Flávio Dino detalha medidas em cenário de pandemia e queda dos casos no Maranhão

Em coletiva à imprensa, na manhã desta sexta-feira (2), no Palácio dos Leões, o governador Flávio Dino fez um resumo das mais recentes ações do Governo do Estado, no combate à pandemia do novo coronavírus. Na ocasião, Flávio Dino enfatizou a redução no número de casos e a continuidade das testagens no sistema drive-thru. Ele enfatizou que cuidar da economia, unida a cuidar da dimensão social, é cuidar da saúde, e que a gestão tem caminhado nessa missão.

O êxito das ações do Governo do Estado é constatado com a redução gradativa dos casos de coronavírus. Dos mais de oito mil registros no mês de setembro, seguiram quedas consecutivas reduzindo para 4,8 mil casos, no primeiro dia de outubro. O Maranhão está a 105 dias consecutivos com tendência de queda da Covid-19. O índice é um recorde nacional. O Estado está ainda entre os 12 do país com situação de estabilidade dos casos da doença.

Com a iniciativa da vacinação em drive-thru, o Governo do Estado já realizou 14.418 testes, destes, 11.795 não detectaram o vírus. Ou seja, mais de 80% dos testes deram negativo. De 19 a 30 de outubro será realizada a segunda fase da testagem, que vai alcançar 5.100 maranhenses de 66 municípios. Paralelamente, no cenário de pandemia, o Governo do Estado executou 13 obras em 12 semanas, equipando e estruturando a área da saúde para continuar o combate à doença.

Com fins à maior valorização e reconhecimento dos profissionais da saúde, que atuaram diretamente no combate ao coronavírus, o governador Flávio Dino editou o Decreto 36.220, de 1º de outubro de 2020. O documento transforma essa experiência em titulação. Com isso, profissionais que concorrerem em concursos ou seletivos no Estado terão este serviço prestado na pandemia como pontuação. O decreto vale para quem atuou em hospitais da rede municipal, estadual, federal e privada do Maranhão.

Na educação, o governador destacou que, provavelmente, não haverá retorno das aulas presenciais no Estado. Porém, as iniciativas de aulas online e outras estratégias, como a distribuição de chips com internet e material de estudo aos alunos, serão intensificadas para que as aulas continuem. “Estamos cuidando do ensino não-presencial, respeitando o pedido da comunidade escolar, e avaliando com atenção o que pode se feito para 2021. Nesse momento, vamos intensificar o ensino não-presencial”, disse.

Será lançado o pré-vestibular Gonçalves Dias, para atender aos estudantes que vão participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O cronograma inclui 45 vídeos semanais, roteiros de estudo disponível para download, mais de 3,5 mil questões comentadas, aulas com os componentes exigidos no Enem e lives no YouTube. O pré-vestibular terá aulas ministradas por professores do Maranhão e convidados de outros estados, iniciando em 10 de outubro até 7 de fevereiro de 2021.

Na geração de emprego e renda, seguem ações diversas do Plano Emergencial de Emprego Celso Furtado. Por meio do plano, já foram investidos R$ 221 milhões em medidas de empregabilidade e renda aos maranhenses. O plano prevê recursos de R$ 558 milhões a serem aplicados no Estado. “O plano Celso Furtado é a resposta maranhense para as dificuldades que se apresentam”, enfatizou o governador.

O Governo do Estado disponibiliza ainda diversos editais abertos, com oportunidades para várias áreas. Entre estes, Mutirão Rua Digna e compras de produtos da economia solidária (até 20/10); compras de produtos de povos indígenas e agricultura familiar (13/10) e Lei Aldir Blanc, que apoia projetos na área da cultura (até 23/10).

Ao finalizar a coletiva, Flávio Dino fez pontuações na Segurança Pública, ressaltando que “as ações continuam com fins a mostrar que não houve e não há nenhum descontrole na área da Segurança Pública. O que houve foram eventos em razão da disputa do próprio mundo do crime e trabalhamos para que esses sejam lamentáveis episódios e não rotina”. O governador reforçou que o sistema de Segurança age e continua a agir.

Novo hospital estadual dedicado a cirurgias será instalado em São Luís

A rede pública de saúde do Maranhão vai ganhar uma nova e moderna unidade de saúde dedicada a cirurgias. Trata-se do Hospital Humberto Coutinho, que vai ser instalado onde hoje funciona o Hospital de Cuidados Intensivos (HCI), primeira unidade exclusiva para assistência a pacientes com o novo coronavírus no Estado.

Localizado na Avenida Jerônimo de Albuquerque, em São Luís, o HCI foi alugado pelo Governo do Estado em abril deste ano no auge da pandemia. Até então, ele era um hospital privado que estava com a maior parte dos seus serviços desativados desde 2018. Em poucos meses de funcionamento como equipamento da rede estadual de saúde, o HCI se tornou referência no tratamento de pacientes com sintomas graves da Covid-19.

O governador Flávio Dino anunciou que a criação do Hospital Humberto Coutinho integra as ações do Plano Emergencial de Empregos (PEE) Celso Furtado, pacote econômico que destina R$ 558 milhões para aquecer a economia maranhense, gerando emprego e renda aos maranhenses entre os meses de agosto e dezembro de 2020.

Gerenciado pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), o HCI conta com 51 leitos de UTI e 58 de enfermaria. No total, 559 profissionais atuaram na linha de frente no combate do novo coronavírus na unidade.

Bolsonaro diz que novo teste manteve resultado positivo para covid-19

Jair Bolsonaro segue em isolamento no Palácio da Alvorada, residência oficial, de onde tem se reunido com ministros por videoconferência.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (15), em uma transmissão nas redes sociais, que realizou um novo exame para covid-19 e o resultado se manteve positivo. O presidente está se tratando desde o último dia 7 de julho, quando teve a confirmação da doença. Ele segue em isolamento no Palácio da Alvorada, residência oficial, de onde tem se reunido com ministros por videoconferência.

“Ontem de manhã fiz o exame, à noite deu resultado que eu ainda estou positivo para o coronavírus, então a gente espera que, nos próximos dias, eu faça um novo exame e, se Deus quiser, dê tudo certo para a gente voltar logo à atividade”, afirmou o presidente, momentos antes de participar do arriamento da bandeira, no gramado do Palácio da Alvorada.

Na transmissão, que durou pouco mais de 4 minutos, Bolsonaro falou sobre os sintomas que teve e voltou a dizer que tem tomado a hidroxicloroquina para o tratamento da covid-19. O medicamento não tem eficácia científica comprovada contra a covid-19 e seu uso por pacientes no tratamento da doença gera controvérsias entre médicos.

“Quero dizer a todos vocês que, graças a Deus, estou muito bem. Fui medicado desde o início com a hidroxicloroquina, com a recomendação médica para isso. Senti melhora no dia seguinte. Não tive nenhum sintoma forte. Uma febre pequena, na segunda-feira retrasada, 38 graus, um pouco de cansaço, umas dores musculares, e no resto tudo bem. Coincidência ou não, sabemos que não tem nenhuma comprovação científica, mas deu certo comigo”, afirmou.

Bolsonaro sanciona, com vetos, lei que obriga uso de máscaras em locais públicos pelo país

O presidente vetou, ainda, o trecho que obrigava o poder público a fornecer máscaras à população vulnerável economicamente.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, a lei que obriga o uso de máscaras em espaços públicos, transportes públicos como táxis, carros de aplicativos, ônibus, aeronaves e embarcações fretadas. A sanção foi publicada na madrugada desta sexta-feira (3) no Diário Oficial da União.

Bolsonaro vetou, porém, a obrigatoriedade do uso de máscaras em órgãos e entidades públicos e em estabelecimentos comerciais, industriais, templos religiosos e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas. O presidente argumentou que o trecho “incorre em possível violação de domicílio”.

Os estabelecimentos também não serão obrigados a fornecer máscaras gratuitamente aos funcionários.

O presidente vetou, ainda, o trecho que obrigava o poder público a fornecer máscaras à população vulnerável economicamente.

Bolsonaro também excluiu do texto a proposta do Congresso que agravava a punição para infratores reincidentes ou que deixassem de usar máscara em ambientes fechados.

O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados no dia 9 de junho, após voltar do Senado com algumas mudanças.

O texto prevê multa a quem descumprir a medida, mas o valor será definido pelos estados e municípios.

Diversos governos locais têm adotado o uso obrigatório de máscara em locais públicos. Não havia, contudo, uma lei nacional sobre o tema. O uso é recomendado pelas autoridades de saúde como uma das formas de evitar a disseminação do novo coronavírus.

De janeiro a junho de 2020, Maranhão arrecadou R$ 2,2 bilhões a menos que em 2019

A crise causada pela pandemia do novo coronavírus é apontada como a principal causa.

G1

Do primeiro dia do ano até o último dia de junho, dia 30, o Maranhão já arrecadou mais de R$ 10 bilhões em impostos. De acordo com o “Impostômetro” da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), os maranhenses pagaram cerca de R$ 2,2 bilhões a menos do que durante o mesmo período de 2019. A crise causada pela pandemia do novo coronavírus é apontada como a principal causa.

Somente em junho de 2020, o estado arrecadou R$ 1,5 bilhão, enquanto no ano passado a arrecadação foi de R$ 1,9 bilhão. Em maio desse ano, a arrecadação do estado foi de R$ 1,5 bilhão, enquanto ano passado foi de R$ 1,8 bilhão.

Em março de 2020, quando os primeiros casos de Covid-19 começaram a ser divulgados no Maranhão, o estado arrecadou R$ 1,5 bilhão em impostos. Em março de 2019 esse número era um pouco maior, R$ 1,7 bilhão. Em abril de 2020, o Maranhão fechou com R$ 1,7 bilhão. No ano passado, o mês fechou com R$ 2,1 bilhões.

Taxa de ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 segue abaixo de 50% na Grande Ilha

Conforme boletim, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), a taxa de ocupação de leitos exclusivos para a Covid-19 na Grande Ilha é de menos de 50%

Com a redução dos números de novos casos da Covid-19 na Grande Ilha, o Governo do Maranhão deu início, nas últimas semanas, ao processo de conversão de leitos para a retomada de serviços na área da saúde. Com a mudança, leitos antes exclusivos para o novo coronavírus passam a receber outros pacientes. Mesmo com a redução, a taxa de ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 segue abaixo de 50% na Grande Ilha.

“Na região da Grande Ilha, estamos retomando gradualmente com os serviços que, conforme orientação do Ministério da Saúde, haviam sido suspensos por conta da pandemia, a exemplo das cirurgias eletivas. Mas é importante destacar que, mesmo com a conversão dos leitos para atendimento a outros pacientes, a rede de saúde na capital continua com alta capacidade de oferecer assistência a casos da Covid-19”, diz o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Conforme boletim, divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), a taxa de ocupação de leitos exclusivos para a Covid-19 na Grande Ilha é de menos de 50%. A região conta, atualmente, com 628 leitos da rede estadual de saúde destinados à assistência aos pacientes diagnosticados com o novo coronavírus. O boletim é atualizado diariamente, onde a população pode acompanhar, além do número de leitos, a evolução no número de casos da Covid-19 e outros dados sobre o enfrentamento à pandemia no Maranhão.

Com a conversão dos leitos, a Secretaria de Estado da Saúde retomou procedimentos cirúrgicos eletivos (não urgentes) no Hospital de Traumatologia e Ortopedia do Maranhão (HTO), no Hospital Dr. Carlos Macieira e no Hospital de Câncer do Maranhão. Além destes, os leitos de retaguarda do Hospital Dr. Carlos Macieira, localizados no Hospital Nina Rodrigues, também retornam à assistência de pacientes sem a Covid-19.

Caixa inicia hoje o pagamento do Saque Emergencial do FGTS

O novo saque tem como objetivo enfrentar o estado de calamidade pública em razão da pandemia da covid-19

A Caixa inicia, nesta segunda-feira (29), o pagamento do Saque Emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para 4,9 milhões de trabalhadores nascidos em janeiro. Nessa primeira etapa, o total de recursos liberados soma mais de R$ 3,1 bilhões.

O novo saque tem como objetivo enfrentar o estado de calamidade pública em razão da pandemia da covid-19. No total, serão liberados, de acordo com todo o calendário, mais de R$ 37,8 bilhões, para aproximadamente 60 milhões de trabalhadores.

O pagamento do Saque Emergencial será realizado por meio de crédito na Conta Poupança Social Digital, aberto automaticamente pela Caixa em nome dos trabalhadores. O valor do Saque Emergencial é de até R$ 1.045, considerando a soma dos saldos de todas as contas ativas ou inativas com saldo no FGTS.

O pagamento será realizado por meio de crédito em poupança social digital aberto automaticamente pela Caixa em nome dos trabalhadores, conforme calendário a seguir:

O calendário foi estabelecido com base no mês de nascimento do trabalhador e contém dados que correspondem a valores de crédito na conta de armazenamento digital social, quando os recursos podem ser usados ​​em estatísticas eletrônicas, além de dados a partir de quando os recursos disponíveis estão disponíveis para saque em espécie ou transferência para outras contas.

PIB recua 6,1% no trimestre encerrado em abril, diz FGV

Segundo o coordenador da pesquisa, Claudio Considera, muitos setores sentiram o impacto da pandemia da Covid-19.

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, teve queda de 6,1% no trimestre encerrado em abril deste ano, na comparação com o trimestre finalizado em janeiro.

O dado é do Monitor do PIB, divulgado hoje (22) pela Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro. Segundo a FGV, nesse período, apenas a agropecuária teve crescimento (1,9%).

A indústria e os serviços anotaram quedas. A indústria recuou 9,1%, com destaque para a indústria da transformação, que caiu 12,5%. Já os serviços diminuíram 10,7%. As maiores perdas foram observadas nos outros serviços, que diminuíram 22,1%.

Nessa categoria, se enquadram setores como alimentação fora de casa, alojamento e serviços domésticos, entre outros.

Segundo o coordenador da pesquisa, Claudio Considera, esses setores foram os que mais sentiram o impacto da covid-19. Na comparação com o trimestre encerrado em abril de 2019, a queda chegou a 4,9%. Considerando-se apenas o mês de abril, a retração foi ainda maior: -9,3% na comparação com março deste ano e -13,5% na comparação com abril do ano passado.

Maranhão já registra mais de 34 mil pessoas recuperadas do coronavírus

Até o momento, o Maranhão já realizou 111.049 testes e 745 casos seguem suspeitos.

O novo boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), neste domingo (14), mostra que o Maranhão chegou à marca de 59.850 infectados pelo coronavírus.

Nas últimas 24 horas, foram 991 novos casos confirmados. Na Grande São Luís foram 128 casos, as demais regiões registaram 863.

Desses, 34.210 pessoas já estão recuperadas e foram registrados ainda 1.467 óbitos.

Até o momento, o Maranhão já realizou 111.049 testes e 745 casos seguem suspeitos.