Maranhão cria mais de 1.700 novos empregos com carteira assinada em setembro

Os dados são do Ministério do Trabalho, que mensalmente divulga o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)

O Maranhão continua abrindo novos empregos com carteira assinada. Em setembro, foram 1.761 novos postos de trabalho. Os dados são do Ministério do Trabalho, que mensalmente divulga o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

É o quarto mês seguido em que o Estado abre novos empregos formais, ou seja, com carteira assinada. No acumulado do ano, são mais de 9 mil novos postos de trabalho, ainda de acordo com o Caged.

Em setembro, o setor que mais contribuiu para gerar emprego no Maranhão foi a Construção Civil, seguido por Comércio e Agropecuária.

Este é o terceiro ano seguido em que o Maranhão abre novos empregos com carteira assinada, mesmo com a forte crise econômica que atinge o Brasil.

De acordo com o Caged, o Maranhão teve saldo positivo de 1.221 vagas em 2017. A situação foi diferente da verificada no cenário nacional naquele mesmo ano. Em 2017, o Brasil inteiro perdeu 20.832 vagas.

Em 2018, o Maranhão teve um desempenho oito vezes melhor que no ano anterior: foram criados 9.649 empregos com carteira assinada.

Jornal O Globo mostra São Luís como a única capital do Nordeste que cria empregos

Com 4.822 empregos formais gerados, São Luís está na sexta posição entre todas as capitais brasileiras

A edição desta terça-feira do jornal O Globo mostra que São Luís é a única capital nordestina que acumula saldo positivo na criação de empregos com carteira assinada neste ano. Os dados foram extraídos de levantamento feito pela Consultoria Tendências.

A pesquisa vai de janeiro até agosto, o último dado disponível. Com 4.822 empregos formais gerados, São Luís está na sexta posição entre todas as capitais brasileiras.

Todas as demais do Nordeste perderam vagas no acumulado deste ano.

“A recuperação do mercado de trabalho encontra entraves no Nordeste, onde oito das nove capitais tiveram resultado negativo, segundo os dados da consultoria Tendências, e em dois estados que apresentam grave crise fiscal: Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. O pior resultado é o do Rio”, diz O Globo.

O desempenho de São Luís segue o do Maranhão, que tem gerado empregos novos pelo terceiro ano seguido.

O emprego com carteira assinada no Estado vem crescendo mais do que a média brasileira. Entre janeiro e agosto deste ano, o aumento dos postos formais foi de 1,63% no Maranhão. No Brasil inteiro, foi de 1,55%.

A expansão maranhense é bem maior que a do Nordeste, que cresceu 0,09% no acumulado do ano. Além disso, o Maranhão é o segundo Estado que mais abriu empregos com carteira assinada no Nordeste entre janeiro e agosto de 2019. Foram 7.569 vagas formais até agora. No Nordeste, só a Bahia tem desempenho melhor.

Crescimento do emprego no Maranhão é maior do que a média brasileira

Em 2019, os setores que mais têm gerado emprego no Estado são os de Serviços, Indústria de Transformação e Construção Civil

O emprego com carteira assinada no Maranhão vem crescendo mais do que a média brasileira. Isso significa que, proporcionalmente, o Estado gera mais empregos que o restante do país, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado mensalmente pelo Ministério do Trabalho.

Entre janeiro e agosto deste ano, o aumento dos postos formais (com carteira assinada) foi de 1,63% no Maranhão. No Brasil inteiro, foi de 1,55%.

A expansão maranhense é bem maior que a do Nordeste, que cresceu 0,09% no acumulado do ano.

Além disso, o Maranhão é o segundo Estado que mais abriu empregos com carteira assinada no Nordeste entre janeiro e agosto de 2019. Foram 7.569 vagas formais até agora. No Nordeste, só a Bahia tem desempenho melhor.

Em 2019, os setores que mais têm gerado emprego no Estado são os de Serviços, Indústria de Transformação e Construção Civil.

A Construção Civil tem sido ajudada pelas obras que o Governo do Maranhão toca no Estado. Entre elas, estão rodovias, o Hospital da Ilha e as construções e reformas de Escolas Dignas em todas as regiões.

Maranhão aumenta emprego com carteira assinada e tem 3º melhor resultado do Nordeste em 2018

Maranhão gerou mais empregos formais em 2018

O Maranhão fechou o ano de 2018 com saldo positivo de 9.649 empregos com carteira assinada em 2018. É o terceiro melhor resultado entre todos os estados do Nordeste. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgados nesta quarta-feira (23).

O desempenho é quatro vezes maior que o verificado em 2017, quando houve saldo positivo de 2.299 carteiras assinadas no Maranhão.

No Nordeste, o Maranhão só fica atrás de Bahia (28.621) e do Ceará (23.081), que têm economia e população maiores.

Em relação a todas as 27 unidades da federação, o Maranhão fica na melhor metade, com o 13º lugar geral na criação de vagas.

Além disso, o Maranhão teve, proporcionalmente, uma das maiores altas em todo o País. O aumento foi de 2,12%. No Brasil, foi de 1,4%.

No total, o Brasil teve saldo positivo de 529.554 vagas em 2018.

São Luís melhora posição no ranking nacional de empregos, comemora Edivaldo…

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PDT), comemorou, por meio de suas redes sociais, a excelente colocação da cidade de São Luís no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A boa performance da administração municipal e os investimentos na construção civil e no setor de serviços colocaram a capital maranhense em 1º lugar do Norte/Nordeste e entre as cinco cidades brasileiras com maior geração de empregos formais no país em 2017, segundo dados do Ministério do Trabalho (MTE), divulgados pela revista Exame.

Em postagem nesta quarta-feira (31), o prefeito de São Luís afirmou que o resultado é gratificante. “Estamos trabalhando com seriedade e responsabilidade, nomeando e empossando candidatos aprovados em concurso, e também desenvolvendo políticas na área fiscal que contribuem com o setor produtivo”, publicou.

Mesmo enfrentando a crise nacional, Edivaldo conseguiu manter a regularidade no pagamento do funcionalismo público, o que também contribuiu para a cidade atingisse a marca. Como veio ocorrendo durante toda a sua gestão, nesta quarta-feira (31) o prefeito anunciou mais uma vez que pagará o salário em dia, com vencimento no dia 2 de fevereiro.

Números

De acordo com o levantamento feito em 5.660 municípios do Brasil, no ano passado o saldo de empregos com carteira assinada em São Luís foi positivo, criando 2.636 vagas no mercado de trabalho. A cidade ficou atrás somente de Joinville (SC), Aparecida de Goiânia (GO), Bebedeouro (SP) e Goiânia (GO), única capital brasileira com saldo melhor que São Luís. Se levado em consideração somente as cidades do Norte/Nordeste, São Luís é a primeira em geração de empregos.

Ranking das 100 cidades que mais criaram empregos em 2017 (Fonte: Exame)

1º Joinville (SC) 5.588

2º Aparecida de Goiânia (GO) 4.342

3º Bebedouro (SP) 4.203

4º Goiânia (GO) 3.880

5º São Luis (MA) 2.636

6º São José (SC) 2.517

7º Matão (SP) 2.470

8º Uberlândia (MG) 2.175

9º Maraba (PA) 2.147

10º Boa Vista (RR) 2.145

11º São José do Rio Preto (SP) 2.120

12º Pato Branco (PR) 2.119

13º Votuporanga (SP) 2.081

14º Pirassununga (SP) 2.079

15º Colômbia (SP) 1.949

16º Itaquaquecetuba(SP) 1.911

17º Resende (RJ) 1.838

18º Patos de Minas (MG) 1.791

19º Boituva (SP) 1.764

20º Teresina (PI) 1.708

21º Parnaíba (PI) 1.678

22º Rondonópolis (MT) 1.660

23º Mogi das Cruzes (SP) 1.621

24º Gravataí (RS) 1.594

25º Chapecó (SC) 1.589

26º Anápolis (GO) 1.533

27º Aracruz (ES) 1.527

28º Sinop (MT) 1.519

29º Marília (SP) 1.473

30º Rio Verde (GO) 1.472

31º Palotina (PR) 1.435

32º Itajaí (SC) 1.416

33º Juazeiro (BA) 1.405

34º Várzea Grande (MT) 1.403

35º Goianésia (GO) 1.319

36º Araguaína (TO) 1.302

37º Comendador Gomes  (MG) 1.302

38º Mafra (SC) 1.301

39º Rio Claro (SP) 1.295

40º Suzano (SP) 1.289

41º Blumenau (SC) 1.286

42º Luis Antonio (SP) 1.261

43º Santo André (SP) 1.181

44º Monte Azul Paulista (SP) 1.136

45º Ji-Paraná (RO) 1.121

46º São Leopoldo (RS) 1.117

47º Brusque (SC) 1.093

48º Barcarena (PA) 1.092

49º Ponta Grossa (PR) 1.038

50º Santa Maria (RS) 1.020

51º Sapezal (MT) 1.014

52º Itaúna (MG) 1.009

53º Medianeira (PR) 981

54º Mogi-Guaçu (SP) 951

55º Passo Fundo (RS) 932

56º Cuiabá (MT) 929

57º Ribeirão Preto  (SP) 915

58º Sete Lagoas (MG) 896

59º Pirenópolis (GO) 879

60º Lucas do Rio Verde (MT) 872

61º Cascavel (PR) 871

62º Sobral (CE) 870

63º João Monlevade (MG) 867

64º Concórdia (SC) 855

65º Dourados (MS) 855

66º Caucaia (CE) 850

67º Extrema (MG) 840

68º Valinhos (SP) 830

69º Pouso Alegre (MG) 829

70º Rolândia (PR) 829

71º  Santa Cruz do Rio Pardo (SP) 818

72º Casa Nova (BA) 813

73º Castro (PR) 799

74º Tabatinga (SP) 790

75º Botucatu (SP) 785

76º Itapema (SC) 785

77º Ananindeua (PA) 783

78º Mirassol D Oeste (MT) 761

79º Morada Nova (CE) 760

80º Alfenas (MG) 760

81º Parnamirim (RN) 753

82º São Gonçalo do Amarante (RN) 749

83º São Jose dos Pinhais (PR) 743

84º Jataí (GO) 725

85º Apucarana (PR) 723

86º Varginha (MG) 722

87º Pontal do Paraná (PR) 722

88º São João da Boa Vista  (SP) 718

89º Senador Canedo (GO) 714

90º Primavera do Leste (MT) 713

91º Limeira  (SP) 712

92º São Gonçalo dos Campos (BA) 710

93º Iturama (MG) 707

94º Nova Odessa (SP) 707

95º Horizonte (CE) 706

96º Nossa Senhora do Socorro (SE) 706

97º Maringá (PR) 706

98º Luis Eduardo Magalhães (BA) 696

99º Toledo (PR) 689

100º Uruçuí (PI) 688

Relatório do Caged aponta que o Maranhão é campeão de empregos no mês de julho

O saldo de empregos gerados no Maranhão foi o maior do Brasil, em número proporcionais. Com um crescimento de 0,44% no balanço entre julho e junho de 2015, o Maranhão foi um dos três estados com desempenho positivo na geração de emprego.
A construção civil foi, segundo relatório do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Brasil), a mola propulsora desse crescimento no Maranhão deve-se à construção civil. No mês de julho, o Maranhão teve um saldo de 2.121 pessoas empregadas a mais que no mês anterior.
O desempenho foi, proporcionalmente, o melhor do país. Em segundo lugar veio o Pará com 2.643 empregos gerados (crescimento de 0,33%) e o Mato Grosso com 770 (0,11%).
Os dados são auferidos pelo Ministério do Trabalho e Emprego