Veja a lista dos 216 prefeitos eleitos do Maranhão

Eleições foram realizadas neste domingo, 15 de novembro, em todo o país

Após uma apuração lenta e marcada por muita demora na contabilização dos números, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disponibilizou os resultados das eleições nos 217 municípios do Maranhão. Em São Luís, haverá segundo turno entre os candidatos do Podemos, Eduardo Braide, e Republicanos, Duarte Júnior.

Abaixo, confira a lista, por ordem alfabética, dos candidatos eleitos nos 216 municípios, onde a eleição se define sem segundo turno por terem menos de 200 mil eleitores.

Confira a lista dos prefeitos eleitos em 2020:

Açailândia – Aluísio (Republicanos)

Afonso Cunha – Arquimedes Barcelar (PDT)

Água Doce do Maranhão – Thalita Dias (MDB)

Alcântara – Padre William (PL)

Aldeias Altas – Kedson (PL)

Altamira do Maranhão – Ileilda do Queijo (PDT)

Alto Alegre do Maranhão – Nilsilene do Liorne (PL)

Alto Alegre do Pindaré – Fufuca (PP)

Alto Parnaíba – Itamar Vieira (PDT)

Amapá do Maranhão – Nelene Gomes (PDT)

Amarante do Maranhão – Vanderly do Comércio (Patriota)

Anajatuba – Helder Aragão (MDB)

Anapurus – Professora Vanderly (PCdoB)

Apicum-Açu – Zequinha RIbeiro (PSC)

Araguanã – Flávio Amorim (PL)

Araioses – Luciana Trinta (PCdoB)

Arame – Pedro Fernandes (PTB)

Arari – Rui Filho (PTB)

Axixá – Sonia Campos (PDT)

Bacabal – Edvan Brandão (PDT)

Bacabeira – Fernanda Gonçalo (PMN)

Bacuri – Dr. Washington (PSC)

Bacurituba – Letícia de Siba (PSD)

Balsas – Dr. Erik (PDT)

Barão de Grajaú – Claudimê (PSD)

Barra do Corda – Rigo Teles (PL)

Barreirinhas – Dr. Amílcar (PCdoB)

Bela Vista do Maranhão – Augusto Filho (PL)

Belágua – Herlon Costa (PSC)

Benedito Leite – Ramon Barros (PCdoB)

Bequimão – João Martins (MDB)

Bernardo do Mearim – Junior Xavier (PDT)

Boa Vista do Gurupi – Dilcilene Oliveira (PL)

Bom Jardim – Cristiane Varão (PL)

Bom Jesus das Selvas – Fernando Coelho (PDT)

Bom Lugar – Marlene Miranda (PCdoB)

Brejo – Zé Farias (PDT)

Brejo de Areia – Chico Eduardo (DEM)

Buriti – Arnaldo Cardoso (PL)

Buriti Bravo – Luciana Leocadio (PCdoB)

Buriticupu – João Carlos (Patriota)

Buritirana – Tony Brandão (PDT)

Cachoeira Grande – Cesar Castro (PL)

Cajapió – Dr. Marcone (DEM)

Cajari – Dra. Maria Félix (PDT)

Campestre do Maranhão – Fernando Bermuda (PSB)

Cândido Mendes – Facinho (PL)

Cantanhede – Zé Martinho (PDT)

Capinzal do Norte – André Portela (PCdoB)

Carolina – Dr. Erivelton (PL)

Carutapera – Dr. Airton (Solidariedade)

Caxias – Fabio Gentil (Republicanos)

Cedral – Fernando Cuba (Republicanos)

Central do Maranhão – Fechinha (Republicanos)

Centro do Guilherme – Zé de Dário (PL)

Centro Novo do Maranhão – Junior Garimpeira (PP)

Chapadinha – Belezinha (PL)

Cidelândia – Fernando Teixeira (PP)

Codó – Dr. Zé Francisco (PSD)

Coelho Neto – Bruno Silva (PP)

Colinas – Valmira Miranda (Republicanos)

Conceição do Lago-Açu – Alexandre Lavepel (PL)

Coroatá – Luis da Amovelar Filho (PT)

Cururupu – Aldo Lopes (PSB)

Davinópolis – Raimundo Coquinho (Avante)

Dom Pedro – Galego Mota (Solidariedade)

Duque Bacelar – Flávio Furtado (PDT)

Esperantinópolis – Aluisinho (PTB)

Estreito – Leo Cunha (PL)

Feira Nova do Maranhão – Luiza Coutinho (PSD)

Fernando Falcão – Raimundo do Josemar (PDT)

Formosa da Serra Negra – Cirineu Costa (PL)

Fortaleza dos Nogueiras – Natanzinho (PP)

Fortuna – Sebastião (PTB)

Godofredo Viana – Sissi Viana (Republicanos)

Gonçalves Dias -Toinho Patioba (DEM)

Governador Archer – Professora Leide (PDT)

Governador Edison Lobão – Professor Geraldo Braga (PCdoB)

Governador Eugênio Barros – Chiquinho do Banco (PDT)

Governador Luiz Rocha – Zezão (PSDB)

Governador Newton Bello – Roberto do Posto (PL)

Governador Nunes Freire – Josimar da Serraria (PSB)

Graça Aranha – Bira (PDT)

Grajaú – Mercial Arruda (MDB)

Guimarães – Osvaldo Gomes (PDT)

Humberto de Campos – Luis Fernando (DEM)

Icatu – Walace (Republicanos)

Igarapé do Meio – Almeida (PL)

Igarapé Grande – Erlanio Xavier (PDT)

Imperatriz – Assis Ramos (DEM)

Itaipava do Grajaú – Junior do Posto (PDT)

Itapecuru Mirim – Coroba (PSB)

Itinga do Maranhão – Lucio (PSDB)

Jatobá – Robertinho (PTB)

Jenipapo dos Vieiras – Arnobio do Carro Velho (PDT)

João Lisboa – Vilson Soares (PDT)

Joselândia – Raimundo Zuca (PDT)

Junco do Maranhão – Antonio Filho (PCdoB)

Lago da Pedra – Maura Jorge (PSDB)

Lago do Junco – Edina Fontes (PDT)

Lago dos Rodrigues – Valdemar da Serraria (DEM)

Lago Verde – Alex Almeida (PP)

Lagoa do Mato – Dr. Alezandre Duarte (PP)

Lagoa Grande do Maranhão – Neres Policarpo (MDB)

Lajeado Novo – Ana Léa (PDT)

Lima Campos – Dirce do Jailson (PDT)

Loreto – Germano Coelho (Republicanos)

Luís Domingues – Gilberto Braga (PSDB)

Magalhães de Almeida – Nonato Carvalho (MDB)

Maracaçumé – Tio Gal (PL)

Marajá do Sena – Lindomar Araújo (DEM)

Maranhãozinho – Deusinha (PL)

Mata Roma – Besaliel (PDT)

Matinha – Linielda de Eldo (PCdoB)

Matões – Ferdinando Coutinho (DEM)

Matões do Norte – Solimar (PDT)

Milagres do Maranhão – José Augusto (Republicanos)

Mirador – Domingas Cabral (Republicanos)

Miranda do Norte – Angelica (PL)

Mirinzal – Amaury (PP)

Monção – Claudia Silva (PL)

Montes Altos – Domingos França (PTB)

Morros – Paraiba (PL)

Nina Rodrigues – Rodrigues da Iara (PDT)

Nova Colinas – Josa (PCdoB)

Nova Iorque – Daniel Castro (PL)

Nova Olinda do Maranhão – Iracy Weba (PP)

Olho d’Água das Cunhãs – Glauber Azevedo (PCdoB)

Olinda Nova do Maranhão – Conceição (PDT)

Paço do Lumiar – Paula da Pindoba (PCdoB)

Palmeirândia – Edilson da Alvorada (Republicanos)

Paraibano – Vanessa Furtado (PTB)

Parnarama – Raimundo Silveira (PROS)

Passagem Franca – Marlon Torres (PTB)

Pastos Bons – Enoque Mota (PTB)

Paulino Neves – Raimundinho Lidio (Republicanos)

Paulo Ramos – Adailson Machado (PP)

Pedreiras – Vanessa Maia (Solidariedade)

Pedro do Rosário – Toca Serra (PCdoB)

Penalva – Ronildo Campos (PP)

Peri Mirim – Heliezer do Povo (PCdoB)

Peritoró – Dr. Junior (PP)

Pindaré-Mirim – Alexandre Colares (Republicanos)

Pinheiro – Luciano Genésio (PP)

Pio XII – Aurelio da Farmacia (PL)

Pirapemas – Fernando Cutrim (Republicanos)

Poção de Pedras – Francisco Pinheiro (PDT)

Porto Franco – Deoclides Macedo (PDT)

Porto Rico do Maranhão – Aldo Brown (PL)

Presidente Dutra – Raimundo da Audiolar (Republicanos)

Presidente Juscelino – Dr. Pedro Ramos (PL)

Presidente Médici – Dr. Caçula Coelho (Republicanos)

Presidente Sarney – Valéria (PCdoB)

Presidente Vargas – Fabiana (PDT)

Primeira Cruz – Nilson do Cassó (Republicanos)

Raposa – Eudes Barros (PL)

Riachão – Ruggero Felipe (Patriotas)

Ribamar Fiquene – Ciciflan (PDT)

Rosário – Calvet Filho (PSC)

Sambaíba – Fatima Dantas (PP)

Santa Filomena do Maranhão – Salomão (PP)

Santa Helena – Zezildo Almeida (PTB)

Santa Inês – Felipe dos Pneus (Republicanos)

Santa Luzia – França do Macaquinho (PP)

Santa Luzia do Paruá – Vilson Ferraz (PL)

Santa Quitéria do Maranhão – Samia Moreira (MDB)

Santa Rita – Dr. Hilton (PMN)

Santana do Maranhão – Marcio Santiago (PL)

Santo Amaro do Maranhão – Leandro Moura (PCdoB)

Santo Antônio dos Lopes – Bigu de Oliveira (PDT)

São Benedito do Rio Preto – Wallas Rocha (PSC)

São Bento – Dino Penha (PL)

São Bernardo – João Igor (PDT)

São Domingos do Azeitão – Júnior do Posto (Republicanos)

São Domingos do Maranhão – Kleber Tratorzão (PP)

São Félix de Balsas – Marcio Pontes (PCdoB)

São Francisco do Brejão – Ronei Alencar (PSL)

São Francisco do Maranhão – Adelbarto (PCdoB)

São João Batista – Mecinho (PSC)

São João do Carú -Peteca (Republicanos)

São João do Paraíso – Beto Regis (PCdoB)

São João do Soter – Josa (Republicanos)

São João dos Patos – Dr. Alexandre (PTB)

São José de Ribamar – Dr Julinho (PL)

São José dos Basílios – Farinha Paé (Republicanos)

São Luís Gonzaga do Maranhão – Dr. Junior (PDT)

São Mateus do Maranhão – Ivo Rezende (PSC)

São Pedro da Água Branca – Marília Gonçalves (PTB)

São Pedro dos Crentes – Dr Lahesio Bonfim (PSL)

São Raimundo das Mangabeiras – Accioly Cardoso (PSD)

São Raimundo do Doca Bezerra – Seliton Miranda (PDT)

São Roberto – Danielly Trabulsi (PTB)

São Vicente Ferrer – Adriano Freitas (DEM)

Satubinha – Santos Franklin (PL)

Senador Alexandre Costa – Dr. Orlando (PCdoB)

Senador La Rocque – Professor Bartolomeu (Republicanos)

Serrano do Maranhão – Val Cunha (PL)

Sítio Novo – Antonio Coelho (PDT)

Sucupira do Norte – Marcony (Cidadania)

Sucupira do Riachão – Walter Azevedo (DEM)

Tasso Fragoso – Dr. Roberth (Republicanos)

Timbiras – Dr. Antonio Borba (Patriota)

Timon – Dinair Veloso (PSB)

Trizidela do Vale – Dr. Deibson Bale (PDT)

Tufilândia – Vilde (PL)

Tuntum – Fernando Pessoa (Solidariedade)

Turiaçu – Edesio Cavalcanti (Republicanos)

Turilândia – Paulo Curió (PTB)

Tutóia – Diringa (PDT)

Urbano Santos – Professor Clemilton (PSC)

Vargem Grande – Carlinhos Barros O CB (PCdoB)

Viana – Carrinho (PL)

Vila Nova dos Martírios – Jorge Vieira (PL)

Vitória do Mearim – Nato da Nordestina (PL)

Vitorino Freire – Luanna (DEM)

Zé Doca – Josinha Cunha (PL)

Segundo turno em São Luís será entre Eduardo Braide e Duarte Jr

Braide e Duarte Jr farão segundo turno em São Luís
Braide e Duarte Jr farão segundo turno em São Luís

Contrariando todas as últimas pesquisas de intenções de voto, os candidatos do Podemos, Eduardo Braide, e do Republicanos, Duarte Júnior, vão disputar o segundo turno das eleições em São Luís. Ao final da contagem 100% concluída, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que o primeiro ficou com 37,8%; e o segundo, com 22,15% dos votos válidos.

O deputado Neto Evangelista ficou em terceiro lugar com 16,24%, seguido do candidato do PCdoB, Rubens Jr, com 10,58%, Bira do Pindaré com 4,30%, Sílvio Antônio com 3,14%, Jeisael Marx com 2,76%, Yglésio Moysés com 1,92%, professor Franklin com 0,68% e Hertz Dias com 0,42%.

O segundo turno, que será o mais curto da história do país, está marcado para 29 de novembro. Daqui a 14 dias.

De acordo com a regra, o intervalo para realização do segundo turno costuma variar entre três semanas (como ocorreu nas eleições municipais de 2012) a quatro semanas (caso da votação de 2016).

Possível ataque de hacker faz TSE desligar servidor e apuração fica mais lenta

Apuração do TSE segue lenta, como nunca visto antes

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, confirmou que uma das causas da lentidão observada tanto no sistema do aplicativo e-Título, como na apuração de votos em várias cidades brasileiras, são consequências de medidas tomadas pelo órgão para prevenir a invasão de ataques cibernéticos, neste domingo (15).

Um dos servidores do Tribunal chegou a ser desligado, para garantir a segurança e a confiabilidade das eleições. Mesmo com assim, houve uma tentativa de derrubada do sistema do tribunal neste domingo. Segundo o ministro, o ataque foi totalmente neutralizada pelo TSE com a ajuda de empresas de telefonia.

Segundo o ministro, a origem da investida teria sido provavelmente de fora do país e “com um grande volume de tentativas”, mas não entrou em maiores detalhes. Sobre a instabilidade do aplicativo do TSE, Barroso disse que, por conta da invasão da rede do STJ (Superior Tribunal de Justiça) na semana passada, o TSE resolveu desligar um de seus dois servidores da rede.

A medida, que era para reforçar a segurança do sistema do tribunal, acabou causando sobrecarga no sistema. Mais cedo, o ministro havia atribuído o problema à instalação do aplicativo das eleições aos eleitores “que deixaram para baixar em cima da hora”.

“Obviamente, houve um subdimensionamento ou problema técnico, sobretudo causado pelo desligamento de um dos servidores, uma coisa que não queria que tivesse acontecido, mas ocorreu. Tivemos uma dificuldade e vamos consertar já para o segundo turno”, disse.

Antes de reforçar a segurança, o TSE relatou que sofreu um ataque a dados pessoais de servidores, depois da invasão ao STJ. O caso ainda está sob investigação.

Othelino vota em São Luís e destaca força do voto para o pleno exercício da cidadania

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), votou, por volta do meio-dia, na 3ª Zona Eleitoral, que funciona na UEB Dr. Oliveira Roma, no Recanto do Vinhais, em São Luís. Após confirmar seu voto na urna eletrônica, o chefe do Parlamento Estadual falou da importância do momento para a consolidação da democracia e o pleno exercício da cidadania.

“O dia da eleição é sempre um momento especial, pois é a oportunidade que temos de escolher os representantes que vão definir os novos rumos da cidade. Por isso, é uma decisão muito importante e que deve ser tomada com consciência e responsabilidade”, salientou Othelino, que ainda encontrou o deputado federal Márcio Jerry, presidente estadual do PCdoB, na seção onde os dois parlamentares votam.

O chefe do Legislativo maranhense levou poucos segundos para votar, tomando todos os cuidados sanitários devido à pandemia do novo coronavírus. Depois, desejou bom voto a todos, ressaltando o poder que este ato tem na vida das pessoas.

“O voto é algo que precisa ser vivido por todos os cidadãos porque este é o poder que nós conquistamos para escolher aquilo que queremos ao nosso país e a nossa cidade. O que decidimos hoje vai impactar em nossas vidas, nos próximos quatro anos. Exatamente por isso, temos que fazer isso com muita consciência”, frisou o deputado, acrescentando ainda que é, por meio do voto, que a democracia é exercida em sua plenitude.

Eleições – Confira o que pode e não pode ser feito neste domingo

Neste domingo (15), 147,9 milhões de eleitores de todo o país, com exceção do Distrito Federal, vão às urnas no primeiro turno da eleição em que serão escolhidos os novos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores de seus municípios. O segundo turno ocorre em municípios com mais de 200 mil eleitores, quando nenhum dos candidatos a prefeito obtém, no primeiro turno, mais da metade dos votos válidos.

Mas você sabe o que pode e o que não pode no dia das eleições? A Resolução no 23.610/2019 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Lei nº 9.504/1997 esclarecem as regras.

Saiba o que pode e o que não pode nestas eleições.

No dia da votação, é permitido o uso de bandeiras, broches, adesivos e camisetas com foto e número de candidato, desde que como manifestação individual e silenciosa da preferência. 

O eleitor pode levar para a cabine de votação uma “cola” com os números dos candidatos escolhidos. A legislação também permite a manutenção da propaganda que tenha sido divulgada na internet antes do dia da eleição.

Ainda no dia da votação é permitido que, nos crachás dos fiscais partidários, constem o nome e a sigla do partido político ou da coligação a que sirvam, mas é proibida a padronização do vestuário.

O que não pode

Pela legislação eleitoral, no dia da votação, é proibido divulgar qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de candidatos.

Também não são permitidas, até o término do horário de votação, aglomerações de pessoas portando vestuário padronizado ou instrumentos de propaganda; caracterização de manifestação coletiva, além de abordagem, aliciamento, utilização de métodos de persuasão ou convencimento e distribuição de camisetas. Tais manifestações são proibidas com ou sem uso de veículos.


Também constam na lista de proibições o uso de alto-falantes, amplificadores de som; a realização de comícios, carreatas e o uso de qualquer veículo com jingles; a arregimentação de eleitores ou a propaganda de boca de urna; o derrame de santinhos e outros impressos nas seções eleitorais ou nas vias próximas, ainda que realizado na véspera da eleição e a publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdo na internet, podendo ser mantidos em funcionamento as aplicações e os conteúdos publicados anteriormente.