Isolado, Chiquinho Escórcio cobra que grupo Sarney comece a agir

Chiquinho defendeu que seu grupo político já trabalhe nomes desde agora

Totalmente desgastado e sem optar por uma renovação, o grupo Sarney caminha para mais derrotas. Isso é o que sinalizou o ex-senador e ex-deputado Chiquinho Escórcio (MDB), em uma postagem no Facebook.

Chiquinho defendeu que seu grupo político já trabalhe nomes desde agora. E deu a entender que a ex-governadora Roseana Sarney deva se candidatar ao Senado Federal e seu irmão, Sarney Filho, ao governo.

“O grupo Sarney, não pode errar como em 2014 e 2018, em colocar seus candidatos faltando 3 meses para as eleições, o grupo já deve ter o nome que vai liderar a oposição a partir de agora, as eleições de 2022 devem ser diferente, acredito que o grupo Sarney já tem o nome de seus candidatos ao governo e senado para as eleições de 2022″, escreveu.

Executiva do PV pede expulsão de Sarney Filho

O motivo é a participação do ex-ministro do governo Temer na administração de Ibaneis Rocha como secretário de Meio Ambiente, sem prévia consulta às instâncias partidárias

Correio Brasiliense

A executiva regional do PV do Distrito Federal decidiu pedir o afastamento ou até a expulsão de Sarney Filho dos quadros da legenda. O motivo é a participação do ex-ministro do governo Temer na administração de Ibaneis Rocha como secretário de Meio Ambiente, sem prévia consulta às instâncias partidárias.

O pedido inclui o presidente do Ibram (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos), Edson Duarte, também filiado ao PV. Uma comissão vai analisar a questão e apontar um caminho. A palavra final é da executiva nacional.

Presidente do PV do Distrito Federal e vice-presidente nacional, Eduardo Brandão, lidera o processo de afastamento de Sarney Filho da legenda.

Ele explica que o partido reconhece a importância e a história do secretário na área ambiental. Mas defende que integrantes do partido respeitem o programa do PV e as decisões internas.

“O partido não foi consultado. Ele está no governo por cota pessoal do governador”, reclamou. Candidato a vice na chapa de Rodrigo Rollemberg (PSB), Brandão garante que o PV não está em busca de cargos na administração de Ibaneis. O receio é de que medidas polêmicas que, porventura, sejam adotadas, sejam creditadas ao partido.

Derrotado nas urnas, Sarney Filho mira no cargo de Eliziane Gama

Não é a primeira vez que a família Sarney busca na Justiça obter um cargo, após uma derrota nas urnas

Recém transferido para Brasília para exercer o cargo de secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, Sarney Filho (PV), derrotado para uma das vagas de senador, agora mira na vaga de Eliziane Gama (PPS) para assumir uma vaga no Senado Federal.

É do Partido Verde uma ação protocolada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que acusa Eliziane Gama de abuso de poder político, econômico e religioso durante as eleições de 2018.

Sarney Filho foi candidato ao Senado, mas acabou em terceiro lugar com apenas 12,92% dos votos, contra 27,07% de Eliziane Gama e 34,91% de Weverton Rocha (PDT).

Não é a primeira vez que a família Sarney busca na Justiça obter um cargo, após uma derrota nas urnas. Em 2009, o ex-governador Jackson Lago foi cassado após uma ação do grupo Sarney.

Após derrota no Maranhão, Sarney Filho toma posse como secretário do DF

A indicação de Sarney Filho para secretaria de Meio Ambiente gerou bastante polêmica

O ex-deputado federal Sarney Filho (PV) tomou posse como secretário do Meio Ambiente no governo de Ibaneis Rocha (MDB), no Distrito Federal. A posse aconteceu na terça-feira (1º), em Brasília.

Filho do ex-presidente da República José Sarney (MDB), o político foi deputado federal por nove mandatos consecutivos, de 1983 a 2018. Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer.

Sarney Filho disputou uma das duas vagas para o Senado Federal, mas foi derrota e ficou em terceiro lugar com 13,20% dos votos.

A indicação de Sarney Filho para secretaria de Meio Ambiente gerou bastante polêmica e foi criticada até mesmo pelo diretório do PV do Distrito Federal.

PV do Distrito Federal repudia indicação de Sarney Filho para secretaria de Meio Ambiente

Após a confirmação de que o filho de José Sarney ganharia um cargo no governo, o PV do Distrito Federal repudiou a indicação e classificou de desrespeito o nome de Sarney Filho para o cargo

A indicação do deputado federal Sarney Filho (PV-MA) – feita pelo governador eleito Ibaneis Rocha (MDB) – para assumir a secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal não foi bem aceita nem mesmo por seus correligionários.

Após a confirmação de que o filho de José Sarney ganharia um cargo no governo, o PV do Distrito Federal repudiou a indicação e classificou de desrespeito o nome de Sarney Filho para o cargo.

Nota Oficial

A Diretoria Executiva do Partido Verde do Distrito Federal, após tomar conhecimento pela imprensa, nesta terça-feira, 13 de novembro, de que o ex-ministro e deputado federal não reeleito do PV (MA), Sarney Filho, irá compor o novo governo do DF, assim se manifesta:

Considerando que o Partido Verde do DF tem uma atuação de cerca de 20 anos na capital, sempre norteada pelos bons valores da honestidade, transparência e companheirismo;

Considerando que, nas eleições de 2018, o Partido Verde do Distrito Federal elegeu um deputado federal e um primeiro suplente para a Câmara Legislativa;

Considerando que compôs a chapa majoritária adversária ao futuro governador, em um intenso embate ideológico e programático, disputando ainda o segundo turno eleitoral;

Reitera seu total repúdio à decisão do referido deputado para compor a próxima gestão, principalmente em se tratando de desrespeito a esta executiva regional, bem como ao trabalho acumulado, aos resultados eleitorais alcançados, às trajetórias de seus membros e à absoluta falta de respeito pelo Partido Verde.

Por fim, esta Executiva solicita que a Executiva Nacional do PV tome as devidas providências para que o referido deputado reveja esta decisão tão pouco democrática e em desacordo com os nossos compromissos éticos.

Executiva PV/DF

Sarney Filho será secretário de Meio Ambiente no DF, diz governador eleito Ibaneis

Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer. Ele deixou o cargo para sair em campanha eleitoral

O deputado federal Sarney Filho (PV-MA) foi anunciado nesta terça-feira (13) como futuro secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal, na gestão do governador eleito Ibaneis Rocha (MDB).

Sarney se reuniu nesta terça com Ibaneis e o vice-eleito, Paco Britto (Avante), na Câmara dos Deputados. A indicação dele como secretário foi confirmada pela assessoria de Ibaneis.

O político, filho do ex-presidente da República José Sarney, tem cadeira na Câmara Federal desde 1983. Ao todo, foram nove mandatos consecutivos por diversos partidos. Nas eleições deste ano, foi candidato ao Senado pelo Maranhão, mas não se elegeu.

Entre 2016 e 2018, Sarney Filho foi ministro do Meio Ambiente no governo Michel Temer. Ele deixou o cargo para sair em campanha eleitoral.

Bolsonaro afirma que Sarney Filho vendeu Amazônia a ONGs

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) teceu críticas ao ex-ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV). Em uma conversa com o empresário do ramo de pesca, Gilson Machado Neto, o presidente concordou com as críticas aos entraves burocráticos enfrentados por quem atua na pesca no país e acusa Sarney Filho de vender “parte do nosso território a ONGs internacionais”.

Bolsonaro estava se referindo ao acordo assinado em 19 de dezembro de 2017 entre o Ministério do Meio Ambiente, o Banco Mundial, a ONG brasileira FunBio e a ONG norte-americana, com sede em Washington, D.C. Conservation International, tendo Sarney Filho à frente do ministério.

Pelo acordo o governo brasileiro teria “vendido” uma área da Amazônia de 3 milhões de hectares por US$ 60 milhões. Em troca, segundo o acordo, o Banco Mundial e as duas ONGs se comprometeram a criar, nos 3 milhões de hectares, novas Unidades de Conservação, nos próximos cinco anos.

Conhecido como “Triplo A”, o projeto pretende ser um grande plano internacional para criar um corredor de áreas protegidas (e soberania relativa) na calha norte do Rio Amazonas ligando o Pacífico ao Atlântico. O corredor “Triplo A” sofre grande oposição das Forças Armadas brasileiras e foi rebatizado de “Projeto Paisagens Sustentáveis da Amazônia”.

Grupo Sarney e prefeito de Imperatriz saem derrotados no segundo maior colégio eleitoral do Estado

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram

Mesmo administrando a prefeitura de Imperatriz, o MDB, juntamente com o prefeito Assis Ramos, foram os maiores derrotados destas eleições no segundo maior colégio eleitoral do Estado.

Assis Ramos viu todos seus candidatos sendo derrotados na cidade em que administra e passa a olhar seu projeto a reeleição em 2020, prejudicado pelos números de 2018.

A candidata Roseana Sarney (MDB), correligionária de Assis obteve apenas 14 mil votos em Imperatriz, ficando atrás de Maura Jorge (PSL), que obteve 20.017 mil votos.

O prefeito de Imperatriz também viu seus dois candidatos a deputados saírem derrotas das urnas. Fátima Avelino (MDB), candidata a deputada estadual obteve apenas 7.784 mil votos na cidade, ficando em terceiro lugar, atrás de Marco Aurélio (PCdoB) e Rildo Amaral (SD). O candidato a deputado federal do prefeito, o médico Daniel Fiim teve apenas 12.923, ficando em quarto lugar.

Para o Senado, Edison Lobão (MDB) ficou em quinto lugar em Imperatriz e Sarney Filho (PV), em sexto lugar.

A excelente votação de Flávio Dino em Imperatriz, que obteve 87.517 mil votos, 69,65% da votação, evidencia a força do grupo comunista no município. E as articulações para 2020 já começaram.

Weverton Rocha e Eliziane Gama se elegem para o Senado com apoio de Flávio Dino

A eleição de Weverton Rocha e Eliziane Gama confirmam a força política do governador Flávio Dino no Maranhão, além do detrimento do grupo Sarney

Com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB), os candidatos Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) foram eleitos para as duas vagas de senadores pelo Maranhão.

Weverton ficou em primeiro lugar com quase 35% dos votos, já Eliziane ficou em segundo lugar com 27%.

Os dois senadores da chapa governistas derrotaram os dois senadores do grupo Sarney, Sarney Filho (PV) e Edison Lobão (MDB), além dos dois candidatos tucanos, o ex-governador Zé Reinaldo (PSDB) e Alexandre Almeida (PSDB).

A eleição de Weverton Rocha e Eliziane Gama confirmam a força política do governador Flávio Dino no Maranhão, além do detrimento do grupo Sarney.