Alianças e definição de vices de pré-candidatos ao governo do Maranhão pautarão debates neste mês de janeiro

O mês de janeiro, finalmente, chegou e, para além de se firmarem as diversas pré-candidaturas ao governo que aí estão, há ainda o processo de escolha dos vices que disputarão com os titulares o comando do governo do Estado em 2022. Essa corrida se intensifica e uma das prioridade é atrair partidos fortes com nomes viáveis e populares entre eleitores e, claro, lideranças políticas, além de vantagens, como horário eleitoral, etc. O interesse comum é somar, agregar…

Os pré-candidatos Weverton Rocha (PDT) e Carlos Brandão (Sem partido) são os principais nomes na corrida e tendem a unir lideranças políticas em torno dos seus nomes, a fim de obterem êxito nessa disputa. Em se tratando de política, as possibilidades são várias e algumas até bem improváveis. Mas que só o tempo irá mostrar se podem se concretizar.

No caso do senador Weverton Rocha (PDT) – que vem ganhando corpo com sua pré-candidatura movimentada – figuras políticas, certamente, terão bastante interesse em fazer parte da disputa ao seu lado. Isso, claro, pelos números crescentes nas últimas pesquisas e agregação de fortes lideranças políticas, que sugerem uma real possibilidade de, ao final da corrida, saíram-se bem das urnas.

Ainda não houve anúncios por parte do senador Weverton, nem de seus apoiadores nesse sentido, mas há, sim, nomes cogitados e badalados nos bastidores.

Embalado pelos números das últimos pesquisas, Weverton prepara terreno, neste mês, para intensificar sua pré-campanha e iniciar o debate sobre composição majoritária em sua chapa.

Já o vice-governador Carlos Brandão (PSDB), que apresentou melhora de números na última pesquisa Escutec,  depois do anúncio do apoio pessoal do governador Flávio Dino (PSB), já tem a indicação de vários nomes para compor uma chapa ao seu lado como vice, a exemplo do secretário de Educação, Felipe Camarão, e do deputado estadual Zé Inácio. Apesar das especulações, ambos trabalham com projetos de eleição na Câmara Federal e reeleição na Assembleia Legislativa, respectivamente.

As hipóteses pouco prováveis dão conta de uma possibilidade de o ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, compor com Brandão, no caso de não se viabilizar para a disputa da vaga ao governo ou até optar pela Câmara Federal. Porém, Holandinha está muito bem posicionado nas pesquisas e pontuando sempre bem. Bem difícil ele desistir da corrida para apoiar o vice-governador .

Já o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PSL), que já está rompido com o governador Flávio Dino (PSB) há alguns meses, pode ser uma hipótese provável de composição com Weverton Rocha, mas também, pelo andar da carruagem, pode tentar sua reeleição ao parlamento federal e negociar um posto mais alto para a sua esposa, Detinha, deputada estadual, em uma chapa encabeçada pelo PDT.

A dança das cadeiras está lançada e janeiro é o início da corrida para as definições que evidenciarão o cenário real da disputa pela cadeira número 01 do Palácio dos Leões.

Definições partidárias possíveis à vista, mas que só serão conhecidas mesmo a partir deste mês janeiro.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.