“Quem abandonou obra do VLT foi a administração passada”, rebate deputado

Segundo Othelino Neto, projeto do Corredor de Transporte, concebido na administração anterior, contém falhas e precisa ser revisto
VLT continua parado no Terminal da Integração
O deputado estadual Othelino Neto (PPS) rebateu, em pronunciamento na manhã desta quarta-feira (20), o discurso feito pelo tucano Neto Evangelista que acusou a administração Edivaldo Holanda Jr de um suposto abandono do Veículo Leve sobre Trilhos em São Luís. “Quem abandonou a obra foi a administração passada (ex-prefeito João Castelo). Todos sabem que ele serviu apenas de marketing eleitoral que acabou surtindo efeito contrário. Logo depois das eleições municipais de 2012, pedaços de  trilhos foram retirados e tudo foi abandonado”, disparou o parlamentar.


Othelino destacou que, na primeira reunião de secretários, Edivaldo Holanda Júnior deu um prazo de 120 dias para que a sua equipe estudasse e desse uma solução para o VLT, “porque, na verdade, o que ficou foi um problema para ser administrado pelo novo prefeito”. Na visão do parlamentar, o secretariado está ainda dentro do prazo para dar um direcionamento a essa celeuma, um problema de difícil solução, pois, tecnicamente, na forma em que foi concebido, o VLT aparenta ser totalmente inviável.


O deputado do PPS citou questões sérias como a passagem pela Barragem do Bacanga, que não foi resolvida, dentre outros problemas. “Fora isso, há alguns aspectos legais que ainda precisam ser bem avaliados, tanto que o Ministério Público tem um inquérito aberto para apurar o devido processo legal quanto ao VLT”, observou Othelino Neto.


Corredor de Transporte – Othelino informou ainda que, com relação ao Corredor de Transporte Urbano de São Luís, de fato, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior pediu à Caixa Econômica um prazo para fazer algumas adequações, pois, ao estudar o projeto, ele encontrou problemas graves que precisam ser revistos.


O primeiro deles, segundo Othelino, é de ordem física. O projeto do Corredor, concebido na administração anterior, simplesmente desconsidera que já existe a Via Expressa e a Avenida Quarto Centenário. “Ou seja, como é que se vai construir um Corredor Urbano que, em alguns trechos, passa na mesma área dessas duas avenidas? Então, teriam construções em paralelo e naturalmente um desperdício de recurso público”, analisou o parlamentar.


De acordo com Othelino, o segundo problema para a obra do Corredor é de aspecto ambiental. Na forma como foi concebido, seriam cerca de 40 hectares de mangue destruídos, mais ou menos a mesma área de mata ciliar e ainda é arriscado haver um imbróglio com a comunidade da Vila Velha do Vinhais.


“Então, esses problemas ambientais precisam ser vistos. O próprio estudo ambiental que a Prefeitura apresentou sugere que fosse avaliado um novo percurso para diminuir os impactos ambientais do Corredor de Transporte Urbano”, apontou Othelino.



Problema financeiro – Segundo Othelino Neto, há ainda um problema financeiro crônico em torno do Corredor de Transporte. Um projeto que custa algo em torno de R$ 430 milhões, o que o Governo Federal garantiu, até agora, foram R$ 56 milhões do Orçamento Geral da União, ou seja, de R$ 430 milhões apenas R$ 56 milhões estariam contemplados.


O deputado revelou ainda que outros R$ 120 milhões seriam liberados, mas os recursos ainda estão em negociação através da Caixa Econômica Federal. Segundo o parlamentar, para garantir os outros R$ 261 milhões restantes, a Prefeitura de São Luís teria que contrair um empréstimo para poder dar a contrapartida ou então compensar com os próprios recursos, o que, diante do cenário de um município com R$ 1 bilhão de dívidas, incluindo folha de pessoal, fornecedores, prestadores de serviços e folha de pagamento, um compromisso financeiro desta ordem seria absolutamente inviável.


Ao final do discurso no pequeno expediente, o deputado do PPS disse que está avaliando, como cidadão maranhense e residente em São Luís, de perto, a administração do prefeito Edivaldo Holanda Júnior. 

“Acho que ele vem fazendo o que é possível dentro desses 90 dias, principalmente porque se deparou com uma situação muito complicada e está tendo muito trabalho para reorganizar a Prefeitura e poder dar a São Luís o tratamento que ela merece e que os eleitores, que o colocaram na Prefeitura, esperam, que é realmente promover uma grande mudança e, consequentemente, mais na frente, uma grande transformação no Maranhão”, frisou Othelino.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.