Bolsonaro diz que auxílio emergencial deverá ter quarta parcela

O Auxílio Emergencial previu o pagamento de três parcelas de R$ 600,00 para pessoas atingidas pelo coronavírus

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo deve propor uma quarta parcela do auxílio emergencial, atualmente em R$ 600, mas que o valor ainda está em estudo pelo governo, que poderá reduzi-lo.

“Nós já estudamos uma quarta parcela com o Paulo Guedes. Está definindo o valor, para ter uma transição gradativa e que a gente espera que a economia volte a funcionar”, afirmou o presidente durante sua live semanal, transmitida pelas redes sociais.

O auxílio emergencial prevê o pagamento de três parcelas de R$ 600 para trabalhadores informais, integrantes do Bolsa Família e pessoas de baixa renda. De acordo com a Caixa Econômica Federal, cerca de 59 milhões de pessoas já receberam o benefício. Cada parcela do auxílio emergencial custa aos cofres públicas cerca de R$ 48 bilhões.

Mais cedo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a permanência por mais tempo do pagamento do auxílio emergencial, mantendo-se o valor de R$ 600.

Carteira verde e amarela

Bolsonaro disse que, após a pandemia da covid-19, uma das prioridades do governo, na área econômica, será a retomada do projeto da chamada Carteira de Trabalho Verde e Amarela, programa do governo que flexibiliza direitos trabalhistas como forma de facilitar novas contratações. Segundo o presidente, o assunto está sendo tratado com o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“O Paulo Guedes quer dar uma flexibilizada para facilitar a empregabilidade. A gente vai precisar disso, não adianta falar que tem todos o direitos e não ter emprego pela frente. Só tem uma maneira: desonerar, descomplicar, simplificar a questão trabalhista”, afirmou.

A Medida Provisória 905, que criou o Programa Verde Amarelo, para facilitar a contratação de jovens entre 18 a 29 anos, perdeu a validade antes de ser aprovada pelo Congresso, em abril.

Equipe da Fiocruz MG trabalha em vacina brasileira para covid-19

A equipe brasileira, composta por 15 pessoas, é liderada pelo pesquisador Alexandre Vieira Machado, da Fiocruz em Minas Gerais

Em todo o mundo, cerca de 200 grupos de cientistas trabalham intensamente no desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz contra a covid-19. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos oito delas já iniciaram a fase clínica, de testes em pessoas.

A equipe brasileira, composta por 15 pessoas, é liderada pelo pesquisador Alexandre Vieira Machado, da Fiocruz em Minas Gerais, em parceria com outras instituições, como a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o Instituto Butantã, a Universidade de São Paulo (USP) e a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Segundo Machado, o Instituto do Coração (Incor) de São Paulo também trabalha no desenvolvimento da vacina, liderado pelo médico Jorge Kalil, e há troca de informações entre as duas equipes. “Esperamos que nós possamos utilizar a deles junto com a nossa em alguns testes”, diz Machado.

Coronavírus

A atual pandemia de covid-19 é causada pelo novo coronavírus, chamado tecnicamente de Sars-CoV-2, uma mutação do vírus Sars-CoV-1, que provoca a Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars, da sigla em inglês). Segundo dados da OMS, a Sars registrou 8.098 casos e deixou 774 mortos em 26 países entre 2002 e 2003, com foco principal na Ásia.

Outro tipo de coronavírus causa a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (Mers, da sigla em inglês), que deixou 858 mortos desde 2012, com um total de 2.494 casos em 27 países.

Covid-19 significa Corona Virus Disease, ou doença do coronavírus em português. O 19 se refere a 2019, ano em que foram divulgados os primeiros casos em Wuhan, na China. O Sars-Cov-2 já registrou quase 6 milhões de casos em todo o mundo, com mais de 360 mil mortos.

Machado explica que o vírus Sars-CoV-1 desapareceu depois do surto de 2002 e as pesquisas com ele foram interrompidas, por isso agora há mais dificuldade de se encontrar a vacina, com a pandemia em andamento e com um vírus muito mais contagioso e que causa uma doença grave. “É como ter que trocar o pneu de um carro em movimento descendo uma ribanceira”, diz o pesquisador.

Governo faz obras em 10 cidades para ampliar leitos para coronavírus

As cidades de Bacabal, Pinheiro, Santa Inês, Imperatriz, Barreirinhas, Presidente Dutra , Paço do Lumiar, Viana, Itapecuru e Pedreiras.

Dez cidades maranhenses estão com obras em execução neste momento, tocadas pela Secretaria de Estado de Governo, para ampliar o número de leitos para pacientes com coronavírus.

São elas: Bacabal, Pinheiro, Santa Inês, Imperatriz, Barreirinhas, Presidente Dutra , Paço do Lumiar, Viana, Itapecuru e Pedreiras.

“Seguimos com obras em 10 cidades, de diferentes regiões, visando ampliar o número de leitos hospitalares de competência do Estado e também ajudando os municípios com ambulatórios regionais. Todos os dias a luta prioritária é contra o coronavírus”, afirmou o governador Flávio Dino. 

São Luís, Imperatriz, Chapadinha e Santa Inês já têm funcionando ambulatórios exclusivos para pacientes de Covid-19. 

A ideia dessas estruturas é evitar o agravamento dos sintomas. Com isso, há menos internações e, consequentemente, menor taxa de ocupação de leitos de UTI.

As obras feitas pela Segov nas dez cidades já estão sendo entregues. Elas incluem a ampliação de 40 leitos no Hospital de Pedreiras, a instalação de uma policlínica em Presidente Dutra, obras de finalização do Hospital de Itapecuru e ampliação nas instalações da UPA de Paço de Lumiar.

Manifesto com FHC, Haddad, Dino, Freixo e Huck pede ‘projeto comum de país’

Batizado como Estamos Juntos, o movimento afirma representar “mais de dois terços da população do Brasil” e evoca em seu manifesto o período das Diretas Já

CNN

Lideranças de diferentes campos políticos assinaram um manifesto em que defendem “uma administração pública reverente à Constituição” e cobram que “partidos, seus líderes e candidatos agora deixem de lado projetos individuais de poder em favor de um projeto comum de país.” Entre os signatários estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB); o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT); o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL); e o apresentador de TV e presidenciável Luciano Huck.

Batizado como Estamos Juntos, o movimento afirma representar “mais de dois terços da população do Brasil” e evoca em seu manifesto o período das Diretas Já, quando líderes políticos se uniram para pedir a volta das eleições diretas quando o país ainda vivia sob ditadura militar (1964-1985). O movimento também conta com a adesão de lideranças religiosas, artistas e intelectuais.

“Somos cidadãs, cidadãos, empresas, organizações e instituições brasileiras e fazemos parte da maioria que defende a vida, a liberdade e a democracia”, diz o texto, divulgado na noite de sexta-feira (29). “Somos a maioria e exigimos que nossos representantes e lideranças políticas exerçam com afinco e dignidade seu papel diante da devastadora crise sanitária, política e econômica que atravessa o país.”

O movimento diz apoiar “a independência dos poderes da República e clamamos que lideranças partidárias, prefeitos, governadores, vereadores, deputados, senadores, procuradores e juízes assumam a responsabilidade de unir a pátria e resgatar nossa identidade como nação.”

O grupo se descreve ainda como uma “frente ampla e diversa, suprapartidária, que valoriza a política e trabalha para que a sociedade responda de maneira mais madura, consciente e eficaz aos crimes e desmandos de qualquer governo.”

“Como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum. Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia”, afirma o movimento.

Os signatários afirmam defender “uma administração pública reverente à Constituição, audaz no combate à corrupção e à desigualdade, verdadeiramente comprometida com a educação, a segurança e a saúde da população. Defendemos um país mais desenvolvido, mais feliz e mais justo.”

Ainda dentro do mundo da política, assinam o manifesto nomes como as deputadas federais Tabata Amaral (PDT) e Luiza Erundina (PSOL); o ex-governador capixaba Paulo Hartung (sem partido); o ex-senador Cristovam Buarque (Cidadania); os ex-deputados federais Manuela D’Ávila (PCdoB) e Jean Willys (PSOL); e o ex-ministro Nelson Jobim, que também ocupou uma cadeira no STF (Supremo Tribunal Federal). Outro ex-membro do Supremo que integra o manifesto é Sepúlveda Pertence.

Saiba o que pode funcionar a partir de 1º de junho e quais são as regras

As regras gerais valem para todos, independentemente do tipo de atividade. As específicas valem para cada segmento, de acordo com o tipo de atividade que exercem.

Portaria publicada nesta sexta-feira (29) pela Casa Civil do Governo do Maranhão especificou os segmentos e atividades econômicas na lista dos estabelecimentos autorizados a funcionar no Estado a partir de 1º de junho. A medida faz parte da retomada gradual da economia, impactada pela pandemia de coronavírus.

Além disso, a portaria traz regras sanitárias gerais e específicas. Ou seja, os estabelecimentos comerciais, as indústrias e as empresas que estiverem autorizadas a funcionar no Maranhão terão de seguir dois tipos de medidas sanitárias para evitar a disseminação do coronavírus: as gerais e as específicas.

As regras gerais valem para todos, independentemente do tipo de atividade. As específicas valem para cada segmento, de acordo com o tipo de atividade que exercem.

O que pode funcionar

Entre as atividades que podem funcionar a partir de 1º de junho, estão clínicas médicas; dentistas; hotéis e pousadas; transporte coletivo; óticas; autoescolas; construção civil; salões de beleza ; comércio de móveis e variedades para o lar; supermercados e mercados; e serviços de informática e venda de celulares.

Também podem funcionar delivery e drive-thru de restaurante, bar e lanchonete; imobiliárias e escritórios; pequenas empresas exclusivamente familiares; postos de combustível e entrega e retirada de lavanderia; lojas de tecido, oficinas e loja de material de construção; bancos e coleta de lixo.

Depois do dia 15

A depender da evolução da pandemia, a partir do dia 15 de junho poderão funcionar demais lojas de ruas (como sapatarias e lojas de roupas) e lojas em shopping centers, com exceção de praças de alimentação, cinemas, áreas infantis, restaurantes e a realização de eventos.

A partir do dia 22, também dependendo da evolução da doença, poderão funcionar academias. A partir do dia 29, bares, restaurantes e praças de alimentação em shoppings.

Regras sanitárias gerais

As medidas sanitárias gerais a partir de 1º de junho incluem aquelas que já são obrigatórias no Estado: uso de máscaras em locais públicos e privados de uso coletivo; proibição de aglomeração; oferecimento de água e sabão ou álcool em gel aos clientes e funcionários; e distanciamento social de pelo menos dois metros entre trabalhadores e entre usuários/clientes.

Para fazer valer a proibição de aglomerações, continuam vetados eventos como shows, congressos, reuniões, plenárias, passeatas, desfiles, torneios, jogos, apresentações teatrais, sessões de cinema, festas em casas noturnas e similares.

Além disso, é preciso manter os ambientes arejados e intensificar a limpeza das superfícies.

Deverão ser afixados cartazes dizendo que a empresa segue os protocolos obrigatórios e outras normas (serão citadas nesta reportagem, mais abaixo).

Procuradoria da Mulher da Câmara contabiliza avanços após 1 ano de implantação

Vale mencionar que a instalação do órgão se tornou viável na gestão do atual presidente da Câmara, o vereador Osmar Filho (PDT).

365 dias de prestação de serviço à sociedade ludovicense. Parece pouco tempo, mas a Procuradoria da Mulher da Câmara Municipal de São Luís tem desenvolvido um trabalho nobre em favor das políticas voltadas ao público feminino.

Neste sábado (30), o setor celebra o seu primeiro ano de fundação, o órgão tem como missão auxiliar as mulheres a saírem do ciclo de violência a que são submetidas no dia a dia.

Durante todo esse ano, a Procuradoria esteve sob o comando da vereadora Bárbara Soeiro (PSC). A parlamentar, na atual legislatura, é uma das três mulheres a ocupar um espaço de poder no Parlamento; além dela, na condição de eleitas pela população, destacam-se as vereadoras, Concita Pinto (PC do B) e Fátima Araújo (PCdoB).

Vale mencionar que a instalação do órgão se tornou viável na gestão do atual presidente da Câmara, o vereador Osmar Filho (PDT).

“A criação e atuação da Procuradoria somam-se neste propósito, de continuar trabalhando em favor de todas as mulheres da nossa cidade. Registro a condução excelente e de muita responsabilidade desenvolvida pela amiga e vereadora Barbára e toda a sua equipe durante esse período. Continuaremos com o objetivo de agilizar cada vez mais o trabalho em defesa da mulher vítima de violência familiar e doméstica’’, disse pedetista.

Governador Flávio Dino projeta volta das aulas em 15 de junho

A reabertura dos setores não essenciais terão processo iniciado a partir desta segunda-feira (1).

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta sexta-feira (29), o governador Flávio Dino (PCdoB), divulgou novas medidas no combate ao novo coronavírus no estado. Flávio informou que divulgará decreto com protocolos de reabertura gradual de diversos setores considerados não essenciais. O governador também projetou a volta das instituições de ensino a partir do próximo mês.

A reabertura dos setores não essenciais terão processo iniciado a partir desta segunda-feira (1). O governador afirmou que academias e shoppings seguem vetados.

O governador divulgou que a projeção para abertura de instituições de ensino é para o dia 15 de junho. O retorno começará pelas graduações e pós-graduações até chegarem as unidades de ensino infantil.

As instituições de ensino deverão seguir com parte da carga horária não presenciais. Medidas de diminuição de encontro de turmas também deverão ser realizadas. A intenção do governo é seguir com esse protocolo pelo menos até agosto.

Morre jornalista Gilberto Dimenstein, fundador do Catraca Livre

Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, passou a maior parte da carreira no jornal Folha de S.Paulo. Também foi comentarista da rádio CBN e em 2009 fundou o portal Catraca Livre

Morreu na manhã de hoje (29) o jornalista e escritor Gilberto Dimenstein aos 63 anos. O portal Catraca Livre, do qual era fundador, informou que Dimenstein faleceu enquanto dormia de complicações decorrentes de câncer do pâncreas que tratava há nove meses. Ele era casado com Anna Penido e deixou dois filhos e um neto.

Nascido em São Paulo, em 28 de agosto de 1956, Dimenstein era filho de um pernambucano de origem polonesa e de uma paraense de ascendência marroquina. Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, passou a maior parte da carreira no jornal Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 28 anos. Também foi comentarista da rádio CBN e em 2009 fundou o portal Catraca Livre com a proposta de divulgar eventos culturais gratuitos na cidade de São Paulo.

Ao longo da carreira, ganhou dois prêmios Esso de jornalismo e um Jabuti, em 1993, pelo livro Cidadão de Papel, contemplado como melhor da categoria não ficção. Recebeu ainda o Prêmio Nacional de Direitos Humanos e o Prêmio Criança e Paz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Nas últimas entrevistas, Dimenstein revelou como a luta contra o câncer tinha mudado algumas de suas percepções sobre a vida. “O câncer me fez viver uma história de amor que eu pensava que jamais poderia viver”, disse em entrevista ao portal UOL, em março, sobre nível de cumplicidade que a relação com a esposa tinha chegado nos últimos meses. A partir dessas reflexões, pretendia lançar o livro Os Melhores Dias da Minha Vida.

Apesar do drama pessoal, o jornalista vinha demonstrando pelas redes sociais grande preocupação com os efeitos da pandemia do novo coronavírus no país. Em abril, informou que havia aberto mão dos próprios rendimentos para manter os salários do Catraca Livre. “Abri mão de 100% dos meus rendimentos para evitar demissão de funcionários. Não é heroísmo. Consigo viver muito bem com minha aposentadoria. Duro é viver sem é da companhia de profissionais dedicados e competentes, socialmente comprometidos”, declarou pelo Twitter.

Covid-19: Brasil tem 438.238 casos; total de mortes chega a 26.754

A atualização do ministério registrou 1.156 novas mortes, chegando a 26.754

Ministério da Saúde divulgou, quinta-feira(28), que 26.417 novas pessoas foram incluídas na estatística de infectados pela covid-19, totalizando 438.238 casos confirmados. O resultado marcou um acréscimo de 26.417 em relação a qquart-feira (27), quando o número de pessoas nesta condição estava em 411.821

A atualização do ministério registrou 1.156 novas mortes, chegando a 26.754. O resultado representou um aumento de 1.156 em relação a ontem, quando foram contabilizados 25.598 óbitos por covid-19.

Do total de casos confirmados, 233.880 estão em acompanhamento e 177.604 foram recuperados. Há ainda 4.211óbitos sendo analisados. 

A letalidade (número de mortes pelo total de casos) ficou em 6,1%. Já a mortalidade foi de 12,7 por 100 mil habitantes.

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de mortes (6.980). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (4.856), Ceará (2.733), Pará (2.704) e Pernambuco (2.566).