Investimento de R$ 214 milhões no Porto do Itaqui prevê geração de 700 empregos


O Porto do Itaqui é servido por uma malha composta por três ferrovias que ligam a fábrica, em Imperatriz, na região sul do Maranhão, até a beira do cais. O projeto de terminal dedicado à celulose prevê ainda a construção de um armazém com capacidade para 1,5 milhões de toneladas do produto.

Foi assinado o contrato de arrendamento do terminal IQI 18, da Suzano Papel e Celulose, no Porto do Itaqui, em São Luís. O contrato entre a Suzano e o Porto do Itaqui foi assinado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, pelo presidente do Porto Itaqui, Ted Lago, e pelo diretor de Logística da empresa, Wellington Giacomin.

O total de investimentos no Itaqui é de R$ 214,873 milhões ao longo de 25 anos, prazo que poderá ser prorrogado por até 70 anos. Está prevista ainda a construção de um desvio ferroviário e do acesso marítimo. O terminal dedicado à celulose consolidará a exportação deste produto pelo Itaqui e impulsionará a economia do Maranhão. A estimativa do consórcio é de que sejam gerados 700 postos de trabalho no pico da obra e 85% dessa mão de obra deverá ser contratada na região.

Itaqui lidera crescimento entre os principais portos públicos do Brasil

Com o crescimento, o Itaqui não apenas teve destaque em movimentações de cargas entre os portos públicos do Brasil, mas se consolida como um dos mais importantes do Norte e Nordeste

De acordo com o Anuário Estatístico 2018 da Agência Nacional de Transporte Aquaviário (Antaq), divulgado nesta terça-feira (12), o Porto do Itaqui cresceu 17%, superando os percentuais dos maiores portos públicos do Brasil, como o Porto de Santos (0,87%), Itaguaí (6,98%), Paranaguá (6,51%), Rio Grande (3,8%) e Suape (-0,83%). Em 2017, o porto maranhense cresceu 11,89% e movimentou 19,1 milhões de toneladas.

Com o crescimento, o Itaqui não apenas teve destaque em movimentações de cargas entre os portos públicos do Brasil, mas se consolida como um dos mais importantes do Norte e Nordeste. Foram 22,3 milhões de toneladas de cargas em 2018.

“Os dados anunciados pela Antaq confirmam a performance diferenciada do Itaqui em 2018 e refletem o trabalho de toda uma equipe que, nos últimos quatro anos, tem se empenhado para fazer do Itaqui uma referência nacional em gestão portuária”, declarou o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), Ted Lago, durante o evento de comemoração do 17º aniversário da Antaq e apresentação do anuário em Brasília.

Outro grande destaque refere-se à movimentação de soja. Principal exportador de soja, milho e farelo do Arco Norte do Brasil, o Porto do Itaqui consolida sua liderança com movimentação de 8,5 milhões de toneladas de soja em 2018.

Com essa marca, o Itaqui passa a ocupar o chamado top 3 dos portos que mais exportam soja no país. O crescimento de 38,61% na movimentação desse tipo de carga também foi maior que o desempenho de Santos (12%) e de Paranaguá (34%), primeiro e segundo lugar respectivamente.

“Com o início das obras da segunda fase do Tegram, vamos elevar a capacidade do Itaqui para 14 milhões de toneladas que, somadas a mais 4 milhões de toneladas do terminal da VLI, garantirá um volume mais do que suficiente para sustentar o crescimento e nos aproximar ainda mais dos maiores portos do Brasil ”, afirmou Ted Lago.

Além da soja, o Itaqui permanece no top 3 de movimentação de granéis líquidos (combustíveis, produtos químicos, líquidos). Com aumento de aproximadamente 14% em movimentação de fertilizantes, também está entre os cincos portos públicos que mais importaram a carga em 2018 (1,9 milhões de toneladas), mais um recorde histórico para o porto maranhense.

De acordo com a Antaq, o setor portuário nacional (portos organizados e terminais privados) movimentou 1,117 bilhão de toneladas em 2018, o que representa um crescimento de 2,7% em relação a 2017. Os portos públicos movimentaram 374 milhões de toneladas em 2018, um aumento de 2,6% em comparação com 2017 (365 milhões de toneladas).

Entre as principais cargas, o minério de ferro representa 36% do total movimentado por portos e terminais privados do país. Outros destaques são os combustíveis, com 203 milhões de toneladas (18,2%); os contêineres, com cerca de 113 milhões de toneladas (10,1%) e a soja, com 102 milhões de toneladas (9,1%).

Porto do Itaqui é destaque na imprensa nacional

Segundo a reportagem, a iniciativa privada já se mostrou disposta a investir no Itaqui neste ano

O Broadcast da Agência Estado destacou, neste mês, as novas áreas que serão disponibilizadas pelo Porto do Itaqui para agroindústrias. São 500 hectares de áreas sob a gestão do porto público maranhense destinados à criação de um complexo industrial. Em entrevista à agência, o presidente do Itaqui, Ted Lago, afirmou que 350 hectares estarão prontos para negociação já no início deste ano.

“Queremos criar um complexo industrial para setores que não precisam estar necessariamente dentro da unidade portuária; podem ficar a 20 ou 30 quilômetros de distância, com interligação por meio de ferrovia ou rodovias”, disse Lago. “Podemos trazer indústrias que processem as commodities movimentadas no Porto do Itaqui e, assim, gerar um ganho expressivo na logística de escoamento”, afirmou à agência de notícias.

Segundo a reportagem, a iniciativa privada já se mostrou disposta a investir no Itaqui neste ano. “Até o momento, a estimativa é de que R$ 1 bilhão serão aportados em obras dentro da unidade portuária somente em 2019. Uma delas é a duplicação do Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram)”, acrescenta a reportagem.

Também foi destaque no mesmo veículo a estimativa de crescimento em movimentação de cargas do porto maranhense: “Depois do recorde de 22,4 milhões de toneladas em 2018, a movimentação de cargas do Porto do Itaqui (MA) deve crescer 3% em 2019, impulsionada pela demanda asiática, principalmente por causa da compra de grãos brasileiros feita pela China”.

Além dos investimentos privados, a Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), gestora do Porto do Itaqui, fará neste ano um aporte de R$ 70 milhões para recuperação e modernização de berços e sistema elétrico. Nos últimos quatro anos foram cerca de R$ 300 milhões em investimentos próprios.

Folha de S.Paulo destaca acordo entre Porto do Itaqui e Canal do Panamá

O crescimento e a modernização do Porto do Itaqui têm chamado cada vez mais a atenção da imprensa nacional: Foto Karlos Geromy

O jornal Folha de S.Paulo destaca nesta sexta-feira (7) o recente acordo feito pelo Porto do Itaqui para usar o Canal do Panamá com mais competitividade.

O crescimento e a modernização do Porto do Itaqui têm chamado cada vez mais a atenção da imprensa nacional, que vê o complexo maranhense com grande potencial de desenvolvimento para os próximos anos.

O acordo foi feito entre a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), que cuida do porto, e a administração do Canal do Panamá, diz a Folha.

“Haverá uma janela entre fevereiro e setembro para que navios saiam do Maranhão e cruzem [o canal] com tarifa competitiva”, afirma ao jornal Ted Lago, presidente da Emap.

De acordo com a Folha, os navios que saem de São Luís para a China atravessam o sul do oceano Atlântico e passam pelo Cabo da Boa Esperança. Pelo Canal do Panamá, o custo é mais alto hoje, porém significa três dias a menos.

Com o acordo, esse custo vai ser reduzido, criando uma alternativa vantajosa para as embarcações.

Porto do Itaqui tem recorde na movimentação de granéis líquidos

Itaqui tem recorde histórico na movimentação mensal de granéis líquidos

Com 864 mil toneladas movimentadas, o Porto do Itaqui tem recorde histórico na movimentação mensal de granéis líquidos, registrada em setembro. De janeiro a setembro foram movimentadas 4,3 milhões de toneladas, um aumento de 18% em relação ao mesmo período de 2017.

No entreposto (transbordo de carga de derivados de petróleo) foram registradas 927 mil toneladas, o que representa aumento de 241% sobre os três trimestres de 2017 e consolida a retomada da movimentação de carga de entreposto de combustíveis para as demais regiões do país.

“Esses resultados são fruto dos investimentos realizados pela Emap [Empresa Maranhense de Administração Portuária] na ampliação de infraestrutura portuária e na atração de investimentos privados”, afirma o presidente da Emap, Ted Lago.

Exemplo desses investimentos foi a inauguração do novo píer petroleiro, que entrou em operação em julho. No início de setembro, Ted Lago entregou os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs) para ampliação de capacidade de armazenamento de combustíveis do Porto do Itaqui à equipe da Secretaria Especial do Programa de Parcerias e Investimentos do Governo Federal.

E quem já investe no Porto do Itaqui também está ampliando seus negócios. Um deles é Tequimar-Ultracargo, terminal especializado na movimentação de granéis líquidos, que teve a autorização do Governo Federal para injetar R$ 170 milhões na ampliação do terminal, o que deve gerar 400 empregos diretos e 1.200 indiretos. As obras já estão em andamento.

A Companhia Operadora do Porto do Itaqui (COPI) também obteve do Governo Federal autorização para ampliar seu contrato de arrendamento no Porto do Itaqui e deverá investir R$ 79,6 milhões no terminal de fertilizantes. Será construído um novo armazém com capacidade estática de 70 mil toneladas, que possibilitará a movimentação de até 2 milhões de tonelada de fertilizantes por ano.

Além dos novos investimentos da COPI, o estudo aprovado possibilitará a introdução de Outorga Variável e Movimentação Mínima Contratual. Isso significa incremento na receita da Autoridade Portuária a ser reinvestida na melhoria da infraestrutura portuária.

Esses projetos significam mais desenvolvimento e geração de emprego e renda para o Maranhão e toda a área de influência do Porto do Itaqui e ao mesmo tempo asseguram o abastecimento de combustíveis e de fertilizantes nas regiões Norte e Nordeste do país.

Porto do Itaqui bate novo recorde na movimentação de grãos

Nas últimas 24 horas foram movimentadas 49.211 toneladas de soja, o que representa recorde histórico de movimentação diária

O Porto do Itaqui segue batendo recordes. Na sexta-feira (25), o Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram) completou 2 milhões de toneladas movimentadas apenas em 2018. Nas últimas 24 horas foram movimentadas 49.211 toneladas de soja, o que representa recorde histórico de movimentação diária.

Essa marca do Tegram é 25% superior ao mesmo período do ano passado e no total de movimentação de soja no Itaqui o crescimento, de janeiro a maio, é de 8,5% se comparado a 2017.

“Os resultados do Itaqui estão alinhados com o momento que o Maranhão vive, desde 2015, com atração de recursos com foco na consolidação de programas importantes na produção, na logística e também nos investimentos que estamos fazendo no porto”, afirma o presidente da EMAP, gestora do Itaqui, Ted Lago.

Desde 2015, o Porto do Itaqui vem passando por um processo acelerado de modernização, que o tornou mais atraente para as companhias de todo o mundo.

Atualmente, o tempo de espera dos navios é o menor em toda a história do porto, com redução de mais de 50%. De 2014 para cá, essa média caiu de 85 para 35 horas.

Tudo isso significa mais empregos e mais estímulo para a economia do Maranhão. O Itaqui hoje gera cerca de 14 mil empregos no Maranhão e ao longo da área de influência do porto.