Deputados denunciam hospital fantasma em Rosário

De acordo com o deputado Levi Pontes, a auditoria constata que no contrato existem comprovadamente crimes como atos de improbidade administrativa
De acordo com o deputado Levi Pontes, a auditoria constata que no contrato existem comprovadamente crimes como atos de improbidade administrativa

Irregularidades no processo licitatório de um hospital que deveria ter sido construído em Rosário, na gestão do ex-secretário Ricardo Murad, no Governo Roseana Sarney, dominaram a pauta da Assembleia na sessão desta terça-feira (30). Deputados governistas cobraram explicações acerca da construção do hospital de 50 leitos, onde foram pagos R$ 4,8 milhões de reais, no entanto, efetivamente, só foram medidos R$ 591.074,15 em terraplanagem.

De acordo com o deputado Levi Pontes, a auditoria constata que no contrato existem comprovadamente crimes como atos de improbidade administrativa, licitações dirigidas, pagamentos irregulares e superfaturamento. “Foram pagos R$4,8 milhões para a construção deste hospital, o que corresponde a 26% do total. E pela medida do trabalho realizado, já que passaram apenas um trator, corresponde a 3,2%”, explicou.

Levi Pontes ressaltou, em seu discurso, que o projeto foi autorizado pela Proenge, empresa criada pelo governo passado por R$ 70 milhões para fazer os projetos dos hospitais e fiscalizar as obras, e que no edital de licitação do caso de Rosário constavam exigências descabidas que restringiam a concorrência e teriam contribuído para beneficiar a empresa contratada Ires Engenharia Comércio e Representação.

A informação sobre as irregularidades foi repassada pela Força Estadual de Transparência e Controle (Fetracon), órgão criado pelo governador Flávio Dino para auxiliar nas auditorias em obras públicas pela Secretaria de Estado de Transparência e Controle.

Para o líder do Governo, deputado Rogério Cafeteira, o ex-secretário Ricardo Murad vai ter que se explicar e prestar contas sobre o pagamento do hospital e que se trata de um caso de polícia já que houve desvio de recursos públicos e inúmeras irregularidades na licitação. “Os procedimentos de auditoria não são de agora. Quem cobra também tem que pagar”, ressaltou.

Cafeteira enfatizou que a entrega do hospital de 50 leitos de Rosário estava prevista para o dia 19 de maio deste ano, mas que no local existe apenas um terreno vazio, com tapume e placas de especificação da obra, ocasionando um prejuízo de R$ 4.265.621,95 ao Estado. Segundo o parlamentar, esse rombo é apenas mais um de uma série de irregularidades do Governo passado que acarretaram em entraves para o crescimento do Maranhão.

“É importante que se ressalte esse tipo de procedimento que aconteceu, que não é o único infelizmente, foi no montante de mais de 240 milhões de reais pagos no fim do governo de forma irregular, sem a devida autorização do BNDES. Essas irregularidades causaram a paralisação das obras e prejuízo gigantesco não só à população, como às empresas que ficaram sem a possibilidade de receber”, concluiu.

Postagens relacionadas

13 thoughts on “Deputados denunciam hospital fantasma em Rosário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *