PSL de São Luís dividido entre Neto Evangelista, Eduardo Braide ou Tadeu Palácio

Chico Carvalho afirmou que dia 4 fevereiro estará em uma reunião com a direção nacional do PSL e dessa reunião, sairá a posição em relação a eleição em São Luís

O presidente estadual do PSL, Chico Carvalho, afirmou ao blog do John Cutrim que o partido tem duas opções em São Luís para as eleições de 2020, caso o ex-prefeito Tadeu Palácio desista de disputar pela legenda, que são os deputados Neto Evangelista (DEM) e Eduardo Braide (Podemos).

Chico Carvalho afirmou que uma aliança com Neto Evangelista seria mais fácil pelo alinhamento das direções nacionais do PSL e do DEM.

Os dois nomes do plano B entrarão no debate caso o ex-prefeito Tadeu Palácio confirme a desistência de sua pré-candidatura pelo PSL.

Chico Carvalho afirmou que dia 4 fevereiro estará em uma reunião com a direção nacional do PSL e dessa reunião, sairá a posição em relação a eleição em São Luís.

Sem aliados de Bolsonaro, PSL caminha para escolher Tadeu Palácio como pré-candidato

Com tempo de TV e com recurso garantido pelo fundo eleitoral, Chico Carvalho e Tadeu Palácio podem selar a união na convenção da legenda do próximo ano

Após a crise no PSL, que acabou com a saída do presidente Jair Bolsonaro da legenda, muito de seus seguidores também declararam suas saídas do partido. Alguns nomes como Maura Jorge, Allan Garcês e Coronel Monteiro seguiram o presidente e hoje já não fazem mais parte da agremiação.

Sem a disputa dentro da legenda, o PSL, presidido pelo vereador de São Luís, Chico Carvalho, tem o caminho livre para escolher o ex-prefeito Tadeu Palácio como pré-candidato a prefeito de São Luís, em 2020.

Dentro os pré-candidatos que tinham declarado a intenção de disputar o executivo da capital, Tadeu é o menos bolsonarista e o mais ligado ao presidente da legenda no Maranhão.

Com tempo de TV e com recurso garantido pelo fundo eleitoral, Chico Carvalho e Tadeu Palácio podem selar a união na convenção da legenda do próximo ano. É esperar para conferir…

Muita gente para pouco angu! PSL já tem quatro pré-candidatos em São Luís

Outros nomes podem embolar ainda mais a disputa dentro do PSL

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, segue agitado com a aproximação das eleições de 2020, em São Luís. Até o momento, quatro pré-candidatos travam uma briga interna para decidir quem será o candidato de Bolsonaro na capital.

Dois nomes já são filiados há mais tempo e congregam mais apoios, um deles é o médico Allan Garcês, que foi candidato a deputado e hoje trabalha no Ministério da Saúde, o outro é o apóstolo Silvio Antônio, líder da igreja Batista Shalon.

A disputa ganhou novas figuras recentemente com a entrada do ex-prefeito Tadeu Palácio e do Coronel Monteiro no PSL.

Outros nomes podem embolar ainda mais a disputa. O candidato a prefeito em 2016 Fábio Câmara e a presidente da Funasa no Maranhão, Maura Jorge, não estão descartados na disputa.

Chico Carvalho fala dos possíveis nomes do PSL em São Luís

Chico Carvalho, que está em seu oitavo mandato como vereador e preside o PSL há 16 anos, afirmou que o partido pode receber outros nomes da política

O presidente estadual do PSL no Maranhão, vereador Chico Carvalho, concedeu entrevista ao jornal O Imparcial e falou dos trabalhos internos da legenda para a próxima eleição. O vereador de São Luís falou dos possíveis nomes do PSL na disputa pela prefeitura de São Luís.

“Nomes fortes nós temos em todo o Estado e seria difícil mencionar todos aqui. Mas em São Luís, por exemplo, convidamos o juiz federal Roberto Veloso, o ex-prefeito Tadeu Palácio e o apóstolo Sílvio Antônio, que foi candidato a deputado federal e foi o mais votado para o cargo dentro do partido e o oitavo mais votado em São Luís”, afirmou Chico Carvalho.

Chico Carvalho, que está em seu oitavo mandato como vereador e preside o PSL há 16 anos, afirmou que o partido pode receber outros nomes da política. “A esposa do ex-prefeito Tadeu Palácio, Gardênia Palácio, também foi convidada para se filiar à nossa legenda. Também convidamos o prefeito Hilton Gonçalo, de Santa Rita e a esposa dele, a prefeita de Bacabeira, Fernanda Gonçalo. O casal acaba de se desfiliar do Avante”, disse Chico.

Justiça condena ex-prefeito Tadeu Palácio por improbidade

Tadeu palácio foi condenado por improbidade pelo Tribunal de Justiça

A juíza titular da 1ª Vara da Fazenda Pública, Luzia Madeiro Neponucena, condenou o ex-prefeito de São Luís, Carlos Tadeu de Aguiar Silva Palácio, por ato de improbidade administrativa, em face de danos causados ao erário municipal que somam R$ 186.716,90, decorrente de obras de urbanização do Rio das Bicas, no trecho Areinha-Bairro de Fátima. A ação civil pública foi proposta pelo município na gestão do prefeito João Castelo.

A sentença determina também a perda de eventual função pública, suspensão dos direitos políticos por cinco anos; pagamento de multa civil correspondente a 50% do valor do dano (R$ 93.358,45), além de proibição de contratar com o Poder Público, receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de cinco anos.

O ex-prefeito terá ainda que ressarcir o erário municipal em R$ 186.716,90, corrigido monetariamente a partir 18/05/2006, data do encaminhamento ao Ministério da Integração Nacional da prestação final de contas do convênio, e mais juros legais de 1% ao mês.

Na ação, o Município de São Luís sustenta que Tadeu Palácio, quando no exercício do cargo de prefeito, em 2003, firmou convênio com a União para a execução de obras de contenção e proteção da margem do Rio das Bicas, no trecho Areinha-Bairro de Fátima. A Secretaria Nacional de Defesa Civil, ao realizar a inspeção física do projeto, no período de 02 a 06 de outubro de 2006, teria constatado várias irregularidades na gestão dos recursos e aferiu que apenas 81,38% do total de obras previstas foram executados, além de discordâncias entre o que constava no projeto aprovado previamente e o que fora efetivamente construído.

De acordo com a denúncia, o projeto não foi executado conforme o Plano de Trabalho aprovado, gerando um déficit de 18,62% relativo a obras e serviços não realizados, o que implicou prejuízo aos cofres públicos da ordem de R$ 416.041,69, atualizada desde a data da inicial.

Na fase de instrução do processo, uma perícia designada pela justiça constatou que o objeto celebrado no Convênio nº 246/2003 não foi cumprido como acordado, pois, teria havido alterações nos quantitativos entregues de obra finalizada, seja quanto ao material empregado ou no que se refere às dimensões especificadas. Também foi construída uma ponte não prevista no plano de trabalho do referido convênio, e sem autorização formal para sua construção.

A perícia concluiu que houve um dispêndio de R$ 186.716,90, o equivalente a 16,11% de obra paga e não realizada. O Município de São Luís teria sido prejudicado com a não construção de 1Km de ciclovia e calçada de pedestre. Em sua defesa, o ex-prefeito disse desconhecer os valores cobrados, afirmando que a obra fora executada conforme previsto no projeto. Também apresentou, no curso da instrução do processo, o resultado de um recurso administrativo junto ao Ministério da Integração Nacional, em que o órgão, após vistoria da obra, dá o Município como adimplente junto ao SIAF.

Em sua decisão, a juíza Luzia Madeiro Neponucena assinala que “resta claro e evidente o ato de improbidade administrativa cometido pelo requerido, ante as alterações supracitadas, que ocasionaram prejuízos ao erário municipal correspondente a R$ 186.716,90.

Tadeu Palácio é condenado e tem direitos políticos suspensos

Tadeu palácio foi condenado por improbidade pelo Tribunal de Justiça

Tadeu Palácio foi condenado por improbidade pelo Tribunal de Justiça

O ex-prefeito de São Luís, Tadeu Palácio, teve seus direitos políticos suspensos e pagará multa correspondente a cinco vezes o salário que recebia no cargo, conforme decisão da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA). A condenação impõe ainda a proibição de contratar com Poder Público pelo prazo de três anos, além da perda da função pública (caso detenha).

A ação de improbidade administrativa contra Tadeu Palácio foi proposta pelo Ministério Público Estadual (MP), que acusou o ex-prefeito de ter violado os princípios da Administração Pública quando exercia a função de chefe do Executivo Municipal, por meio da prática de promoção pessoal, com a distribuição de panfletos e publicações jornalísticos exaltando a figura do prefeito, todos custeados pelos cofres municipais.

Para o MP, a menção ao nome da autoridade na propaganda institucional – vinculado por meio de panfletos com fotografias e frases em primeira pessoa – demonstrou a intenção de promoção pessoal.

O pedido foi negado em primeiro grau, pelo juízo da 5ª Vara da Fazenda Pública de São Luís. Tadeu Palácio alegou falta de provas do prejuízo ao erário, da prática dos atos ímprobos e de que tenha agido com dolo.

Ao analisar recurso interposto pelo Ministério Público, o desembargador Kléber Carvalho (relator), entendeu que o ex-prefeito se aproveitou dos espaços publicitários referentes a propagandas educativas para enaltecer a sua figura, destacando exclusivamente o seu papel.

Promoção pessoal

Para o magistrado, ficou clara a intenção do administrador de realizar promoção pessoal, violando os princípios da impessoalidade e moralidade, não havendo como aceitar-se a utilização de recursos públicos para promover a figura do prefeito.“O ex-prefeito se aproveita dos espaços publicitários referentes a propagandas educativas para enaltecer a sua figura, destacando exclusivamente o seu papel”, observou.

Ele ressaltou que a conduta se enquadra na Lei de Improbidade Administrativa que materializa uma preocupação constitucional de satisfazer o interesse público e proibir a pessoalização das realizações da Administração, punindo os administradores que agem sem a devida isenção e com zelo pela coisa pública.

O desembargador rejeitou as alegações da defesa, destacando que o ato de improbidade foi devidamente caracterizado e provado pelo MPE, inclusive o dolo genérico na realização da conduta.