Edilázio Júnior assume PSD no Maranhão

O parlamentar vai trabalhar para que a legenda apresente resultados nas eleições municipais de 2020, principalmente, nas grandes cidades maranhenses.

O deputado federal Edilázio Júnior, do PSD do Maranhão, assumiu a presidência do partido no Estado, após ter seu nome homologado pelo presidente nacional da sigla, Gilberto Kassab. O parlamentar vai trabalhar para que a legenda apresente resultados nas eleições municipais de 2020, principalmente, nas grandes cidades maranhenses.

“A responsabilidade vai ser grande e, através do diálogo e da luta, vamos alcançar nossos objetivos e fortalecer ainda mais o PSD”, destacou o deputado, que é membro titular da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara Federal.

Indicado para exercer a presidência da Executiva estadual do PSD até 2022, Edilázio fez questão de demonstrar orgulho por exercer a função e contar com a confiança de Kassab. Ele também parabenizou o ex-presidente do diretório estadual, Cláudio Trinchão.

A Executiva Estadual do PSD é composta ainda pelo primeiro vice-presidente, o empresário Clóvis Fecury, e o segundo vice-presidente, Ulisses Waquim, filho da ex-prefeita do município de Timon, Socorro Waquim.

Polícia Federal cumpre oito mandados de busca e apreensão; Gilberto Kassab é um dos alvos

Um grupo de 40 policiais federais cumprem oito mandados de busca e apreensão, dos quais seis em São Paulo e dois no Rio Grande do Norte. Os alvos são investigados pelos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica eleitoral

Agência Brasil

A Polícia Federal cumpre hoje (19) oito mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro de Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, ex-prefeito de São Paulo (2010 a 2016) e indicado para a Casa Civil no governo de João Doria (PSDB), é um dos alvos da ação. Policiais federais foram ao apartamento dele em um bairro nobre de São Paulo.

Um grupo de 40 policiais federais cumprem oito mandados de busca e apreensão, dos quais seis em São Paulo e dois no Rio Grande do Norte. Os alvos são investigados pelos crimes de corrupção passiva e falsidade ideológica eleitoral.

As investigações têm como base informações transmitidas durante delações premiadas de executivos da J&F. O objetivo é apurar suposto recebimento de vantagens indevidas por parte de Kassab enquanto estava na prefeitura.

De acordo com a PF, as vantagens teriam sido exigidas pelo grupo empresarial do ramo dos frigorífico em troca da defesa de interesses, assim como para direcionar o apoio político na campanha presidencial de 2014.

Segundo informações da Polícia Federal, parte dos recursos foi repassada para campanha de um determinado candidato ao governo do Rio Grande do Norte e a um deputado federal, ambos eleitos. Porém, os nomes não foram divulgados.

A suspeita é que os valores eram recebidos por empresas por meio da simulação de serviços que não foram efetivamente prestados e para os quais foram emitidas notas fiscais falsas.