Justiça decreta ‘lockdown’ na Região Metropolitana de São Luís

A determinação é do juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís

A Justiça do Maranhão decretou, nesta quinta-feira (30), o ‘lockdown’ (bloqueio total) nos municípios da ilha de São Luís, pelo prazo de dez dias, a partir do dia 5 de maio, por conta do aumento de casos e mortes pelo novo coronavírus nas regiões.

A determinação é do juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos da Comarca da Ilha de São Luís, fazendo com que os quatro municípios sejam os primeiros a adotar esse tipo de restrição no Brasil.

De acordo com a decisão, ficarão suspensas todas as atividades não essenciais à manutenção da vida e da saúde, com exceção de serviços de alimentação, farmácias, portos e indústrias que trabalham em turnos de 24 horas. Também ficará proibida a entrada e saída de veículos da Ilha de São Luís, por dez dias, com exceção para caminhões, ambulâncias, veículos transportando pessoas para atendimento de saúde e atividades de segurança. O transporte intermunicipal

A decisão do magistrado também vai suspender a circulação de veículos particulares, sendo autorizados somente a saída para compra de alimentos ou medicamentos, para transporte de pessoas e atendimento de saúde, serviços de segurança ou considerados essenciais pelo decreto estadual.

Também serão limitadas a circulação de pessoas em espaços públicos e a regulamentação do funcionamento de bancos e lotéricas que devem ser abertas somente para o pagamento do auxílio emergencial, salários e benefícios sem lotação máxima nesses ambientes, com organização de filas.

Vale lembrar que o uso de máscara continua sendo obrigatório nas cidades e foram estendidas a suspensão das aulas na rede privada nos quatro municípios, decisão baseada no decreto estadual para as escolas da rede privada. Os municípios serão responsáveis pela fiscalização efetiva e cumprimento das medidas.

Rua Grande é bloqueada em São Luís

Segundo o Governo do Estado, equipe das polícias Militar, Civil e da Blitz Urbana vão percorrer a Rua Grande com objetivo de cumprir o decreto

Considerada a principal região de comércio popular de São Luís, a Rua Grande amanheceu interditada nesta quinta-feira (30). A medida foi tomada para evitar aglomerações de pessoas durante a pandemia do novo coronavírus na cidade.

A decisão já tinha sido anunciada pelo governador Flávio Dino para evitar a crescente movimentação de pessoas no popular centro comercial da capital. A preocupação acontece, pois São Luís é a cidade do estado mais atingida pelo COVID-19, com mais de 2.400 casos.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula falou sobre o início do bloqueio. “É isto, meus amigos! A Rua Grande amanheceu totalmente #bloqueada, tanto nas duas extremidades quanto nas transversais. Chega de bater perna em tempos de #pandemia! Agradecemos à Polícia Militar que está coordenando toda a ação no centro da cidade”, escreveu.

Segundo o Governo do Estado, equipe das polícias Militar, Civil e da Blitz Urbana vão percorrer a Rua Grande com objetivo de cumprir o decreto.

Maranhão triplica número de leitos exclusivos para tratamento de Covid-19 desde primeiro caso da doença

Em São Luís, que concentra 86% dos casos da doença, os números pularam de 160 leitos exclusivos, no início da crise sanitária, para 486

Antes mesmo que o primeiro caso de coronavírus fosse registrado no Maranhão, o Governo do Estado adotou as primeiras medidas para expansão da rede de atendimento, já prevendo a possível grande demanda por leitos – a exemplo do que vinha ocorrendo pelo mundo. Com equipes trabalhando diuturnamente em obras de ampliação e com locação de unidades privadas, a rede estadual alcança, com a abertura de mais 27 leitos exclusivos quarta-feira (29), um total de 735 leitos em todo Maranhão. E o trabalho segue, para assegurar espaços equipados para tratamento de pacientes com caso grave da doença.

A primeira medida adotada foi o bloqueio de leitos disponíveis em hospitais estaduais, paralelo a isto, já iniciavam as obras de ampliação das estruturas. Em 40 dias depois de registrar o primeiro caso da doença (19 de março), o Maranhão passou de 252 leitos – entre UTI e leitos clínicos – exclusivos para pacientes com Covid-19, para 735 leitos. Um aumento de mais de 200%.

Em São Luís, que concentra 86% dos casos da doença, os números pularam de 160 leitos exclusivos, no início da crise sanitária, para 486 – destes, 136 de UTI e 350 de enfermaria. O aumento expressivo foi possível com as obras de ampliação e reforma total do Hospital Genésio Rêgo, a implantação de novos leitos no Hospital Carlos Macieira – e expansão de nova ala no Hospital do Servidor, que permitiu receber pacientes de outras enfermidades do Carlos Macieira, e por conseguinte abrir mais vagas. Além da locação e adequação do Hospital de Cuidados Intensivos (HCI), do setor privado, destinado exclusivamente para o tratamento do coronavírus, com mais de 200 leitos. O atendimento foi reforçado com seis novas UTI móveis.

Nos municípios maranhenses também houve ampliação. Foram implantados novos leitos de UTI nos Hospitais Regionais de Imperatriz e Coroatá, e de UTI e enfermaria no Regional de Timon, bem como a reserva de leitos exclusivos em Chapadinha. A rede estadual de saúde conta com o apoio e parceria das Prefeituras, que também tem ofertado atendimento a pacientes do Covid-19.

Os números de casos crescem, e também o trabalho para ampliar a ofertar de leitos. Em São Luís, está sendo construído um anexo com 50 leitos no Hospital Nina Rodrigues e o HCI passa por mais adequações para receber mais leitos. O Governo do Estado também alugou mais três hospitais, que estão sendo reparos para funcionamento – Hospital Real (200 leitos), São Jose (50) e Português. Além da implantação de mais 30 leitos no Hospital Carlos Macieira e da instalação de hospital de campanha, que será instalado no Multicenter Sebrae, com mais 200 leitos.

Nos demais municípios também há grande esforço para aumentar a capacidade de atendimento, com a possibilidade do aumento de casos. Por isso, em parceria com a Vale, está sendo instalado Hospital de Campanha em Açailândia, com 60 leitos, para atender também municípios vizinhos; além de 36 novos leitos para o Hospital de Imperatriz e 25 no Regional de Caxias. Os novos hospitais de Lago da Pedra e de Santa Luzia do Paruá tiveram o ritmo acelerado e estão em fase de entrega, garantindo 50 e 72 leitos, respectivamente.

Em reunião com Ministro da Saúde, Flávio Dino solicita maior cooperação da rede hospitalar federal

Flávio Dino também chamou a atenção para o problema do pagamento do Auxílio Emergencial, que tem formado longas filas nas portas das agências da Caixa Econômica

O governador Flávio Dino participou de videoconferência com o Ministro da Saúde, Nelson Teich, e os demais governadores do Nordeste para tratar sobre a pandemia de Covid-19 na região.

Na reunião, o governador reforçou a necessidade de ampliação de leitos por parte da EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares). No Maranhão, a empresa administra o Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão. “O HU da UFMA tem grande importância em nosso estado, é um complexo hospitalar que pode ajudar muito e tem ajudado muito pouco nas últimas semanas. Nós já temos 2.800 casos no Maranhão. Pedimos que a EBSERH providencie o pleno funcionamento ou disponibilize a estrutura para o Governo do Estado para utilizarmos e montarmos leitos”, solicitou o governador.

Flávio Dino também chamou a atenção para o problema do pagamento do Auxílio Emergencial, que tem formado longas filas nas portas das agências da Caixa Econômica Federal, facilitando o contágio da população pelo vírus. “A fila da Caixa virou problema sanitário gravíssimo. Lembro que a CAIXA é órgão do Governo Federal e objeto de fiscalização mediante Banco Central. Temos feito fiscalização no âmbito estadual, por meio do Procon e da nossa Vigilância Sanitária, e temos imposto sucessivas multas. Os bancos têm sido autênticos polos de irradiação do coronavírus em praticamente todas as cidades brasileiras”, argumentou o governador.

O governador Flávio Dino pediu, ainda, que o Ministério da Saúde complemente os 20 leitos de UTI que o Estado recebeu essa semana. Na entrega, faltaram os respiradores. “Tivemos compromisso do Ministério para recebimento de 20 leitos de UTI. Nós recebemos a maior parte dos equipamentos, menos os respiradores relativos aos 20 kits recebidos. Solicitamos que dos 20 kits já entregues sejam completados com entrega dos respiradores”, requisitou.

Maranhão alcança 3.190 e Flávio Dino anuncia fechamento da Rua Grande

O número de óbitos no Maranhão também subiu para 184 e, 8.171 casos seguem em suspeitos.

O Governo do Maranhão anunciou, nesta quarta-feira (29), mais 386 novos casos positivos de Covid-19 no estado. De acordo com os dados, subiu para 3.190 os números no Maranhão. Após o anúncio, o governador Flávio Dino anunciou o fechamento da Rua Grande.

“No boletim de agora, taxa de ocupação de leitos de UTI na nossa capital caiu para 79,87%, com os novos que abrimos hoje. Mas não param de chegar pacientes de coronavírus, infelizmente. Amanhã vamos bloquear a Rua Grande, que tem injustificadas aglomerações de pessoas”, escreveu Flávio.

O número de óbitos no Maranhão também subiu para 184 e, 8.171 casos seguem em suspeitos.

Flávio Dino falou ainda sobre o aumento do número de leitos. “Quando começou a crise do coronavírus, o Governo do Maranhão montou 252 leitos exclusivos (UTI e clínicos) para a doença. Hoje são 735 leitos exclusivos (UTI e clínicos). E seguimos ampliando. Peço que não deem ouvidos a mentiras, intrigas e baixarias.

Flávio Dino anuncia construção de hospital de campanha no Multicenter Sebrae

Até o último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado quarta-feira (29), somente São Luís contabilizava 2.432 casos de Covid-19

O governador Flávio Dino informou nesta quarta-feira (29), durante entrevista ao vivo ao JMTV, que será instalado, nos próximos 15 dias, o primeiro hospital de campanha em São Luís. A unidade será localizada no Multicenter Sebrae e contará com 200 leitos de enfermaria e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Até o último boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES), divulgado quarta-feira (29), somente São Luís contabilizava 2.432 casos de Covid-19, que estão distribuídos em mais de 180 bairros.

A capital maranhense registrou a 2ª maior taxa de pacientes com coronavírus por 100 mil habitantes dentre as capitais brasileiras e entrou em estado de emergência de acordo com o Ministério de Saúde.

Deputado Felipe dos Pneus esclarece imbróglio com o PRTB

O parlamentar foi eleito em 2018 com 21.714 mil votos e decidiu recentemente migrar para o Republicanos do vice-governador, Carlos Brandão.

A possível saída do deputado estadual Felipe dos Pneus do PRTB tem ganhado bastante repercussão em blogs e sites de notícias nas últimas semanas. O parlamentar foi eleito em 2018 com 21.714 mil votos e decidiu recentemente migrar para o Republicanos do vice-governador, Carlos Brandão.

O presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix, informou que não autorizou a saída do deputado e que a legenda vai requerer na Justiça o mandato de Felipe dos Pneus.

Já o parlamentar publicou em suas redes sociais um vídeo em que se defende das acusações e afirma que sua decisão foi tomada após o PRTB não passar pela Cláusula de Barreira e que não existe fidelidade partidária neste caso.

“Jamais faria qualquer movimentação política colocando em risco um mandato tão suado. Afirmo que vamos continuar firmes na nossa política e deixo tranquilo vocês do nosso mandato”, afirmou Felipe.

Felipe dos Pneus tem sua base eleitoral em Santa Inês e está em seu primeiro mandato de deputado estadual.

Câmara de São Luís aprova projetos que beneficiam população diante da proliferação do COVID-19

As matérias foram aprovadas em 1º e 2º turnos e seguiram para apreciação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

A Câmara Municipal de São Luís realizou, nesta quarta-feira (29), mais uma sessão extraordinária remota na qual foram aprovados Projetos de Lei que beneficiam a população, que continua sofrendo com a proliferação do Novo Coronavírus (COVID-19) na capital maranhense.

As proposições possuem caráter autorizativo e são de autoria dos vereadores César Bombeiro (PSD), Chico Carvalho (PSL), Astro de Ogum (PC do B), Pavão Filho (PDT), Antônio Garcez (PTC) e Dr. Gutemberg (PSC).

As matérias foram aprovadas em 1º e 2º turnos e seguiram para apreciação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

O Projeto nº 044/20, de autoria de César Bombeiro, determina a suspensão das obrigações relacionadas aos empréstimos consignados, junto as instituições financeiras, contraídos por servidores públicos municipais, pelo prazo de três meses, prorrogáveis por igual período ou enquanto persistirem as circunstâncias de calamidade pública instaladas pelo COVID-19.

O PL recebeu emenda, de autoria da vereadora Concita Pinto (PC do B), incluindo no benefício aposentados e pensionistas e determinando que o pagamento das parcelas suspensas seja feito ao término do empréstimo.

Chico Carvalho teve dois Projetos aprovados. O primeiro, de nº 047/20, prorroga automaticamente o pagamento das parcelas de IPTU, ISS, multas de trânsito e ITBI pelo prazo de 180 dias, bem como cria o Programa de Parcelamento de Emergência (PPE). O segundo, de nº 048/20, institui a redução proporcional das mensalidades da rede privada de ensino do Município de São Luís, de no mínimo 30%, durante o Plano de Contingência do Estado do Maranhão para enfrentamento ao Novo Coronavírus.

Este último foi aprovado com emenda do vereador Ivaldo Rodrigues (PDT) determinando que sejam incluídos na obrigatoriedade estabelecimentos de ensino de Educação Infantil.

Edivaldo alerta para o perigo de trotes ao Samu neste período de pandemia

Em postagem nas suas redes sociais, Edivaldo explica que “quando uma solicitação falsa é feita, quem realmente precisa pode deixar de ser socorrido”.

Por meio das suas redes sociais, o prefeito Edivaldo Holanda Junior fez um alerta aos riscos que mensagens falsas podem trazer à população durante a pandemia da Covid-19. Em sua mensagem ele destaca os trotes que o Samu vem recebendo. Os dados mostram que houve redução no número de chamadas falsas, no entanto, o percentual ainda é elevado.

“Só em abril foram 2.500 trotes. O serviço é essencial à população, sobretudo neste momento de pandemia”, disse o prefeito. Segundo dados da Prefeitura de São Luís, mais de 10% de todas as chamadas feitas ao Samu de 1º a 28 de abril foram falsas. O número é menor que o registrado em março, mas ainda assim alto e preocupante.

Em postagem nas suas redes sociais, Edivaldo explica que “quando uma solicitação falsa é feita, quem realmente precisa pode deixar de ser socorrido”. Ele informou ainda que já orientou à Semus que denuncie à Polícia.

Desde o início da pandemia, houve aumento no número de chamadas diárias ao Samu, que tem atendido principalmente a pacientes com sintomas graves da Covid-19. Para reforçar o serviço, Edivaldo já confirmou que mais uma ambulância do tipo Unidade de Suporte Avançado entrará em operação nos próximos dias.