DESABAFO – "Nove amigos, noves fora nada…"

Por Jacir Moraes*

Jacir Moraes: “antes só do que mal acompanhado”

Nos últimos três anos, eu tenho passado por um processo que eu considero desconto de pecados e que Deus me perdoe. Senão, vejamos. Em conseqüência da diabetes, perdi quase que totalmente a visão (restaram apenas 5%). Depois, caí dentro de casa, quebrei o fêmur e, mais recentemente, sofri um AVC (Acidente Vascular Cerebral), o que me deixou fora de combate por todo este período, eis aí o motivo da minha ausência nos acontecimentos da cidade de São Luís.


Diante da gravidade pela qual passei, fui obrigado a me aposentar por invalidez e, para fazer este relato, contei com a colaboração da minha amiga,  jornalista Sílvia Tereza, na digitação e edição do texto. Todos esses eventos me fizeram permanecer em casa 24 horas por dia. E sem poder desenvolver a minha atividade, passei a explorar mais a minha  mente e comecei  a relembrar o passado, atento ao presente, e imaginar coisas que ainda estão inéditas. E a partir de agora, espero expressar meus sentimentos.


Antes de me aposentar, eu já estava afastado do jornal O Debate, veículo que eu fundei há 30 anos e dirigi. Por força de uma ação judicial, fui afastado da direção do periódico numa manobra capitaneada por um pequeno advogado  que se diz influente no meio jurídico, homem com mais ou menos um e vinte de estatura, apelidado de tamborete de forró ou sagüi pelas orelhas avantajadas e o corpo minúsculo.


Uma das coisas que mais me chamou atenção ao longo desses mais de três anos foi a ausência de muitos que eu pensava que eram meus amigos e cheguei à conclusão de que não os tenho. Mas fiquei a me perguntar: onde estão os meus amigos? E uma voz do subconsciente respondia: eles não existem, eles não existem, eles não existem…, seu teimoso!


Recentemente, com dificuldade, eu ensaiei umas voltinhas de carro pela cidade que está toda revirada como destroços de guerra. Diria, tudo fuçado e nada concluído ou realizado. Parei ali na antiga Praça João Lisboa, hoje propriedade dos travestis, sobre os quais nada tenho contra, saltei do carro e um velho jornaleiro se aproximou de mim e me chamou pelo meu nome: “E aí, seu Jacir, tudo bem?” E, prontamente, respondi que sim. Ele me perguntou se eu estava só. Disse que sim. Depois, indagou: “mas o que foi que houve, onde estão os famosos  amigos que te cercavam?”.  Eu então lhe disse que isso era coisa do passado e que hoje os meus amigos somados não chegam a  dois dígitos.


Cheguei a tal conclusão, depois de recorrer à matemática, ciência exata: mentalizei de um a nove, e nove noves fora nada. Ou seja, estou sozinho. Mas como diz o adágio popular: antes só do que mal acompanhado.


Com a doença da qual eu fui vítima e com a quebradeira em que eu vivo, os mui amigos desapareceram;  conto hoje apenas com três cuidadoras . Mas por isso, eu não me abato. A aposentadoria que recebo da Previdência e a providência divina me são suficientes para degustar, de vez enquando, uma dose de uísque. Agora, sozinho…



___________________________________________
* Jacir Moraes é jornalista, fundador do jornal O Debate, ex-secretário de Comunicação da Assembleia Legislativa, trabalhou 26 anos na rádio Timbira do Maranhão, foi editor do Diário Oficial do Estado e ex-presidente da Abgraf – regional Maranhão e, a partir de agora, é colaborador do Blog da Sílvia Tereza.

Postagens relacionadas

4 thoughts on “DESABAFO – "Nove amigos, noves fora nada…"

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *