TV italiana destaca os encantos dos Lençóis Maranhenses, São Luís e Alcântara

A equipe italiana veio ao Maranhão a convite do Governo do Estado para promover o destino e, assim, gerar emprego e renda para a população.

As ações para promover o turismo maranhense no Brasil e no mundo continuam dando resultado. Desta vez, foi ao ar na TV italiana um documentário de dez minutos sobre os encantos e espetáculos dos Lençóis Maranhenses, de São Luís e de Alcântara.

A equipe italiana veio ao Maranhão a convite do Governo do Estado para promover o destino e, assim, gerar emprego e renda para a população.

O documentário mostra a história, os azulejos e algumas atrações da capital maranhense. O tambor de crioula, o São João, o Bumba-Meu-Boi e o Centro Histórico têm destaque.

Sobre Alcântara, são exibidos os costumes e as tradições, além das atrações naturais.

No programa do último domingo (12), foram exibidas ainda imagens do Parque Nacional dos Lençóis e das paisagens impressionantes das dunas e lagoas. O Rio Preguiças também apareceu.

O material foi exibido pelo mais importante programa televiso de turismo da TV Italiana, o Alle Falde del Kilimangiaro. Ele vai ao ar todos os domingos.

Maranhão debate com Governo Federal plano de ação para Alcântara e região

O Governo do Maranhão apresentará o plano de ação aos membros do Governo Federal, em Brasília

Representantes do Governo Federal e do Maranhão debateram plano de ação para a cidade de Alcântara e região, na sexta-feira (6), no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

Durante a reunião, com membros de 14 secretarias estaduais e mais 14 ministérios do Governo Federal, foram apresentadas as ações governamentais após a assinatura do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST), firmado por representantes do Brasil e dos Estados Unidos (EUA), que tem o objetivo de permitir que veículos lançadores de cargas úteis comerciais de qualquer nacionalidade, que contenham equipamentos ou tecnologias norte-americanas, sejam lançadas a partir do CLA com a devida proteção das tecnologias embarcadas.

O Governo do Maranhão apresentará o plano de ação aos membros do Governo Federal, em Brasília. Segundo ele, a proposta é ampliar as políticas públicas que já promovem desenvolvimento e que estão em curso pelo Executivo Estadual.

Para tratar das demandas referentes as ações governamentais, foi criado pelo Governo Federal, o Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro (CDPEB), que constituiu um Grupo Técnico com atribuição para planejar a implementação de políticas públicas e estabelecer um plano para a consolidação do CLA. Ao atender o mercado internacional de lançamentos privados, o CLA será importante indutor de desenvolvimento para Alcântara e para o País.

Acordo sobre Base de Alcântara é publicado no Diário Oficial

Instalações do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão.

O governo publicou hoje (20) no Diário Oficial da União decreto legislativo oficializando o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas entre os governos brasileiro e dos Estados Unidos (EUA). O nome técnico designa o termo envolvendo a exploração da base espacial da cidade de Alcântara, no Maranhão, para atividades espaciais por companhias estadunidenses e as proteções que esses agentes terão no desenvolvimento de ações no local, como lançamento de foguetes e satélites.

O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) tem por meta proteger a tecnologia desenvolvida pelos países contra o uso ou cópia não autorizados. Segundo a Agência Espacial Brasileira (AEB), sem a assinatura do acordo com os EUA, nenhum satélite com tecnologia norte-americana embargada poderia ser lançado da base de Alcântara, pois não haveria a garantia da proteção da tecnologia patenteada por aquele país.

“Essa indústria já agrega muito valor e passará a ter uma importância maior agora com a aprovação do AST, que abre o Brasil para o mercado aeroespacial mundial”, afirmou o secretário-executivo adjunto do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Carlos Alberto Baptistucci, na abertura do 3º Fórum da Indústria Espacial Brasileira, ontem (19) em São José dos Campos.

O acordo foi assinado em março em Washington, mas teve de passar pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal para ser validado.

No Congresso, foram realizadas audiências públicas nas quais foram apresentadas diversas posições. As maiores polêmicas estiveram centradas não na aprovação ou não do acordo, mas nas medidas para as comunidades quilombolas da região.

Sem estudos técnicos, Roberto Rocha propõe uma ponte entre São Luís e Alcântara

Só a título de comparação, a ponte proposta pelo senador é maior do que a Rio-Niterói que mede 13.290 km

Sem ao menos ser do Executivo Estadual ou Federal, o senador Roberto Rocha (PSDB) usou suas redes sociais para propor mais uma obra fora da realidade. Desta vez, ele sugeriu uma ponte entre São Luís e Alcântara.

Isso mesmo leitores. Uma ponte de mais de 14 quilômetros entre a capital e a cidade de Alcântara.

Talvez o senador não estivesse embasado em estudados técnicos, mas a viabilidade de uma ponte que adentraria a baía por mais de 14 quilômetros é quase impossível. Só a título de comparação, a ponte proposta pelo senador é maior do que a Rio-Niterói que mede 13.290 km.

Essa não é a primeira vez que Roberto Rocha propõe uma ponte gigante sem estudos de viabilidade financeira. Na campanha para o governo do Estado em 2018, o senador propôs uma ponte que sairia do Bairro da Estiva, em São Luís, passaria por cima da Ilha dos Caranguejo, atravessaria a foz do Rio Mearim e chagaria à cidade Cajapió. Só que o eleitorado não comprou a ideia de Roberto Rocha, que acabou perdendo.

Novos cais de São Luís e Alcântara garantirão viagens 24 horas por dia

Futuro Cais de São Luís vai garantir viagens 24 horas por dia

O projeto aprovado pelo governador Flávio Dino para a construção de dois Terminais Portuários ligando São Luís à cidade de Alcântara vai mudar radicalmente o transporte entre as duas regiões. Aguardada há mais de duas décadas pela população alcantarense, a obra vai garantir o transporte de passageiros e de cargas 24 horas por dia.

O Cais da Praia Grande é o único terminal hidroviário que oferece viagens para Alcântara na capital maranhense. Atualmente, são duas viagens por dia. Com a implantação dos Terminais Portuário na Ponta d’Areia, em São Luís e do Terminal Independência, em Alcântara, estima-se a realização de 24 viagens por dia.

Futuro Cais de Alcântara vai garantir viagens 24 horas por dia

Os terminais contarão com urbanização das regiões do entorno, estacionamento, jardim, passeio, espaços para comercialização de artesanato, lanchonetes, banheiros, área de retroporto, píer e rampas de acesso móveis. Em São Luís, o Terminal da Ponta d’Areia será construído em uma área próximo ao Espigão Costeiro e contará com área de 6.954,46 m² com capacidade para sete embarcações grandes e 16 pequenas. Já o Terminal Independência construído em Alcântara será na localidade Sítio da Independência, com área construída de 4.177,52 m².

Prefeitura de Alcântara emite nota lamentando palavras polêmicas de Edilázio Júnior

Anderson Wilker emitiu nota pública para lamentar as declarações do parlamentar que atingiu, de forma perojativa, os moradores da cidade e da Baixada Maranhense.

Após a repercussão da fala polêmica do deputado federal, Edilázio Junior (PSD), o município de Alcântara, por meio do seu prefeito, Anderson Wilker, emitiu nota pública para lamentar as declarações do parlamentar que atingiu, de forma perojativa, os moradores da cidade e da Baixada Maranhense.

“É com profunda tristeza que os representantes legais do município lamentam, imensamente, a opinião emitida pelo parlamentar federal maranhense, de acordo com a qual ele seria totalmente contrário à viabilidade e construção do tão sonhado Terminal Portuário da Península, que servirá para realizar o transporte marítimo de passageiros de São Luís até o município de Alcântara. Mais lamentável ainda foi o argumento utilizado pelo parlamentar para justificar sua alegação, afirmando que o projeto é negativo porque vai trazer para a área nobre da capital um público classe C”.

“O pedido de desculpas do deputado Edilázio Júnior, apresentado à imprensa, horas depois, não afasta a repercussão desastrosa da referida manifestação que atingiu o povo de Alcântara, da Baixada e todos da parcela da nossa sociedade que não dispõem dos mesmos recursos financeiros da chamada classe A”, diz a nota em outro trecho.

Encontro vai debater futuro da Base de Alcântara nesta segunda-feira (25)


Entre as autoridades convidadas a debater o tema estão o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA), o presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB) e o prefeito de Alcântara, Anderson Araújo (PCdoB).

Um encontro entre lideranças políticas e comunitárias, marcado para esta segunda-feira (25), às 19 horas, na Assembleia Legislativa do Maranhão, irá discutir o futuro da Base de Alcântara. Entre as autoridades convidadas a debater o tema estão o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA), o presidente da Assembleia, Othelino Neto (PCdoB) e o prefeito de Alcântara, Anderson Araújo (PCdoB).

A reunião foi marcada após o governo Jair Bolsonaro assinar, na semana passada, Acordo de Salvaguardas Tecnológicas com os Estados Unidos, que permite a este país explorar comercialmente o Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA). Contudo, o inteiro teor do texto não foi divulgado, o que fez despertar preocupação dos políticos maranhenses, sobretudo da população quilombola que vive no entorno da Base.

A oposição tem sido cautelosa com o Acordo, uma vez que no espaço geográfico onde está instalado o CLA vivem centenas de quilombolas. No início dos anos 2000, um acordo semelhante foi assinado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, mas acabou sendo barrado por ferir a soberania nacional e propor, entre outros pontos, a expansão territorial da base. Na época, Bolsonaro era deputado federal e votou contra o acordo.

Em 1983, quando a base estava em construção, 312 famílias quilombolas foram deslocadas de suas terras pelo governo, sem consulta, sem indenizações ou reparo de danos sociais, culturais, políticos e econômicos.

“Um acordo dessa natureza pode ser bom para o Brasil, inegavelmente, desde que ele não atente contra a soberania nacional, que não haja uma lógica de enclave, como houve no passado, e que, além de se transformar em dividendos para a comunidade local e para o Maranhão de modo geral, ele possa significar algo importante e estratégico para a política aeroespacial brasileira. Esse é um tema que estou levando para a Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática e para o qual protocolei pedido, na última segunda, propondo a criação de uma subcomissão especial para acompanhar esse acordo de salvaguardas tecnológicas entre Brasil e Estados Unidos”, disse o deputado Márcio Jerry.

O governador Flávio Dino (PCdoB), também em declarações recentes, disse que apoia o uso inteligente da Base, mas afirmou que as regras não podem violar a soberania nacional, tão pouco desrespeitar os quilombolas de Alcântara, além de que necessariamente devem trazer contrapartidas para a região. “A exploração comercial não pode ser monopólio de um país, ou seja, a Base deve estar à disposição de todos os países que queiram usar e tenham condições para tanto. É vital, a meu entender, que se criem as condições para a retomada do Programa Espacial Brasileiro”, disse em entrevista à Revista Fórum.

O governo federal vem insistentemente divulgando que o mercado de lançamentos aeroespaciais movimentou em 2017 cerca de US$ 3 bilhões, um crescimento de mais de 16% em relação ao ano anterior, utilizando como fonte a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos. E que, ao assinar o Acordo, Bolsonaro colocaria o país em um mercado bilionário. Cauteloso, Márcio Jerry protocolou em Brasília um pedido para que Marcos Pontes, Ministro da Ciência e Tecnologia, explique o alcance desse novo acordo com os norte-americanos e a garantia da soberania nacional.

Novos terminais marítimos vão interligar São Luís a Alcântara 24 horas por dia

Os Terminais Portuários terão cais flutuantes capazes de receber embarcações, independentemente das tábuas de marés, que atualmente só permitem a navegação no período da cheia

O projeto aprovado pelo governador Flávio Dino para a construção de dois Terminais Portuários ligando São Luís à cidade de Alcântara vai mudar radicalmente o transporte entre as duas regiões.

Aguardada há mais de duas décadas pela população alcantarense, a obra vai garantir o transporte de passageiros e de cargas 24 horas por dia, para escoamento da produção, encurtando em mais de 200 quilômetros o trajeto entre São Luís e a Baixada Maranhense.

Os Terminais Portuários terão cais flutuantes capazes de receber embarcações, independentemente das tábuas de marés, que atualmente só permitem a navegação no período da cheia.

O Cais da Praia Grande, recentemente reformado pelo Governo do Maranhão, é o único terminal hidroviário que oferece viagens para Alcântara na capital maranhense. Conta com quatro embarcações, três iates e um catamarã. Atualmente, são duas viagens por dia, transportando 398 passageiros. Ou 11.935 por mês.

Os Terminais Portuários terão cais flutuantes capazes de receber embarcações, independentemente das tábuas de marés, que atualmente só permitem a navegação no período da cheia

Também há as embarcações do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) que realizam o transporte diário de 246 militares. Com a implantação dos Terminais Portuário na Ponta d’Areia, em São Luís e do Terminal Independência, em Alcântara, estima-se a realização de 24 viagens por dia, com embarcações saindo a cada 1 hora, transportando 3.312 passageiros diariamente.

Com obras de alta complexidade, os terminais contarão com urbanização das regiões do entorno, estacionamento, jardim, passeio, espaços para comercialização de artesanato, lanchonetes, banheiros, área de retroporto, píer e rampas de acesso móveis.

Em São Luís, o Terminal da Ponta d’Areia será construído em uma área próximo ao Espigão Costeiro e contará com área de 6.954,46 m² com capacidade para sete embarcações grandes e 16 pequenas.

Já o Terminal Independência construído em Alcântara será na localidade Sítio da Independência, com área construída de 4.177,52 m².

Alcântara completa 370 anos e recebe benefícios do Governo

O secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, esteve no município, representando o governador Flávio Dino

A histórica cidade de Alcântara comemorou seus 370 anos com muita festa e benefícios para a população. Neste sábado (22), o secretário de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry, esteve no município, representando o governador Flávio Dino, para garantir ações do Governo do Estado na data do aniversário da cidade.

Como parte das ações do fortalecimento da saúde e do apoio aos municípios do Maranhão, o Governo garantiu convênio, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, de R$ 1,8 milhões para a reforma do Hospital Municipal. A ordem de serviço foi assinada pelo prefeito Anderson Wilker e pelo secretário Márcio Jerry, como parte do pacote de benefícios entregues no aniversário de Alcântara.

Durante a manhã de festas e inaugurações, a Prefeitura entregou a Unidade Básica de Saúde Nayres da Cruz Rodrigues, que foi totalmente reformada e equipada para atender a população do povoado Mangueiral, e assinou ordem de serviço para a revitalização do prédio do Executivo Municipal. Também foram entregues veículos para as secretarias de Saúde, Assistência Social e Guarda Municipal.

“Hoje um dia importante para Alcântara que merecidamente recebe presentes importantes do prefeito Anderson e do governador Flávio Dino”, ressaltou Márcio Jerry, que ainda vistoriou o andamento das obras de pavimentação de ruas na sede do município.

“Sem dúvidas, o Governo do Estado tem sido um grande parceiro na construção dessa Alcântara de todos nós. Só tenho a agradecer o governador Flávio Dino por essa parceria que tem gerado bons frutos para a nossa população”, destacou o prefeito Anderson.