Maranhão se torna o estado com melhor desempenho no combate à Covid-19 no Brasil

Segundo pesquisa nacional divulgada pelo Centro de Liderança Pública (CLP), o Maranhão apresenta o melhor desempenho entre as 27 unidades federativas do Brasil.

O Maranhão ocupa a primeira posição em índice de melhor desempenho no combate à Covid-19, segundo pesquisa nacional divulgada pelo Centro de Liderança Pública (CLP). O estudo avaliou as 27 unidades federativas do Brasil. A pesquisa foi encerrada em 28 de julho.

No Ranking Covid-19, o estado do Maranhão atingiu a nota 25,31. A pesquisa adotou nove critério de avaliação: proporção de casos confirmados, evolução logarítmica de casos e porcentual de mortalidade da Covid-19 e de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG); as notas de transparência do combate à Covid-19 elaboradas pela Open Knowledge Brasil, bem como dados de isolamento social do Google. Quanto maior a nota final, pior é o desempenho dos estados no enfrentamento à pandemia. O Distrito Federal apresentou pior desempenho e lidera o ranking da pesquisa. 

O secretário de Estado da Saúde do Maranhão e presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) lembra que todos os esforços estão sendo realizados para evitar o avanço da Covid-19 no estado. Segundo o gestor, mais de 260 mil testes foram aplicados, sendo 121.581 casos confirmados até 1º de agosto. O número de recuperados é 10 vezes maior do que o de pessoas que estão doentes com Covid-19. No dia 1º de julho, o número de novos casos era de 2.805. Em 31 de julho, o estado contabilizou 1.399, mostrando a tendência de queda de novos casos da doença.  

“Aos poucos o Maranhão alcança a estabilização da pandemia. Entretanto, manter-se vigilante ainda é necessário para o enfrentamento dessa impiedosa doença. Por isso, mais uma vez, peço que confiem na ciência, escutem os profissionais de saúde: mantenham as regras de distanciamento social, usem máscaras e evitem aglomerações. Continuamos trabalhando dia e noite para reduzir os impactos da pandemia em nosso estado”, destacou o secretário Carlos Lula. 

De acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão, o estado registou redução no número de internações por complicações da Covid-19. Atualmente, 478 pessoas estão internadas. Anteriormente, no pico da pandemia, o estado chegou a ter 1.700 pessoas internadas na rede estadual. 

Zé Inácio propõe cadastro étnico-racial de pacientes com a Covid-19

De acordo com o documento essas informações serão utilizadas para a produção de dados e realização de estudo ou investigação epidemiológica sobre a infecção

O deputado estadual Zé Inácio protocolou indicação solicitando a obrigação dos órgãos e instituições de saúde de promover o registro e cadastramento de dados relativos a marcadores etnico-raciais, idade, gênero, condição de deficiência e localização dos pacientes por eles atendidos em decorrência de infecção pelo vírus SARS-CoV-2 (Covid19) no estado do Maranhão.

De acordo com o documento essas informações serão utilizadas para a produção de dados e realização de estudo ou investigação epidemiológica sobre infecção, mortalidade e para a prestação de informações sobre a Covid-19 no estado do Maranhão.

“Com a presente proposição legislativa, buscamos contribuir para superar a escassez de análise e interpretação de dados étnico-raciais, de gênero e de localização no estudo de epidemias no Maranhão. A importância de pesquisas epidemiológicas que incluam tais recortes se apresenta, pois, não somente na análise sobre a disseminação da doença, mas principalmente na compreensão do que produz as desigualdades”, disse Zé Inácio. 

Populações negras e pobres são as mais afetadas

É fundamental a produção de informações precisas sobre fatores de vulnerabilidade, como raça, gênero, idade, condição de deficiência e localização geográfica da população atingida. Sem tais informações, o inimigo não será corretamente identificado, e ceifará suas vítimas de forma indiscriminada, impedindo até mesmo que o Estado direcione seus esforços para evitar mortes e o colapso da rede de atenção à saúde.

Nesse contexto, as populações negras e pobres são as mais afetadas. As taxas de contágio e mortalidade tendem a se elevar nesses segmentos, em razão de sua situação social e econômica, de condições de habitação e saneamento, e de acesso aos serviços públicos.

Segundo dados do IBGE, 67% da população negra brasileira depende do Sistema Único de Saúde (SUS), segmento em que há também grande incidência de doenças como diabetes, tuberculose, hipertensão e doenças renais crônicas no país, todas consideradas agravantes para o desenvolvimento de quadros mais gravosos de Covid-19. Há também uma incidência muito maior de pessoas pretas e pardas em ocupações informais, 47,3% em comparação com 34,6% de pessoas brancas, condições nas quais o isolamento social também enfrenta maiores dificuldades de ser observado.

Maranhão tem menor taxa de contágio de coronavírus do Brasil, diz estudo da PUC/FGV

O Maranhão aparece entre os Estados com queda no número de mortes no levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa que mapeiam a Covid-19 em todo o país.

O projeto Covid-19 Analytics, feito por pesquisadores da FGV e da PUC-Rio, mostra que o Maranhão é o Estado com a menor taxa de contágio do Brasil. Os dados foram atualizados nesta quarta-feira (29). 

O índice é de 0,84, o mesmo verificado no Espírito Santo. Segundo o levantamento, dez Estados têm taxa abaixo de 1. Outros 16 e o Distrito Federal têm taxa acima de 1. 

Quando a taxa é superior a 1, cada contaminado transmite a doença para mais de uma pessoa, logo o vírus ainda avança. Quando é abaixo de 1, a tendência é que os novos casos comecem a cair. Afinal, uma pessoa passa a contaminar cada vez menos outras pessoas.

O Maranhão chegou à marca de 103.994 pessoas recuperadas do coronavírus, de acordo com o mais recente boletim da Secretaria de Estado da Saúde. Esse número é 11 vezes maior que o número de casos ativos, ou seja, pessoas que ainda estão com a doença: 9.035.

O Maranhão aparece entre os Estados com queda no número de mortes no levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa que mapeiam a Covid-19 em todo o país. São oito estados nessa categoria, incluindo o Maranhão. Outros oito e o Distrito Federal têm aumento no número de mortes. A estabilidade se verifica em oito deles. Dois não divulgaram os dados completos da última semana, período levado em conta para fazer o cálculo.

Aulas presenciais da rede pública do Maranhão são adiadas para 10 de agosto

A decisão foi tomada após a 1ª fase de consulta, realizada com pais e estudantes da 3ª série do Ensino Médio da rede estadual

“Realizamos uma consulta com estudantes e pais da 3ª série do Ensino Médio e constatamos que ainda há muita dúvida e insegurança sobre a retomada das aulas presenciais no dia 10 de agosto. Sendo assim, vamos continuar com as aulas não presenciais e possibilitar mais tempo para que as comunidades escolares debatam. Vamos continuar o processo de consulta aos estudantes e às suas famílias, assim como as reuniões com o Sinproesemma”, disse o secretário da Educação, Felipe Camarão. 

Nesta terça-feira (28), a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) oficializou o adiamento da retomada das aulas presenciais para estudantes da 3ª série do Ensino Médio, matriculados nas escolas da rede pública estadual do Maranhão. 

A decisão foi tomada após a 1ª fase de consulta, realizada com pais e estudantes da 3ª série do Ensino Médio da rede estadual, onde foi constatada insegurança por parte dos mesmos no processo de retomada das aulas presenciais. 

Nessa primeira fase de consulta, a maioria dos pais e responsáveis relataram que não se sentem seguros com o retorno das aulas presenciais: 58% dos pais preferem que as aulas presenciais não sejam retomadas, enquanto 42% dos responsáveis acreditam que elas devem voltar. Entre os estudantes da 3ª série do Ensino Médio da rede pública estadual, 57% dos alunos disseram que as aulas devem retornar, enquanto 43% não se sentem seguros com o retorno das aulas. 

“Até que tenhamos tudo definido, continuaremos com as atividades remotas, que foram realizadas em toda rede desde que paralisamos as aulas nas escolas, no início da pandemia do coronavírus. Posteriormente, vamos definir nova data para a retomada da 3ª série do Ensino Médio, bem como aos demais níveis de ensino da rede pública estadual”, reforçou o secretário de educação. 
A respeito das aulas nas redes de ensino privada e municipal, a diretriz permanece a mesma: as prefeituras devem decidir sobre o retorno das aulas presenciais dos municípios, enquanto na rede particular, a decisão deve ser tomada entre pais, alunos, professores e diretores.  

Vigilância Sanitária interdita estrutura na Península por aglomeração e venda de bebida

O espaço foi utilizado para promoção de evento no fim de semana, o que resultou em aglomeração, infringindo decretos e portarias sanitárias de prevenção ao coronavírus.

Em ação da Superintendência de Vigilância Sanitária do Estado (Suvisa), a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou auto de infração e interdição de uma estrutura montada na região da Península, nesta segunda-feira (27). O espaço foi utilizado para promoção de evento no fim de semana, o que resultou em aglomeração, infringindo decretos e portarias sanitárias de prevenção ao coronavírus.

De acordo com o superintendente de Vigilância Sanitária do Maranhão, Edmilson Diniz, a quantidade de pessoas chamou a atenção das autoridades sanitárias. “Ao chegarmos ao local, encontramos estrutura de tendas, com isopor para armazenamento de bebida, além da identificação de uma marca associada a uma empresa. Vamos verificar o CNPJ dessa marca para que seja formalizada a autuação sanitária”, afirmou o superintendente.

Após constatação dos fiscais sanitários da SES, foi observada infração do Artigo 10 da Lei 6.437, de 20 de agosto de 1977, e do Artigo 11 da Lei Complementar 039, de 15 de dezembro de 1998, que abrangem as medidas sanitárias a serem seguidas e adotadas. O responsável pela estrutura não foi encontrado no momento da autuação, contudo, após a autuação ser formalizada ele terá 15 dias para apresentar defesa na Superintendência de Vigilância Sanitária do Estado.

Outro ponto que resultou na determinação sanitária foi que o evento realizado no espaço ofereceu risco à saúde pública, uma vez que gerou aglomeração de pessoas em um espaço favorável a possível contaminação em larga escala. A organização também foi de encontro às vigentes Portarias nº 039 e 042, expedidas pela Casa Civil.

Para Flávio Dionísio, proprietário de um restaurante na mesma região, atividades irregulares prejudicam quem segue as recomendações sanitárias. “Eu sou absolutamente contra isso. Por ser proprietário de um restaurante, sei dos protocolos sanitários a serem seguidos, inclusive restringimos o funcionamento somente aos sábados e domingos, para estarmos de acordo com as normas estabelecidas”, compartilhou.

Inquérito Sorológico de Infecção por Covid-19 é iniciado em municípios maranhenses

A pesquisa amostral que está sendo realizada simultaneamente na Região Metropolitana de São Luís e nas demais regiões do Maranhão deve ocorrer até o dia 10 de agosto

O Governo do Estado iniciou nesta segunda-feira (27) a pesquisa domiciliar com aplicação de teste sorológico que servirá como base para Inquérito Sorológico de Infecção por Covid-19 no Maranhão. A pesquisa, cujo objetivo é avaliar o cenário atual da pandemia no estado e contribuir para conhecer o estágio da infecção dos maranhenses pela doença, já está em andamento em 69 municípios das 19 regiões de saúde do Maranhão que vão contribuir com o estudo. 

A pesquisa amostral que está sendo realizada simultaneamente na Região Metropolitana de São Luís e nas demais regiões do Maranhão deve ocorrer até o dia 10 de agosto, quando a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), parceira da Secretaria de Estado da Saúde (SES) no estudo, fará a tabulação dos dados para a posterior divulgação dos resultados da pesquisa.  

Segundo a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Léa Márcia Melo da Costa, a coleta conta com equipes compostas por entrevistadores, técnicos de coleta e um supervisor de campo. Todos devidamente identificados, vão de casa em casa, com o apoio de agentes municipais de saúde. 

“No momento da coleta, é feito um questionário por meio de um aplicativo e também é coletado o sangue venoso, um método extremamente sensível e de forma inédita no Brasil, visto que os demais estudos feitos em território nacional foram realizados através de teste rápido. Desta forma, poderemos ter um melhor retrato do cenário de infecção pelo coronavírus no estado do Maranhão”, afirma a superintendente Léa Márcia Melo.  

Os pesquisadores realizarão o inquérito nos cidades de Açailândia, Bom Lugar, Conceição do Lago Açu, Lago Verde, Marajá do Sena, Bacabal, Feira Nova do Maranhão, São Raimundo das Mangabeiras, Barra do Corda, Jenipapo dos Vieiras, Afonso Cunha, Caxias, Coelho Neto, Buriti, Anapurus, Araioses, Chapadinha, Milagres do Maranhão, São Bernardo, Codó, Coroatá, Imperatriz, Sítio Novo, Lajeado Novo, Cantanhede, Itapecuru Mirim, Nina Rodrigues, São Benedito do Rio Preto, Vargem Grande, Arari, Vitória do Mearim, Fortuna, Governador Archer, Santa Filomena do Maranhão, São José dos Basílios, Senador Alexandre Costa, Igarapé Grande, Pedreiras, Poção de Pedras, Trizidela, Cedral, Presidente Sarney, Turilândia, Axixá, Humberto de Campos, Rosário, Mirador, Paraibano, Pastos Bons, São João dos Patos, Barão de Grajaú, Alto Alegre do Pindaré, Bom Jardim, Pindaré, Pio XII, Santa Inês, Governador Newton Bello, São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar, Raposa, Alcântara, Timon, São Francisco do Maranhão, Cajapió, Palmeirândia, Governador Nunes Freire, Maracaçumé e Santa Luzia do Paruá.

Equipe de saúde leva idosa em recuperação da Covid-19 para realizar sonho de conhecer o mar

Natural do município Presidente Sarney, dona Lourimar Ferreira ainda está debilitada, mas mesmo assim fez questão de agradecer o passeio. “Eu vim olhar o mar, muito obrigada, foi muito bom”, relatou a idosa, emocionada.

Depois de sete décadas de vida, dona Lourimar Ferreira, de 72 anos, conheceu pela primeira vez a praia. O sonho de criança foi realizado em um momento delicado da vida, pois ela está se recuperando da Covid-19 no Hospital Dr. Genésio Rêgo. Para realizar o sonho da paciente, uma equipe de saúde organizou a visita, tomando todos os cuidados necessários para preservar a saúde da paciente e dos profissionais. 

Natural do município Presidente Sarney, dona Lourimar Ferreira ainda está debilitada, mas mesmo assim fez questão de agradecer o passeio. “Eu vim olhar o mar, muito obrigada, foi muito bom”, relatou a idosa, emocionada. 

“Ela não respondia e não conversava. Agora ela já está conversando, já está orientada, dá sinais psicológicos importantes, bem melhor do que há semanas atrás, quando estava um pouco depressiva. Na visita dela à praia para poder conhecer o mar, já se percebe a alegria. A felicidade dela certamente é a felicidade da nossa equipe”, reforçou o diretor chefe da UTI do Genésio Rêgo, o médico Demian Borges. 

Segundo a equipe, esse tipo de abordagem costuma ter impacto positivo no tratamento dos pacientes, uma vez que é preciso considerar tanto a recuperação física quanto a psicológica. “Realizamos o desejo da paciente que já está há muito tempo internada com a gente. Estamos fazendo esse trabalho de manejo humanizado que nosso hospital promove com participação da nossa equipe clínica. O objetivo é proporcionar uma satisfação maior para a paciente, em um ambiente diferente do hospitalar”, reforçou Ulysses Moura, enfermeiro supervisor da UTI. 

Todos os cuidados foram tomados para a realização do grande sonho da idosa. Dona Lourimar é mais uma das mais de 90 mil pessoas que já conseguiram vencer a batalha contra a Covid-19 no Maranhão. “Facilita muito na recuperação dos pacientes. Os dias de internação não são fáceis, o paciente fica muito tempo isolado, fica sem a família, então trouxemos a paciente. Foi pedido dela, portanto montamos toda essa força-tarefa”, explicou a enfermeira Lorena Rezende, do setor de controle de infecção do Hospital Dr. Genésio Rêgo. 

A idosa foi internada na unidade no dia 26 de junho com a Covid-19. Ela não transmite mais a doença, mas permanece internada tratando outras comorbidades. O translado para a Praia do Araçagy foi realizado seguindo os protocolos sanitários e dentro dos rígidos padrões de segurança. O transporte foi feito em uma ambulância com todo o aparelhamento de assistência, bem como o acompanhamento dos profissionais de saúde. 

Revista Veja: retomada gradual das atividades não acelerou coronavírus em São Luís

“Um mês e meio após a flexibilização, o número de casos continuou a cair em todas essas capitais, apesar das pequenas oscilações no meio do caminho”, diz a reportagem.

Reportagem publicada no site da revista Veja mostra que retomada gradual das atividades em cinco capitais não aumentou os casos de coronavírus nessas cidades. Entre elas, está São Luís. As demais capitais são Belém (PA), Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). De acordo com a Veja, todas essas cidades iniciaram a retomada no começo do mês de junho. 

“Um mês e meio após a flexibilização, o número de casos continuou a cair em todas essas capitais, apesar das pequenas oscilações no meio do caminho”, diz a reportagem.

“Isso significa que, até o momento, as previsões mais sombrias – sobre uma segunda onda – não se confirmaram”, acrescenta o texto. 

Mas a Veja lembra que isso não significa que o risco esteja superado: “o vírus continua circulando no país e há muitas pessoas suscetíveis”.

Por isso, as medidas de prevenção, como o uso de máscara, continuam fundamentais para superar a pandemia.

Veja aqui a íntegra da reportagem da Veja: https://veja.abril.com.br/saude/covid-19-flexibilizacao-da-quarentena-nao-aumentou-casos-em-5-capitais/

Casos de coronavírus em queda no Maranhão

Os destaques do novo boletim são os números da região metropolitana de São Luís e a cidade de Imperatriz.

O Maranhão chegou, nesta quarta-feira (22), aos 94.466 curados da Covid-19 dentre os 109.731 casos confirmados no estado e 2.810 mortos pela infecção do novo coronavírus. As informações foram divulgadas no boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Nas últimas 24 horas, o estado confirmou mais 1.612 pessoas recuperadas da doença. O estado segue com 12.455 casos ativos, que são as pessoas em tratamento. Destas, 11.851 estão em isolamento domiciliar, 350 em enfermarias e 254 estão em leitos de UTI.

Os destaques do novo boletim são os números da região metropolitana de São Luís e a cidade de Imperatriz. Enquanto apenas 103 casos foram confirmados na Grande São Luís, a segunda maior cidade do estado registrou apenas 1 caso.