A sucessão de Flávio Dino, os apressadinhos de plantão e a corrida pelo Senado…

Flávio Dino ainda não está preocupado com os adversários, quanto mais com quem será seu vice

Nem bem chegou o período para as mudanças de partido e com 2017 ainda no início, apressadinhos de plantão se encarregam de plantar boatos sobre a indicação do candidato a vice-governador em uma chapa encabeçada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que deve brigar pela sua reeleição em outubro de 2018. Tem gente querendo comer o lanche antes do recreio ou colocar a carroça à frente do jumento. A antecipação desse processo é desnecessária no momento.

Por enquanto, o que vem surgindo não passa de boatos e especulações. Na verdade, essa história do vice ainda não está nem entre as discussões do momento, já que o governador não sabe ao certo nem quem serão os prováveis candidatos numa eventual disputa em 2018. No momento, parece-me bobagem a antecipação desse debate.

Se essa discussão do vice para Flávio Dino ainda é precoce, corre solta mesma é a articulação visando às duas vagas no Senado. O deputado federal Weverton Rocha (PDT) se movimenta bem desde agora e antecipou a briga nos bastidores que antecedem a eleição de outubro de 2018.

Já se sentem aptos ao páreo também o deputado federal Zé Reinaldo Tavares (PSB), eterno candidato ao Senado, a deputada federal Eliziane Gama (PPS), que saiu com poder político reduzido das urnas nas eleições municipais passadas, saindo da posição de favorita para um amargo e insignificante quarto lugar…

Zé Reinaldo tem dito que disputará vaga no Senado0000

E por falar em Eliziane Gama, a deputada deve botar a cabeça para raciocinar. Se quiser pensar em sobreviver politicamente, é bom que comece a se rearticular para tentar voltar à Assembleia Legislativa e m traçar novos voos com vistas ao Executivo municipal. Teimosa e desorganizada, ela vem se isolando e se distanciando, cada vez mais, do eleitorado.

Quem também vem se postulando a disputar o Senado, porém sem muito eco, é o candidato a quase tudo, deputado estadual Wellington do Curso (PP), o divertido “WC”. Na verdade, ele atira para todo lado, mas o caminho mais coerente para o parlamentar, já que tem intenção de continuar tentando chegar ao executivo municipal, é disputar a reeleição. Se for brigar pela Câmara Federal poderá está seguindo o mesmo caminho do isolamento, feito por Eliziane Gama.

E para fechar a análise sobre a antecipação da disputa pelo Senado, o pré-candidato mais cômico é o deputado federal Waldir Maranhão (PP). Com pouco espaço na cena política, depois de ter vivido patacoadas nacionais e de ter seu nome envolvido em escândalos, ele também se diz no páreo para o Senado. Resta saber com quem ele está contando para tal.

Melhor saída para Waldir Maranhão seria tentar uma vaga na Assembleia Legislativa. Pelo andar da carruagem, disputar a reeleição para ele também é arriscado, devido ao desgaste que sofreu no último ano.

Ainda dentro do debate das figuras cômicas, o também candidato a quase tudo, prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, ainda no PCdoB, também se coloca como um nome disposto a brigar pelo Senado. Resta saber também com o apoio de quem.

No mais, muita água passará por debaixo da ponte até 2018. É só aguardar.

1 pensou em “A sucessão de Flávio Dino, os apressadinhos de plantão e a corrida pelo Senado…

  1. O maranhense precisa aprender a votar porque destes postulantes a reeleição nenhum deles merecem ser reeleger, a começar do desgovernador Flávio Dino que de tanto condenar certas práticas do desgoverno de Roseana acabou caindo nos mesmo erros, a verdade é uma enquanto só se está nos bastidores é uma coisa depois que passa a ser protagonista aí se dança conforme a música do momento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *