Othelino Neto articula retomada de serviços do Hospital Aldenora Bello em reunião na Alema

O presidente da Alema pontuou ainda que, durante a reunião, a direção do hospital assumiu o compromisso de retomar, já na próxima semana, alguns serviços que foram suspensos

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), reuniu-se, nesta terça-feira (8), com diretores do Hospital Aldenora Bello, representantes da Promotoria de Justiça da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde (SES), na busca por uma solução para o retorno da realização de serviços que deixaram de ser oferecidos pela instituição, que é referência no atendimento oncológico no Maranhão.

Participaram da reunião os deputados Dr. Yglésio (PDT), Helena Duailibe (Solidariedade) e Hélio Soares (PL), além do secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, a promotora de Justiça da Saúde, Glória Mafra, e dos diretores financeiro e administrativo do Hospital Aldenora Bello, Ruy Lopes Freitas e José Generoso da Silva, respectivamente.

“Nós percebemos a situação se agravando e, por isso, convidei representantes da diretoria da Fundação Antônio Dino, assim como o secretário estadual de Saúde e a promotora da Saúde, para que pudéssemos discutir conjuntamente e achar caminhos mais rápidos para que os serviços voltem a ser ofertados o quanto antes”, afirmou Othelino Neto.

O presidente da Alema pontuou ainda que, durante a reunião, a direção do hospital assumiu o compromisso de retomar, já na próxima semana, alguns serviços que foram suspensos, como o Pronto Atendimento Oncológico, as cirurgias, combate à dor e cuidados paliativos.

“Nós pedimos que, na quinta-feira próxima, o Aldenora Bello já nos apresente a planilha do que é fundamental para que possam superar esse momento de crise pelo qual estão passando. Soma-se a isso o fato de os deputados estaduais terem disponibilizado de suas emendas parlamentares um valor para que possa, também, ajudar na solução dos problemas do hospital e, assim, volte a atender a população”, garantiu Othelino.

O Hospital Aldenora Bello é mantido pela Fundação Antônio Jorge Dino e deixou de oferecer alguns serviços aos pacientes com câncer por falta de recursos financeiros. O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, ressaltou que o Estado vem ajudando a instituição dentro de sua capacidade financeira. O titular da SES frisou ainda que o Legislativo, o Executivo e o Ministério Público estão unindo esforços para tentar manter a instituição.

“O Aldenora Bello é uma instituição privada que se mantém com recursos próprios, tem o repasse do SUS e recebe recursos do Governo Federal, mas que tem tido dificuldade na manutenção dos seus serviços e no manejo do dia a dia. O que estamos tentando fazer é vendo ainda outras formas para ajudar, além do que já fazemos, pois ajudamos sempre na manutenção do hospital”, ponderou Carlos Lula.

Após o encontro, o diretor financeiro do Hospital Aldenora Bello, Ruy Lopes de Freitas, pontuou que com o apoio da Assembleia Legislativa, por meio de emendas parlamentares, os serviços deverão voltar ao normal.

“Agradecemos ao presidente Othelino, que nos convidou, e às autoridades envolvidas, que podem ajudar o Aldenora Bello a cumprir a sua missão de cuidar dos pacientes com câncer. Faremos um estudo específico para a utilização das emendas parlamentares que os 42 deputados indicaram para nós, no valor de R$ 100 mil cada um, somando R$ 4,2 milhões. É algo que pode ser uma solução de médio prazo extremamente importante para o Aldenora Bello e, principalmente, para o paciente portador de câncer no Maranhão”, assinalou Ruy Lopes.

“Continuamos a expansão do serviço público de saúde”, diz Carlos Lula à Rádio Timbira

O gestor estadual reforçou os avanços obtidos na pasta nos últimos quatro anos

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, foi o entrevistado de segunda-feira (23) no Programa Comando da Manhã, da Rádio Timbira. O gestor estadual reforçou os avanços obtidos na pasta nos últimos quatro anos e as obras que ainda serão finalizadas. A entrevista foi conduzida pelo radialista Gilberto Lima.

“Continuamos a expansão do serviço público de saúde. Devemos ainda ter inaugurações de serviços até o final do ano. Temos o hospital de Santa Luzia do Paruá, que está prestes a ficar pronto, o de Viana também. São estruturas que vão melhorar a nossa capacidade de atendimento. Além do hospital de urgência e emergência, que é o Hospital da Ilha. Ele será maior que os dois Socorrões”, salientou.

Dentre as obras, recentemente, entregues a população, o secretário destacou o Centro de Hemodiálise São Luís, com 40 poltronas de diálise e uma capacidade instalada de atendimento de 240 pacientes. “Na semana passada, entregamos o Centro de Hemodiálise São Luís, com ele, conseguiremos, pela primeira vez na história, zerar a fila na Central de Regulação [em São Luís]. Esse é nosso grande ganho. Quando assumimos em 2015, eram apenas 25 cadeiras de hemodiálise no Hospital Carlos Macieira, agora são mais de 220”, destacou Carlos Lula.

Além do Centro de Hemodiálise São Luís, a gestão estadual implementou mais um turno no Hospital Dr. Carlos Macieira e iniciou o atendimento para pacientes renais crônicos em Bacabal, Caxias, Açailândia, Chapadinha, Pinheiro, Vila Luizão/São Luís. “Expandimos, sobretudo, para sair de São Luís, para que as pessoas não tenham a necessidade de vir para fazer o tratamento de diálise. Regionalizamos o atendimento”, disse.

“Infelizmente, vivemos um momento de restrição orçamentária. Temos tentado governar nessa crise. Ainda sim, pretendemos continuar inaugurando obras, mostrando soluções para a sociedade”, reafirmou Carlos Lula. “Em alguns casos, precisamos redimensionar serviços e olhar se a unidade dá resposta. Se não há retorno, ou seja, o número de usuários é baixo, é preciso redimensionar, realocar esse dinheiro.

Maranhão reduz casos de morte materna e infantil e se torna destaque em Brasília

No encontro, Flávio Dino pontuou as principais ações da política de combate à mortalidade materna e infantil implementadas pelo Governo do Maranhão

O governador Flávio Dino apresentou na sede da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS), em Brasília, a experiência exitosa do Maranhão na redução da mortalidade infantil e materna. Esta foi a primeira vez que um governador foi convidado a participar de uma reunião da Comissão Intergestores Tripartite, do Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários da Saúde (CONASS) e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS).

No encontro, Flávio Dino pontuou as principais ações da política de combate à mortalidade materna e infantil implementadas pelo Governo do Maranhão nos últimos anos, dando destaque a experiência na região de Balsas, onde o Governo agiu conjuntamente com a OPAS/OMS, Conass e municípios.

“Há uma premissa nesse trabalho, que é a da união. Os bons resultados se devem exatamente em razão das parcerias. Viemos demonstrar, em forma de agradecimento a OPAS, OMS, Conass e toda equipe técnica que tem visitado o Maranhão, que a soma de forças tem salvado vidas. E salvar essas mães, salvar essas crianças, é salvar a todos nós”, defendeu o governador Flávio Dino, que esteve acompanhado do prefeito de Balsas, Doutor Erik, e do secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula.

Foram apresentados os resultados gerais do Maranhão e os números alcançados pela Regional de Saúde de Balsas – atualmente formada por 13 municípios do sul do estado. Com a parceria da OPAS/OMS e do Conass foi possível passar todo o ano de 2018 sem um caso de morte materna. O resultado positivo na região foi alcançado após a adoção de estratégias e ações voltadas para a qualidade de vida da mulher, pré-natal, parto e puerpério, como a inauguração do Hospital Regional de Balsas, do Centro Sentinela de Planejamento Reprodutivo e a Planificação da Saúde.

O secretário de Saúde, Carlos Lula, destacou a união de esforços para alcançar os bons resultados. “Queria agradecer o empenho de todos, sem essa união não seria possível esse resultado. A mortalidade materna é um componente muito grave porque desagrega uma família inteira e em Balsas esse indicador era muito alto. E era um desafio diminuir fortemente [esses casos] e nós conseguimos ir além, com o apoio foi possível zerar”, declarou.

Governo assegura atendimento a pacientes oncológicos da Região Tocantina

Uma reunião entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e o Ministério Público do Maranhão (MP/MA) assegurou, a continuidade do serviço.

O serviço oncológico prestado pelo Hospital São Rafael à Região Tocantina está assegurado. Uma reunião entre a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e o Ministério Público do Maranhão (MP/MA) assegurou, a continuidade do serviço.

Participaram da reunião o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, a subsecretária de Saúde, Karla Trindade, os promotores Newton Bello Neto, de Defesa da Saúde de Imperatriz, e Ilma Paiva, coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Saúde do Ministério Público do Maranhão (MPMA), e equipes técnicas.

Para o secretário de Estado da Saúde, o diálogo com o Ministério Público é essencial para que o interesse da população seja sempre resguardado. “Agradecemos muito ao Ministério Público, em especial, à Promotoria de Saúde de Imperatriz, que busca sempre, antes de qualquer judicialização, resolver administrativamente o problema, com o intuito que a população não saia prejudicada. O MP tem o mesmo interesse da SES, que é garantir a manutenção do serviço e impedir qualquer diminuição dele”, disse Carlos Lula.

O promotor Newton Bello Neto reforçou a necessidade de que a população da Região Tocantina seja acalmada com a certeza de que não haverá suspensão dos tratamentos médicos oferecidos na unidade conveniada ao Estado. “Comparecemos à reunião com o secretário no sentido de cobrar atitudes positivas do Estado do Maranhão. O secretário garantiu ao MP que não haverá qualquer tipo de suspensão ou diminuição do serviço e que entrará em contato com a empresa prestadora do serviço para providências cabíveis para regularização total da situação. É importante que a população fique tranquilizada”, afirmou o promotor Newton Bello Neto.

A SES manterá com a diretoria do Hospital São Rafael o diálogo para a mediação do problema

Carlos Lula entrega veículo adaptado ao Centro de Reabilitação da Cidade Operária e APAE

As vans possuem plataforma elevatória, sistemas de segurança para fixação da cadeira de rodas, cintos de segurança e protetores de cabeça para cada cadeirante

O Governo do Estado entregou, nesta sexta-feira (31), ao Centro Especializado em Reabilitação da Cidade Operária (CER) e à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Luís vans adaptadas para transporte de pacientes cadeirantes ou com problema de locomoção. O Serviço de Verificação de Óbitos (SVO) da Secretaria de Estado de Saúde (SES) também recebeu três veículos especiais, do tipo “rabecão”, para o trabalho nos municípios de São Luís e Imperatriz.

“Continuamos levando serviços onde a população precisa. As entregas fazem parte de um grande reajuste e de cuidados com a nossa rede de saúde. Entregamos ambulâncias, veículos para serviços específicos, porque a sociedade precisa disso. Agradecemos o Ministério da Saúde pela parceria para aquisição das vans adaptadas”, disse o secretário de Estado de Saúde, Carlos Lula.

As duas vans adaptadas são semelhantes ao veículo entregue em janeiro ao Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde do Olho d’Água. Elas possuem plataforma elevatória, sistemas de segurança para fixação da cadeira de rodas, cintos de segurança e protetores de cabeça para cada cadeirante. A doação foi feita pelo Ministério da Saúde.

Com 200 pacientes em reabilitação física, 200 em auditiva e 150 intelectual, a Apae de São Luís também ganhou um veículo adaptado, o primeiro da associação para os cuidados em saúde – eles possuem transporte para o eixo educativo.

A diretora do CER da Cidade Operária, Goreth Almeida, afirmou que o veículo, entregue em maio à população, vai agregar muito ao serviço da unidade. “O veículo garante o acesso da pessoa com deficiência e que não apresenta condições de mobilidade e acessibilidade ao serviço. É um grande ganho para o Estado e para o CER”, comentou.

Carlos Lula nega surto de meningite em São Luís

O secretário pediu, por meio de suas redes sociais, que a população não compartilhe informações falsas, pois gera pânico na população

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, tratou de desmentir o boato de que haveria um surto de meningite em São Luís. O secretário pediu, por meio de suas redes sociais, que a população não compartilhe informações falsas, pois gera pânico na população.

“Compartilhem com seus familiares e amigos: não há surto de meningite no estado. Esta possibilidade está descartada. É uma irresponsabilidade espalhar o pânico sob a forma de fakenews! Espalhe a verdade!”, escreveu.

A meningite é uma inflamação das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal, geralmente causada por uma infecção, normalmente viral. Mas a doença também pode ser causada por bactérias ou fungos. Existem vacinas para a prevenção de algumas formas da meningite.

Os sintomas incluem dor de cabeça, febre e torcicolo. Dependendo da causa, a meningite pode melhorar com o tempo, com tratamento a base de antibióticos, ou ser fatal. Devem ficar atentas as pessoas que apresentarem os seguintes sintomas: Dores nas costas, nos músculos ou pescoço, calafrios, fadiga, febre, letargia, mal-estar, perda de apetite ou tremor, náusea ou vômito ou erupções avermelhadas e manchas vermelhas na pele.

O lindo Dia das Mães da Casa Ninar

As homenageadas da noite também tiveram um dia de beleza, recebendo maquiagem e tratamentos capilares

A Casa de Apoio Ninar realizou um jantar especial em comemoração ao Dia das Mães para homenagear 14 mães de crianças assistidas pelo serviço e servidoras. Música ao vivo, lembranças e muito amor deram o tom da festa da casa, inaugurada pelo Governo do Estado para tratar crianças com problemas de neurodesenvolvimento e suas famílias.

“A vida não pode se tornar só uma repetição de atos corriqueiros. É importante celebrar momentos especiais e de reencontro. A Casa de Apoio Ninar é um reencontro de esperança, de amor, um reencontro dessas mães com seus filhos, que muitas vezes se viram perdidas por conta da doença deles. Esse reencontro de mães e filhos talvez seja o que mais forte tem a casa de apoio”, comentou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Antes, local da realização de festas e eventos do governo estadual. Hoje, a casa de veraneio deu lugar ao Ninar. Uma linda iniciativa para cuidar de nossas crianças.

Governo garante recursos e Hospital Aldenora Bello continua prestando serviços

O Estado também custeará 60% das despesas operacionais do tratamento de iodoterapia – indicado para pacientes diagnosticados com câncer na tireoide – realizado pelo Hospital Aldenora Bello

O Governo do Estado garantiu, na manhã desta segunda-feira (8), recursos para a manutenção do Serviço de Pronto Atendimento (SPA), atendimento domiciliar, tratamento da dor e cuidados paliativos realizados pelo Hospital do Câncer Aldenora Bello (HCAB). O anúncio ocorreu após reuniões realizadas na sede da Secretaria de Estado de Saúde (SES), com participação de representantes do órgão estadual, do Ministério Público, da Fundação Antonio Dino (mantenedora) e deputados.

“Temos que buscar sempre o que é melhor para a população, que neste caso era a não paralisação desses serviços. Hoje, garantimos recursos para que não feche. Nos últimos anos, o Estado foi parceiro do Hospital Aldenora Bello, que não é público, mas sempre teve apoio do Governo, porque foi o primeiro a oferecer tratamento de câncer no estado”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Desde 2015, a SES celebrou convênios com o HCAB no valor total de R$ 5.250.000. Dentre eles, aquele para a compra de um acelerador linear, que ampliará o serviço de radioterapia para tratamento de pacientes oncológicos no Maranhão. Além destes, a mantenedora do hospital , Fundação Antonio Dino, recebeu R$ 3.173.718,02 do Fundo Estadual de Combate ao Câncer, para manter em funcionamento os serviços prestados pela unidade de saúde.

Othelino Neto discute aplicabilidade de lei que garante cuidados paliativos a pacientes terminais

O secretário Carlos Lula garantiu que pretende executar o projeto proposto pela equipe médica, com o amparo da lei dos cuidados paliativos. “Othelino coloca o Maranhão à frente de outros estados brasileiros no que diz respeito ao tratamento paliativo, ainda com a possibilidade de ser realizado em casa. O custo do paciente é muito maior no hospital”, ressaltou

Ao lado do secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, e da subsecretária Karla Trindade, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PC do B), discutiu, com os médios anestesiologistas João Batista Garcia e Vanise Motta, a aplicabilidade da Lei 10.584, de sua autoria, aprovada em 2017, que trata da garantia de direitos dos usuários dos serviços de saúde do estado, os chamados cuidados paliativos.

“Nossa lei dá dignidade às pessoas que utilizam o sistema e não têm mais perspectiva de cura, durante o atendimento hospitalar. Elas, agora, têm o direito de optar pelo tipo de tratamento, se quer ficar ou não na UTI, e até mesmo de estar ciente do medicamento que está sendo aplicado e, de aceitá-lo ou não. Enfim, estamos garantindo qualidade de vida melhor para pacientes com necessidade de acompanhamento médico prolongado, podendo evoluir ou não”, explicou Othelino.

Por conta da grande demanda, os médicos, referências em cuidados paliativos, apresentaram a ideia de estender o trabalho para o atendimento a domicílio, instituindo o Núcleo de Educação e Alteração em Cuidados Paliativos, com o objetivo de capacitar profissionais da saúde para acompanhar pacientes, que tenham escolhido dar continuidade ao tratamento em casa, ao lado de familiares.