General é exonerado do Esporte e deve ser substituído por aliado de Sarney

A saída do general Marco Aurélio Vieira foi publicada no Diário Oficial da União.

Veja

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) exonerou nesta quinta-feira, 18, o general Marco Aurélio Vieira do cargo de secretário especial do Esporte – correspondente às funções do antigo ministro da área, agora vinculada ao Ministério da Cidadania. A saída de Vieira foi publicada no Diário Oficial da União.

Nos bastidores, as especulação são de que a exoneração do general era necessária para dar lugar ao MDB, com a possível nomeação João Manoel Santos Souza, que seria ligado ao ex-presidente José Sarney. Santos Souza é filho do ex-senador João Alberto, presidente estadual do MDB maranhense. Ministro da Cidadania, Osmar Terra é o único nome do partido na Esplanada.

As mudanças na pasta começaram a ser discutidas no contexto da ampliação da base partidária do governo no Congresso, no momento em que o Palácio do Planalto tenta conseguir os votos necessários para a aprovação da proposta de reforma da Previdência.

Assis Ramos desperta a ira do grupo Sarney após sua saída do MDB

O prefeito Assis Ramos, de Imperatriz, anunciou sua filiação ao DEM e despertou a ira do MDB

A jornalista Denise Rothenburg afirmou, em sua coluna no Jornal Correio Brasiliense, que o grupo Sarney está irritado com o prefeito de Imperatriz, Assim Ramos. De acordo com a reportagem, “enquanto o presidente Jair Bolsonaro conversa com os partidos em busca de apoio, o DEM aproveita a estrutura que já tem montada no Executivo para conquistar postos estratégicos em troca de recursos federais. Esta semana, o partido integrou aos seus quadros os prefeitos de Curitiba, Rafael Grecca; de Chapecó, Luciano Buligon, e o de Imperatriz, Assis Ramos, que vem do MDB. Aí, o “bicho pegou”. O comando do MDB, leia-se o grupo do ex-presidente José Sarney, está uma fera. E essa briga é apenas o começo”.

De acordo com a matéria, “Assis não esconde o que o levou a trocar de partido. Nas redes sociais de emedebistas maranhenses, avisou que estava saindo da legenda e do grupo de WhastApp, com a seguinte mensagem: “Como governar Imperatriz sem a ajuda do governo federal? Antes, eu tinha dois senadores que me ajudavam muito, Edison Lobão e João Alberto, com isso a cidade não sentia tanto a falta de apoio do governo estadual. O DEM é um partido forte e independente, possui vários ministros, inclusive o da Saúde, nosso principal gargalo. Vocês acham que consegui os recursos para reformar o socorrinho de forma tão rápida como? Claro, através do ministro da Saúde, que é do DEM. Enfim, penso mesmo é na cidade”, republicou a jornalista parte da nota do prefeito Assis.

Sarney anda irritado com presidente do Senado

Entre os demitidos que constam no Diário Oficial do Senado estão Maria Vandira Peixoto, ex-assessora de José Sarney

O ex-presidente José Sarney (MDB) anda muito irritado. É o que informa pessoas mais próximas. A irritação se deu pelo fato do atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), ter demitido 149 servidores do Senado ligados ao ex-presidente e outras autoridades do MDB.

Entre os demitidos que constam no Diário Oficial do Senado estão Maria Vandira Peixoto, ex-assessora de José Sarney, e Rosângela Terezinha Michels Gonçalves.

Não chamaram o Sarney?

Nos corredores do Congresso, perguntavam onde estava José Sarney

O Antagonista

O MDB quer se reinventar, mas ontem a reunião para discutir a eleição para a presidência do Senado começou com a presença de Romero Jucá (ainda presidente do partido) e Eunício Oliveira, dois derrotados nas últimas eleições.

Nos corredores do Congresso, perguntavam onde estava José Sarney.

Ex-chefe da Casa Civil de Roseana é demitida do Governo Federal

A advogada Anna Graziella exercia a função de superintendente regional no Maranhão da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)

Anna Graziella Santana Neiva Costa, ex-chefe da Casa Civil do governo Roseana Sarney, foi demitida da Governo Federal. A exoneração foi publicada, segunda-feira (28).

Quatro dias depois de uma “inspeção surpresa” feita pelo ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, na sede da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), no Rio de Janeiro, a direção da empresa anunciou a reestruturação dos quadros e redução de 45 cargos em comissão.

A advogada Anna Graziella exercia a função de superintendente regional no Maranhão da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e foi uma das 45 pessoas exoneradas. As demissões atingiram funcionários do Rio, Brasília, São Paulo e Maranhão.

Em nota, a EBC comunicou os afastamentos e informou ainda que a partir desta segunda, o Repórter Brasil Maranhão, programa jornalístico local da TV Brasil no Estado, deixará de ser exibido.

Temer encerra mandato superando apenas José Sarney em nível de rejeição

Apesar do número ainda elevado, houve queda em relação a última pesquisa, em setembro, quando a rejeição era de 92%

O presidente Michel Temer encerrará o mandato com rejeição de 85% dos brasileiros, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira (13), um dos mais baixos índices de popularidade, superando apenas o governo do ex-presidente José Sarney (MDB).

Apesar do número ainda elevado, houve queda em relação a última pesquisa, em setembro, quando a rejeição era de 92%. Esse também é o menor porcentual de rejeição de Temer registrado pela pesquisa desde setembro de 2017.

A aprovação do atual presidente teve um crescimento de 6% para 9%. Outros 5% não souberam ou não quiseram responder. Esta é a última pesquisa realizada pela instituição este ano.

Entre os que avaliam o governo Temer como ótimo ou bom, houve oscilação de 4% a 5% entre setembro e dezembro deste ano, dentro da margem porcentual de dois pontos para mais ou para menos.

O porcentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo caiu de 82% para 74% de setembro para dezembro. Neste mês, 18% avaliaram o governo como regular, um aumento de 6% percentuais em relação a última pesquisa.

O índice de confiança de Temer permaneceu estável: 90% afirmaram não confiar no atual presidente. O porcentual é o mesmo desde o ano passado. No entanto, aqueles que confiam no presidente cresceram de 5% para 7%, dentro da margem de erro.

A pesquisa foi realizada pelo Ibope entre os diaS 29 de novembro e 2 de dezembro. Foram consultados 2 mil eleitores em 127 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. O nível de confiança é de 95%.

José Sarney rasga as vestes

O ex-presidente deixou de lado a liturgia e a polidez ao analisar o resultado das urnas

Veja

Jose Sarney deixou de lado a liturgia e a polidez ao analisar o recado dados pelas urnas à sua sua família.

A um personagem de sua confiança, o ex-presidente e membro da Academia Brasileira de Letras foi curto e grosso: “Eu me [email protected]#! nesta eleição”.

De fato.

Roseana perdeu a disputa pelo governo do Maranhão para Flavio Dino, e Sarney Filho ficou de fora na briga pelo Senado.

Camaleão? O oportunismo político de Sarney…

Sarney mostra que suas palavras de afago não passam de oportunismo para tentar conquistar benéfices

Como quem aguarda o momento certo para se apegar na melhor oportunidade, o ex-presidente José Sarney (MDB) não deixou passar em branco sua manifestação a favor do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). No melhor estilo “camaleão”, suas palavras miram em quem está ou quem pode ter o poder no Governo Federal.

Após o fim de seu mandato, José Sarney tratou de aliar-se aos ex-presidentes Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, essa última até as vésperas do impeachment.

Procurando, por oportunismo, escrever palavras que contemplem positivamente o candidato Jair Bolsonaro, Sarney falou para a Folha de São Paulo que “não vê ameaças de retrocesso com a liderança de Bolsonaro”. Para Sarney, o “Brasil é hoje uma democracia consolidada e irreversível”.

“Qualquer que seja o resultado das urnas, todas as perturbações da eleição serão superadas”, sentenciou Sarney.

Com essas palavras, Sarney mostra que suas palavras de afago não passam de oportunismo para tentar conquistar benéfices, possíveis cargos federais e para manter seu prestígio com o próximo governo, porque, para ele, o que importa é estar com o poder.

STF acaba com aposentadoria de ex-governadores do Maranhão

A proibição deverá alcançar José Sarney, João Alberto, Edison Lobão, Zé Reinaldo Tavares e Roseana Sarney

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou procedente uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pela Procuradoria-Geral da República, e acabou com a aposentadoria vitalícia de ex-governadores do Maranhão. A decisão é do mês de setembro.

O benefício era garantido pelo artigo 45 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado do Maranhão, agora declarado inconstitucional.

Na mesma ação, o plenário da mais alta corte do país também declarou a inconstitucionalidade da Lei estadual nº 6.245/1994, que garantia a aposentadoria às viúvas de ex-governadores.

A proibição deverá alcançar José Sarney, João Alberto, Edison Lobão, Zé Reinaldo Tavares e Roseana Sarney.

As decisões já foram comunicadas ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), e ao presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PC do B).