Evangélicos estarão divididos na disputa em São Luís

A igreja Assembleia de Deus, maior entre as denominações religiosas, estará em pelo menos quatro palanques.

Um dos segmentos da sociedade que consegue mobilizar um bom número de eleitores, os evangélicos, estarão divididos nas eleições municipais de São Luís. A igreja Assembleia de Deus, maior entre as denominações religiosas, estará em pelo menos quatro palanques.

A deputada estadual Mical Damasceno declarou recentemente apoio ao pré-candidato Neto Evangelista (DEM). Mical é filha de Aldir Damasceno, presidente da Convenção Estadual das Assembleias de Deus no Maranhão.

Do outro lado, o pastor Enos Ferreira, secretário de Relações de Estado das Institucionais do governo Flávio Dino e filho do ex-deputado federal Costa Ferreira anunciou apoio ao pré-candidato Duarte Júnior (Republicanos). Enos é coordenador da União de Mocidade da Assembleia de Deus em São Luís (UMADESL).

Já a senadora Eliziane Gama, figura pública muito ligada à Assembleia de Deus declarou recentemente apoio o nome de Rubens Júnior (PCdoB). Além de Eliziane, o Cidadania também declarou apoio ao pré-candidato comunista.

Já o deputado federal Pastor Gildenemyr, também da mesma denominação, deve caminhar com a pré-candidata Detinha na disputa pela prefeitura de São Luís.

Apoio do PSL é disputado entre Duarte Júnior e Neto Evangelista e antecipa disputa de 2022

A disputa envolve também o senador Weverton Rocha, presidente estadual do PDT no maranhão e o vice-governador Carlos Brandão, o que seria uma prévia para a disputa pelo Palácio dos Leões em 2022.

O apoio do PSL, segundo partido com maior tempo de TV e rádio, está sendo disputado pelos pré-candidatos Duarte Júnior (Republicanos) e Neto Evangelista (DEM), na disputa pela prefeitura de São Luís.

A disputa envolve também o senador Weverton Rocha, presidente estadual do PDT no maranhão e o vice-governador Carlos Brandão, o que seria uma prévia para a disputa pelo Palácio dos Leões em 2022.

Vale lembrar que o PSL já tinha anunciado apoio ao nome de Duarte, mas a disputa via diretório nacional começou com a entrada do DEM e PDT no jogo.

O certo é que, nesta eleição, o apoio do PSL garantirá ao nome escolhido o tão desejado tempo de campanha muito necessário na disputa.

Presidente do PSB convida Flávio Dino para se filiar ao partido

Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita

O Globo

Presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira convidou o governador do Maranhão, Flávio Dino, para se filiar ao partido. Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita, além de um fundo eleitoral mais robusto e mais tempo de televisão.

“Abri as portas do PSB para o Flávio Dino, que é um ótimo nome. Mas se ele aceitar e vier, tem que ser porque se reconhece alinhado com as propostas do partido. E não por um projeto presidencial. O nome do partido para 2022 ainda será discutido internamente”, frisou Siqueira.

Procurado, Dino afirmou que um “rearranjo” nos partidos políticos é esperado após as eleições municipais, previstas para novembro deste ano. Segundo ele, a aglutinação é uma tendência que acompanhará não só a esquerda, pois, com as mudanças nas regras eleitorais, como o fim da coligação proporcional, candidatos de partidos menores terão muita dificuldade de se eleger para a Câmara dos Deputados.

“Minha relação com o PSB vem de antes do Eduardo Campos. Fui vice-líder do bloco PSB-PCdoB na Câmara. Temos uma trajetória em comum e, por isso mesmo, te diria que, nesse processo de reaglutinação da esquerda, o PSB é um parceiro preferencial do PCdoB. Tenho uma ótima relação com o PSB, que integra o nosso governo aqui no Maranhão. É um diálogo muito provável que se estreite. No que isso vai resultar, é como o próprio Siqueira disse: ‘Temos que ver mais para frente’. Eu jamais colocaria sobre a mesa a candidatura de 2022 para ir para o PSB. Seria desrespeitoso”, afirmou Flávio.

Dino minimizou a necessidade de deixar o PCdoB (Partido Comunista do Brasil) para conseguir atrair aliados e eleitorado de centro e centro-direita. “No Maranhão, fui eleito pelo PCdoB duas vezes no primeiro turno. Em 2014, meu vice era do PSDB. Em 2018, 16 partidos me apoiaram. Eu te diria que a questão partidária não é a que decide o tamanho da aliança. O que decide o tamanho da aliança é a sua atitude”.

Dino, que tem participado de conversas públicas na internet com Lula (PT) e Ciro Gomes (PDT) — o petista e o pedetista não conversam entre si —, defende uma candidatura única da esquerda para 2022, mas, ao mesmo tempo, afirma não ver viabilidade em um nome do PT para encabeçar a chapa, como defende Lula.

“Olhando o Lula que governou o Brasil, não consigo imaginar que ele só veja esse caminho do isolacionismo. Falar em candidatura própria do PT em 2022 é só um movimento inicial, feito para resgatar a imagem do PT hoje. Mas isso não se sustenta até 2022. Seja pelo amor, seja pela dor. Contudo, o principal é compreender que, num país como o Brasil, só é possível a esquerda ganhar e governar fazendo alianças para além da esquerda”, afirma Flávio Dino.

Pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para cargo de vice

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Faltando pouco mais de 50 dias para o início das convenções partidárias, os pré-candidatos a prefeito em São Luís ainda não definiram nomes para o cargo de vice-prefeito.

As vagas dependem ainda de muita articulação política e alguns nomes podem ser definidos nas últimas horas do fim do prazo para a realização das convenções que vão até o dia 16 de setembro.

Alguns pré-candidatos já conversam com legendas para que seja oficializado nomes para a composição da chapa majoritária, como são os caso do pré-candidato Neto Evangelista (DEM), que articula com o PDT um nome e de Rubens Júnior (PCdoB) que negocia com o Progresistas.

Eduardo Braide (Podemos), Duarte Júnior (Republicanos) e Bira do Pindaré (PSB) negociam com algumas legendas a indicação dos nomes.

Outros nomes como Jeisael Marx (Rede Sustentabilidade); Adriano Sarney (PV) e Dr. Yglésio (PROS), podem ir para a disputa com chapas “puro sangue”.

Madeira segue recebendo declarações de apoio na disputa pela Prefeitura de São Luís

Carlos Madeira segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

O ex-juiz e agora pré-candidato a prefeito, Carlos Madeira (Solidariedade), segue ganhando declarações de apoio de várias personalidades da política e vai reforçando sua pré-campanha na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Nas últimas semanas, Madeira já tinha recebido a declaração de apoio oficial da deputada estadual Dra. Helena Duailibi e do vereador Afonso Manoel, além do secretário de Estado da Segurança, Jefferson Portela.

Agora, Madeira adere ao seu projeto, e conta com os apoios do secretário de Estado da Cultura, Anderson Lindoso e de Marlon Reis, auto da Lei da Ficha Limpa.

Todos os apoios refletem em bases distintas, o que pode significar um possível crescimento de Carlos Madeira nas pesquisas de intenções de voto.

Zé Inácio sinaliza para cenário indefinido na eleição de São Luís

Pelo cenário ainda indefinido, o parlamentar reforça que seu partido, o PT, deve lançar candidatura própria na capital.

O deputado estadual Zé Inácio (PT) fez uma análise sobre os cenários das eleições para a Prefeitura de São Luís. De acordo com o parlamentar, a disputa ainda está incerta.

“Pesquisa do Instituto Prever sobre eleições em São Luís reforça entendimento que eu já havia tornado público: a eleição na capital continua indefinida. Na espontânea, um candidato lidera isolado com 18% e os demais não chegam nem a 4%; na estimulada, a maioria não chega a 10%”, escreveu o deputado.

Pelo cenário ainda indefinido, o parlamentar reforça que seu partido, o PT, deve lançar candidatura própria na capital.

“Por isso, reforçamos a nossa pré-candidatuta a prefeito pelo PT, diante do cenário de indefinição eleitoral em São Luís e a popularidade de Lula e do PT na capital, o que nos credencia na disputa. O caminho é pela esquerda”, escreveu o Zé Inácio.

Marcado para o dia 15 de novembro, o primeiro turno das eleições deve contar com, pelo menos, dez candidatos. Os nomes devem ser oficializados a partir as convenções de agosto.

Rubens recebe apoio de Eliziane Gama e Cidadania

A cerimônia de apoio foi realizada pelas redes sociais e contou com a participação de dirigentes das duas legendas.

O partido Cidadania, presidido no Maranhão pela da senadora Eliziane Gama, declarou, na sexta-feira (3), o apoio oficial à pré-candidatura do deputado federal Rubens Júnior (PCdoB) à prefeitura de São Luís.

A cerimônia de apoio foi realizada pelas redes sociais e contou com a participação de dirigentes das duas legendas.

O Cidadania é o quarto partido a declarar apoio ao nome de Rubens na disputa na capital, além da legenda, Rubens conta com o apoio do PCdoB, Progressistas e Democracia Cristã.

Rubens já foi deputado estadual, deputado federal e deixou recentemente a Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano para se dedicar à pré-candidatura.

Com mudanças no calendário eleitoral, Jeisael Marx volta apresentar programas na TV e rádio

Jeisael retorna na segunda-feira (6) com a apresentação do programa Brasil Urgente, na Band Maranhão e o programa Ponto Continuando, na Rádio Mais FM.

Após a votação que confirmou o adiamento das eleições de 2020 na Câmara dos Deputados, todas as regras do calendário eleitoral foram alteradas. Uma delas diz respeito à presença de pré-candidatos a prefeito e vereador em programas de rádio e de TV.

Com isso, o apresentador do programa Brasil Urgente e pré-candidato a prefeito em São Luís, Jeisael Marx volta a apresentar o programa diário na TV e no rádio.

Com o novo prazo que vai para 11 de agosto, Jeisael retorna na segunda-feira (6) com a apresentação do programa Brasil Urgente, na Band Maranhão e o programa Ponto Continuando, na Rádio Mais FM.

Jesaiel Marx é filiado ao partido Rede Sustentabilidade, fundado pela ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva e aparece bem posicionado nas pesquisas de intenções de voto na disputa pela Prefeitura de São Luís.

Congresso adia eleições 2020 para 15 de novembro

A PEC aprovada pelo Congresso adia o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro.

O Congresso Nacional aprovou a proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera as datas do calendário eleitoral deste ano em razão da pandemia do novo coronavírus.

O calendário inicial, definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em dezembro do ano passado, previa o primeiro turno em 4 de outubro, e o segundo, em 25 de outubro. A PEC aprovada pelo Congresso adia o primeiro turno para 15 de novembro, e o segundo, para 29 de novembro.

O adiamento foi debatido pelo Congresso em audiências com especialistas e integrantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Veja abaixo as datas do calendário eleitoral deste ano:

– A partir de 11 de agosto: emissoras ficam proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena de cancelamento do registro do beneficiário;

– 31 de agosto a 16 de setembro: período destinado às convenções partidárias e à definição sobre coligações;

– 26 de setembro: prazo para registro das candidaturas;

– A partir de 26 de setembro: prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e representação das emissoras de rádio e TV para elaborarem plano de mídia;

– Após 26 de setembro: início da propaganda eleitoral, também na internet;

– 27 de outubro: prazo para partidos políticos, coligações e candidatos divulgarem relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (Fundo Eleitoral), os recursos em dinheiro e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados;

– 15 de novembro: primeiro turno da eleição;

– 29 de novembro: segundo turno da eleição;

– Até 15 de dezembro: para o encaminhamento à Justiça Eleitoral do conjunto das prestações de contas de campanha dos candidatos e dos partidos políticos, relativamente ao primeiro turno e, onde houver, ao segundo turno das eleições;

– Até 18 de dezembro: será realizada a diplomação dos candidatos eleitos em todo país, salvo nos casos em que as eleições ainda não tiverem sido realizadas.