Rodovias maranhenses recebem serviços de restauração e melhoram o fluxo nas estradas

Mais de 50 trechos fazem parte das ações, que acontecem de modo integrado, para garantir a mobilidade em diferentes regiões do estado.

As frentes de serviços do Governo do Maranhão continuam trabalhando na conservação e manutenção das rodovias do estado através do cronograma elaborado pela Secretaria de Estado da Infraestrutura (Sinfra), priorizando importantes vias de interligação. Mais de 50 trechos fazem parte das ações, que acontecem de modo integrado, para garantir a mobilidade em diferentes regiões do estado.

Na microrregião do Pindaré, a MA-008, do trecho que liga Zé Chicão ao município de Vitorino Freire, os serviços de restauração da rodovia estão avançados e chegaram ao status de 95% de execução garantindo tráfego com qualidade e segurança para a população. Além disso, quem precisa se deslocar de Vitorino Freire até Paulo Ramos, pela MA-119, já pode usufruir de uma rodovia completamente restaurada. As equipes trabalharam na troca do antigo pavimento, reforçando a camada asfáltica em pontos críticos e melhorando o acesso entre os dois municípios.

Na região do Gurupi, os municípios de Carutapera e Cândido Mendes, interligados pela MA-101 e MA-206, também recebem serviços de manutenção para a recuperação do pavimento e drenagem. A MA-034, uma das importantes vias da Baixada Maranhense, recebe melhoramento em vários trechos. Do povoado Descanso até o município de Coelho Neto, os trabalhos estão com mais de 50% executados, e continuam recebendo serviços de restauração na via e no acostamento. Na região Oeste, os serviços avançam na implantação da MA-119, ligando os municípios de Altamira do Maranhão até Santa Luzia do Tide. A via tem recebido investimentos para ter uma nova pavimentação. Mais de 70% dos trabalhos já foram realizados no local.

Depois de encontrar Lula, Flávio Dino visita FHC e dá sinais de sua candidatura presidencial

Dino tem defendido que para derrotar Bolsonaro será necessário criar uma frente ampla

O governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB) esteve reunido com o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Dino esteve no sábado num encontro com o ex-presidente Lula e, na ocasião, foi muito elogiado por ele. Entre outras coisas, Lula disse que tinha “orgulho em contar com o apoio e solidariedade de um homem do Direito que, de quebra, teve a coragem de abandonar a toga pra fazer política”. A frase foi uma provocação clara ao juiz Sérgio Moro, que o condenou e depois se tornou ministro da Justiça de Bolsonaro.

Dino já é dado no PCdoB como pré-candidato à presidência da República. Seu governo no Maranhão é muito bem avaliado e conta com uma ampla frente de partidos que inclui o DEM, Progressistas, Republicanos, Solidariedade, entre outros.

Dino tem defendido que para derrotar Bolsonaro será necessário criar uma frente ampla e a visita a FHC e Lula em questão de dias parece ser um sinal do quão ampla ele imagina que deva ser esta frente.

O governador também esteve na redação de O Estado de S. Paulo e foi a um encontro da Vetor Brasil, onde participou de um debate com o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Com essa movimentação, Dino vai construindo e ocupando um espaço de centro-esquerda que até o momento estava reservado ao PT e a Ciro Gomes.

Roberto Rocha revela intenção de apoiar Braide e retira certeza de candidatura de Wellington do Curso

A mensagem de Roberto Rocha reforça a intenção de apoiar Braide e fortalecer o nome mais competitivo da oposição.

O senador Roberto Rocha, presidente estadual do PSDB no Maranhão, falou sobre uma estratégia para garantir uma possível vitória do pré-candidato Eduardo Braide ainda no primeiro turno das eleições em São Luís. A ideia pode ser apoiar o nome de Braide já no primeiro turno e não permitir o que o deputado estadual Wellington do Curso continue com sua pré-candidatura.

“Já temos um pré-candidato, que e é Wellington do Curso. Contudo, é importante saber que pertencemos a um grupo político de oposição ao governo do estado. Neste aspecto, é perceptível a estratégia de Flávio Dino em lançar vários candidatos e forçar um segundo turno na tentativa de impedir uma vitória de Eduardo Braide no primeiro turno”, afirma o senador.

A mensagem de Roberto Rocha reforça a intenção de apoiar Braide e fortalecer o nome mais competitivo da oposição.

Com mais essa declaração, a pré-candidatura do deputado Wellington do Curso fica ainda mais incerta, o que pode exigir do parlamentar a troca de partido.

Aliança Pelo Brasil quer concluir colheita de assinaturas até fevereiro

São necessários 492 mil apoiamentos distribuídos proporcionalmente pelo país para que o registro possa ser feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Aliança pelo Brasil, partido político que o presidente Jair Bolsonaro quer tirar do papel, acredita que será possível ter todas as assinaturas necessárias a favor da criação da legenda já no início do próximo mês. São necessários 492 mil apoiamentos distribuídos proporcionalmente pelo país para que o registro possa ser feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“A meta era a do Distrito Federal, cumprir em fevereiro, daqui a duas semanas. Acho que até fevereiro a gente resolve o Brasil. Vamos trabalhar para isso. Receber os apoiamentos eu garanto. Se tudo vai estar processado, vai depender”, comentou o advogado Luís Felipe Belmonte, segundo vice-presidente e um dos principais articuladores da agremiação.

Ele liderou neste sábado um evento com apoiadores que contou com a presença de Jair Bolsonaro. Na ocasião, Belmonte voltou a criticar o Fundo Eleitoral de R$ 2 bilhões sancionado pelo presidente, embora tenha dito compreender as razões do chefe do Executivo para a sanção.

“Dentro do limite que o próprio TSE encaminhou e Congresso aprovou, ele correria risco de questionamentos severos. Ele está cumprindo a lei. Mas ele e o partido trabalharemos pela extinção do Fundão”, comentou.

Belmonte também anunciou que os comandos regionais do Aliança, quando criados, serão submetidos a uma “peneira” pela cúpula. Simpatizantes têm reivindicado nas redes sociais o controle do partido, sem qualquer respaldo dos líderes.

“O presidente já deixou claro que não tem lugar garantido pra ningém. Tudo será ansliado na hora certa. E tudo vai passar na peneira. Teve gente que foi no lançamento do partido, tirou foto e saiu de lá dizendo que ele é o responsável pelo partido no local. Isso é conversa furada”, afirmou.

Regina Duarte aceita convite para secretaria de Cultura

Regina se reuniu nesta segunda-feira 20 com Bolsonaro no Rio de Janeiro.

A atriz Regina Duarte aceitou o convite para comandar a Secretaria de Cultura do governo de Jair Bolsonaro e deverá começar amanhã o que segundo ela seria um período de testes. Regina se reuniu nesta segunda-feira 20 com Bolsonaro no Rio de Janeiro.

“Nós vamos noivar, vou ficar noiva, vou lá conhecer onde eu vou habitar, com quem que eu vou conviver, quais são os guarda-chuvas que abrigam a pasta, enfim, a família. Noivo, noivinho”, afirmou a atriz à coluna da jornalista Mônica Bergamo.

Mas já anunciou seus planos para a pasta: “Quero que seja uma gestão para pacificar a relação da classe com o governo. Sou apoiadora deste governo desde sempre e defendo a classe artística desde os 14 anos”.

Na semana passada, a atriz contestou a indicação do documentário brasileiro ‘Democracia em Vertigem’, de Petra Costa, ao Oscar, dizendo que “Oscar nenhum vai reescrever a nossa História”.

Em outra postagem, uma imagem trazia a seguinte frase, ainda em crítica à indicação do filme de Petra, que narra o golpe que tirou a ex-presidente Dilma Rousseff do poder. “A verdadeira história sobre o impeachment foi feita por milhões de brasileiros nas ruas e Oscar nenhum vai reescrever nossa história”.

Governador Flávio Dino participa de debate sobre gestão pública em São Paulo

O evento foi realizado pela Vetor Brasil, que atua na área e mantém parceria com o governo estadual.

Os desafios de promover a gestão pública em equilíbrio com as diretrizes da política foi a pauta de debate com participação do governador Flávio Dino, na manhã desta segunda-feira (20), em São Paulo. O governador pontuou as estratégias do Governo do Maranhão e práticas da boa gestão no exercício de governo em setores como saúde, educação, infraestrutura, segurança e outros. Na plateia, empresários, investidores e especialistas em gestão pública. O evento foi realizado pela Vetor Brasil, que atua na área e mantém parceria com o governo estadual.

Na abertura da fala, o governador Flávio Dino tratou brevemente da parceria com a Vetor Brasil e os benefícios para o Maranhão, pontuando que a instituição é uma grande parceira do Governo e tem contribuído na formação de recursos humanos para o Estado. O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, também participou do debate e destacou sua trajetória política, a importância em manter parcerias e a relação política e gestão pública.

O governador Flávio Dino respondeu questionamento sobre sua liderança política e de gestão, segundo ele, fruto das experiências vividas na carreira jurídica, no parlamento político e agora, no Poder Executivo. “Esse conjunto solidificou crenças e destaco que não se é bom gestor sem a experiência política. Estas devem andar de mãos dadas e com coerência. E não há evento favorável àquele que não sabe onde quer chegar. É preciso ter projetos e objetivos”, explicou.

Durante o debate, o governador respondeu questionamentos em áreas de interesse social e pontuou a visão da gestão de Governo no Maranhão. Na educação, Flávio Dino destacou estratégias para o desenvolvimento do setor, após sua gestão. Citou o programa estadual Escola Digna, melhoria nos índices do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), entre outras iniciativas. “Queremos garantir que as políticas de educação sejam apropriadas retoricamente e que se mantenham. Para isso, é preciso que haja resultados. Queremos manter a trajetória de crescimento”, frisou.

O Governo do Estado e a organização não-governamental Vetor Brasil mantêm parceria em projetos diversos, desde 2016. A Vetor Brasil possui mais de 450 profissionais públicos alocados em 40 governos de todas as regiões do país. A ONG capta, pré-seleciona e desenvolve os profissionais públicos. O Maranhão é o estado com maior número de trainees de gestão pública, com 84 alocados.

Prazo para eleitor regularizar título termina em maio

No ano passado, 2,4 milhões de títulos foram cancelados porque os eleitores deixaram de votar e justificar ausência por três eleições seguidas

Os cidadãos que tiveram o título de eleitor cancelado têm até o dia 6 de maio para regularizar a situação. Após o prazo, quem não estiver em dia com o documento, não poderá votar nas eleições municipais de outubro, quando serão eleitos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores nos 5.568 municípios do país.

No ano passado, 2,4 milhões de títulos foram cancelados porque os eleitores deixaram de votar e justificar ausência por três eleições seguidas. Para a Justiça Eleitoral, cada turno equivale a uma eleição.

Para regularizar o título, o cidadão deve comparecer ao cartório eleitoral próximo a sua residência, preencher o Requerimento de Alistamento Eleitoral (RAE) e apresentar um documento oficial com foto. Além disso, será cobrada uma multa de R$ 3,51 por turno que o eleitor deixou de comparecer. O prazo para fazer a solicitação termina no dia 6 de maio, último dia para emissão do título e alteração de domicílio eleitoral antes das eleições.

Além de ficar impedido de votar, o cidadão que teve o título cancelado fica impedido de tirar passaporte, tomar posse em cargos públicos, fazer matrícula em universidades públicas, entre outras restrições.

A situação de cada eleitor pode ser verificada no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O primeiro turno será realizado no dia 4 de outubro. Se necessário, o segundo turno será no dia 25 do mesmo mês. Cerca de 146 milhões de eleitores estarão aptos a votar. 

Folia de Pré-Carnaval invade o Centro Histórico de São Luís

Na programação do sábado, um trio elétrico percorreu a avenida com diversas atrações que animaram o público no Circuito Beira Mar

Milhares de pessoas aproveitaram a programação do Pré-Carnaval do Maranhão, neste sábado (18), no Circuito Beira Mar, Centro Histórico da capital. Promovido pelo Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura de São Luís, a agenda da noite contou com apresentação de blocos, grupos de samba e agremiações carnavalescas. A festa teve ponto alto nas praças Nauro Machado e Catraieiros, com destaque para o Bloco da Imprensa, que abriu sua primeira noite de folia.

O secretário de Estado da Cultura (Secma), Anderson Lindoso, pontuou a segurança e variedade da agenda do Carnaval do Maranhão. “Abrimos a agenda desta que é a maior festa popular do país e muito marcante, com um pré-carnaval diverso e com forte esquema de segurança, preparando para o momento maior. Esperamos que as pessoas se divirtam com alegria e tenhamos um período carnavalesco de paz e seguro para todos que vierem curtir nossa tradição e atrações”, enfatiza o gestor da Cultura.

Na programação do sábado, um trio elétrico percorreu a avenida com diversas atrações que animaram o público no Circuito Beira Mar. Na lista, grupo Bicho Terra, banda Kayambá, Bloco Tradicional Os Foliões e muitos outros. O Bloco da Imprensa levou para o Centro Histórico o artista Marco Duailibe, grupo de samba Feijoada Completa, Roberto Ricci e apresentação da Escola Turma da Mangueira. O estudante Ney Farias foi curtir a festa no circuito e aprovou. “O Carnaval está ótimo e eu estou curtindo muito. Organizado, seguro e a tendência é só melhorar”, disse.

Durante os dias de programação, serão centenas de atrações em cinco pontos de folia na capital – Circuito Beira Mar, Praça Nauro Machado, a Avenida Beira Mar, Praça dos Catraieiros e Beco do Gavião (Madre Deus). A agenda completa do pré-carnaval está no site www.cultura.ma.gov.br e redes sociais da Secma. A programação vai até o último final de semana antes do Carnaval 2020.

Para garantir a segurança dos foliões, o Carnaval do Maranhão conta com efetivo para atender ocorrências e situações de emergência. Neste sábado, foram destacados cerca de 90 policiais militares, 32 bombeiros, 45 agentes de trânsito, 20 agentes da Blitz Urbana, apoio de duas ambulâncias e um carro de combate a incêndio. O aparato esteve disponível para as 10 mil pessoas que passaram pelo circuito Beira Mar. A agenda movimenta ainda o comércio de alimentos e bebidas. No circuito, foram pelo menos 100 vendedores informais que conseguiram um ganho extra com as oportunidades do evento.

Bolsonaro sanciona Orçamento com fundo eleitoral de R$ 2 bilhões

Jair Bolsonaro sancionou fundo de R$ 2 bilhões para o financiamento de campanhas eleitorais.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou sem vetos a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020. O anúncio foi feito ontem (17), pouco antes das 23h, pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral de Governo, Jorge Oliveira, num post na rede social Twitter.

A expectativa é que a publicação saia no Diário Oficial da União de segunda-feira (20). O Orçamento, o primeiro elaborado durante a gestão de Bolsonaro, foi sancionado com o fundo de R$ 2 bilhões para o financiamento de campanhas eleitorais.

Com previsão de receitas e despesas totais de R$ 3,687 trilhões para 2020, a LOA foi aprovada em 19 de dezembro pelo Congresso Nacional. O texto tinha até 30 dias para ser sancionado.

O Orçamento deste ano destina R$ 2.375,8 trilhões para o Orçamento Fiscal, R$ 1.189,7 trilhão para a Seguridade Social, e R$ 121,4 bilhões para os investimentos das estatais. Para a rolagem (renovação) da dívida pública, estão reservados R$ 917,1 bilhões.

A LOA projeta cotação média do dólar a R$ 4 e crescimento de 2,32% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país). A inflação oficial pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), está prevista em 3,53% neste ano. A meta da taxa de juros básica, a Selic, é de 4,40%. A meta fiscal para o déficit primário do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) ficou em R$ 124,1 bilhões, ante R$ 139 bilhões em 2019.

Este será o quarto exercício financeiro consecutivo de cumprimento da emenda constitucional do teto dos gastos, que limita o crescimento das despesas públicas pelos próximos 20 anos. Em 2020, as despesas primárias não poderão ultrapassar R$ 1.454.470,30.

Para este ano, o Orçamento estima déficit da Previdência em R$ 326,1 bilhões, o equivalente a 4,3% do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no país). Desse total, R$ 241,2 bilhões correspondem ao déficit da Previdência Social, que engloba os trabalhadores da iniciativa privada e das estatais; R$ 43 bilhões do regime dos militares e R$ 41,8 bilhões do regime próprio dos servidores públicos federais civis.