Partidos do grupo Sarney seguem cada vez mais separados

Partidos do grupo Sarney como MDB, PV, PSD e PSC poderão seguir palanques opostos

Antes tido como um grande grupo político, tanto no volume de vitórias, votos e cargos, quanto no número de partidos políticos, o grupo Sarney passou por todo um processo de desidratação e a cada dia fica ainda mais separado.

Para as eleições de 2020 em São Luís, o grupo, possivelmente, não estará no mesmo palanque.

Pelo menos dois integrantes do grupo Sarney já são colocados como pré-candidatos, que são o deputado estadual Adriano Sarney (PV) e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB). No caso de confirmação da candidatura de Roseana após a convenção, PV e MDB seguirão em lados opostos, já que o deputado Adriano afirma não desistir da pré-candidatura em nenhuma hipótese.

Na outra ponta, o PSD do deputado federal Edilázio Júnior e o PSC do também deputado federal Aluísio Mendes podem seguir palanques opostos. O PSD e o PSC já têm conversas avançadas com o pré-candidato Eduardo Braide (Podemos). O que mostra que em 2020 o grupo Sarney caminha para perder ainda mais o status de grupo.

MDB insiste em pré-candidatura de Roseana Sarney em São Luís

Governadora por quatro mandatos, Roseana Sarney disputaria a eleição pela prefeitura da capital pela primeira vez

Ao que tudo indica, o MDB deve insistir na pré-candidatura da ex-governadora Roseana Sarney, em São Luís. O presidente municipal da legenda, o deputado estadual Roberto Costa, esteve reunido com ela e reafirmou as conversas sobre a possibilidade de entrar na disputa.

“Encontro muito agradável com a ex-governadora Roseana. Conversamos bastante sobre a atuação do nosso partido em todo o Maranhão. Na pauta, a nossa querida São Luís, os projetos e caminhos para a eleição de outubro. Reafirmamos a decisão do MDB pela candidatura de Roseana. Além de inúmeras obras realizadas por toda a cidade, reconhecidas pela nossa população, Roseana tem uma ligação muito forte com São Luís. É essa relação de carinho e proximidade com as pessoas que nos motiva a encarar novos desafios”, escreveu Roberto Costa.

Governadora por quatro mandatos, Roseana Sarney disputaria a eleição pela prefeitura da capital pela primeira vez. Vale lembrar que a ex-governadora ainda não decidiu se vai disputar mais uma eleição.

Roseana Sarney é a mais rejeitada em São Luís

Roseana, que já foi governadora por quatro mandatos, teria 35,5% no quesito rejeição, o que já inviabiliza um possível crescimento nas pesquisas.

De acordo com a pesquisa do Instituto Econométrica, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) é a mais rejeitada entre os pré-candidatos em São Luís.

Roseana, que já foi governadora por quatro mandatos, teria 35,5% no quesito rejeição, o que já inviabiliza um possível crescimento nas pesquisas.

Recentemente, o MDB começou a se movimentar para lançar a ex-governadora como pré-candidata na capital e testar seu nome. Mesmo com a boa colocação na pesquisa, Roseana tem o triplo de rejeição, o que mostra que o eleitor não está a fim de voltar ao domínio do grupo Sarney em São Luís.

O instituto Econométrica ouviu 938 eleitores nos dias 17 e 18 de dezembro. A margem de erro é de 3,4% com um intervalo de confiança de 95%.

Adriano Sarney reafirma pré-candidatura mesmo com Roseana na disputa

Mesmo com a garantia da pré-candidatura pelo PV, o MDB, outro partido que o grupo Sarney dirige, não deve declarar apoio ao parlamentar.

O deputado estadual Adriano Sarney (PV) está decidido a oferecer seu nome para disputar a eleição pela Prefeitura de São Luís, em 2020, na convenção do partido. Um dos grandes debates das últimas semanas foi se, em caso da presença da ex-governadora Roseana Sarney na disputa, seu nome permaneceria. O parlamentar reafirmou que continua firme como pré-candidato.

“No que diz respeito a minha pré-candidatura a prefeito de nossa capital após recentes movimentos envolvendo a ex-governadora Roseana Sarney, da qual sou aliado e sobrinho, nada muda. Reafirmo minha pré-candidatura escolhida pela unanimidade de meus correligionários e agora chancelada pelo presidente nacional do partido como uma das prioridades do PV em nível de Brasil”, afirmou Adriano.

Mesmo com a garantia da pré-candidatura pelo PV, o MDB, outro partido que o grupo Sarney dirige, não deve declarar apoio ao parlamentar.

Ao que tudo indica, Roseana Sarney não deve encarar mais uma disputa eleitoral, mas caso isso venha a acontecer, seria a primeira vez que dois nomes do grupo Sarney estariam disputando uma mesma eleição para o mesmo cargo.

MDB do Maranhão perde prestígio no governo Bolsonaro

Ex-donos de várias indicações em órgãos e autarquias do Governo Federal no Maranhão, os emedebistas amargam um desprestígio no atual governo

Diferente do que aconteceu nos governo Dilma Rousseff e Michel Temer, o diretório maranhense do MDB perdeu totalmente o prestígio que tinha no atual governo do presidente Jair Bolsonaro.

Ex-donos de várias indicações em órgãos e autarquias do Governo Federal no Maranhão, os emedebistas amargam um desprestígio no atual governo, não tendo o direito de indicar nenhum nome, nem mesmo no ministério que o partido administra, o da Cidadania.

É certo que antes o MDB maranhense tinha dois senadores, mas, mesmo com dois deputados federais, o que se olha é o pouco diálogo com o governo.

A falta de prestígio se mostra ainda maior com a queda da presidente do Iphan, Kátia Bogéa, que foi exonerada pelo presidente.

Os deputados federais Hildo Rocha e João Marcelo estão correndo atrás do prejuízo, mas, pelo que se vislumbra, a falta de força junto ao governo Bolsonaro só tende a aumentar.

Na presença de velhos caciques, MDB do Maranhão prega renovação

Mesmo na presença do atual presidente nacional da legenda, o jovem deputado federal Baleia Rossi, o que se viu é que o MDB do Maranhão continua parado no tempo

Durante o encontro estadual de lideranças do MDB, realizado na Assembleia Legislativa do Maranhão, o discurso de todos os presentes foi de renovação. O fato é que os discursos e as falas estão longe da renovação que a legenda necessita após passar por tantas derrotas nos últimos anos.

No encontro, o que se viu é que o atual presidente do MDB João Alberto, não deseja largar a política e que após ser governador, senador e deputado, vai disputar uma das vagas na Câmara Municipal de Bacabal.

O que se viu também foi uma tentativa de colocar novamente a ex-governadora na cena política para que ela seja uma das candidatas à prefeitura de São Luís. A mesma Roseana que já foi governadora por quatro mandados.

Mesmo na presença do atual presidente nacional da legenda, o jovem deputado federal Baleia Rossi, o que se viu é que o MDB do Maranhão continua parado no tempo. Sem a perspectiva do surgimento de lideranças jovens.

Roberto Costa afirma que MDB já definiu nome de Roseana Sarney para disputa em São Luís

Vale lembrar que, para pessoas mais próximas, a ex-governadora já afirmou que não pretende entrar na disputa pela prefeitura de São Luís

O deputado estadual Roberto Costa (MDB) voltou a defender, durante discurso na Assembleia Legislativa, que seu partido lance o nome da ex-governadora Roseana Sarney como candidata a prefeita de São Luís, em 2020.

“O nosso partido, tanto o Diretório Municipal de São Luís como o Diretório Estadual do partido, tomou uma posição em relação a São Luís, onde nós teremos uma candidatura própria a prefeito. Nós temos vários nomes que já foram discutidos e que estão sendo discutidos no partido, mas o partido tomou uma decisão muito clara e definitiva de que é para a cidade de São Luís apresentar o nome da ex-Governadora Roseana para disputar a Prefeitura de São Luís pelo MDB. É uma decisão que o partido toma no sentido, primeiro, de respeitar todo o legado da Governadora Roseana por tudo o que ela fez pela cidade de São Luís”, disse Roberto Costa.

O parlamentar prosseguiu falando dos argumentos da defesa da ex-governadora pela legenda. “As grandes obras estruturantes passaram pela Roseana. A avenida Via Expressa, a avenida IV Centenário, os viadutos, os Viva’s, as UPAs, tudo foi construção dela. Por isso a proposta que nós temos é a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney”, afirmou.

Vale lembrar que, para pessoas mais próximas, a ex-governadora já afirmou que não pretende entrar na disputa pela prefeitura de São Luís e que segue afastada da política.

MDB e PSDB do Maranhão parados no tempo e sem perspectivas de renovação

Aqui no Maranhão, o mau momento das duas legendas é visto pelas últimas derrotas

O MDB e o PSDB são dois partidos que, tanto em nível nacional, quanto estadual, estão bem longe de mostrar uma renovação. Ambos os partidos vêm, nos últimos anos, sendo dirigidos por figuras já bem conhecidas da política.

A parada no tempo foi refletida na redução drástica das duas legendas na Câmara dos Deputados, que reflete diretamente na redução do tempo de TV. A bancada do MDB foi reduzida de 66 deputados federais para 34. Já o PSDB reduziu de 54 para 29 deputados federais.

Aqui no Maranhão, o mau momento das duas legendas é visto pelas últimas derrotas. Tanto o MDB, quanto o PSDB, sofreram derrotas em 2018 na disputa pelo Governo do Estado, além de diminuírem consideravelmente o número de prefeitos e de representantes no legislativo estadual e nos municipais.

Ambos os partidos precisam enxergar que nem a ex-governadora Roseana Sarney, muito menos o senador Roberto Rocha, refletem a renovação que as legendas necessitam. Caso contrário e na continuação desse pensamento, a desidratação das legendas vai continuar ainda mais.

MDB fala em renovar, mas nova direção tem filhos de políticos e chapa única

O nome da ex-governadora, Roseana Sarney, acabou sendo ventilado como um dos possíveis nomes para a direção, mas acabou não acontecendo.

Sob o discurso da renovação, o MDB elegeu neste domingo chapa única composta por filhos e apadrinhados de caciques da legenda. Dos nove integrantes da nova cúpula, três são filhos nomes tradicionais do partido e seis já estão na política há muitos anos. O deputado federa l Baleia Rossi (SP), que é filho do ex-ministro da Agricultura na gestão do PT, Wagner Rossi, assume a presidência com a missão de unificar o partido.

Batizada de Renovação Democrática, a chapa foi aprovada por 311 votos, dos 209 convencionais. A eleição não teve a presença do ex-presidente Michel Temer. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, disponibilizou seu avião para levá-lo a Brasília, mas Temer não foi. O mais tietado foi o ex-presidente José Sarney, que aos 89 anos, se disse “jovem” e entusiasmou a militância a participar da política. Também participaram tradicionais nomes da legenda, como o ex-senador Eunício Oliveira (CE), Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM).

A legenda perdeu quase metade da sua bancada na Câmara nas eleições de 2018, e várias de suas lideranças históricas foram presas ou respondem a processos por corrupção, como o próprio Temer.

A chapa tem na terceira-vice presidência o ex-deputado federal Daniel Vilela, filho do ex-governador de Goiás, Maguito Vilela, e na secretaria-geral o deputado Newton Cardoso Júnior, filho do ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso. A primeira vice é ocupada pelo senador Confúcio Moura, que já governou Rondônia por duas vezes, já foi prefeito por dois mandatos e deputado federal.

A segunda vice presidência fica com o deputado federal Carlos Chiodini (SC) e a primeira-secretaria será comandado pelo deputado estadual Gabriel Souza (RS). Ambos representam a bancada do sul, muito representativa na Câmara. A segunda-secretaria do MDB será do prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis (RJ), ex-deputado federal.

A chave do cofre do MDB fica aos comandos do senador Marcelo Castro (PI). Ex-deputado federal por cinco mandatos, Castro teve o apoio dos senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL) para se alçar ao posto de tesoureiro da legenda. Marcelo Castro terá como adjunto o deputado federal Raul Henry (PE), que atende à indicação do ex-deputado federal e senador Jarbas Vasconcelos (PE).

O nome da ex-governadora, Roseana Sarney, acabou sendo ventilado como um dos possíveis nomes para a direção, mas acabou não acontecendo.