CASO DÉCIO SÁ: Cutrim volta a bater forte em Aluísio Mendes

Raimundo Cutrim: falhas no caso Décio

O deputado Raimundo Cutrim (PSD) acusou, no grande expediente da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (18), o secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, de, sob o manto da Delação Premiada, “liderar uma quadrilha que se dedica a inculpar inocentes e inocentar pessoas envolvidas em crimes”.


A acusação foi feita depois que o parlamentar afirmou que ainda não engoliu a tentativa de o envolverem no assassinato do jornalista Décio Sá. E garante que Aluísio Mendes tentou comprometer inocentes também em Barra do Corda, no crime em que foram assassinados um vereador e um dono de borracharia.
Cutrim ingressou, desde outubro, com uma Representação na Procuradoria Geral da Justiça solicitando que sejam apurados todos os fatos. O deputado se diz vítima de uma armação arquitetada pelo secretário Aluísio Mendes e mais três delegados. “Temos hoje, no Maranhão, um secretário de Segurança que está liderando uma quadrilha”, disparou. 

O deputado se referiu também a Gleison, o homem que teria transportado o pistoleiro Jonathan, responsável pelos disparos que ceifaram a vida do jornalista. Segundo ele, houve um acordo para retirar o nome de Gleison do inquérito desde que este o acusasse. Quanto a Fábio Capita, o capitão que seria o intermediário no assassinato de Décio, Cutrim afirmou que nunca conversou, ligou ou cumprimentou ele.
Acordo – O deputado garante também estar de posse de um áudio em que o delegado Damasceno tenta fazer acordo de Delação Premiada com Júnior Mojó para que este o implique com grilagem de terras no município de Paço do Lumiar. “Comprei o terreno, tenho os recibos e passei de vítima a autor”, declarou o parlamentar.
Para Raimundo Cutrim, o crime de Décio Sá ainda não está resolvido, pois excluíram do inquérito o nome da pessoa que informou ao pistoleiro o lugar onde ele estava quando foi assassinado. Ele indaga também porque a polícia nunca deu satisfações sobre os 40, 50 assassinatos que teriam sido cometidos pelo pistoleiro Jonathan, onde ocorreram, quando e em que Estados.
Raimundo Cutrim disse em seu discurso que o secretário Aloísio Mendes acabou com o Sistema de Segurança Pública do Maranhão. “São 640 homicídios este ano, milhares de assaltos, 100 caixas eletrônicos foram explodidos”, argumentou. 

Ele entende que é preciso modernizar o CIOPS, os CIDs, a Corregedoria, delegacias especializadas como as da Mulher, do Consumidor e do Adolescente Infrator. Para Cutrim, a Assembleia vai dar uma “Medalha de Incompetência” para o secretário Aluísio, pois até greve da PM houve em sua gestão depois de 175 anos de existência.

Fonte: Assembleia Legislativa

Postagens relacionadas

One thought on “CASO DÉCIO SÁ: Cutrim volta a bater forte em Aluísio Mendes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.