Via Expressa está sem iluminação há quase quatro meses e oferece riscos a motoristas

“Elefante Branco” continua às escuras  e sem funcionalidade

Problema acontece desde o mês de setembro, sem que as autoridades competentes tomem qualquer providência

Partes do trecho da Via Expressa, que liga a Avenida Carlos Cunha à Jerônimo de Albuquerque, estão completamente às escuras há quase quatro meses. O problema de iluminação pública na área começou desde a inauguração da mesma, em setembro deste ano, e nunca foi solucionado pelas autoridades competentes.


A escuridão que uma hora se concentra no trecho da via próximo à Avenida Carlos Cunha e/ ou em meados da Via Expressa, já nas proximidades do Cohafuma, oferece uma série de riscos aos motoristas que por lá trafegam, entre eles perigo de acidentes e assaltos.  


O problema também ocorre no trecho da Via Expressa que dá acesso ao Renascença e ao Ceuma, onde o perigo de abordagens para assaltos é bem maior. E pasmem, tudo isso acontece desde setembro sem nenhum tipo de providência.


Iluminação polêmica – A responsabilidade sobre a iluminação pública da Via Expressa é polêmica. Na fase de execução da obra, o governo Roseana Sarney, no apagar das luzes, tornou a via uma MA – rodovia estadual – para fugir dos embargos da obra como corredor de São Luís. Com isso, anulou a responsabilidade da Prefeitura de São Luís com relação à iluminação. O Estado, por sua vez, faz de conta que o “pepino” também não é dele. E agora? Quem vai “descascar o abacaxi”?


É lamentável a baixa funcionalidade do primeiro trecho inaugurado, que não conseguiu o objetivo de garantir fluidez ao trânsito, já que no principal escoamento pelo Cohafuma/Vinhais o motorista termina preso em um imenso engarrafamento. Como se não bastasse isso, partes da via se tornaram um verdadeiro “breu” sem que as autoridades tomem qualquer providência. 

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.