Governo garante recursos e Hospital Aldenora Bello continua prestando serviços

O Estado também custeará 60% das despesas operacionais do tratamento de iodoterapia – indicado para pacientes diagnosticados com câncer na tireoide – realizado pelo Hospital Aldenora Bello

O Governo do Estado garantiu, na manhã desta segunda-feira (8), recursos para a manutenção do Serviço de Pronto Atendimento (SPA), atendimento domiciliar, tratamento da dor e cuidados paliativos realizados pelo Hospital do Câncer Aldenora Bello (HCAB). O anúncio ocorreu após reuniões realizadas na sede da Secretaria de Estado de Saúde (SES), com participação de representantes do órgão estadual, do Ministério Público, da Fundação Antonio Dino (mantenedora) e deputados.

“Temos que buscar sempre o que é melhor para a população, que neste caso era a não paralisação desses serviços. Hoje, garantimos recursos para que não feche. Nos últimos anos, o Estado foi parceiro do Hospital Aldenora Bello, que não é público, mas sempre teve apoio do Governo, porque foi o primeiro a oferecer tratamento de câncer no estado”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Desde 2015, a SES celebrou convênios com o HCAB no valor total de R$ 5.250.000. Dentre eles, aquele para a compra de um acelerador linear, que ampliará o serviço de radioterapia para tratamento de pacientes oncológicos no Maranhão. Além destes, a mantenedora do hospital , Fundação Antonio Dino, recebeu R$ 3.173.718,02 do Fundo Estadual de Combate ao Câncer, para manter em funcionamento os serviços prestados pela unidade de saúde.

Othelino Neto discute aplicabilidade de lei que garante cuidados paliativos a pacientes terminais

O secretário Carlos Lula garantiu que pretende executar o projeto proposto pela equipe médica, com o amparo da lei dos cuidados paliativos. “Othelino coloca o Maranhão à frente de outros estados brasileiros no que diz respeito ao tratamento paliativo, ainda com a possibilidade de ser realizado em casa. O custo do paciente é muito maior no hospital”, ressaltou

Ao lado do secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, e da subsecretária Karla Trindade, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PC do B), discutiu, com os médios anestesiologistas João Batista Garcia e Vanise Motta, a aplicabilidade da Lei 10.584, de sua autoria, aprovada em 2017, que trata da garantia de direitos dos usuários dos serviços de saúde do estado, os chamados cuidados paliativos.

“Nossa lei dá dignidade às pessoas que utilizam o sistema e não têm mais perspectiva de cura, durante o atendimento hospitalar. Elas, agora, têm o direito de optar pelo tipo de tratamento, se quer ficar ou não na UTI, e até mesmo de estar ciente do medicamento que está sendo aplicado e, de aceitá-lo ou não. Enfim, estamos garantindo qualidade de vida melhor para pacientes com necessidade de acompanhamento médico prolongado, podendo evoluir ou não”, explicou Othelino.

Por conta da grande demanda, os médicos, referências em cuidados paliativos, apresentaram a ideia de estender o trabalho para o atendimento a domicílio, instituindo o Núcleo de Educação e Alteração em Cuidados Paliativos, com o objetivo de capacitar profissionais da saúde para acompanhar pacientes, que tenham escolhido dar continuidade ao tratamento em casa, ao lado de familiares.

Carlos Lula é reeleito vice-presidente Nordeste do Conass

“Ser reconduzido ao cargo por mais um biênio mostra que o trabalho desenvolvido na gestão passada teve bons frutos“, afirma Carlos Lula

A Assembleia do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) realizada, na manhã de quarta-feira (27), em Brasília, reelegeu o secretário de Estado de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, para a vice-presidência da Região Nordeste da entidade para a gestão 2019/2020. O gestor do Pará, Alberto Beltrame, foi eleito presidente.

“Ser reconduzido ao cargo por mais um biênio mostra que o trabalho desenvolvido na gestão passada teve bons frutos. Agora, sigo com a missão de representar o Maranhão e todo Nordeste, tendo como foco o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e na articulação de políticas públicas universais e inclusivas”, comentou Carlos Lula.

Foram eleitos, ainda, como vice-presidentes regionais Geraldo Resende (MS) para o Centro-Oeste, Fernando Máximo (RO) para o Norte, Nésio Fernandes (ES) para o Sudeste e Beto Preto (PR) para o Sul.

O Conass representa formalmente os interesses dos secretários estaduais de saúde na Comissão Intergestores Tripartite (CIT), destinada à tomada de decisão em conjunto com União e municípios, concretizando a descentralização político-administrativa do SUS.

Clayton Noleto e Carlos Lula vistoriam área do novo Socorrão de Imperatriz

A área fica na Avenida Pedro Neiva de Santana, ao lado do Hospital Macrorregional, e foi declarada de utilidade pública na última quarta-feira pelo governador Flávio Dino

Na tarde da última sexta-feira (8), o secretário de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto, e o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, visitaram a área de 130 mil m² onde serão construídos o novo Socorrão de Imperatriz, já chamado pela população de Socorrão

II, e o Centro de Ciências da Saúde da UemaSul.

A área fica na Avenida Pedro Neiva de Santana, ao lado do Hospital Macrorregional, e foi declarada de utilidade pública na última quarta-feira pelo governador Flávio Dino, quando assinou o decreto de desapropriação. A visita dos dois secretários e da equipe técnica, que vai fazer a adequação do projeto às condições do solo, foi acompanhada de lideranças políticas de Imperatriz e cidades vizinhas, que também serão beneficiadas com a nova estrutura.

“Eles vão verificar topografia e logo após licitar a construção do hospital. Essa parte de adequação do projeto acreditamos que vamos fazer em 90 dias e depois vem o período de licitação. Mas nosso objetivo é iniciar essa obra ainda este ano para Imperatriz e Região Tocantina receber este equipamento necessário para melhorar a qualidade de vida da população”, declarou o secretário de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto.

Para o Socorrão, que será administrado pelo governo do estado, será destacada uma área de 62 mil m², sendo 35 mil m² para a construção do prédio que vai abrigar 100 leitos de UTI e 300 enfermarias. “Com essa totalidade vamos conseguir suprir a demanda da região.

O investimento aproximado é de 150 milhões de reais”, disse o secretário sobre o custo da execução da obra.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, afirmou que com o novo Socorrão a cidade vai passar a ter a maior estrutura em termos de saúde. “Imperatriz passará a ter o maior hospital de interior do Nordeste com o custeio mensal de R$ 15 milhões a R$ 20 milhões, se falando em custo para funcionamento. Já iniciamos o de São Luís e vamos iniciar aqui em Imperatriz. Além da Saúde, melhora a economia, pois teremos cerca de 1000 empregos diretos neste hospital 24 horas”, afirmou.

Clayton Noleto também destacou a construção do Centro de Ciências da Saúde da UemaSul, área ao lado do novo Socorrão. A reitora da universidade, Elizabeth Nunes, considera o projeto arrojado. “É uma inovação, pois a UemaSul não tem curso na área da saúde e vendo que o curso de Medicina é o primeiro a ser montado, vai trazer mão de obra, pois teremos formação de recursos humanos para a região. E precisamos melhorar as estatísticas da saúde em nosso estado”, destacou. Os dois secretários encerraram a agenda com visita ao Hospital Macrorregional.

Flávio Dino anuncia construção do novo Hospital de Imperatriz, secretários visitam cidade nesta sexta-feira (8)

Hospital ‘Socorrinho’ de Imperatriz pegou fogo na noite de sábado (2)

Os secretários de Estado de Infraestrutura, Clayton Noleto e de Saúde, Carlos Eduardo Lula estarão em Imperatriz, nesta sexta-feira (8), às 16h, para verificar as adequações necessárias do projeto para a construção do novo hospital de Imperatriz. A ideia é adaptar, conforme as necessidades, o projeto do hospital de São Luís. O terreno fica localizado ao lado do Hospital Macrorregional Drª Ruth Noleto, na Avenida Pedro Neiva de Santana, e dispõe de um espaço aproximado de 60 mil metros quadrados.

A estimativa é que até a metade do ano o processo licitatório esteja concluído e seja emitida a ordem de serviço para início da construção. O novo hospital terá 400 leitos com capacidade para atender urgência e emergência, melhorando o atendimento da saúde na cidade. Segundo o secretário de Estado de Infraestrutura, a ideia é que a construção aconteça por etapa, de forma que a população comece a usufruir da estrutura da unidade hospitalar o mais rápido possível.

“Um hospital é enorme e o tempo de duração prevista de construção é de cerca de três anos. Mas vamos trabalhar em etapas para tentar colocar em funcionamento pelo menos uma parte do hospital”, detalhou. Somando esse hospital a outros investimentos já realizados pelo Governo do Estado – como a entrega do Macrorregional e a Casa da Gestante – com a construção do Centro de Ciências da Saúde da Uemasul, cujo o projeto está em discussão, Imperatriz caminha para a consolidação como cidade polo referência no atendimento à saúde.

Governo inicia construção do Hospital da Ilha em São Luís

No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações

O Governo do Maranhão, por meio das secretarias de Estado da Infraestrutura (Sinfra) e Saúde (Ses), deu início à construção do Hospital da Ilha, em São Luís. Além da capital, o prédio hospitalar atenderá as cidades de São José de Ribamar e Paço do Lumiar.

A obra está orçada em R$ 132.049.108,88 e tem prazo de execução de 32 meses. No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações. Durante visita à obra, na última quinta-feira (31), o governador Flávio Dino detalhou como o novo hospital vai ajudar a desafogar o atendimento nas três cidades que compõem a Grande Ilha.

“É a solução definitiva do problema de urgência e emergência na ilha de São Luís. Um novo Socorrão, como dizemos na ilha. Com isso teremos uma atenção completa do Governo do Estado ao tema da saúde aqui. Já temos as upas e hospitais de complexidade, de modo que com esse avanço teremos uma saúde de qualidade”, destacou o governador Flávio Dino.

No momento, os colaboradores executam terraplanagem e fundações

O Hospital da Ilha tem 32.257,97 m². Na primeira etapa, serão entregues 212 leitos distribuídos em 6 blocos, incluindo emergência, UTI’s e Internação. O terreno possui ainda área reservada para expansão. No bloco de expansão, denominado Bloco H, estão previstos mais 3 pavimentos de internação do tipo enfermaria, totalizando um acréscimo de mais 180 leitos. Ao todo serão 392 leitos.

“Está sendo construído uma equipamento público de altíssima qualidade. Nesta primeira etapa entregaremos mais de duzentos leitos e ao final teremos cerca de 400 leitos, fazendo com que o atendimento chegue em todos os moradores da Grande Ilha”, reiterou o secretário de Estado da Infraestrutura (Sinfra), Clayton Noleto.

O secretário de Estado da Saúde (SES), Carlos Lula, destacou a importância do hospital para o atendimento de urgência e emergência. “Mais uma obra fruto da parceria Sinfra e SES. Todos dando as mãos para entregar esse hospital que é maior que o Socorrão I e II. Teremos capacidades de dobrar o atendimento de urgência e emergência seja trauma, seja AVC, seja atentado de arma de fogo”, explicou o secretário Carlos Lula.

Em 4 anos de gestão, o Governo do Maranhão contabiliza investimento de mais de R$ 2 bilhões em as obras nas áreas da saúde, educação, segurança, mobilidade urbana, lazer, cultura, turismo e esporte. As intervenções realizadas trazem melhorias significativas aos milhões de moradores da Grande Ilha e aquecem o comércio, elevando a qualidade de vida e incentivando a geração de emprego e renda na região.

Carlos Lula participa de reunião com novo ministro da Saúde

Secretário Carlos Lula com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. (Foto: Paula Boueri)

O secretário de Estado de Saúde e vice-presidente para a região Nordeste do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, participou de uma reunião com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta , na manhã desta sexta-feira (25), em Brasília. A pauta consistia na apresentação dos 18 pontos prioritários da entidade representativa.

“A reunião marca o início do diálogo com o órgão federal. Existe uma pauta que estamos trabalhando com prioridade, como o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e organização da atenção ambulatorial em rede com a atenção primária. São temas que têm impacto direto no nosso usuário e que qualificam a assistência à população. Precisamos estreitar a relação com o Ministério da Saúde”, destacou Carlos Lula.

Participaram, também, da reunião o presidente do Conass, Leonardo Vilela (SES/GO), o secretário executivo do Conass, Jurandi Frutuoso, representantes do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e secretários do Ministério da Saúde.

Para Jurandi Frutuoso, a reunião foi um encontro de aproximação para que o ministro tomasse conhecimento dos pontos essenciais para a entidade, principalmente neste momento, quando o SUS e os gestores enfrentam grandes desafios. “Foi uma oportunidade de colocarmos tudo o que pensamos e o que o país precisa para fortalecermos o SUS. Assim que se desenha o que vamos efetivar na prática. É um longo caminho a percorrer, porque temos problemas de financiamento grave, problemas de gestão que temos que enfrentar, de formação de recursos humanos e estratégias de avaliação. Precisamos ter foco”, avaliou.

Governo do Estado inaugura Hospital Regional de Chapadinha

Entre os hospitais regionais e macrorregionais entregues pelo Governdo do Estado desde 2015, estão as unidades de Pinheiro, Caxias, Santa Inês, Bacabal, Imperatriz, Balsas e Chapadinha

Ana Alves da Conceição é renal crônica há 18 anos e tinha que se deslocar para São Luís três vezes por semana para fazer sessões de hemodiálise no Hospital Universitário Presidente Dutra. Ela foi conhecer a sala de diálise do Hospital Regional de Chapadinha, inaugurado neste sábado (11) pelo Governo do Estado.

“Esse hospital vai melhorar muito minha vida. Não vou mais precisar sair 4 horas da manhã de casa para pegar uma van e ir para São Luís, vou fazer aqui na minha cidade, perto da minha casa”, conta Dona Ana, que perdeu as contas das vezes que teve que fazer o trajeto até São Luís.

Dona Ana faz parte das milhares de pessoas da região do Baixo Parnaíba que passam a ser atendidas pelo Hospital Regional de Chapadinha, localizado às margens da MA-230. A unidade possui 52 leitos e atendimento por demanda referenciada durante 24h – incluindo sábados, domingos e feriados. Com isso, a população vai poder contar com consultas na área de cardiologia, cirurgia vascular, ortopedia, nefrologia, ginecologia e obstetrícia de alto risco.

A unidade conta com 335 profissionais de nível médio, técnico e superior trabalhando para melhor atender a população

“Um grande sonho realizado com a entrega do sétimo hospital regional realizada pelo Governo do Estado. O Hospital de Chapadinha era um anseio de todo população do Baixo Parnaíba, que passa oferecer atendimento ortopédico, a primeira UTI da região e o tratamento para diálise, encerrando o sofrimento dos pacientes que precisam se deslocar até a capital para fazer as sessões”, conta o secretário de Saúde, Carlos Lula.

Além dos serviços ambulatoriais, o Hospital Regional de Chapadinha tem estrutura para internação e serviço de apoio a diagnóstico e tratamento como análises clínicas, exames de radiologia, ultrassonografia, tomografia, eletrocardiograma, endoscopia e agência transfusional.

A unidade conta com 335 profissionais de nível médio, técnico e superior trabalhando para melhor atender a população. Desse total, 85 profissionais foram aprovados pelo concurso da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh).

Entre os hospitais regionais e macrorregionais entregues pelo Governdo do Estado desde 2015, estão as unidades de Pinheiro, Caxias, Santa Inês, Bacabal, Imperatriz, Balsas e Chapadinha.

Advogados saem em defesa do secretário de Saúde Carlos Lula…

Advogados saíram em defesa de Carlos Lula

O circo midiático montado pela imprensa de oposição ao governador Flávio Dino, inclusive com a descontextualização e o uso de má-fé de decisões jurídicas envolvendo operação da Polícia Federal, foram apontados por políticos, secretários, usuários de serviços oferecidos pela SES, amigos e tantas outras pessoas que foram de prestar apoio ao secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula, na segunda-feira (23), em ato de solidariedade no Grand São Luís Hotel.

O posicionamento dos advogados Mário Macieira e Guilherme Zagalo, respectivamente, ex-presidente e ex-vice da OAB-MA, chamaram atenção dos presentes. Conhecedores das leis e respeitados do meio jurídico, os dois ressaltaram veemente as qualidades profissionais e pessoais de Carlos Lula e classificaram como equivocado e criminoso o uso de veículos de comunicação para fins políticos e para o julgamento público midiático sem embasamento jurídico.

“O seu ‘pecado’ foi ousar transformar a saúde do Maranhão. Eu não posso aguentar calado ver corruptos diplomados acusar de corrupção homens honestos. Nenhum direito a menos. Nem os mais básicos, como a presunção de inocência, como o devido processo legal, como o contraditório… não tem contraditório em mídia monopolizada”, foram as palavras do ex-presidente da OAB-MA, Mário Macieira.

Já Zagallo destacou que “um determinado segmento da mídia” está tentando antecipar o processo eleitoral, fazendo um debate que é comum apenas na campanha. Isso seria motivado por pesquisas eleitorais desfavoráveis ao Grupo Sarney.

“Mídia não é a Justiça. Julgamento não é linchamento. Se não é feito com contraditório, com ampla defesa é linchamento e isso não é Justiça. Estamos num momento em que determinado segmento da cobertura de imprensa tenta instalar um julgamento pelos jornais das 8h ou no impresso, isso não é Justiça”, repetia Guilherme Zagallo.

Eles corroboram o que o próprio governador do estado, Flávio Dino, que é advogado e ex-juiz federal, tem repetido e repudiado que é o uso do grande império midiático para perseguir o trabalho real da gestão. “Eles estão preocupados com seus pequenos espaços de poder, com suas vaidades, com seus privilégios. Estão preocupados só com seus bolsos”, disse durante o ato de solidariedade.

Assim como eles, muitos representantes da classe advocatícia fizeram questão de prestar apoio ao secretário Carlos Lula no evento.