Porto do Itaqui ultrapassa 500 navios no ano

O navio de número 500 foi o SBI Hyperion, de bandeira da Libéria, desatracou do Porto do Itaqui na segunda-feira (27) após carregar 65 mil toneladas de milho e foi o navio de número 500

Nesta semana o Porto do Itaqui movimentou seu navio de número 500, marca alcançada em pouco mais de seis meses e que reflete os resultados registrados pelo porto no primeiro semestre de 2020. Apesar da pandemia, por se tratar de um serviço essencial, o porto público do Maranhão seguiu operando para garantir o abastecimento de toda a região centro-norte do país.

O navio de número 500 foi o SBI Hyperion, de bandeira da Libéria, desatracou do Porto do Itaqui na segunda-feira (27) após carregar 65 mil toneladas de milho. A embarcação veio do Porto de Conakry, República da Guiné, com destino ao Porto de Haifa, em Israel.

Para o segundo semestre a expectativa é de mais crescimento em movimentação de cargas, com a entrada em operação da segunda fase do Tegram agora em agosto, o que vai elevar a capacidade de movimentação de grãos no Itaqui para 19 milhões de toneladas/ano. O volume de fertilizante também deve crescer a partir da inauguração do novo terminal de fertilizantes, da Companhia Operadora Portuária do Itaqui (Copi), ainda neste ano. A previsão é saltar de uma capacidade de 2 milhões para 3,5 milhões de toneladas de importação de fertilizante por ano.

A infraestrutura para granéis líquidos está em fase de ampliação no Itaqui, com os projetos da Ultracargo, Granel e Raízen, além da perspectiva de licitação para arrendamento de quatro áreas para terminais, prevista para este segundo semestre, um investimento de R$ 478,1 milhões da iniciativa privada no porto público do Maranhão.

Exportação de grãos cresce 12% no Porto do Itaqui

3,7 milhões de toneladas cabem às operações do Tegram e o restante representa o volume movimentado pelo terminal da VLI

O Porto do Itaqui deve embarcar, até o final deste mês, cerca de 5,5 milhões de toneladas de milho, soja e farelo de soja, e a previsão é fechar este primeiro semestre de 2020 com crescimento de 12% na movimentação de grãos. Desse total, 3,7 milhões de toneladas cabem às operações do Tegram e o restante representa o volume movimentado pelo terminal da VLI. A reboque da safra recorde de grãos, a importação de fertilizantes deve superar os 50% de crescimento em relação ao mesmo período do ano passado, com 1,2 milhões de toneladas importadas.

“Com base em nossos índices de produtividade e a entrada em operação da segunda fase do Tegram em agosto, estamos trabalhando com a expectativa de um novo recorde histórico neste ano, superando os 11,2 milhões movimentos em 2019. E a partir de agosto passamos a um novo patamar, com capacidade para movimentar 19 milhões de toneladas de grãos por ano”, informa o presidente do Porto do Itaqui, Ted Lago.

“O projeto original do Tegram previa 5 milhões de toneladas/ano em cada fase, mas em 2019 superamos a marca de 7 milhões, sendo a maioria composta de soja. Nos primeiros meses desse ano o nosso crescimento é de quase 40% e só em maio de 2020 embarcamos quase 1 milhão em 14 navios”, destaca Marcos Pepe Bertoni, chefe de operações da CGG Trading (uma das empresas que compõem o consórcio) e integrante da diretoria do Tegram.

O gerente-geral de Operações Terminais e Porto Norte da VLI, Denilson Marques, destaca o papel extremamente relevante do agronegócio para a economia nesse momento de crise sanitária que o mundo atravessa em função da pandemia de Covid-19. “O setor, assim como a infraestrutura logística voltada para ele, tem conseguido dar uma boa resposta diante da adversidade. Os fatores externos somados ao fato do Brasil ser um player importante no abastecimento de alimentos para o mundo, contribuíram para esse movimento”, afirma.

TCU aprova investimentos de R$ 478 milhões no Porto do Itaqui

O anúncio foi feito pelo Governo Federal nesta semana e o leilão deve ser realizado em agosto.

O Tribunal de Contas da União aprovou o arrendamento de novos terminais de granéis líquidos no Porto do Itaqui, o que representa um investimento privado de R$ 478,1 milhões no porto público do Maranhão. O anúncio foi feito pelo Governo Federal nesta semana e o leilão deve ser realizado em agosto.

O projeto foi previamente autorizado pelo Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) com base nos Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) apresentados pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), gestora do Itaqui, em agosto de 2018.

Para o presidente do Porto do Itaqui, Ted Lago, esses novos investimentos consolidam ainda mais o Itaqui como hub de combustíveis do centro norte do Brasil. “Este é mais um passo do processo de expansão do Porto do Itaqui e a realização desse projeto representa mais emprego e renda para os maranhenses e maior arrecadação para o estado”, afirma.

A aprovação desses investimentos demonstra a confiança na gestão da Empresa Maranhense de Administração Portuária, e isso tanto do investidor privado – a exemplo dos demais investimentos recentes (Suzano, segunda fase do Tegram, Ultracargo e COPI) – quanto do Governo Federal, por priorizar os estudos do Itaqui neste primeiro semestre. Com esse projeto os investimentos privados no porto público do Maranhão passarão dos R$ 2 bilhões.

Governo apresenta ações para monitoramento e prevenção do coronavírus no Maranhão

Principal porta de entrada e saída da economia do Estado, o Porto do Itaqui intensificou medidas sanitárias como forma de prevenção

A Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES) afirmou que o risco de infecção pelo coronavírus no Estado, no momento, ainda é considerado remoto. Durante coletiva de imprensa concedida na tarde de quarta-feira (29), a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças, Léa Márcia Costa, reiterou que o Governo está vigilante e executando medidas contra o vírus.

Em conjunto com especialistas e representantes de setores das redes pública e privada de saúde, a SES elaborou nota técnica com orientações aos profissionais de saúde. O documento define o protocolo de atendimento para casos suspeitos de infecção pelo coronavírus, bem como os procedimentos a serem adotados posteriormente. Também está sendo atualizado o plano de contingência, que deve ser divulgado nos próximos dias.

O infectologista Eudes Simões ressaltou que outros coronavírus já tiveram proliferações importantes como agora, com grande mobilização mundial, mas não resultaram em uma grave crise global de saúde. O especialista reforçou que as principais medidas de prevenção são os cuidados com a higiene.

“Lavar as mãos regularmente, evitar colocar a mão na boca, nos olhos, coçar o nariz, e evitar aglomerações; enfim, são cuidados básicos que se aplicam a outros agentes infecciosos transmitidos pelo ar”, recomendou o infectologista.

Principal porta de entrada e saída da economia do Estado, o Porto do Itaqui intensificou medidas sanitárias como forma de prevenção. Segundo a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), todos os navios que chegam ao porto são monitorados pela Anvisa e só atracam se a Declaração Marítima de Saúde estiver de acordo com o protocolo vigente.

Porto do Itaqui retoma linha regular de contêiner

A expectativa inicial é movimentar 1.800 contêineres/mês.

Após uma temporada de testes e ajustes, iniciados em agosto de 2019, será retomada em fevereiro, em escala semanal, a linha regular de contêineres no Porto do Itaqui. O anúncio foi feito após reunião, nesta semana, com as lideranças da EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária – e da empresa Aliança Navegação e Logística.

À medida que essa opção semanal for disseminada no mercado a tendência é aumentar o volume de movimentação. As cargas são variadas: alimentos, material de construção, matéria-prima para indústrias, arroz, frango refrigerado, dentre outras. A expectativa inicial é movimentar 1.800 contêineres/mês.

Há dois anos começaram as tratativas entre o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), EMAP, comunidade portuária e iniciativa privada. A EMAP vem investindo, desde 2015, em infraestrutura e estudos de viabilidade, plano que culminou com a entrega de um novo pátio para contêiner em 2017, equipado com tomadas para operação de carga refrigerada.

O esforço conjunto conta com apoio dos sindicatos de trabalhadores portuários do Itaqui (conferentes, arrumadores e estivadores), praticagem, operadores, agentes de cargas, agência marítima e da Aliança Navegação e Logística.

A infraestrutura portuária para armazenagem de contêineres do Porto do Itaqui contempla uma área de 20.250 metros quadrados com capacidade estática para 1.341 TEUS. Foram investidos R$ 10 milhões na obra de engenharia e outros R$ 9 milhões na reestruturação do sistema elétrico.

Porto do Itaqui cresce 12% e amplia mercados

O Porto do Itaqui chegou a marca de 25,2 milhões de toneladas de cargas movimentadas, a maior de sua história

O Porto do Itaqui cresceu 12% em 2019, com 25,2 milhões de toneladas de cargas movimentadas, a maior marca de sua história. Além do aumento nos volumes, com destaque para os granéis líquidos, que tiveram alta de 24% em relação a 2018, o ano foi marcado pela ampliação de destinos no mercado externo e fortalecimento da importância do porto público do Maranhão como exportador do Arco Norte do Brasil.

As operações com granéis sólidos chegaram às 15,8 milhões de toneladas e o milho foi a carga que mais cresceu, 164% acima do que no ano anterior, com 3 milhões de toneladas movimentadas. O volume enviado para a África cresceu seis vezes, superando a Europa como principal destino. Outros 12% do volume total de milho escoado pelo Itaqui – mais de 350 mil toneladas – chegaram a novos destinos neste último ano, como Irlanda, Japão e Israel.

Entre os estados originários de carga, o Maranhão dobrou o volume de milho exportado e o Mato Grosso seguiu na liderança, com 2 milhões de toneladas, quase 60% do volume movimentado no ano.

No conjunto das principais cargas importadas, a movimentação de entreposto de combustíveis obteve volume 80% maior do que em 2018, com 3,5 milhões de toneladas movimentadas. As operações com manganês registraram aumento de 217% e as cargas de fertilizantes cresceram 11%, ultrapassando os 2 milhões de toneladas.

Para este ano a perspectiva é de mais crescimento, com a entrada em operação da segunda fase do Tegram, da expansão de tancagem da Ultracargo e do novo terminal de fertilizantes, além do início das obras do terminal de celulose da Suzano, que prevê gerar 450 empregos diretos.

O Tegram deve dobrar a capacidade de exportação para 14 milhões de toneladas/ano. Com a nova estrutura, a Ultracargo deve aumentar em, no mínimo, 48 mil metros cúbicos a capacidade atual de armazenamento e o terminal da COPI – Companhia Operadora Portuária do Itaqui, que deve iniciar as operações até dezembro, estima movimentar 3,5 milhões de toneladas de fertilizante/ano, com logística integrada à malha ferroviária da Norte-Sul.

Conforme anunciado, deve ir a leilão pelo Governo Federal no primeiro semestre o arrendamento de quatro novos terminais de combustíveis, investimento estimado em R$ 450 milhões, vai dobrar a capacidade de armazenamento do Itaqui até 2021.

Sarney reabre velha polêmica entre Maranhão e Pará

Sarney reabriu a velha polêmica entre Maranhão e Pará sobre o escoamento do minério de Carajás. Foto: Pedro França/Agência Senado

O artigo publicado no fim de semana pelo ex-presidente José Sarney no site “Os Divergentes” reabriu a velha polêmica entre Maranhão e Pará sobre o escoamento do minério de Carajás. A título de reminiscência, Sarney celebra vitória pessoal na verdadeira guerra entre os Estados. Como o Pará não tinha porto com calado necessário para escoar o minério de ferro, defendia o uso da via fluvial. “Foi aí que o Maranhão entrou na história oferecendo a solução ferroviária da construção da Estrada de Ferro de Carajás até Itaqui, porto que teria capacidade de receber graneleiros de até 400.000 toneladas, o que acontece hoje”, escreveu.

Porto

O imortal da Academia Brasileira de Letras rememora reunião de bancadas com o então presidente Médici. Na ocasião, o deputado paraense Epílogo de Campos defendeu que o Pará tinha direito. “Direito tem, o que não tem é porto”, teria dito Médici. Em seguida, revela o pulo do gato: construiu Itaqui já de olho no escoamento da produção de Carajás. “Para isso lutei com todas as forças, tendo o apoio decisivo do ministro Andreazza, do presidente da Vale, Eliezer Batista e de Vicente Fialho”, detalha. “Foi uma guerra. Lutei e finalmente vencemos. O Maranhão conquistou Carajás”.

Círio

No artigo Sarney conta ainda que veio a Belém logo após a decisão do governo falar na Associação Comercial, a fim de pacificar a situação. Conta que um de seus auxiliares ouvira conversa de dois empresários paraenses. “O Sarney, com essa conversa, se não abrirmos os olhos, termina levando o Círio de Belém para S. Luís”, teria dito um dos interlocutores. Por fim, declara apreço ao Pará, que, segundo ele, lucrou também com o empreendimento. Não mais que o Maranhão, que, sem Carajás, não teria as perspectivas que hoje tem – 3º porto do Brasil. (Diário Online).

Porto do Itaqui encerra 2019 com mais de 25 milhões de toneladas de cargas

O volume é cerca de 12% acima do que foi registrado em 2018 e celebra os cinco melhores anos de sua história

O Porto do Itaqui fecha 2019 com mais de 25 milhões de toneladas de cargas movimentadas, volume cerca de 12% acima do que foi registrado em 2018 e celebra os cinco melhores anos de sua história com recordes e um modelo de gestão que é referência em gestão pública no país. O porto público do Maranhão voltou ao top 3 em desempenho ambiental da Antaq e as quatro principais cargas operadas (combustíveis, soja, celulose e fertilizantes) movimentaram R$ 37,5 bilhões nos últimos 12 meses, contribuindo diretamente para o crescimento do PIB do Maranhão e do Brasil.

Somente em granéis líquidos (derivados de petróleo, GLP, soda cáustica) foram R$ 12 bilhões, seguidos pela soja, que chegou aos R$ 11,2 bi. As cargas de celulose atingiram a marca de R$ 2,7 bilhões e a importação de fertilizante foi responsável pela movimentação de R$ 1,2 milhões. Esses resultados consolidam a posição do Itaqui no top 3 do Brasil em movimentação de soja e primeiro lugar entre os portos do Arco Norte, além de afirmar seu papel como hub de combustíveis do centro norte do país.

O ano que termina foi marcado também por grandes obras: quatro novos grandes projetos de expansão tiveram os serviços iniciados (2ª fase do Tegram e os terminais de celulose, fertilizantes e granéis líquidos) e quatro novos arrendamentos foram aprovados pelo Governo Federal para granéis líquidos.

A virada de página na história do Porto do Itaqui começou a partir de janeiro de 2015. De lá para cá a EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária vem construindo uma trajetória marcada pelos melhores índices em produtividade, lucratividade, saúde e segurança do trabalho, gestão da qualidade e do meio ambiente; um rol de atrativos que inspiram confiança de entes públicos e privados.

Os resultados estão nas certificações (ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 – excelência em gestão da Qualidade e do Meio Ambiente) e na atração de investimentos públicos e privados de mais de R$ 1,5 bilhão em obras de melhorias e ampliação de infraestrutura portuária. Só a EMAP investiu R$ 250 milhões em obras e serviços de manutenção de berços e vias, instalação de sistemas de segurança portuária e tecnologia.

Porto do Itaqui sedia simulado da Marinha do Brasil

Ao todo, o simulado contou com 150 homens, entre fuzileiros navais e militares treinados para ações terrestres e aéreas

O último dia de atividades do simulado da Marinha do Brasil no Porto do Itaqui contou com atracação de navio patrulha e descida de helicópteros na área primária do porto. O exercício simulou a atuação dos fuzileiros, por mar e pelo ar, numa ocupação que chamou a atenção dos trabalhadores portuários.

Para este simulado, batizado pela Marinha como Operação DEPORTEX – Exercício de Defesa de Porto, o Itaqui recebeu o Comando do 4º Distrito Naval da Marinha do Brasil. A ação, com objetivo de manter o preparo dos militares da Capitania dos Portos do Maranhão para atuar em situações de crise, foi realizado com o cuidado de não interferir nas operações no Porto do Itaqui, que seguiram normalmente.

Foram utilizados os navios de patrulha (para controle de área marítima) Bracuí e Guanabara, além de duas aeronaves da Marinha. Ao todo, o simulado contou com 150 homens, entre fuzileiros navais e militares treinados para ações terrestres e aéreas, com apoio da Guarda Portuária do Porto do Itaqui. O grupo montou alojamento na área primária do porto público e atuou em turnos.

O exercício é uma atividade de atualização do plano de segurança que integra as tarefas da Autoridade Marítima e vem sendo realizado em todos os portos públicos do país. Neste ano o Porto de Alagoas também recebeu o treinamento.