco o cumprimento dos protocolos de biossegurança.

Novo planejamento do espaço físico, implantação do ensino chamado ‘híbrido’ e revezamento de estudantes são algumas das medidas da rede estadual de ensino para retorno das aulas presenciais. A proposta é um retorno gradual com a adoção de medidas sanitárias e cumprimento de protocolos de biossegurança na proteção contra o coronavírus. O anúncio feito pelo governador Flávio Dino prevê a volta das atividades escolares em agosto.

O plano de retorno das atividades tem como foco o cumprimento dos protocolos de biossegurança. As medidas e reformulações foram definidos em amplo diálogo da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e setores da saúde. Todo o planejamento pode ser revisto conforme o cenário, segundo explica a secretária adjunta de Gestão da Rede de Ensino e da Aprendizagem da Seduc, Nadya Dutra. 

“Essa data de retorno é uma referência, para a qual nos preparamos, mas sempre está passível de análise, considerando o próprio cenário de pandemia. Sabemos que o Maranhão tem avançado no controle do coronavírus, mas, sabemos que o momento requer ainda nosso cuidado e atenção. A escola será estratégica para que o Estado siga combatendo a doença, no sentido de cumprir os protocolos e garantir um ano letivo seguro”, pontua a secretária adjunta.

Os protocolos incluem uso universal de máscara; rotina de assepsia e higienização dos ambientes e comunidade escolar; nova rotina de entrada e saída de estudantes; e remodelamento de rotinas diárias no que se refere à alimentação escolar e número de alunos por turma, respeitando o distanciamento orientado pelos órgãos de referência.

O objetivo, segundo a gestora, é que esse plano sirva de base para a organização e execução do planejamento pedagógico, que compreende a combinação de atividades presenciais e não-presenciais e o rodízio de estudantes. “É um novo modelo que estamos chamando de ensino híbrido. Uma recomendação cumprida no mundo inteiro e que observamos a aplicação prática em outros países”, diz.

Ritmo de contágio da Covid-19 permanece há um mês abaixo de um 1 na capital

De acordo com a Plataforma Farol Covid, na capital maranhense, desde o dia 31 de maio o ritmo de contágio segue abaixo de 1

O ritmo de contágio da Covid-19 continua em retração na capital e no Estado do Maranhão. Atualmente, ambos se encontram abaixo de 1, ou seja, cada pessoa contaminada está transmitindo a doença para menos de uma pessoa, comprovando o resultado das medidas assertivas executadas pelo Governo para conter o avanço do novo coronavírus no estado. 

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, destaca que os meses de março, abril e maio foram meses muito complicados, onde o ritmo de contágio chegou a 3. “Hoje é importante entendermos que o nosso ritmo de contágio está abaixo de um, nós estamos vindo há pelo menos três ou quatro semanas, seja em São Luís ou no Maranhão, diminuindo bastante a curva de transmissão da doença. Vamos continuar fazendo testagem, estabelecendo medidas de vigilância e ampliando nossa capacidade hospitalar, para garantir atendimento e não permitir o colapso no nosso sistema de saúde”, ressalta. 

De acordo com a Plataforma Farol Covid, na capital maranhense, desde o dia 31 de maio o ritmo de contágio segue abaixo de 1 e nesta quinta-feira (02) encontra-se entre 0.7 e 0.8. Já o Maranhão também está há 24 dias com o ritmo de contágio está abaixo de 1 e hoje registra a taxa entre 0.8 a 0.9. Ambos os índices são considerados bons e com tendência de estabilização segundo a Plataforma. 

“Isso não quer dizer que estejamos aliviados, pelo contrário, continuamos em alerta. É possível que aconteça o aumento dos casos, se a população não continuar tomando os devidos cuidados, como o uso de máscaras, o distanciamento social e a higienização das mãos com água e sabão ou álcool em gel. Medidas que precisam ser mantidas mesmo com o retorno das atividades econômicas do Estado”, alerta o secretário da Saúde, Carlos Lula. 

Outro dado disponibilizado pela Plataforma é a taxa de subnotificação. Nesse quesito, de acordo com os dados divulgados nesta quinta-feira (2), o Maranhão se destaca entre os estados que mais testam e diagnosticam pessoas com a Covid-19. A cada 10 pessoas doentes, 7 são diagnosticadas. Um índice considerado bom e que deixa o estado como 11º colocado no ranking nacional, com 83.256 casos confirmados e 169.126 testes realizados.  

Congresso adia eleições 2020 para 15 de novembro

A PEC aprovada pelo Congresso adia o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro.

O Congresso Nacional aprovou a proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera as datas do calendário eleitoral deste ano em razão da pandemia do novo coronavírus.

O calendário inicial, definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em dezembro do ano passado, previa o primeiro turno em 4 de outubro, e o segundo, em 25 de outubro. A PEC aprovada pelo Congresso adia o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro.

O adiamento foi debatido pelo Congresso em audiências com especialistas e integrantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Veja abaixo as datas do calendário eleitoral deste ano:

– A partir de 11 de agosto: emissoras ficam proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena de cancelamento do registro do beneficiário;

– 31 de agosto a 16 de setembro: período destinado às convenções partidárias e à definição sobre coligações;

– 26 de setembro: prazo para registro das candidaturas;

– A partir de 26 de setembro: prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e representação das emissoras de rádio e TV para elaborarem plano de mídia;

– Após 26 de setembro: início da propaganda eleitoral, também na internet;

– 27 de outubro: prazo para partidos políticos, coligações e candidatos divulgarem relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (Fundo Eleitoral), os recursos em dinheiro e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados;

– 15 de novembro: primeiro turno da eleição;

– 29 de novembro: segundo turno da eleição;

– Até 15 de dezembro: para o encaminhamento à Justiça Eleitoral do conjunto das prestações de contas de campanha dos candidatos e dos partidos políticos, relativamente ao primeiro turno e, onde houver, ao segundo turno das eleições;

– Até 18 de dezembro: será realizada a diplomação dos candidatos eleitos em todo país, salvo nos casos em que as eleições ainda não tiverem sido realizadas.