Chico Carvalho fala dos possíveis nomes do PSL em São Luís

Chico Carvalho, que está em seu oitavo mandato como vereador e preside o PSL há 16 anos, afirmou que o partido pode receber outros nomes da política

O presidente estadual do PSL no Maranhão, vereador Chico Carvalho, concedeu entrevista ao jornal O Imparcial e falou dos trabalhos internos da legenda para a próxima eleição. O vereador de São Luís falou dos possíveis nomes do PSL na disputa pela prefeitura de São Luís.

“Nomes fortes nós temos em todo o Estado e seria difícil mencionar todos aqui. Mas em São Luís, por exemplo, convidamos o juiz federal Roberto Veloso, o ex-prefeito Tadeu Palácio e o apóstolo Sílvio Antônio, que foi candidato a deputado federal e foi o mais votado para o cargo dentro do partido e o oitavo mais votado em São Luís”, afirmou Chico Carvalho.

Chico Carvalho, que está em seu oitavo mandato como vereador e preside o PSL há 16 anos, afirmou que o partido pode receber outros nomes da política. “A esposa do ex-prefeito Tadeu Palácio, Gardênia Palácio, também foi convidada para se filiar à nossa legenda. Também convidamos o prefeito Hilton Gonçalo, de Santa Rita e a esposa dele, a prefeita de Bacabeira, Fernanda Gonçalo. O casal acaba de se desfiliar do Avante”, disse Chico.

PSL cria ‘filtro ideológico’ para as próximas eleições

A intenção é evitar que nomes considerados desalinhados ao governo Jair Bolsonaro representem a sigla

De olho nas eleições do ano que vem, o PSL vai implantar uma espécie de “filtro” ideológico para definir quem serão seus candidatos. A intenção é evitar que nomes considerados desalinhados ao governo Jair Bolsonaro representem a sigla.

A medida ocorre após cobrança do próprio presidente, que exige o “enquadramento” de parlamentares que discordem de ações da sua gestão. Com a medida, o PSL, que decidiu expulsar o deputado Alexandre Frota (SP) e é investigado por suspeitas de usar candidatas fantasmas na eleição de 2018, pretende se associar ainda mais à imagem de Bolsonaro.

A decisão foi vista internamente como um gesto de “purificação” do partido. Além de “filtrar” novos filiados, o partido quer “enquadrar” os que não seguirem à risca as diretrizes do partido. Ainda não está definido como e quem fará o pente-fino nos nomes que poderão concorrer pelo PSL.

“É uma medida para dar uma cara de novo ao PSL. A gente tem de saber quem está vindo se candidatar pelo partido. Temos de saber se ele é ficha-limpa, qual o passado político dele. Se não, daqui a pouco, vamos ver um esquerdista querendo se lançar só porque o partido cresceu e virou viável”, afirmou a deputada federal Carla Zambelli, de São Paulo. (Estadão)

PSL decide expulsar deputado Alexandre Frota

Nos últimos dias, Frota passou a criticar publicamente o governo e o presidente, e chegou a declarar que estava decepcionado com Bolsonaro

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, decidiu, por unanimidade, nesta terça-feira (13) expulsar o deputado Alexandre Frota (SP). A decisão foi tomada após reunião da sigla em Brasília e anunciada pelo presidente do PSL, Luciano Bivar.

O pedido de expulsão de Frota, aprovado por nove votos, partiu da deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que declarou recentemente que a situação do parlamentar no partido era “insustentável”. A expulsão não acarretará na perda do mandato de Frota, que poderá permanecer como deputado em outra sigla.

Nos últimos dias, Frota passou a criticar publicamente o governo e o presidente, e chegou a declarar que estava decepcionado com Bolsonaro e com a falta de articulação do presidente com os parlamentares. Em mais de uma ocasião, o parlamentar criticou, por exemplo, a iminente nomeação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos.

Um dos principais articuladores do PSL na votação da reforma da Previdência na Câmara, Alexandre Frota decidiu se abster na análise da proposta em segundo turno, contrariando a orientação do partido, depois de ter sido retirado da vice-liderança do partido na Câmara e do comando de três diretórios municipais a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

“Eu acredito que o Bolsonaro tenha pedido isso porque disse que estava decepcionado com ele, que não achava que a indicação do Eduardo como embaixador era a mais correta. Fui surpreendido com essas mudanças”, disse Frota na última quarta-feira.

Bolsonaro quer que PSL ‘arrume a casa’

O presidente deixou claro que o partido precisa demonstrar “unidade”

Como condição para sua permanência no partido, inclusive para uma eventual candidatura à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro cobrou a cúpula de seu partido, o PSL, para que “arrume a casa” e afine o discurso com o governo. Na quinta-feira, 1, uma reunião a portas fechadas no gabinete presidencial reuniu o presidente da legenda, Luciano Bivar (PSL-PE), o vice-presidente Antônio Rueda e a advogada Karina Kufa.

O presidente deixou claro que o partido precisa demonstrar “unidade”. Bolsonaro teria dito aos dirigentes partidários que não dá para a sigla manter essa relação de “merda” com o governo. Ele reclamou do clima de desarmonia da legenda e de deputados que o atacam frequentemente. Na visão do presidente, Bivar precisa “enquadrar” os deputados, convidá-los a afinar o discurso e também evitar novas dissidências nas votações no Congresso.

No primeiro semestre, parlamentares da bancada do PSL chegaram a votar contra algumas pautas do governo. Houve uma ocasião em que o próprio Bivar votou pela aprovação da urgência do projeto que derruba o decreto de alteração da Lei de Acesso à Informação, na contramão da orientação do governo.

De olho nas eleições de 2020, PSL discute mudança de nome

Presidente Jair Bolsonaro e o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar

O Globo

A um ano do início da campanha para as eleiçõesmunicipais, o PSL — partido do presidente Jair Bolsonaro — começa a discutir medidas para evitar novos constrangimentos, como as denúncias de uso de candidaturas laranjas e as disputas internas, com integrantes da legenda atacando o próprio governo e votando contra a orientação do Planalto.

O presidente Jair Bolsonaro agendou uma reunião com Luciano Bivar, que comanda o PSL nacional, para a próxima quinta-feira, no Palácio do Planalto, para tratar desses temas. Para “mudar a cara” do PSL, a ideia de um grupo de filidos é fazer um concurso online para escolher, entre a militância, novos nome e logotipo. Bivar resiste às mudanças.

Bolsonaro deve cobrar de Bivar a adoção na legenda de regras de compliance, normas internas de conduta, e pedir que afine o discurso com bancada do PSL na Câmara. O presidente tem demonstrado incômodo com o constante “fogo amigo” no Congresso.

O plano de expansão do PSL

O objetivo é conseguir ter 1 milhão de filiados até outubro de 2020

O Partido Social Liberal (PSL), partido do presidente Jair Bolsonaro, colocou em andamento um plano ambicioso de expansão dos seus quadros. O objetivo é conseguir ter 1 milhão de filiados até outubro de 2020.

Em junho, o PSL tinha 270 mil integrantes e quer chegar a 500 mil até março. Depois disso, o sonho é alcançar a marca de 1 milhão justamente no período das eleições municipais.

Um documento está sendo elaborado pelo partido para posicionar a legenda “como referência de ideias liberais na economia e valores baseados na pátria e na família”.

PSL realiza encontro estadual no Maranhão

O evento, realizado no Auditório Neiva Moreira, na Assembleia Legislativa do Maranhão, serviu para discutir ações para o fortalecimento da legenda

O Partido Social Liberal (PSL) realizou seu primeiro encontro estadual no Maranhão. O evento, realizado no Auditório Neiva Moreira, na Assembleia Legislativa do Maranhão, serviu para discutir ações para o fortalecimento da legenda, anunciar novos filiados e debater estratégias para as eleições de 2020.

Liderado pelo presidente estadual da legenda, Chico Carvalho, o evento não teve a participação do grupo da presidente da Funasa no Maranhão, a ex-candidata pelo PSL ao governo, Maura Jorge.

O juiz federal e ex-presidente da Associação de Juízes Federais do Brasil, Roberto Veloso, participou do evento palestrando sobre as mudanças na legislação eleitoral.

O superintendente de Coordenação e Governança do Patrimônio da União no Maranhão, coronel Moreira, fez sua filiação ao PSL no evento.

Assessor do ministro do Turismo é preso e acende alerta no PSL do Maranhão

O Ministério Público Eleitoral (MPE) investiga uma possível fraude na composição da lista de candidatos às eleições proporcionais de 2018 no Maranhão

Um assessor especial do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi preso na manhã de quinta-feira (27) na investigação da Polícia Federal sobre supostas candidaturas de laranjas do PSL em Minas Gerais. Mateus Von Rondon foi detido em Brasília. Além dele, foi preso em Ipatinga um dos coordenadores da campanha de Álvaro Antônio à Câmara dos Deputados em 2018, Roberto Silva Soares, conhecido como Robertinho.

Desde fevereiro, a PF e o Ministério Público Eleitoral investigam o uso de candidatas para desvio de recursos do fundo eleitoral. Promotores veem indícios de fraude em caso de mulheres que receberam volume considerável de dinheiro, mas tiveram poucos votos. A suspeita é que elas não fizeram campanha e combinaram a devolução de recursos ao partido.

A PF deflagrou a operação em Aimorés e Ipatinga, na Região do Vale do Rio Doce, e em Brasília. Chamada de Sufrágio Ostentação, a ação cumpre mandados de prisão temporária e de busca e apreensão. Os suspeitos são investigados pelos crimes de falsidade ideológica eleitoral, emprego ilícito do fundo eleitoral e associação criminosa.

A operação da Polícia Federal ligou o sinal vermelho no diretório estadual do PSL no Maranhão, comandado pelo vereador de São Luís, Chico Carvalho. O Ministério Público Eleitoral (MPE) investiga uma possível fraude na composição da lista de candidatos às eleições proporcionais de 2018 no Maranhão que, para cumprir o percentual de 30% de candidatas mulheres exigido por Lei, colocou candidatas laranjas.

Quais os planos de Maura Jorge?

Especula-se que o futuro político de Maura esteja entre uma candidatura à prefeitura de São Luís ou em Lago da Pedra

Após assumir o controle da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), no Maranhão, a ex-candidata ao governo do Estado, Maura Jorge (PSL), ainda não deixou claro qual será seu futuro político.

Mesmo não obtendo a vitória, Maura Jorge saiu com um bom cacife político, já que teve quase 250 mil votos, bem mais do que o também candidato, Roberto Rocha (PSDB), que teve pouco mais de 60 mil, por exemplo.

Especula-se que o futuro político de Maura esteja entre uma candidatura à prefeitura de São Luís ou em Lago da Pedra, cidade que sua cidade administra a mais de 40 anos. Mas uma candidatura em Lago da Pedra não daria a visibilidade que Maura precisa pra seguir voos maiores.

De certo, ainda nada. Só o que é visto a olho nu é que o futuro de Maura passa pelas mãos, ou melhor dizendo, por uma articulação que envolva o senador Roberto Rocha, responsável por sua indicação para a Funasa.