Othelino participa de convenções do PCdoB em Barreirinhas e Imperatriz

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), participou, na quarta-feira (16), da convenção partidária que homologou a candidatura de Dr. Amílcar (PCdoB) a prefeito de Barreirinhas e do seu companheiro de chapa, Antônio Diretor (PCdoB), a vice-prefeito.

No ato, o chefe do Legislativo maranhense destacou que o grupo político está empenhado a ajudá-los não só na campanha, mas, também, a construir uma Barreirinhas melhor para a sua população e transformar o lugar ainda mais atrativo do ponto de vista turístico, uma vez que a cidade, principal portal de entrada dos Lençóis Maranhenses, é uma das mais visitadas do país.

Também estiverem presentes à convenção o deputado federal Márcio Jerry, presidente do Diretório Estadual do PCdoB; o deputado federal Gil Cutrim (PDT); o deputado estadual Marcos Caldas (PTB); e o secretário de estado de Articulação Política e Comunicação, Rodrigo Lago.

Imperatriz
O deputado Othelino Neto (PCdoB) também esteve em Imperatriz, na convenção partidária que homologou as candidaturas do deputado Professor Marco Aurélio (PCdoB) a prefeito, e da advogada Rosiani Vicentine (PSB) a vice-prefeita; assim como dos postulantes a vereadores, que compõem a chapa “Juntos Somos Mais”, composta pelos partidos PCdoB, PSB, Solidariedade, PT e PDT, para concorrer as eleições municipais deste ano.

Para o presidente Othelino Neto, Marco Aurélio é um político atuante e o mais preparado para governar Imperatriz. O chefe do Legislativo pontuou diversos benefícios já concretizados no município por meio de ações do parlamentar.

Liderança
Na ocasião, o Professor Marco Aurélio falou do empenho do presidente Othelino Neto em levar melhorias ao município e afirmou que sua liderança o ajudará no pleito e a conseguir novas conquistas.

A fim de evitar aglomerações, o evento contou com a participação apenas de convencionados e foi transmitido ao vivo pelas redes sociais. Também seguiu todos os protocolos de distanciamento e de higienização, além da aferição de temperatura, uso obrigatório de máscaras e álcool gel na entrada.

Márcio Jerry garante pré-candidatura de Rubens Júnior à prefeitura de São Luís

O deputado federal e presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry, se posicionou sobre os rumores da desistência de Rubens Júnior da pré-candidatura a prefeito de São Luís.

De acordo com o parlamentar, esses boatos só revelam a força do projeto e o imenso potencial que Rubens tem para vencer as eleições de novembro. Ele acrescentou ainda, que disseminar boatos sobre desistência neste momento, mostra a pré-candidatura com sinais nítidos de fortalecimento.

Jerry também defendeu que se mantenha um clima saudável de disputa entre os candidatos da base, para que se preserve um clima propício aos diálogos posteriores no segundo turno.

Dutra informa ao PCdoB pré-candidatura para disputar eleição em Paço do Lumiar

Dutra fez o comunicado no dia 22 de julho. Nele, o político afirma que, como atual prefeito eleito, tem o direito à reeleição e solicita informações sobre a convenção da legenda em Paço do Lumiar.

O prefeito licenciado de Paço do Lumiar, Domingos Dutra, informou, por meio de nota ao PCdoB, que coloca sua pré-candidatura à disposição da legenda para disputar reeleição na cidade.

Dutra fez o comunicado no dia 22 de julho. Nele, o político afirma que, como atual prefeito eleito, tem o direito à reeleição e solicita informações sobre a convenção da legenda em Paço do Lumiar.

Domingos Dutra foi eleito prefeito em 2016, mas teve que se afastar da administração após sofrer um AVC em 23 de julho de 2019, deixando o cargo para ser exercido Paula da Pindoba.

Em março de 2020, Domingos Dutra tentou reassumir o cargo de prefeito, mas por decisão do Ministério Público e da Câmara de Vereadores teve que ser afastado.

Líderes da esquerda discutem criação de novo partido para enfrentar Bolsonaro em 2022

O novo partido pode ser

O Globo

Uma série de conversas envolvendo líderes da esquerda brasileira está em curso, com o objetivo de colocar de pé um novo partido depois das eleições municipais de novembro. O primeiro sinal que revela as articulações é o namoro entre o PSB e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), revelado pelo GLOBO na semana passada.

Na verdade, o que Dino realmente deseja é uma fusão das duas siglas, de olho na eleição presidencial de 2022. Ele quer ser candidato ao Palácio do Planalto, embora negue publicamente o sonho. Setores do PSB gostam da ideia de unir forças, e o partido parou de lançar o balão de ensaio da candidatura do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, filiado desde 2018.

Com a fusão, seria possível tocar um fundo eleitoral de mais de R$ 145 milhões, valor superior ao que é recebido por PSDB, DEM e PP. A interlocutores, Dino chama o projeto de “MDB da esquerda”, pois acredita que poderá trazer para o novo partido vários nomes insatisfeitos com os rumos das suas próprias legendas. Um dos exemplos é o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

Faz tempo que Freixo e PSOL não se bicam no Rio. O ápice deu-se este ano, quando o partido queria obrigá-lo a participar de prévias na disputa pela Prefeitura do Rio, mesmo sendo ele a principal força eleitoral da esquerda carioca. Freixo também cansou há tempos do radicalismo da legenda no estado e se irrita com o fogo amigo interno por ter bom relacionamento com outras forças políticas — o deputado sempre teve diálogo aberto com figuras como o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) Jorge Picciani (ex-integrante do MDB) e o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

É justamente esse tipo de conexão da esquerda com outros atores que Dino tem tentado fazer nos últimos meses. Conforme informou o colunista Guilherme Amado na revista Época, ele, Freixo, Maia, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), e o apresentador Luciano Huck já fizeram vários encontros virtuais recentemente para debater a conjuntura política. São personagens que jamais estarão juntos eleitoralmente em um primeiro turno, mas que, ao assinarem manifestos recentes contra o presidente Jair Bolsonaro, constroem pontes para outras etapas de uma possível disputa.

Os obstáculos para a relevância dessa nova esquerda que tenta nascer estão dentro da própria esquerda: faltando mais de dois anos para a eleição presidencial, PT e PDT não arredam o pé de encabeçar uma chapa para enfrentar Bolsonaro. E, no meio da rivalidade entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-governador do Ceará Ciro Gomes, está Fernando Haddad, derrotado em 2018 por Bolsonaro.

Atualmente, existe o Haddad que aparece em entrevistas e o Haddad das conversas nos bastidores. O primeiro não contraria Lula em público e sua estratégia de rejeitar manifestos suprapartidários contra Bolsonaro. A propósito, no último fim de semana, o petista teve que passar horas em conversas telefônicas desmentindo mais uma vez que vai ceder à vontade do ex-presidente de colocá-lo na disputa pela prefeitura de São Paulo no lugar de Jilmar Tatto. Já o segundo Haddad é muito mais enfático na necessidade de a esquerda organizar um discurso mais amplo. Ele vem conversando frequentemente com Dino e Freixo sobre esses movimentos, embora não cogite deixar o PT.

Dino avalia que a esquerda poderá perder em todas as capitais brasileiras em novembro, diante dos pré-candidatos escolhidos até o momento — PSB e PDT comandam, somados, cinco capitais, enquanto PT e PCdoB não estão à frente de nenhuma. Esse grande fracasso, como lamenta a interlocutores, poderá catalisar a criação de um novo partido e, talvez, ensaie uma união maior do campo. O governador do Maranhão vem tentando mostrar isso a Lula em conversas periódicas por telefone, justamente por acreditar não ser possível vencer Bolsonaro abdicando do lulismo. Por ora, contudo, o PT não abre mão de jeito nenhum de ter candidato próprio em 2022.

Um governador sonha com a fusão entre dois partidos históricos de esquerda

O jornal O Globo destaca a possibilidade da fusão entre o PCdoB e PSB

O Globo

Flávio Dino defende internamente que o PCdoB debata uma fusão com o PSB. Trata-se do cenário perfeito para ele próprio.

Um dos nomes mais competitivos da esquerda hoje, Dino vem flertando com o PSB, partido que lhe daria melhores condições para disputar a presidência da República em 2022. Seu plano B é o Senado. Nesse caso, não precisaria sair do PCdoB para ter chances de vitória. O Globo

“Não se trata de atacar o Bolsonaro mas de defender o Brasil e os brasileiros”, diz Flávio Dino

Em sua fala, o governador também se dirigiu às pessoas sem partido, sem filiação partidária, sem opção ideológica, mas que defendem o Brasil e os brasileiros. 

Em recente live do ‘Janelas pela Democracia’, ato virtual que reuniu representantes de diferentes partidos brasileiros, o governador Flávio Dino defendeu a construção de uma frente ampla com a sociedade. 

“Os movimentos a favor da democracia nos ajudam a ampliar a opinião, para que não seja uma coisa dos partidos e sim uma questão da sociedade, uma auto defesa. Não se trata atacar o Bolsonaro, mas de defender o Brasil e os brasileiros”, assegurou Flávio Dino.

Em sua fala, o governador também se dirigiu às pessoas sem partido, sem filiação partidária, sem opção ideológica, mas que defendem o Brasil e os brasileiros. 

“Me dirijo àqueles que praticam o patriotismo verdadeiro e não o farisaísmo de quem finge ser patriota mas que na verdade defende os interesses de outros países, apenas os interesses dos mais ricos, daqueles que mais têm”, disse Dino ao defender o patriotismo popular, que em suas palavras, é sobretudo, amar o povo. 

O ato aconteceu na última terça-feira (14) e reuniu lideranças de sete partidos brasileiros: Flávio Dino (PcdoB), Gleisi Hoffmann (PT), Alessandro Molon (PSB), Randolfe Rodrigues (Rede), Cristovam Buarque (Cidadania), Carlos Lupi (PDT) e Jose Luiz Penna (Verde).

Ao final, Flávio Dino enfatizou a defesa da democracia, da liberdade e dos direitos para todos. “Precisamos derrotar o Bolsonaro e o bolsonarismo, derrotar a ideologia da morte, da destruição que embasa esse sistema de poder que aí está mas que passará, porque nós venceremos”, pontuou Dino.

Dilma afirma que Lula não quer ser candidato e cita Haddad e Flávio Dino como alternativas

Em relação a 2022, Dilma afirma que ainda é cedo para traçar rumos, mas aponta um fator que pode ser decisivo: Lula não deseja entrar na disputa.

Em entrevista a El País Brasil, a presidenta Dilma Rousseff analisou, entre outros assuntos, o cenário eleitoral, que ela considera volátil. Em relação a 2022, ela afirma que ainda é cedo para traçar rumos, mas aponta um fator que pode ser decisivo: Lula não deseja entrar na disputa.

“Lula disse que não quer ser mais candidato, certo? Então, eu não posso falar outra coisa. Eu acho que Lula continua sendo, mesmo não querendo ser candidato, ele continua sendo a liderança mais expressiva no campo popular. Agora, ele disse que não quer ser”, afirmou Dilma.

Diante disso, o que fazer?

“Pode ser uma pessoa do campo. O Lula já falou em [ex-prefeito Fernando] Haddad. O Lula já falou no [governador do Maranhão ] Flávio Dino [PCdoB]… O que não é possível é eu achar que uma pessoa fora de um determinado campo, que tem pelo menos a maioria do campo de oposição vai abrir mão pra quem tem 10%. Esse era o problema, a questão [ em 2018]. A troco [de quê ]? A Cristina Kirchner, na Argentina, abriu mão [da cabeça de chapa da eleição presidencial argentina] para o Alberto Fernandez, que foi o principal assessor de Néstor Kichner”, completou.

Rubens Júnior recebe apoio do Partido da Mulher Brasileira

O PMB é o quarto partido a declarar apoio a Rubens Júnior na disputa pela Prefeitura de São Luís, ao lado do PCdoB, PP e Democracia Cristã.

O deputado federal licenciado e pré-candidato a prefeito de São Luís, Rubens Júnior (PCdoB), recebeu o apoio do Partido da Mulher Brasileira (PMB).

O pré-candidato esteve reunido com a presidente estadual da legenda, Efigênia Tavares, com o presidente municipal, Samuel Campos e recebeu o apoio formal.

O PMB é o quarto partido a declarar apoio a Rubens Júnior na disputa pela Prefeitura de São Luís, ao lado do PCdoB, PP e Democracia Cristã.

Rubens Júnior deixa governo para se dedicar à pré-candidatura em São Luís

Pré-candidato a prefeito pelo PCdoB em São Luís, Rubens Júnior deve intensificar nos próximos dias a construção do seu plano de governo

Em entrevista ao programa Bom Dia Maranhão, da TV Difusora, desta quarta-feira (3), o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB) confirmou que deixa a Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid).

O ato de exoneração de Rubens foi feito a seu pedido e publicado no Diário Oficial do Estado nesta quarta.

Pré-candidato a prefeito pelo PCdoB em São Luís, Rubens Júnior deve intensificar nos próximos dias a construção do seu plano de governo e estruturar ainda mais sua equipe para a campanha.

Rubens confirmou que permanece licenciado do mandato de deputado federal, confirmando que o suplente Gastão Vieira (PROS) continua no mandato.

Rubens tem o apoio do PCdoB, PP, PROS e trabalha pela aliança com o PT.