Bolsonaro e Alckmin trocam ataques no Twitter

A troca de ofensas entre os candidatos teve início na tarde desta sexta-feira, 21

Terra

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, revidou o ataque do concorrente Geraldo Alckmin (PSDB) ao afirmar via Twitter que desrespeitoso com os pobres é “deixar as crianças sem merenda nas escolas”, em relação às suspeitas de fraude na compra de alimentos para escolas por políticos tucanos.

A troca de ofensas entre os candidatos teve início na tarde desta sexta-feira, 21, após o presidenciável do PSL classificar, em entrevista à Folha de S.Paulo, como “covardia” os ataques que a campanha de Alckmin faz contra ele em propagandas de rádio e TV.

Pelo Twitter, no início da noite de sábado, Alckmin afirmou que “covardia é desrespeitar mulheres, negros e pobres”.

O ataque a Bolsonaro faz parte da estratégia tucana para desconstruir o candidato, faltando duas semanas para o primeiro turno. O militar lidera as intenções de voto, seguido do candidato petista, Fernando Haddad. Alckmin vem em quarto lugar.

UOL destaca que Flávio Dino é líder com ampla vantagem no Maranhão

Flávio Dino tem liderado a disputa eleitoral desde o início

Reportagem do portal UOL publicada neste sábado (22) mostra que Flávio Dino é um dos seis governadores em todo o Brasil que lideram com ampla vantagem as pesquisas eleitorais.

“Os seis governadores que lideram com folga as pesquisas e podem ser reeleitos são: Renan Filho (MDB), em Alagoas; Rui Costa (PT), na Bahia; Camilo Santana (PT), no Ceará; Flávio Dino (PCdoB), no Maranhão; Wellington Dias (PT), no Piauí; e Mauro Carlesse (PHS), no Tocantins”, diz a reportagem.

Flávio Dino tem liderado a disputa eleitoral desde o início. Ele aparece com mais de 60% dos votos válidos em diversas pesquisas.

O atual governador disputa o governo do Estado com a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), o senador Roberto Rocha (PSDB), a ex-prefeita Maura Jorge (PSL), o engenheiro Odívio Neto (PSOL) e o representante do PSTU, Ramon Zapata.

Em duas semanas, maranhenses irão às ruas para escolher seus representantes

Os eventos liderados pelos diversos grupos que disputam as eleição estão aglutinando, cada vez mais, pessoas e começam a dar o tom da campanha eleitoral

A campanha eleitoral de 2018 entra na reta final e, finalmente, promete cair no gosto da população. Os eventos liderados pelos diversos grupos que disputam as eleição estão aglutinando, cada vez mais, pessoas e começam a dar o tom da campanha eleitoral.

No Maranhão, a campanha do governador Flávio Dino (PCdoB) é a que está levando mais pessoas aos eventos. Ele já passou por diversas cidades do interior e tem feito vários eventos na região metropolitana de São Luís, sempre com forte participação popular.

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) ainda tem dificuldades de reunir apoiadores em suas passagens por cidades do interior. Maura Jorge (PSL) e Roberto Rocha (PSDB) intensificaram suas agendas em algumas cidades do interior, mas ambos ainda focam boa parte de seus trabalhos na capital.

Para o Senado Federal, os candidatos Edison Lobão (MDB), Weverton Rocha (PDT), Eliziane Gama (PPS) e Sarney Filho (PV) fazem uma verdadeira batalha pelas duas vagas de senadores. Os candidatos disputam voto a voto e prometem ampliar suas campanhas nesta reta final.

Flávio, Eliziane e Weverton fazem comício histórico em São Luís com 12 mil pessoas

Cerca de 12 mil pessoas marcaram na praça Gomes de Souza, próximo à REFFSA

Muita gente, muita alegria e o número 65 espalhado por todo canto. Assim foi o grande comício com Flávio Dino, Eliziane Gama e Weverton Rocha na noite deste sábado (22) em São Luís.

Cerca de 12 mil pessoas marcaram na praça Gomes de Souza, próximo à RFFSA, para demonstrar o forte apoio da população à reeleição de Flávio no primeiro turno, no dia 7 de outubro.

“A nossa campanha não é do ódio, é da alegria. Não é do desespero, é da esperança. Não é da derrota, é da vitória do povo sobre todos aqueles que acham que são donos do Maranhão”, afirmou Flávio.

“O caviar e a lagosta do passado viraram 11 milhões de refeições nos Restaurantes Populares que abrimos no Maranhão todo. Isso é uma diferença substantiva”, acrescentou.

Voto nos senadores

Cerca de 12 mil pessoas marcaram na praça Gomes de Souza, próximo à REFFSA

Flávio destacou a importância de eleger Eliziane e Weverton para o Senado. Neste ano, o eleitor vota em dois senadores. Ambos lideram as pesquisas eleitorais.

“Vocês podem votar em Eliziane e Weverton que eles não vão envergonhar o povo do Maranhão”.

De acordo com o governador, Eliziane e Weverton representam a certeza de que o Maranhão vai ter mais recursos financeiros. Uma das atribuições dos senadores é conseguir mais verbas para o Estado.

“Para mim uma das coisas que mais me alegram é estar nesta caminhada ao lado do governador Flávio Dino desde 2006”, disse Eliziane. “Ele fez um governo dando educação, saúde e infraestrutura para o Estado.”

Weverton destacou sua trajetória como deputado federal: “Eu disse não ao golpe que tirou uma presidenta honesta do poder, tive a coragem de dizer não àquelas reformas perversas. Os nossos adversários estão do lado de lá”.

Apoio popular

Cerca de 12 mil pessoas marcaram na praça Gomes de Souza, próximo à REFFSA

Entre os 12 mil presentes, não faltaram exemplos das muitas obras e entregas feitas por Flávio Dino desde 2015.

“Meu primeiro voto eu vou dar para Flávio Dino porque achei ele um bom governador. Até agora não pisou na bola com São Luís. Eu vejo muito o trabalho dele na minha escola. Ele ajudou e eu vou votar nele. É Flávio Dino no primeiro turno”, afirmou Raimundo Nonato, estudante de 16 anos da Escola Monteiro Lobato, no Maiobão.

“Ele está fazendo escolas, entregando ambulância, cuidando da segurança das pessoas. Está fazendo um excelente trabalho”, acrescentou a também estudante Andressa Cristine.

Bill Clinton pede a brasileiros que não votem orientados pela raiva e o ódio

Ainda segundo o ex-presidente, as mudanças devem estar sempre acompanhadas de valores comuns

A quinze dias das eleições, a polarização política e o excesso de brigas entre os eleitores foram os assuntos mais tratados pelo ex-presidente americano Bill Clinton em conversa com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Os dois líderes participaram do evento ExpertXP, na noite desta sexta-feira, em São Paulo.

Aos eleitores, ofereceram conselhos como “respeitem as diferenças” e “tentem se unir”. “Não se pode tomar uma decisão com raiva e ressentimento. Olha o que deus deu a vocês. Esse é um conselho que minha mãe daria, e que eu aconselho que vocês sigam também, como eu segui”, afirmou o ex-presidente Bill Clinton. O encontro ocorreu no centro de um auditório para mais de 7.000 pessoas. Sem contar as outras centenas que esperavam do lado de fora.

Sobre as eleições, os dois ex-presidentes não criticaram diretamente nenhum candidato. Eles preferiram, no entanto, mostrar que o acirramento dos eleitores pode prejudicar mais as eleições do que os próprios candidatos em si. A diversidade, segundo Clinton, só é boa para quem tem conhecimento suficiente para respeitar. “Há quem diga que vivemos, atualmente, tribalismos radicais. Mas a verdade é que sempre vivemos em tribos, grupos restritos”, afirmou.

Para FHC, há uma necessidade de se discutir os problemas em conjunto, sem priorizar o individualismo. “As pessoas estão preocupadas com seus empregos, com suas crises financeiras. Enquanto não houver um pensamento coletivo, não poderemos realizar soluções para o país”, afirmou.

Ainda segundo o ex-presidente, as mudanças devem estar sempre acompanhadas de valores comuns. “O Brasil precisa voltar a crer nele próprio. Começou com o futebol, e na política tem que ser assim também. Acreditar na superação, aceitar o outro”. “O que mais me preocupa é a irracionalidade e o ódio, que não aceita a opinião do outro. Não é o que nós queremos”, afirmou.

O caminho da mudança

Para Clinton, que presidiu os Estados Unidos entre 1993 e 2001, as soluções estão na divisão das responsabilidades dos papeis de uma sociedade. “A democracia reúne maiorias, e ao mesmo tempo indivíduos. Por isso é importante dizer que a mudança é algo que faremos juntos, porque parece ser a melhor opção”. Embora os dois presidentes tenham sido eleitos sob regimes democráticos, foi unânime a opinião de que a crise da democracia é uma realidade. Para FHC, que governou o país entre 1995 e 2002, o atual momento brasileiro é mais um exemplo da crise de um regime político, que precisa passar por adaptações.

Possível desistência de Maura Jorge é cogitada

Uma possível desistência da candidatura da ex-prefeita Maura Jorge (PSL) ao governo do Maranhão vem sendo especulada nos bastidores.

A candidata convocou os meios de comunicação para uma coletiva de imprensa, na próxima segunda-feira (24), o que pode culminar no anúncio da retirada do seu nome.

No site do Tribunal Superior Eleitoral, o nome de Maura Jorge aparece com o status de deferido com recurso.

Maura Jorge é ex-prefeita de Lago da Pedra e, nesta eleição, conta apenas com o apoio do PRTB. A candidata sempre aparece em terceiro ou quarto lugar nas pesquisas eleitorais e vem tendo algumas dificuldades na sua campanha.

Ex de Ciro Gomes, Patrícia Pillar rebate fake news e diz que nunca foi agredida por ele

A notícia falsa fez com que a própria atriz viesse a público para afirmar que nunca disse isso e que também nunca foi agredida pelo ex-marido

As eleições estão chegando e uma série de fake news tem aparecido em redes sociais e em grupos de WhatsApp. Uma delas envolve a atriz Patrícia Pillar, que foi casada com Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT, por 21 anos.

A imagem conta com uma fala falsa atribuída a Patrícia Pillar. A declaração diz: “Gente, eu nunca fui casada com o Bolsonaro. Quem me batia era o Ciro Gomes”.

A notícia falsa fez com que a própria atriz viesse a público para afirmar que nunca disse isso e que também nunca foi agredida pelo ex-marido.

“Estou aqui para dizer que estão usando minha imagem para divulgar notícias falsas, favorecendo um candidado que jamais seria o meu”, afirma Patrícia Pillar.

“Nunca sofri nenhum tipo de violência de parte de ninguém. Isso é totalmente falso”, completa a atriz. Em sequência, ela ainda declara voto a Ciro Gomes na eleição presidencial deste ano.

Maura Jorge segue perdendo aliados

Certamente, a perda dos apoios seja pelo fato da própria candidata Maura Jorge não apoiar candidatos a deputado federal e estadual de sua coligação

A candidata ao governo do Maranhão pelo PSL e ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge, chega à reta final da campanha perdendo apoios e prejudicando uma possível subida nas pesquisas eleitorais.

Após uma convenção polêmica em que o candidato Carioca (PRTB) discursou ao vivo, que não votaria nem em Maura, nem no candidato ao Senado Federal pelo PSL, a campanha da aliada do presidenciável Jair Bolsonaro vem perdendo apoio de mais candidato a deputado.

O primeiro foi o candidato Leonardo Sá. Nesta semana, foi a vez do médico e vereador de São Luís, Dr. Gutemberg se fazer presente em um dos eventos do governador Flávio Dino para sinalizar a nova parceria com o comunista.

Certamente, a perda dos apoios seja pelo fato da própria candidata Maura Jorge não apoiar candidatos a deputado federal e estadual de sua coligação. Na cidade de Lago da Pedra, Maura apoio Aluísio Mendes para federal e Fábio Macedo para estadual, ambos os candidatos fazem parte de outras coligações.

Paulo Guedes cancela mais dois eventos após Bolsonaro determinar o ‘silêncio’ na campanha

A campanha de Bolsonaro tenta estancar o desgaste provocado por declarações polêmicas de Paulo Guedes

O economista Paulo Guedes, responsável pelo plano econômico do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), cancelou sua presença em mais dois eventos nesta sexta-feira (21). Guedes faria uma apresentação do plano econômico do candidato nesta manhã na Câmara de Comércio Americana (AMCHAM). À tarde, iria participar do congresso que está sendo realizado pela Expert XP, ambos em São Paulo. É o terceiro cancelamento de agenda do economista após Bolsonaro determinar uma “lei da mordaça” entre seus principais assessores.

A campanha de Bolsonaro tenta, estancar o desgaste provocado por declarações polêmicas de Paulo Guedes e do general Hamilton Mourão (PRTB), vice na chapa presidencial. O presidenciável do PSL voltou ao Twitter na manhã desta sexta-feira e reiterou que é contra a criação de uma nova CPMF, proposta estudada pelo economista conforme entrevista na quarta-feira ao site BR18.

Guedes tem desmarcado uma série de compromissos. Na quinta-feira, foi informado que ele também não iria mais a uma reunião fechada com clientes do Credit Suisse Hedging Griffo (CSHG). O motivo alegado pelos organizadores para o cancelamento, de acordo com fontes que haviam sido convidadas para o evento, seria “problema em agenda”. Procurado ontem, o CSHG não comentou.

Guedes disse na quarta-feira que estuda duas propostas que passam pela unificação de tributos nos âmbitos federal e da Previdência. Elas incidiriam sobre todas as transações financeiras, de forma semelhante à CPMF. “O sistema atual é muito complexo, destrói milhões de empregos e impede a criação de postos de trabalho”, afirmou.

A proposta deu munição para os adversários. Na propaganda de TV, Geraldo Alckmin (PSDB) explorou o tema e o que chama de “contradições” do rival. Guedes foi anunciado por Bolsonaro como ministro da Fazenda em um eventual governo. Segundo um integrante da campanha, o economista surpreendeu por não combinar com o presidenciável uma manifestação de impacto no mercado.

Bolsonaro já declarou que Guedes é seu “Posto Ipiranga”, mas que nunca deu a ele “carta branca”. O candidato disse também que falta ao economista traquejo político. “Aprendo com ele e ele aprende comigo”, afirmou em maio.