APESAR DOS PESARES – PARABÉNS, SÃO LUÍS!

São Luís, ainda com muitos problemas,
não teve o que comemorar 



São Luís, em seus 401 anos de aniversário, não merece o presente que está recebendo: abandono, buracos, sujeira, violência, praças e mercados mal cuidados, transporte de péssima qualidade, escolas e hospitais ao acaso…

Um ano após as promessas de campanha do atual prefeito, Edivaldo Holanda Jr, não veio a mudança na administração da cidade. Os buracos nas ruas e avenidas são tantos quanto os de antes.

Dez meses após sua posse, o alcaide não disse a que veio: o planejamento estratégico foi substituído por planos de trabalho que parecem mais peças de marketing, mal feitas, lançadas a cada dois meses, desde a posse. São Luís merecia ser pensada a longo prazo!

No transporte, foi-se, sem nunca ter vindo, o VLT… e não vieram o GPS, nem os corredores de transportes, nem o bilhete único… as latas-velhas continuam a perambular pelas vias, carregando, lotadas, as pessoas como se fossem gado a ser transportado. As licitações não saem, os acordos com os grandes proprietários das empresas de ônibus continuam a prevalecer sobre a gestão pública dos transportes. 

A limpeza dos terminas da integração não passaram de uma fotografia, tirada numa manhã de domingo, para o “Facebook” da Prefeitura. Ônibus novos, passando no horário certo, sem lotação estratosférica, transparência no cálculo das tarifas, tudo isso não é mais que um sonho na cidade onde dorme uma serpente encantada! A “Ilha dos Amores” merecia que suas crianças deixassem der ser humilhadas ante a situação de passar por debaixo das catracas: os estudantes da nossa cidade mereciam o Passe Livre.

O Socorrão I e o Socorrão II continuam a ser um mal exemplo de atendimento hospitalar: faltam gazes, algodão, leitos, profissionais bem remunerados. A “Cidade dos Azulejos” não merece a privatização de seu sistema de saúde. O Hospital da Criança míngua… o Hospital Dr. Jackson Lago ficou na promessa…não saiu agora, como não saiu anteriormente. São Luís merecia recuperar suas Unidades Mistas de Saúde, públicas, e não sob controle de viciadas organizações sociais!

Em nove meses de gestão, na educação, a escola em tempo integral não passou de outra fotografia em frente à uma escola municipal na Cidade Operária para o “Twitter” da Prefeitura. Não vieram as Escolas em Tempo Integral e pior: foi-se o programa do leite! A “Atenas brasileira” merecia ser referência no Ensino Fundamental!
Autor do artigo não vê diferença entre Edivaldo e Castelo

A “terra das Palmeiras onde canta o sabiá” merecia ser melhor arborizada, ver seus rios preservados e suas praias limpas. A promessa de negociar firme com a CAEMA não durou até a posse, esgotos a céu aberto e lata d´água na cabeça persistem na vida das Marias dos bairros da cidade.

Em 401 anos, fica a impressão de que o Mercado da Praia Grande, onde praticamente nasceu a cidade, era melhor cuidado quatro séculos atrás. Nossas feiras e mercados populares padecem: as promessas da campanha também não chegaram às feiras e aos mercados dos bairros da cidade. Sua triste realidade sequer vira foto no “Instagram” da Prefeitura. São Luís merecia um Mercado Central que atraísse turistas e não moscas. Merecia ter um mercado referência como tem Fortaleza, São Paulo…

Em seus quatro séculos mais um ano de existência, São Luís não merecia ser nacionalmente reconhecida como a capital cujo prefeito ganha o maior salário: 25 mil reias, 36 vezes mais do que o que ganha um trabalhador que recebe salário mínimo. 36 vezes mais, olha dessas coincidência tragicômicas da vida: o mesmo número do partido do prefeito, o 36! O “Portal da Prefeitura” na internet é mera ficção para quem quer saber os salários de seus gestores, secretários, enfim, ver cumprida a Lei de Acesso à Informação. A “ilha rebelde” merecia ser a capital mais transparente do País.

Enorme, com mais de um milhão de habitantes, São Luís não merecia crescer tão desordenadamente. As visitas do prefeito aos bairros, quando vai, não passam de imagens para o canal da Prefeitura no “YouTube”. As administrações regionais também não passaram da propaganda na TV. Cohatrac, Cidade Operária, Itaqui-Bacanga, Turu, Zona Rural, Centro, Cohab, Vinhais, São Francisco… São Luís merecia ver cumprida a lei municipal que criou suas administrações regionais!

Administrador virtual, e não gestor real, São Luís não merece o prefeito que tem. Pela ineficiência e paralelo com o anterior, o nome do prefeito é Edivaldo, mas pode chamar de Castelo!

Perdoa, Patrimônio Cultural da Humanidade, teu povo ter caído em mais uma ilusão do marketing eleitoral! Era a ansiedade por te ver, nas mãos do novo, ser melhor tratada… não deu!

Ainda assim, aceita os sinceros parabéns do teu povo que tanto te quer bem! Apesar dos pesares, feliz aniversário, São Luís!
________________________________________________

(*) Franklin Douglas – jornalista, professor e doutorando em Políticas Públicas (UFMA), escreve para o Jornal Pequeno aos domingos,  quinzenalmente. Artigo publicado no Jornal Pequeno  (edição 08/09/2013, p. 12).

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.