PSL do Maranhão e a troca de farpas no Whatsapp

Aliados de Chico Carvalho afirmam que ele continua na direção da legenda, já os de Maura Jorge afirmam que ela vai ser eleita democraticamente presidente do PSL por meio do voto de seus filiados

Ainda sem sinal de trégua ou de tempos mais tranquilos, o PSL maranhense mostra que chegará à disputa pela presidência estadual, em abril, ainda mais dividido. Os grupos da ex-prefeita de Lago da Pedra e do presidente estadual, vereador de São Luís, Chico Carvalho, ainda não deram sinal de um possível entendimento e partiram para acusações no WhatsApp.

A matéria com o título “PSL decide, Maura Jorge está fora dos planos do partido!” postada em um grupo do WhatsApp foi prontamente respondida pela própria que escreveu: “Maura Jorge decide: Chico Carvalho está totalmente isolado do governo Bolsonaro”.

A troca de farpas entre os dois líderes do PSL começou ainda na pré-campanha de 2018 e pode se estender até abril quando acontece a eleição para o diretório do Maranhão.

Aliados de Chico Carvalho afirmam que ele continua na direção da legenda, já os de Maura Jorge afirmam que ela vai ser eleita democraticamente presidente do PSL por meio do voto de seus filiados. É aguardar para ver!

Disputa pelo comando do MDB no Maranhão promete ser acirrada

A ex-governadora Roseana Sarney afirmou a aliados que deseja disputar o comando

A eleição para o novo comando do MDB maranhense promete ser bastante acirrada entre as lideranças mais velhas do partido e a ala jovem. Com o fim do mandato do atual presidente, o senador João Alberto, e com o desejo de não mais disputar o comando da sigla no estado, vários políticos da legenda já se colocam na disputa para sucedê-lo.

A ex-governadora Roseana Sarney afirmou a aliados que deseja disputar o comando. Derrotada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) na última eleição, Roseana terá resistência da classe jovem do partido, que defende a renovação dos quadros do partido.

As informações mostram que os jovens políticos Roberto Costa, Assis Filho e André Campos entrarão na disputa para promoverem uma renovação tão debatida nos últimos anos. Os números das urnas mostram que o MBD maranhense saiu totalmente fragilizafado e que suas velhas lideranças não conseguem mais aglutinar o apoio popular.

Outro que se coloca na disputa é o deputado federal Hildo Marques, que também prega a necessidade do partido renovar o comando de sua executiva no estado.

A briga pelo comando da legenda deve movimentar o partido nos próximos meses e outras figuras do grupo Sarney, mas que são de outros partidos prometem entrar na briga. É aguardar para ver…

De nanico, PSL se torna cobiçado por políticos maranhenses

A sigla passou a atrair olhares de, pelo menos, uma dúzia de políticos maranhenses de olho no crescimento da sigla

Quem pensou que a disputa pelo comando do PSL no Maranhão estivesse resumida apenas ao presidente da legenda, o vereador Francisco Carvalho, e à ex-candidata ao governo do Estado, Maura Jorge, está enganado. A sigla passou a atrair olhares de, pelo menos, uma dúzia de políticos maranhenses de olho no crescimento da sigla.

A disputa começou ainda na pré-campanha, quando já era dada como certa a candidatura do coronel reformado José Ribamar Monteiro, hoje no PHS. Com uma articulação via nacional, Maura Jorge chegou ao PSL e os problemas com o presidente estadual da legenda, Chico Carvalho, só aumentaram.

Após os resultados das urnas no primeiro turno, com o desempenho de Jair Bolsonaro e com o número expressivo de deputados federais eleitos e senadores – o que interfere diretamente no tempo de TV e rádio, além dos recursos do Fundo Partidário – mais políticos passaram a cortejar o partido.

Só nos últimos dias, o deputado federal Aluísio Mendes (Podemos) e o senador Roberto Rocha (PSDB) visitaram o presidenciável Jair Bolsonaro. O candidato já teve declarações de apoio de vários integrantes do grupo Sarney, como a ex-governadora Roseana Sarney e o senador Edison Lobão.

Os nomes dos deputados federais eleitos Eduardo Braide e o pastor Gildenemyr, eleitos pelo PMN, sigla que não passou pela cláusula de barreira, já são cotados para ingressar no partido.

A disputa pelo diretório do PSL da capital São Luís também já está bem acirrada. Nomes como o do deputado estadual eleito Pará Figueiredo e do ex-vereador Fábio Câmara já são ventilados por apoiadores na disputa pelo diretório.

Mesmo que ainda esteja em andamento, a eleição de 2018 não terminou, mas já acirra os ânimos de membros do partido de Jair Bolsonaro para os próximos anos.

Senado: Edison Lobão se sobressai na disputa em relação a Sarney Filho

Mesmo com todos os esforços, é o senador Edison Lobão que lidera todas as pesquisas eleitorais feitas até o momento

Mesmo com todos os esforços do ex-presidente José Sarney (MDB), em costurar apoios que façam com que seu filho, o deputado federal Sarney Filho (PV), vença a eleição para o Senado Federal, é o candidato Edison Lobão (MDB) que está se sobressaindo na disputa interna do grupo.

José Sarney entende que a eleição de Sarney Filho como senador seja a continuação do legado de sua família, por isso costurou o apoio do PR e do PP, via executivas nacionais, para seu filho na disputa para o Senado no Estado. Nas conversas com lideranças políticas, Sarney pai afirma que seu último pedido é para que as lideranças votem em seus dois filhos, ou pelo menos em Sarney Filho.
Mesmo com todos os esforços, é o senador Edison Lobão que lidera todas as pesquisas eleitorais feitas até o momento. Na pesquisa Ibope, Edison Lobão lidera a disputa com 27%, contra 26% de Sarney Filho. Já na pesquisa Exata, Lobão tem 25% das intenções de voto e Sarney Filho, 24%.
Os números mostram que, mesmo com toda guerra silenciosa que a família Sarney vem travando com Edison Lobão, o senador está levando a vantagem na disputa.
Certamente, pela rejeição que o nome Sarney carrega, Edison Lobão vem ensaiando voos solos em suas andanças pelo o interior. Nas cidades de Codó e Caxias, ele reuniu milhares de pessoas em seus comícios, deferentemente dos eventos em que ele acompanha Roseana Sarney e Sarney Filho, que, na maioria das vezes, resumidos a reuniões em varandas de residências.

Joaquim Barbosa poderá ser candidato à presidência pelo PSB

Joaquim Barbosa deve se filiar ao partido até o dia 7 de abril.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, decidiu que se filiará ao PSB até o dia 7 de abril, prazo final para que as legendas recebam filiações de pessoas que pretendam concorrer às eleições de outubro. Apesar de ainda não ter oficializado a decisão, de acordo com informações do jornal O Globo, a filiação foi ”comunicada ao presidente do Partido Socialista Brasileiro, Carlos Siqueira, e ao deputado federal Alessandro Molon (RJ), durante encontro realizado na manhã desta quinta-feira, em uma padaria de Brasília”.

.Ao jornal, o presidente da sigla disse que, apesar de ter avançado no assunto, ainda aguarda a assinatura de Joaquim Barbosa. Caso se concretize, o ministro poderá ser candidato à Presidência da República nas eleições de outubro pelo PSB.

No entanto, mesmo que assine a ficha de filiação, ainda não há garantia de que ele será candidato presidencial. Uma ala do partido prefere não lançar nome próprio ao Planalto para poder costurar alianças estaduais, sobretudo em Pernambuco, estado onde a legenda é mais forte. Mas na sigla nada é certo ainda.

No início do mês, durante o congresso nacional do partido, Carlos Siqueira afirmou que o ideal era que o partido tivesse um nome próprio para a disputa e ressaltou que a decisão seria tomada no momento certo. O nome de Joaquim Barbosa é aventado para ser o nome do partido ao Planalto. Recém-filiado ao partido, o ex-ministro Aldo Rebelo também é um nome citado dentro da legenda para concorrer à Presidência.

A sucessão de Flávio Dino, os apressadinhos de plantão e a corrida pelo Senado…

Flávio Dino ainda não está preocupado com os adversários, quanto mais com quem será seu vice

Nem bem chegou o período para as mudanças de partido e com 2017 ainda no início, apressadinhos de plantão se encarregam de plantar boatos sobre a indicação do candidato a vice-governador em uma chapa encabeçada pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que deve brigar pela sua reeleição em outubro de 2018. Tem gente querendo comer o lanche antes do recreio ou colocar a carroça à frente do jumento. A antecipação desse processo é desnecessária no momento.

Por enquanto, o que vem surgindo não passa de boatos e especulações. Na verdade, essa história do vice ainda não está nem entre as discussões do momento, já que o governador não sabe ao certo nem quem serão os prováveis candidatos numa eventual disputa em 2018. No momento, parece-me bobagem a antecipação desse debate.

Se essa discussão do vice para Flávio Dino ainda é precoce, corre solta mesma é a articulação visando às duas vagas no Senado. O deputado federal Weverton Rocha (PDT) se movimenta bem desde agora e antecipou a briga nos bastidores que antecedem a eleição de outubro de 2018.

Já se sentem aptos ao páreo também o deputado federal Zé Reinaldo Tavares (PSB), eterno candidato ao Senado, a deputada federal Eliziane Gama (PPS), que saiu com poder político reduzido das urnas nas eleições municipais passadas, saindo da posição de favorita para um amargo e insignificante quarto lugar…

Zé Reinaldo tem dito que disputará vaga no Senado0000

E por falar em Eliziane Gama, a deputada deve botar a cabeça para raciocinar. Se quiser pensar em sobreviver politicamente, é bom que comece a se rearticular para tentar voltar à Assembleia Legislativa e m traçar novos voos com vistas ao Executivo municipal. Teimosa e desorganizada, ela vem se isolando e se distanciando, cada vez mais, do eleitorado.

Quem também vem se postulando a disputar o Senado, porém sem muito eco, é o candidato a quase tudo, deputado estadual Wellington do Curso (PP), o divertido “WC”. Na verdade, ele atira para todo lado, mas o caminho mais coerente para o parlamentar, já que tem intenção de continuar tentando chegar ao executivo municipal, é disputar a reeleição. Se for brigar pela Câmara Federal poderá está seguindo o mesmo caminho do isolamento, feito por Eliziane Gama.

E para fechar a análise sobre a antecipação da disputa pelo Senado, o pré-candidato mais cômico é o deputado federal Waldir Maranhão (PP). Com pouco espaço na cena política, depois de ter vivido patacoadas nacionais e de ter seu nome envolvido em escândalos, ele também se diz no páreo para o Senado. Resta saber com quem ele está contando para tal.

Melhor saída para Waldir Maranhão seria tentar uma vaga na Assembleia Legislativa. Pelo andar da carruagem, disputar a reeleição para ele também é arriscado, devido ao desgaste que sofreu no último ano.

Ainda dentro do debate das figuras cômicas, o também candidato a quase tudo, prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, ainda no PCdoB, também se coloca como um nome disposto a brigar pelo Senado. Resta saber também com o apoio de quem.

No mais, muita água passará por debaixo da ponte até 2018. É só aguardar.

Zé Inácio articula apoios na disputa pela presidência do PT…

O deputado estadual Zé Inácio (PT) movimenta-se bem nas articulações pela disputa da presidência estadual do PT, cuja eleição acontece em abril próximo. Ele já  inscreveu a chapa “Por um Maranhão mais justo para todos e para Lula”.

A chapa conta com o apoio de várias lideranças do Estado, entre elas do atual presidente do partido, Raimundo Monteiro, presidente municipal do PT de São Luís e candidato à reeleição do diretório municipal de São Luís, Fernando Magalhães. Além de contar com cerca de quase 500 filiados de 150 municípios.

Simultaneamente, rolam também as articulações nacionais.  O 6° Congresso Nacional do PT, que acontecerá nos dias 1, 2 e 3 de junho, renovará o partido em nível nacional.

O congresso será dividido em duas fases: num primeiro momento será realizado o Processo de Eleições Diretas (PED) municipal, no dia 9 de abril, que renovará as direções municipais e escolherá os delegados (as) estaduais.

A segunda fase será o processo de congressos, onde os delegados e delegadas eleitos escolherão as direções estaduais, a delegação para o Congresso Nacional e a Direção Nacional. Nesta etapa, também serão aprovadas resoluções que definirão a estratégia e tática do PT para o próximo período.

Ibope – Edivaldo lidera, Wellington ultrapassa Eliziane e já é o segundo na disputa em São Luís

Do G1

Disputa bastante acirrada em São Luís

Disputa bastante acirrada em São Luís

Edivaldo tem 29%, Wellington, 20%, e Eliziane, 16%, em São Luís, diz Ibope
Eduardo Braide, Fábio Câmara e Rose Sales têm 5% cada um.
Instituto ouviu 805 eleitores entre os dias 25 e 30 de agosto.

O instituto Ibope ouviu 805 eleitores entre os dias 25 a 30 de de agosto. A pesquisa foi encomendada pela TV Mirante. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA) sob o protocolo Nº MA-08827/2016.

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (30) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Prefeitura de São Luís:

– Edivaldo Holanda Júnior (PDT): 29%
– Wellington do Curso (PP): 20%
– Eliziane Gama (PPS): 16%
– Eduardo Braide (PMN): 5%
– Fábio Câmara (PMDB): 5%
– Rose Sales (PMB): 5%
– Cláudia Durans (PSTU): 2%
– Zeluís Lago (PPL): 1%
– Valdeny Barros (PSOL): 0%
– Branco/nulo: 12%
– Não sabe/não respondeu: 5%
O Ibope também apontou o índice de rejeição dos candidatos. Veja os números:

– Edivaldo Holanda Júnior (PDT): 37%
– Eliziane Gama (PPS): 27%
– Fábio Câmara (PMDB): 17%
– Rose Sales (PMB): 16%
– Zeluís Lago (PPL): 16%
– Cláudia Durans (PSTU): 13%
– Eduardo Braide (PMN): 12%
– Valdeny Barros (PSOL): 12%
– Wellington do Curso (PP): 11%
– Branco/nulo: 3%
– Não sabe/não respondeu: 13%
Avaliação da administração Edivaldo Holanda Júnior
Na mesma pesquisa, os eleitores também responderam sobre a avaliação da administração do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Veja os números:
– Ótima – 6%
– Boa – 16%
– Regular – 45%
– Ruim – 10%
– Péssima – 22%
– Não sabem avaliar – 1%

O destino dos “lanternas” na disputa em São Luís

Marrapá

eleiçoes 2016

O início da campanha eleitoral está marcado para o dia 16 de agosto, neste ano, com a minirreforma eleitoral, serão apenas 45 dias. Com o período reduzido, dificilmente algum candidato vai despontar nos próximos meses, além dos três mais citados; Eliziane Gama (PPS), Edivaldo Holanda Júnior (PDT) e Wellington do Curso (PP). Nesse contexto, a pré-campanha virou uma verdadeira disputa eleitoral.

Os demais até agora não caíram no gosto do eleitorado, e dificilmente essa realidade vai mudar. Por isso, o grupo dos menos lembrados começa a ter suas pré-candidaturas questionadas e o papel de cada um é avaliado pelos partidos.

O deputado Estadual Bira do Pindaré (PSB), o quarto mais lembrado pelos eleitores, não tem muito a perder concorrendo a prefeito. Com mandato até 2018, poderia se cacifar para voltar com força em 2020, além disso, pode prospectar espaço em futuro governo municipal.

Rose Sales perambulou por quatro partidos em seis meses e parou no nanico PMB. Ainda mantém um eleitorado que não chega a 5%, talvez seja candidata que mais vai perder nessas eleições, porque vai ficar sem mandato e um partido inexpressivo, se não desistir, tem tudo para sumir do cenário político de São Luís, assim como Tadeu Palácio.

Desse grupo, talvez o mais preparado seja o deputado estadual Eduardo Braide (PMN). Bom gestor reconhecido na Caema, possui uma postura ética e de bom diálogo. Também não tem nada a perder. Enquadra-se no mesmo caso de Bira.

Fábio Câmara (PMDB) ainda não sabe se vai sair candidato. Isso porque parte do PMDB não deseja sua candidatura. Seu desempenho pífio a cada pesquisa torna sua candidatura ainda mais questionável. Vai ficar sem mandato, mas ao contrário de Rose, ao menos comanda o diretório municipal do PMDB em São Luís.

Bentivi (PHS) é o pré-candidato folclórico, deve ser procurado por algum pré-candidato para ser usado como laranja em ataques aos adversários.