Irregularidades do governo Roseana pararam obras financiadas pelo BNDES, diz Cafeteira

Rogério prosseguiu dizendo que tais irregularidades geraram, no início de 2015, uma glosa de R$ 240 milhões

Rogério prosseguiu dizendo que tais irregularidades geraram, no início de 2015, uma glosa de R$ 240 milhões

O líder do governo Flávio Dino (PCdoB) na Assembleia Legislativa, deputado Rogério Cafeteira (PSB), disse, nesta terça-feira (31), em mais um embate quente com a oposição no plenário, que durante a reunião ocorrida entre parlamentares e a Diretoria de Infraestrutura do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social) foi constatado que obras executadas no Maranhão, com recursos oriundos do financiamento da instituição, foram atrasadas ou paralisadas graças a irregularidades cometidas pelo governo Roseana Sarney (PMDB).

Rogério prosseguiu dizendo que tais irregularidades geraram, no início de 2015, uma glosa de R$ 240 milhões. A COBRAP, empresa contratada, seguindo uma exigência do BNDES, para fazer a gestão e a fiscalização desde o início do contrato, detectou que recursos que eram liberados para pagar determinadas obras já atestadas por ela, quando chegavam aos cofres do Estado, eram utilizados para pagamentos que nada tinham a ver com o contrato. Com isso, foi gerada uma cobrança do banco para que o governo do Maranhão devolvesse, no início de 2015, os R$ 240 milhões pagos irregularmente.

O líder do governo disse ainda que fez questão de perguntar se algum atraso ou paralisação era decorrente de  falha, de irregularidade, de alguma omissão ou de ação do atual governo e, segundo ele, o BNDES foi taxativo em negar isso. Segundo o deputado, a diretoria deixou claro que o governo atual tem cumprido rigorosamente o contrato sem nenhuma falha e reiterou que sobre os R$ 240 milhões, que foram glosados e cobrados dos cofres do governo do Estado do Maranhão, a gestão Flávio Dino já corrigiu falhas da administração passada em 50%.

“Hoje, o montante que era de R$ 240 milhões está em R$ 120 milhões, mas nem todas as glosas poderão ser sanadas. Alguma parte do dinheiro será perdida”, disse Cafeteira.

O deputado afirmou que existem glosas sanáveis e insanáveis e deu um exemplo de insanáveis os pagamentos de obra no período vedado, como por exemplo, o eleitoral, onde é permitido honrar obras já iniciadas, mas não as que ainda vão começar.

7 pensou em “Irregularidades do governo Roseana pararam obras financiadas pelo BNDES, diz Cafeteira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *