Apoio do PSL é disputado entre Duarte Júnior e Neto Evangelista e antecipa disputa de 2022

A disputa envolve também o senador Weverton Rocha, presidente estadual do PDT no maranhão e o vice-governador Carlos Brandão, o que seria uma prévia para a disputa pelo Palácio dos Leões em 2022.

O apoio do PSL, segundo partido com maior tempo de TV e rádio, está sendo disputado pelos pré-candidatos Duarte Júnior (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM), na disputa pela prefeitura de São Luís.

A disputa envolve também o senador Weverton Rocha, presidente estadual do PDT no maranhão e o vice-governador Carlos Brandão, o que seria uma prévia para a disputa pelo Palácio dos Leões em 2022.

Vale lembrar que o PSL já tinha anunciado apoio ao nome de Duarte, mas a disputa via diretório nacional começou com a entrada do DEM e PDT no jogo.

O certo é que, nesta eleição, o apoio do PSL garantirá ao nome escolhido o tão desejado tempo de campanha muito necessário na disputa.

Presidente do PSB convida Flávio Dino para se filiar ao partido

Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita

O Globo

Presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira convidou o governador do Maranhão, Flávio Dino, para se filiar ao partido. Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita, além de um fundo eleitoral mais robusto e mais tempo de televisão.

“Abri as portas do PSB para o Flávio Dino, que é um ótimo nome. Mas se ele aceitar e vier, tem que ser porque se reconhece alinhado com as propostas do partido. E não por um projeto presidencial. O nome do partido para 2022 ainda será discutido internamente”, frisou Siqueira.

Procurado, Dino afirmou que um “rearranjo” nos partidos políticos é esperado após as eleições municipais, previstas para novembro deste ano. Segundo ele, a aglutinação é uma tendência que acompanhará não só a esquerda, pois, com as mudanças nas regras eleitorais, como o fim da coligação proporcional, candidatos de partidos menores terão muita dificuldade de se eleger para a Câmara dos Deputados.

“Minha relação com o PSB vem de antes do Eduardo Campos. Fui vice-líder do bloco PSB-PCdoB na Câmara. Temos uma trajetória em comum e, por isso mesmo, te diria que, nesse processo de reaglutinação da esquerda, o PSB é um parceiro preferencial do PCdoB. Tenho uma ótima relação com o PSB, que integra o nosso governo aqui no Maranhão. É um diálogo muito provável que se estreite. No que isso vai resultar, é como o próprio Siqueira disse: ‘Temos que ver mais para frente’. Eu jamais colocaria sobre a mesa a candidatura de 2022 para ir para o PSB. Seria desrespeitoso”, afirmou Flávio.

Dino minimizou a necessidade de deixar o PCdoB (Partido Comunista do Brasil) para conseguir atrair aliados e eleitorado de centro e centro-direita. “No Maranhão, fui eleito pelo PCdoB duas vezes no primeiro turno. Em 2014, meu vice era do PSDB. Em 2018, 16 partidos me apoiaram. Eu te diria que a questão partidária não é a que decide o tamanho da aliança. O que decide o tamanho da aliança é a sua atitude”.

Dino, que tem participado de conversas públicas na internet com Lula (PT) e Ciro Gomes (PDT) — o petista e o pedetista não conversam entre si —, defende uma candidatura única da esquerda para 2022, mas, ao mesmo tempo, afirma não ver viabilidade em um nome do PT para encabeçar a chapa, como defende Lula.

“Olhando o Lula que governou o Brasil, não consigo imaginar que ele só veja esse caminho do isolacionismo. Falar em candidatura própria do PT em 2022 é só um movimento inicial, feito para resgatar a imagem do PT hoje. Mas isso não se sustenta até 2022. Seja pelo amor, seja pela dor. Contudo, o principal é compreender que, num país como o Brasil, só é possível a esquerda ganhar e governar fazendo alianças para além da esquerda”, afirma Flávio Dino.

Vale investirá R$ 2,8 bilhões no Maranhão nos próximos cinco anos

O Maranhão concentra a maior parte do plano de investimentos da Estrada de Ferro Carajás, algo em torno de R$ 19 bilhões, sendo R$ 2,8 bilhões para os próximos cinco anos. 

Nesta semana, a Vale anunciou novo investimento na capacitação do corredor logístico norte, que deverá passar de 215 milhões de toneladas por ano, para 240 milhões de toneladas por ano de minério de ferro. O Maranhão concentra a maior parte do plano de investimentos da Estrada de Ferro Carajás, algo em torno de R$ 19 bilhões, sendo R$ 2,8 bilhões para os próximos cinco anos. 

“Esses investimentos possibilitam significativa movimentação da economia tanto no estado, como nos municípios. Diversos setores da indústria, comércio e serviços serão mobilizados com a compra de materiais, contratação de serviços, geração de empregos e renda”, disse o governador Flávio Dino. 

A partir de 2024, estão em curso, investimentos para a capacitação do corredor logístico, que no Maranhão, totalizam aproximadamente US$ 590 milhões, entre adequações na ferrovia e no porto. Na ferrovia, são previstos investimentos de US$ 132 milhões em adequações de oficinas de vagões e locomotivas, além da aquisição de material rodante. No porto, são previstos investimentos de US$ 454 milhões destinados à expansão dos pátios de estocagem e aquisição de silo de embarque e recuperadora adicional. 

Outro investimento da Vale será concretizado a partir da renovação antecipada da concessão da Estrada de Ferro Carajás, com plano de investimentos voltado ao desempenho operacional da ferrovia, como locomotivas, vagões, trilhos, dormentes e ainda para sua transposição segura, como viadutos e passarelas que visam melhorar os níveis de segurança de cerca de 230 comunidades e 2,4 milhões de habitantes.

“Externamos a nossa determinação em garantir tanto a segurança dos empregados, suas famílias e comunidades, quanto a segurança das barragens e a continuidade operacional da companhia”, assegurou Luiz Osório, diretor-executivo da Vale.

Pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para cargo de vice

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Faltando pouco mais de 50 dias para o início das convenções partidárias, os pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para o cargo de vice-prefeito.

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Alguns pré-candidatos já conversam com legendas para que seja oficializado nomes para a composição da chapa majoritária, como são os caso do pré-candidato Neto Evangelista (DEM), que articula com o PDT um nome e de Rubens Júnior (PCdoB) que negocia com o Progresistas.

Eduardo Braide (Podemos), Duarte Júnior (Republicanos) e Bira do Pindaré (PSB) negociam com algumas legendas a indicação dos nomes.

Outros nomes como Jeisael Marx (Rede Sustentabilidade); Adriano Sarney (PV) e Dr. Yglésio (PROS), podem ir para a disputa com chapas “puro sangue”.

Madeira segue recebendo declarações de apoio na disputa pela Prefeitura de São Luís

Carlos Madeira segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

O ex-juiz e agora pré-candidato a prefeito, Carlos Madeira (Solidariedade), segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Nas últimas semanas, Madeira já tinha recebido a declaração de apoio oficial da deputada estadual Dra. Helena Duailibi e do vereador Afonso Manoel, além do secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela.

Agora, Madeira adere ao seu projeto, e conta com os apoios do secretário de Estado da Cultura, Anderson Lindoso e de Marlon Reis, auto da Lei da Ficha Limpa.

Todos os apoios refletem em bases distintas, o que pode significar um possível crescimento de Carlos Madeira nas pesquisas de intenções de voto.

Veja: Flávio Dino quer colocar a esquerda para conversar

O governador maranhense enxerga que seu papel, no momento, é o de tentar colocar todo mundo para conversar e deixar “a agenda do passado” para trás

Veja

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) assumiu de vez a missão de construir pontes na esquerda brasileira. Nas últimas semanas iniciou uma maratona de conversas com personagens críticos ao governo Bolsonaro – e fez lives com Lula e Ciro Gomes, a convite do PDT.

Como articulador, Dino avalia que a resistência do ex-presidente em se unir a uma “frente ampla” pró-democracia é momentânea.

“Eu acredito que agora ele está preocupado em reafirmar o PT no cenário político. É uma fase. O Lula entende que o petismo foi muito atacado. Mas vejo que ele estaria disposto, sim, à união”, disse ao Radar.

O governador maranhense enxerga que seu papel, no momento, é o de tentar colocar todo mundo para conversar e deixar “a agenda do passado” para trás.

“O ‘novo normal’ da política é que a gente precisa abandonar o passado e pensar no futuro, renunciar às divergências, que são pequenas. A gente que é do mesmo campo político sabe qual é a nossa agenda”, afirma.

Jair Bolsonaro é diagnosticado com Covid-19

De acordo com Bolsonaro, ele tomou hidroxicloroquina, remédio que vem defendendo como tratamento para a Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta terça-feira (7) que seu exame para detectar se está com Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, deu positivo.

O presidente afirmou que chegou a ter febre de 38 graus, mas que, à noite, a temperatura começou a ceder. Relatou também que sentiu mal-estar e cansaço. Ele disse que agora está se sentindo “perfeitamente bem”.

De acordo com Bolsonaro, ele tomou hidroxicloroquina, remédio que vem defendendo como tratamento para a Covid-19. Não há comprovação científica da eficácia da hidroxicloroquina para a doença.

“Estou bem, estou normal. Em comparação a ontem [segunda], estou muito bem. Estou até com vontade de fazer uma caminhada, mas não vou fazê-lo por recomendação médica, mas eu estou muito bem”, afirmou.

Bolsonaro já havia informado a apoiadores na segunda-feira (6) que estava com febre e dores no corpo e, por isso, decidiu fazer o exame. Ele também disse que fez uma radiografia e que o pulmão “estava limpo”.

O presidente tem 65 anos e faz parte da faixa etária considerada por especialistas como grupo de risco.

Ele informou que nos próximos dias vai despachar por videoconferência na residência oficial do Palácio da Alvorada e que talvez receba auxiliares para assinar documentos. Bolsonaro cancelou viagens que faria à Bahia e a Minas Gerais.

O presidente fez o anúncio do resultado do exame para a TV Brasil e mais duas emissoras. Nenhuma outra emissora foi convidada. Ao final do anúncio, ele se afastou alguns passos dos repórteres e tirou a máscara. Mostrou o rosto, disse estar “bem” e pediu cuidado aos mais idosos.

Grande São Luís e interior registram queda significativa no número de casos da Covid-19

Ao todo, o Maranhão já realizou 187.217 testes para o novo coronavírus.

O Maranhão chegou a 90.251 casos confirmados do novo coronavírus na noite de segunda-feira (6). De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SES), já são 2.250 mortos pela doença no Maranhão.

Em 24 horas, foram confirmados apenas 548 casos novos, um número que mostra a queda significativa dos casos no Estado.

Dos novos casos, 134 foram notificados na Grande Ilha, 19 em Imperatriz e 395 nas demais regiões do estado.

Os dados também mostram que 69.615 pessoas já estão curadas em todo o estado.

Ao todo, o Maranhão já realizou 187.217 testes para o novo coronavírus.

Famem reafirma importância da aplicação dos recursos especiais no combate ao Covid-19

Os recursos devem ser aplicados na atenção primária e especializada, vigilância em saúde, assistência farmacêutica, aquisição de suprimentos, insumos e produtos hospitalares.

A Federação dos Municípios do Estado do Maranhão vem a publico esclarecer sobre a aplicação dos recursos assegurados pela Portaria 1666/2020, publicada no Diário Oficial da União em 1º de junho, destinados ao enfrentamento do coronavírus. O montante é de R$ 13,8 bilhões, transferidos em parcela única, provenientes de Medidas Provisórias.

O secretário executivo da Famem, Marcelo Freitas, lembra que tais recursos não são frutos de emenda parlamentar e assinala que os repasses financeiros em sua integralidade devem ser utilizados prioritária e exclusivamente em ações de saúde no município. Freitas alerta sobre a observância da Lei no 13.979/2020 e prestação de contas sobre a aplicação dos recursos por meio do Relatório Anual de Gestão (RAG), de acordo com o que está estabelecido pela portaria.

Marcelo Freitas chama atenção ainda para as alterações da portaria 1666/2020 estão acessíveis em anexos republicados no DOU nº 124-A, de 1º-7-2020, Seção 1, Edição Extra, pág. 1, com incorreção no original. Em Nota Técnica 24/2020, a Confederação Nacional de Municípios orienta sobre a aplicação dos recursos SUS para o enfrentamento da Covid-19 e transposição e transferência de recursos – LC 172/2020.

A distribuição dos recursos para a gestão municipal obedece critérios claros, considerando índices populacionais e os valores do Piso de Atenção Básica (PAB) de 2019. Os valores são dirigidos à produção de médica e alta complexidade, segundo registro que constam nos Sistemas de Informação Ambulatorial e Hospitalar do Sistema Único de Saúde, SUS.

Os recursos, portanto, devem ser aplicados na atenção primária e especializada, vigilância em saúde, assistência farmacêutica, aquisição de suprimentos, insumos e produtos hospitalares.

Podem ser destinados ainda para o custeio do procedimento de Tratamento de Infecção pelo coronavírus, previsto na Portaria, bem como a definição de protocolos assistenciais específicos para o enfrentamento à pandemia do coronavírus.