"O PT não deve nada a Sarney", diz ex-coordenador da campanha de Lula

Romênio Pereira disse que a opção pessoal
dele é por Flávio Dino no Maranhão
Dirigente petista admite que há espaço para apoio a Flávio Dino, mas não descarta também aliança com o PMDB no Maranhão


dirigente nacional do PT e ex-coordenador da primeira campanha vitoriosa de Luís Inácio Lula da Silva à Presidência da República, Romênio Pereira, disse, durante almoço com jornalistas no restaurante Cabana do Sol, em São Luís, na semana passada, que o partido não deve nada ao senador José Sarney, que, para a cúpula petista, é tido apenas como uma figura política do cenário nacional que faz parte da base aliada, por isso é tratado com “prestígio alto”. Ele não descartou aliança da sigla com o PMDB, no Maranhão, mas deixou claro que também há espaço para o PCdoB, leia-se Flávio Dino, e até para uma candidatura própria.

“Nossa relação com o senador Sarney, no cenário nacional, é porque ele é da base aliada ao governo da presidenta Dilma Rousseff, assim como o PCdoB que tem no presidente da Empresa Brasileira de Turismo, Flávio Dino, a sua maior chance de fazer um governador no Brasil”, disse Romênio na conversa com os jornalistas que foi, inclusive, gravada por esta editora, em que ele afirma que o PCdoB deve apoiar o candidato do PT à presidência em todos os estados brasileiros e é natural que o partido queira também uma contrapartida.

Romênio disse que o PT respeita  as bases partidárias e aliadas, mas admitiu que as discussões sobre os cenários nos estados já está, sim, acontecendo. Em relação ao Maranhão, ele reiterou que cabe aliança com o PCdoB ou com o PMDB e que a opção pessoal dele é por Flávio Dino.

Segundo o dirigente, que veio manifestar apoio ao candidato dos “resistentes”, Augusto Lobato, é justamente o processo de eleição interna direta (PED) que sinalizará para 2014. “A nova direção pode levar um nome para a instância nacional”, disse.

Na última segunda-feira (14), uma matéria do Estado de São Paulo, dando conta de uma inclinação acentuada do PT, com o aval de Lula e de Dima, por Flávio Dino causou estragos na política nacional e local. Foi preciso o presidente nacional do partido, Rui Falcão, se pronunciar para evitar um racha antecipado com o grupo Sarney no Maranhão.


Romênio critica saída de Bira e Dutra do PT


O dirigente do PT nacional, Romênio Pereira, disse, durante almoço com jornalistas, que os deputados Domingos Dutra (agora no SDD) e Bira do Pindaré (agora no PSB)  fizeram escolhas erradas, porque, segundo o petista, as duas siglas escolhidas são “conservadoras” (movimento de direita) por estarem ligadas, respectivamente, às candidaturas de Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB).

Quando informado pelos jornalistas presentes que Bira do Pindaré e Dutra foram “convidados” a sair do PT pelo vice-governador Washington Oliveira, porque não se alinhavam ao grupo Sarney, Romênio disse que o partido só tira um filiado da sigla por expulsão e que os dois deveriam ter continuado para virar o jogo.

“Ele (Bira) fez o jogo que foi mais fácil para ele. Temos que consertar os erros é nas disputas internas. Os filiados podem mudar tudo no voto.  Ele deveria ter ficado para ser vitorioso e derrotar o vice-governador”, disse Romênio.

Postagens relacionadas

One thought on “"O PT não deve nada a Sarney", diz ex-coordenador da campanha de Lula

  1. Esse Romenio esqueceu que na eleição passada eles ganharam no voto e a direção nacional anulou a eleição,e por ordem do Lula apoiaram a Roseana, eles fizeram muito bem sair desse PT, pois eram as únicos que se se salvavam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.