Anuário Brasileiro da Segurança mostra que São Luís foi a capital que mais reduziu homicídios

O Anuário Brasileiro da Segurança Pública é divulgado anualmente e traz dados do Brasil inteiro

São Luís é a capital brasileira que mais reduz o número de homicídios. A informação foi confirmada pelo Anuário Brasileiro da Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira (10) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Trata-se de uma organização sem fins lucrativos. O Anuário Brasileiro da Segurança Pública é divulgado anualmente e traz dados do Brasil inteiro.

Entre 2017 e 2018, a capital maranhense reduziu em 36,6% a taxa de homicídios. Nenhuma outra capital em todo o Brasil conseguiu melhor resultado neste período. A queda ludovicense é bem maior que a média de redução de todas as capitais, de 15,7%.

As capitais que mais chegam perto da redução verificada em São Luís são Florianópolis (30%), Rio Branco (29,6%), Fortaleza (25,4%), Belo Horizonte (23,9%) e Recife (23,1%).

Há pouco mais de um mês, o Atlas da Violência 2019, do Ipea, havia mostrado que São Luís foi a capital brasileira que mais reduziu homicídios entre 2014 e 2017. Em 2014, a taxa de homicídios era de 82,9 a cada 100 mil habitantes. A partir de 2015, com a nova política de Segurança Pública no Maranhão, a taxa começou a cair ano a ano.

Em 2017, caiu para 46,9 homicídios a cada 100 mil habitantes. Isso significa uma redução de 43,42% em apenas três anos. Ou seja, os dois estudos mostram que São Luís foi a capital que mais reduziu os homicídios entre 2014 e 2018.

Número de mortes violentas na Grande Ilha é o menor dos últimos cinco anos

No estudo do G1, o ano de 2014 fechou com 910 mortes violentas; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 336

As mortes violentas na Região Metropolitana de São Luís apresentaram queda de 63%, entre os anos de 2014 a 2018. O índice é o menor dos últimos cinco anos e a redução se manteve ano a ano no período, segundo comparativo realizado a partir do Mapa da Violência, estudo nacional elaborado pelo site G1. O estudo aponta os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que incluem homicídios, latrocínios (roubo seguido de morte) e lesões corporais com morte. Este conjunto é a base da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir a violência no país.

No estudo do G1, o ano de 2014 fechou com 910 mortes violentas; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 336. Nos demais anos, a redução se manteve consecutivamente. Em 2015, totalizaram 799; em 2016, foram 693; em 2017, os registros somam 539; e mantêm a redução em 2018, com 336 casos – 37% menos que no ano anterior. A Região Metropolitana de São Luís inclui os municípios de Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Rosário e a capital São Luís – cidades onde há maior demanda de ocorrências.

O trabalho para manter os índices de queda reflete, também, nos dados de todo o Maranhão, que no período de cinco anos reduziu em 19% os registros de morte violenta. Em 2014, os registros apontam 2.098 casos; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 1.699 casos. Nos demais anos, os registros oscilaram até a redução gradativa. Em 2015, totalizaram 2.191; em 2016, foram 2.215; em 2017, os registros diminuem 33% somando 1.948 casos; e mantêm a redução em 2018, com 1.699 ocorrências – 14% menos que no ano anterior.

Levantamento mais recente da SSP-MA, que refere ao primeiro quadrimestre deste ano, reforça a diminuição dos casos de mortes violentas na Grande Ilha e o geral no Estado. De janeiro a abril de 2019, totalizaram 123 casos em 2018; caindo para 100 em 2019, o que representa 18,7% menos ocorrências destes crimes. Considerando o Maranhão, a redução é semelhante – 18,9% menos mortes violentas, sendo que em 2018, somaram 571 registros, caindo para 463 em 2019.

Grande São Luís: Homicídios caem 37% no mês de abril em comparação com mesmo período de 2018

São Luís deixou em 2017 a lista das 50 capitais mais violentas de todo o mundo.

Os homicídios na Grande São Luís caíram 37% no mês de abril deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2018. Em abril do ano passado, tinham sido 30 casos desse tipo. Em abril de 2019, foram 19 – queda de 36,66%.

Os homicídios vêm caindo ano a ano no Maranhão. Em abril de 2014, foram 69 homicídios nos quatro municípios da Grande Ilha; em abril de 2015, 53; em abril de 2016, 46; em abril de 2017, 41; em abril de 2018, 30; em abril de 2019, 19.

“Queda de 72% após cinco anos de trabalho sério e honesto, com muitos investimentos”, afirmou o governador Flávio Dino. A queda na criminalidade reflete os investimentos e a nova política de segurança que passaram a ser adotados após 2015.

Hoje, o Maranhão tem mais de 15 mil policiais, a maior tropa da história do Estado. Foram entregues mais de mil viaturas, dando condições de trabalho para a polícia. Também houve investimento em armamento e equipamentos. Com isso, a capital maranhense enfim deixou, em 2017, a lista das 50 capitais mais violentas de todo o mundo.

Homicídios na Grande São Luís caem 15% no mês de março


A tendência de queda neste tipo de crime vem se mantendo e é resultado de operações ostensivas de combate e controle, realizadas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública

Os casos de homicídios na Região Metropolitana de São Luís reduziram 15% no mês de março deste ano, no comparativo com o mesmo período do ano anterior. A tendência de queda neste tipo de crime vem se mantendo e é resultado de operações ostensivas de combate e controle, realizadas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA). As ações incluem maior monitoramento e abordagens a pessoas e veículos, incluindo coletivos, em pontos estratégicos.

Os dados da estatística da SSP-MA apontam a ocorrência de 20 casos de homicídios na Grande Ilha, em 2018, número que diminuiu para 17 registros este ano. O delegado Lúcio Reis destaca o reforço policial em áreas mapeadas como de maior incidência de tráfico de drogas, abordagens em pontos identificados de vendas do entorpecente, além de monitoramento e interceptação de suspeitos como contribuintes para a redução e controle dos casos. “Os homicídios, uma vez controlados, refletem na redução de outras criminalidades como o tráfico de drogas e os roubos”, reitera o titular da SHPP.

São Luís tem queda no número de homicídios durante o carnaval

Na Região Metropolitana, que inclui os municípios de São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar, a redução de homicídios foi de 63%. Também não houve ocorrências de estupro no período

Nos circuitos carnavalescos, bairros ou nas estradas, o resultado das operações de segurança pública em todo o Maranhão foi positivo. De acordo com o relatório apresentado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), só em São Luís, a redução de homicídios chegou a 87,5% no período de Carnaval no comparativo com o ano anterior.

“Foi o maior e mais seguro Carnaval que já tivemos”, afirmou o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela.

Os números divulgados compreendem as operações integradas entre Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Detran, Polícia Rodoviária Federal e Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) no período de 1 a 6 de março.

“Mesmo com uma grande concentração de pessoas em locais públicos (mais de 500 mil no Circuito Beira Mar) podemos destacar que em seis dias de Carnaval tivemos um homicídio na capital, que ocorreu fora do circuito de carnaval”, frisou Jefferson Portela.

Na Região Metropolitana, que inclui os municípios de São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar, a redução de homicídios foi de 63%. Também não houve ocorrências de estupro no período.

Além disso, foram apreendidas cinco armas de fogo, registradas 159 ocorrências e 188 pessoas foram conduzidas às delegacias, o que resultou em 43 prisões em flagrante.

Nas rodovias estaduais e federais que cortam o estado, os números resultantes da fiscalização e prevenção também são positivos. No período, foi zero a ocorrência de acidentes com morte nas MAs. Nas BRs, onde a Polícia Rodoviária Federal realizou operações em parceria com o Detran-MA, caiu pela metade o número de acidentes com mortes.

“Estamos felizes com esses números, nós tivemos um decréscimo de 50% e, ainda que sintamos as vidas perdidas, comemoramos esse decréscimo bastante significativo, temos que elogiar também a Polícia Rodoviária Federal, que tem sido parceira constante do Detran e todas suas Ciretrans”, afirmou Larissa Abdalla, presidente do órgão estadual.

Além das atividades realizadas no pré-carnaval, apenas entre os dias 1 e 6 de março, as ações educativas e preventivas realizadas pelo órgão compreenderam as 34 cidades com maiores carnavais do estado.

Tradicional em São José de Ribamar, o Carnaval Lava-Pratos também contará neste fim de semana com as operações integradas da Secretaria de Segurança Pública, que na cidade receberá ainda o reforço da Guarda Municipal.

“Todas as vias de acesso de São Luís para lá serão monitoradas, seja pela Maioba, Retorno da Forquilha, Paço do Lumiar. Nós vamos fazer o controle real nos municípios todos da Ilha. Teremos a presença de um grande efetivo integrado ao Sistema Municipal de São José de Ribamar, um corporação grande com 382 integrantes que já trabalha em conjunto conosco”, informou Portela.

Homicídios voltam a cair em todo o Maranhão

Segundo o documento, enquanto em 2017 somaram 1.948 casos de Crimes Violentos Letais Intencionais, em 2018, os dados reduziram para 1.699

O Maranhão apresentou redução de 12,8% nos casos de mortes violentas e figura entre os estados brasileiros que conseguiram diminuir a incidência destes casos, segundo o Monitor da Violência, relatório do Núcleo de Estudos da Violência da USP, Fórum Brasileiro de Segurança Pública e site G1.

Segundo o documento, enquanto em 2017 somaram 1.948 casos de Crimes Violentos Letais Intencionais, em 2018, os dados reduziram para 1.699. Os CVLIs incluem os homicídios, as lesões corporais seguidas de morte e os latrocínios (roubos seguidos de morte).

“O resultado é fruto de uma série de operações do Governo do Estado, direcionadas especificamente para o combate, controle e prevenção deste conjunto de crimes. Isso passa pela aquisição de equipamentos mais modernos, novos veículos, aumento do número de policiais e ações de valorização desse efetivo”, pontuou o secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portela.

Portela destacou que a gestão realizada pelo governador Flávio Dino tem um sério compromisso com a Segurança Pública, com um eficaz planejamento das operações. “O trabalho tem culminado em redução gradativa das mortes violentas, refletindo em mais segurança para a população”, afirma o secretário.

O Mapa da Violência quantifica os casos a partir do levantamento das ocorrências mês a mês, com base na taxa de mortes a cada 100 mil habitantes. O relatório segue padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

O número de homicídios mensais também tem reduzido gradativamente, corroborando com os dados do Mapa da Violência. Em fevereiro de 2019, foram 14,8% menos casos deste tipo, no comparativo com o mesmo mês de 2018. Somaram 23 ocorrências em fevereiro deste ano, enquanto foram 27 ano passado. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (1º) pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP).

Em fevereiro também houve redução dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que incluem além dos homicídios, lesões corporais seguidas de morte e latrocínio. Em 2018, a SSP registrou a ocorrência de 28 CVLIs, que este ano foram reduzidas para 24 no mesmo período. Em ambos os anos, não foram registrados casos de lesão corporal com morte e houve apenas um latrocínio.

Os CVLIs são o parâmetro da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir os índices de violência no país. Ou seja, quando estes dados reduzem, é entendido que há, também, queda da criminalidade.

São Luís tem o menor número de homicídios dos últimos 11 anos

O ano de 2014 foi o que registrou o pico de ocorrências no mês de março, totalizando 84 casos de crimes violentos na Grande São Luís.

Dados apresentados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) mostram que o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) registrados na Grande São Luís, em março de 2018, é o menor dos últimos 11 anos, comparado com o mesmo período dos outros anos. Os CVLIs incluem os crimes violentos que resultam em morte: homicídio, latrocínio e lesão seguida de morte.

Segundo o setor de estatística da SSP, em março de 2018 foram 22 CVLIs registrados nos municípios que compõem a Grande Ilha: São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar.

Os números de março de 2018 são os menores desde 2009. Nessa série histórica, o ano de 2014 foi o que registrou o pico de ocorrências no mês de março, totalizando 84 casos de crimes violentos na Grande São Luís.

Se comparado ao ano passado, março de 2018 também registrou quedas nos casos, saindo dos 60 em 2017 para os atuais 22, totalizando uma redução de 63%.

Entre os fatores importantes para redução gradativa dos casos de crimes letais na Grande Ilha, estão a criação, em 2016, da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), que modificou a dinâmica de combate aos crimes e trouxe maior precisão à investigação criminal desses casos, com a utilização de um método diferenciado que inclui uma delegacia móvel e ferramenta de georreferenciamento de casos.

Dados registram queda de 60% de homicídios em São Luís

Em 2014, os registros apontavam 910 casos destes. Em 2015, caíram para 800. Em 2016, para 693 homicídios. Em 2017, para 540 casos.

O número de homicídios em São Luís diminuiu 60% em fevereiro deste ano, quando foram registrados 27 casos, no comparativo com o mesmo período de 2014, quando ocorreram 68 crimes desse tipo. O mês é um dos mais movimentados do ano devido às concentrações e deslocamentos no período de Carnaval.

A redução acontece também se comparado o número de fevereiro deste ano com o de fevereiro de 2017, quando ocorreram 58 casos de mortes violentas. Nesse caso, a redução foi de 53%. Os dados são da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA).

Segundo o superintendente Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), por quatro anos consecutivos o circuito oficial das festas de carnaval, organizadas pelo Governo do Estado, não apresentou nenhuma ocorrência.

As estatísticas são utilizadas pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir os índices de violência no país. A redução deste conjunto de crimes se mostra desde o primeiro ano da gestão Flávio Dino.

Em 2014, os registros apontavam 910 casos destes. Em 2015, caíram para 800. Em 2016, para 693 homicídios. Em 2017, para 540 casos.

Dos homicídios ocorridos no Maranhão, 50% são solucionados em até 72 horas

O êxito na solução dos casos é também fruto do trabalho integrado das polícias e a execução de uma série de operações

Do total de casos de homicídios ocorridos no Maranhão, 50% são solucionados em até 72 horas. O número refere às investigações deste ano e superam em 25% o índice de resolutividade, se comparado com o ano passado. A agilidade na identificação da autoria é atribuída a medidas do Governo do Estado na criação de novas instituições, melhoramento da estrutura, aquisição de equipamentos e valorização do policial.

“Os investimentos realizados pelo Governo do Estado na estrutura da Polícia Civil, assim como em todo sistema de segurança, têm garantido condições mais adequadas para a investigação e maior resolutividade das ocorrências”, pontuou o delegado geral de Polícia Civil, Leonardo Diniz.

A investigação se tornou mais qualificada com a criação da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), órgão da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA). “São medidas de efeito imediato do Governo, pois agilizaram de fato as investigações e com esse aparato a polícia tem conseguido elucidar mais casos e prender mais autores, fazendo justiça à família das vítimas”, reforçou o titular da SHPP, Lúcio Reis.

A SHPP agrega o Departamento de Homicídios da Capital (DHP); Departamento de Proteção à Pessoa (DPP), que investiga os latrocínios e desaparecimentos; a Delegacia Móvel, que atende o caso no local e funciona 24 horas; e o Plantão Central de Homicídios, com média de 60 registros por mês e os encaminha às delegacias de área – Norte, Sul, Leste e Oeste.

“A integração do plantão às delegacias tornou mais ágil a investigação. Todos estes órgãos criados no atual governo garantem maior efetividade na solução destes casos”, reforçou o delegado. Ainda, o Serviço de Inteligência com apoio do Centro Integrado de Polícia e Segurança (Ciops), Instituto Médico Legal (IML) e Instituto de Criminalística (Icrim), que somam nas investigações.

O êxito na solução dos casos é também fruto do trabalho integrado das polícias e a execução de uma série de operações. “O planejamento de trabalho e a força tarefa policial resultam nessas elucidações a curto prazo. A Segurança Pública e todo o aparato do Estado nesta área tem sido colocados à disposição, sempre que necessário, e garantido resultados nas operações”, reiterou o superintendente de Homicídios.

Mais Medidas

Integrando o Pacto pela Paz, o Governo promove ações de segurança pública com fins a reduzir os índices de violência e disseminar a cultura de paz. Criado pelo governador Flávio Dino, por meio da Lei N° 10.387, o projeto reúne poder público estadual, sociedade civil e cidadãos em geral. A especialização das investigações e aumento do efetivo especificamente para tratar destes casos são outras medidas de Governo que contribuíram para os bons resultados.

Desde o primeiro ano da atual gestão são colocadas em prática ações e operações de combate direto a esta criminalidade, com o objetivo de frear o avanço dos casos, concluiu o titular da SHPP, Lúcio Reis.