TCU aprova investimentos de R$ 478 milhões no Porto do Itaqui

O anúncio foi feito pelo Governo Federal nesta semana e o leilão deve ser realizado em agosto.

O Tribunal de Contas da União aprovou o arrendamento de novos terminais de granéis líquidos no Porto do Itaqui, o que representa um investimento privado de R$ 478,1 milhões no porto público do Maranhão. O anúncio foi feito pelo Governo Federal nesta semana e o leilão deve ser realizado em agosto.

O projeto foi previamente autorizado pelo Conselho do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) com base nos Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) apresentados pela Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), gestora do Itaqui, em agosto de 2018.

Para o presidente do Porto do Itaqui, Ted Lago, esses novos investimentos consolidam ainda mais o Itaqui como hub de combustíveis do centro norte do Brasil. “Este é mais um passo do processo de expansão do Porto do Itaqui e a realização desse projeto representa mais emprego e renda para os maranhenses e maior arrecadação para o estado”, afirma.

A aprovação desses investimentos demonstra a confiança na gestão da Empresa Maranhense de Administração Portuária, e isso tanto do investidor privado – a exemplo dos demais investimentos recentes (Suzano, segunda fase do Tegram, Ultracargo e COPI) – quanto do Governo Federal, por priorizar os estudos do Itaqui neste primeiro semestre. Com esse projeto os investimentos privados no porto público do Maranhão passarão dos R$ 2 bilhões.

Governo apresenta ações para monitoramento e prevenção do coronavírus no Maranhão

Principal porta de entrada e saída da economia do Estado, o Porto do Itaqui intensificou medidas sanitárias como forma de prevenção

A Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES) afirmou que o risco de infecção pelo coronavírus no Estado, no momento, ainda é considerado remoto. Durante coletiva de imprensa concedida na tarde de quarta-feira (29), a superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças, Léa Márcia Costa, reiterou que o Governo está vigilante e executando medidas contra o vírus.

Em conjunto com especialistas e representantes de setores das redes pública e privada de saúde, a SES elaborou nota técnica com orientações aos profissionais de saúde. O documento define o protocolo de atendimento para casos suspeitos de infecção pelo coronavírus, bem como os procedimentos a serem adotados posteriormente. Também está sendo atualizado o plano de contingência, que deve ser divulgado nos próximos dias.

O infectologista Eudes Simões ressaltou que outros coronavírus já tiveram proliferações importantes como agora, com grande mobilização mundial, mas não resultaram em uma grave crise global de saúde. O especialista reforçou que as principais medidas de prevenção são os cuidados com a higiene.

“Lavar as mãos regularmente, evitar colocar a mão na boca, nos olhos, coçar o nariz, e evitar aglomerações; enfim, são cuidados básicos que se aplicam a outros agentes infecciosos transmitidos pelo ar”, recomendou o infectologista.

Principal porta de entrada e saída da economia do Estado, o Porto do Itaqui intensificou medidas sanitárias como forma de prevenção. Segundo a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), todos os navios que chegam ao porto são monitorados pela Anvisa e só atracam se a Declaração Marítima de Saúde estiver de acordo com o protocolo vigente.

Porto do Itaqui retoma linha regular de contêiner

A expectativa inicial é movimentar 1.800 contêineres/mês.

Após uma temporada de testes e ajustes, iniciados em agosto de 2019, será retomada em fevereiro, em escala semanal, a linha regular de contêineres no Porto do Itaqui. O anúncio foi feito após reunião, nesta semana, com as lideranças da EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária – e da empresa Aliança Navegação e Logística.

À medida que essa opção semanal for disseminada no mercado a tendência é aumentar o volume de movimentação. As cargas são variadas: alimentos, material de construção, matéria-prima para indústrias, arroz, frango refrigerado, dentre outras. A expectativa inicial é movimentar 1.800 contêineres/mês.

Há dois anos começaram as tratativas entre o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), EMAP, comunidade portuária e iniciativa privada. A EMAP vem investindo, desde 2015, em infraestrutura e estudos de viabilidade, plano que culminou com a entrega de um novo pátio para contêiner em 2017, equipado com tomadas para operação de carga refrigerada.

O esforço conjunto conta com apoio dos sindicatos de trabalhadores portuários do Itaqui (conferentes, arrumadores e estivadores), praticagem, operadores, agentes de cargas, agência marítima e da Aliança Navegação e Logística.

A infraestrutura portuária para armazenagem de contêineres do Porto do Itaqui contempla uma área de 20.250 metros quadrados com capacidade estática para 1.341 TEUS. Foram investidos R$ 10 milhões na obra de engenharia e outros R$ 9 milhões na reestruturação do sistema elétrico.

Porto do Itaqui cresce 12% e amplia mercados

O Porto do Itaqui chegou a marca de 25,2 milhões de toneladas de cargas movimentadas, a maior de sua história

O Porto do Itaqui cresceu 12% em 2019, com 25,2 milhões de toneladas de cargas movimentadas, a maior marca de sua história. Além do aumento nos volumes, com destaque para os granéis líquidos, que tiveram alta de 24% em relação a 2018, o ano foi marcado pela ampliação de destinos no mercado externo e fortalecimento da importância do porto público do Maranhão como exportador do Arco Norte do Brasil.

As operações com granéis sólidos chegaram às 15,8 milhões de toneladas e o milho foi a carga que mais cresceu, 164% acima do que no ano anterior, com 3 milhões de toneladas movimentadas. O volume enviado para a África cresceu seis vezes, superando a Europa como principal destino. Outros 12% do volume total de milho escoado pelo Itaqui – mais de 350 mil toneladas – chegaram a novos destinos neste último ano, como Irlanda, Japão e Israel.

Entre os estados originários de carga, o Maranhão dobrou o volume de milho exportado e o Mato Grosso seguiu na liderança, com 2 milhões de toneladas, quase 60% do volume movimentado no ano.

No conjunto das principais cargas importadas, a movimentação de entreposto de combustíveis obteve volume 80% maior do que em 2018, com 3,5 milhões de toneladas movimentadas. As operações com manganês registraram aumento de 217% e as cargas de fertilizantes cresceram 11%, ultrapassando os 2 milhões de toneladas.

Para este ano a perspectiva é de mais crescimento, com a entrada em operação da segunda fase do Tegram, da expansão de tancagem da Ultracargo e do novo terminal de fertilizantes, além do início das obras do terminal de celulose da Suzano, que prevê gerar 450 empregos diretos.

O Tegram deve dobrar a capacidade de exportação para 14 milhões de toneladas/ano. Com a nova estrutura, a Ultracargo deve aumentar em, no mínimo, 48 mil metros cúbicos a capacidade atual de armazenamento e o terminal da COPI – Companhia Operadora Portuária do Itaqui, que deve iniciar as operações até dezembro, estima movimentar 3,5 milhões de toneladas de fertilizante/ano, com logística integrada à malha ferroviária da Norte-Sul.

Conforme anunciado, deve ir a leilão pelo Governo Federal no primeiro semestre o arrendamento de quatro novos terminais de combustíveis, investimento estimado em R$ 450 milhões, vai dobrar a capacidade de armazenamento do Itaqui até 2021.

Sarney reabre velha polêmica entre Maranhão e Pará

Sarney reabriu a velha polêmica entre Maranhão e Pará sobre o escoamento do minério de Carajás. Foto: Pedro França/Agência Senado

O artigo publicado no fim de semana pelo ex-presidente José Sarney no site “Os Divergentes” reabriu a velha polêmica entre Maranhão e Pará sobre o escoamento do minério de Carajás. A título de reminiscência, Sarney celebra vitória pessoal na verdadeira guerra entre os Estados. Como o Pará não tinha porto com calado necessário para escoar o minério de ferro, defendia o uso da via fluvial. “Foi aí que o Maranhão entrou na história oferecendo a solução ferroviária da construção da Estrada de Ferro de Carajás até Itaqui, porto que teria capacidade de receber graneleiros de até 400.000 toneladas, o que acontece hoje”, escreveu.

Porto

O imortal da Academia Brasileira de Letras rememora reunião de bancadas com o então presidente Médici. Na ocasião, o deputado paraense Epílogo de Campos defendeu que o Pará tinha direito. “Direito tem, o que não tem é porto”, teria dito Médici. Em seguida, revela o pulo do gato: construiu Itaqui já de olho no escoamento da produção de Carajás. “Para isso lutei com todas as forças, tendo o apoio decisivo do ministro Andreazza, do presidente da Vale, Eliezer Batista e de Vicente Fialho”, detalha. “Foi uma guerra. Lutei e finalmente vencemos. O Maranhão conquistou Carajás”.

Círio

No artigo Sarney conta ainda que veio a Belém logo após a decisão do governo falar na Associação Comercial, a fim de pacificar a situação. Conta que um de seus auxiliares ouvira conversa de dois empresários paraenses. “O Sarney, com essa conversa, se não abrirmos os olhos, termina levando o Círio de Belém para S. Luís”, teria dito um dos interlocutores. Por fim, declara apreço ao Pará, que, segundo ele, lucrou também com o empreendimento. Não mais que o Maranhão, que, sem Carajás, não teria as perspectivas que hoje tem – 3º porto do Brasil. (Diário Online).

Porto do Itaqui encerra 2019 com mais de 25 milhões de toneladas de cargas

O volume é cerca de 12% acima do que foi registrado em 2018 e celebra os cinco melhores anos de sua história

O Porto do Itaqui fecha 2019 com mais de 25 milhões de toneladas de cargas movimentadas, volume cerca de 12% acima do que foi registrado em 2018 e celebra os cinco melhores anos de sua história com recordes e um modelo de gestão que é referência em gestão pública no país. O porto público do Maranhão voltou ao top 3 em desempenho ambiental da Antaq e as quatro principais cargas operadas (combustíveis, soja, celulose e fertilizantes) movimentaram R$ 37,5 bilhões nos últimos 12 meses, contribuindo diretamente para o crescimento do PIB do Maranhão e do Brasil.

Somente em granéis líquidos (derivados de petróleo, GLP, soda cáustica) foram R$ 12 bilhões, seguidos pela soja, que chegou aos R$ 11,2 bi. As cargas de celulose atingiram a marca de R$ 2,7 bilhões e a importação de fertilizante foi responsável pela movimentação de R$ 1,2 milhões. Esses resultados consolidam a posição do Itaqui no top 3 do Brasil em movimentação de soja e primeiro lugar entre os portos do Arco Norte, além de afirmar seu papel como hub de combustíveis do centro norte do país.

O ano que termina foi marcado também por grandes obras: quatro novos grandes projetos de expansão tiveram os serviços iniciados (2ª fase do Tegram e os terminais de celulose, fertilizantes e granéis líquidos) e quatro novos arrendamentos foram aprovados pelo Governo Federal para granéis líquidos.

A virada de página na história do Porto do Itaqui começou a partir de janeiro de 2015. De lá para cá a EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária vem construindo uma trajetória marcada pelos melhores índices em produtividade, lucratividade, saúde e segurança do trabalho, gestão da qualidade e do meio ambiente; um rol de atrativos que inspiram confiança de entes públicos e privados.

Os resultados estão nas certificações (ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 – excelência em gestão da Qualidade e do Meio Ambiente) e na atração de investimentos públicos e privados de mais de R$ 1,5 bilhão em obras de melhorias e ampliação de infraestrutura portuária. Só a EMAP investiu R$ 250 milhões em obras e serviços de manutenção de berços e vias, instalação de sistemas de segurança portuária e tecnologia.

Porto do Itaqui sedia simulado da Marinha do Brasil

Ao todo, o simulado contou com 150 homens, entre fuzileiros navais e militares treinados para ações terrestres e aéreas

O último dia de atividades do simulado da Marinha do Brasil no Porto do Itaqui contou com atracação de navio patrulha e descida de helicópteros na área primária do porto. O exercício simulou a atuação dos fuzileiros, por mar e pelo ar, numa ocupação que chamou a atenção dos trabalhadores portuários.

Para este simulado, batizado pela Marinha como Operação DEPORTEX – Exercício de Defesa de Porto, o Itaqui recebeu o Comando do 4º Distrito Naval da Marinha do Brasil. A ação, com objetivo de manter o preparo dos militares da Capitania dos Portos do Maranhão para atuar em situações de crise, foi realizado com o cuidado de não interferir nas operações no Porto do Itaqui, que seguiram normalmente.

Foram utilizados os navios de patrulha (para controle de área marítima) Bracuí e Guanabara, além de duas aeronaves da Marinha. Ao todo, o simulado contou com 150 homens, entre fuzileiros navais e militares treinados para ações terrestres e aéreas, com apoio da Guarda Portuária do Porto do Itaqui. O grupo montou alojamento na área primária do porto público e atuou em turnos.

O exercício é uma atividade de atualização do plano de segurança que integra as tarefas da Autoridade Marítima e vem sendo realizado em todos os portos públicos do país. Neste ano o Porto de Alagoas também recebeu o treinamento.

Porto do Itaqui bate recorde histórico de movimentação mensal de cargas

Esses números são fruto, principalmente, do crescimento de movimentação do milho, dos fertilizantes e de granéis líquidos

O Porto do Itaqui bateu recorde histórico de movimentação mensal, fechando agosto com mais de 2,8 milhões de toneladas de cargas. O aumento é de 17% sobre o recorde mensal anterior, de outubro de 2018 (2,4 milhões de toneladas) e 37% acima do registrado em agosto do ano passado. E no acumulado desde janeiro, o porto público do Maranhão movimentou 16,1 milhões de toneladas de cargas, 18% a mais do que no mesmo período em 2018.

Esses números são fruto, principalmente, do crescimento de movimentação do milho, dos fertilizantes e de granéis líquidos. Também contribuem para esse novo recorde os investimentos da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap) e da iniciativa privada na ampliação da infraestrutura do Porto do Itaqui.

“Nossos resultados refletem os esforços voltados ao aumento da produtividade por meio de capacitação de equipe, investimentos em equipamentos e tecnologia, tudo dentro de uma concepção de gestão com foco em resultados”, afirma o presidente da Emap, Ted Lago.

Com 745,3 mil toneladas movimentadas, as operações de combustíveis tiveram aumento de 79% sobre o planejado e de 31% em relação ao total operado em agosto de 2018. Essa alta vem sendo registrada desde a entrada em operação do Berço 108 e a retomada da movimentação de carga de entreposto de combustíveis para as demais regiões do país, no ano passado.

Também, foi registrado recorde histórico na movimentação mensal de milho e de fertilizantes. O volume de milho chegou a 693 mil toneladas, o que representa alta de 162% em relação ao planejado para o mês e de 421% sobre o que foi movimentado no mesmo período do ano passado.

Com volume de 310,5 mil toneladas movimentadas, as operações de fertilizantes cresceram 41% sobre o planejado e 228% em relação ao total importado em agosto passado. Em breve esses números serão ainda maiores em razão dos investimentos de mais de R$ 1 bilhão, entre recursos públicos e privados a serem aplicados até 2022 na ampliação de infraestrutura do Tegram, e de novo terminal de fertilizantes e expansão de tancagem (combustíveis).

Porto do Itaqui cresce 18% no primeiro semestre

Os resultados devem-se principalmente à alta produtividade dos navios de grãos e do transbordo de combustível

Com quase 11 milhões de toneladas de cargas movimentadas no primeiro semestre de 2019, o Porto do Itaqui cresceu 18% em relação ao mesmo período do ano passado. Mesmo com um período chuvoso mais intenso do que nos anos anteriores o número de atracações subiu 5%, chegando a um total de 378 navios nessa primeira metade do ano.

Os resultados devem-se principalmente à alta produtividade dos navios de grãos e do transbordo de combustível. O escoamento de soja cresceu 10%, atingindo 4,8 milhões de toneladas sobre o volume do primeiro semestre de 2018.

Destaque para os meses de maio e junho, que registraram volume mensal superior a 1,1 milhão de toneladas. A movimentação de fertilizantes acompanhou a alta dos grãos e registrou crescimento de 11% no semestre, chegando às 790 mil toneladas.

A movimentação de granéis líquidos no Itaqui chegou à marca de 3,6 milhões de toneladas de janeiro a junho, o que representa alta de 49% em relação à primeira metade do ano passado. As operações de derivados de petróleo para o mercado interno cresceram 4% e a movimentação de transbordo foi 356% maior que o volume registrado no mesmo período do ano passado.