MDB anuncia Meirelles como pré-candidato à Presidência da República

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população

Em um evento em Brasília, nesta terça-feira (22), o MDB anunciou o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles como pré-candidato do partido na eleição para a Presidência da República.

A cerimônia do MDB, chamada de “Encontro com o Futuro”, contou com a presença do próprio Meirelles e de caciques do partido, como o presidente Michel Temer. Meirelles se filiou ao MDB com o objetivo de ser o candidato do partido na eleição presidencial de outubro. No entanto, Temer também vinha se posicionando como uma das opções do MDB para encabeçar a chapa.

Temer decidiu dar apoio à candidatura de Meirelles depois da pressão de um setor do partido por uma definição oficial do presidente. Há a avaliação de que Temer não conseguiu sair da agenda negativa das investigações da Lava Jato, o que inviabilizaria a candidatura à reeleição.

Meireles entra na disputa com a herança de Michel Temer, um governo rejeitado pela população. O agora pré-candidato ao Palácio do Planalto, terá que carregar figuras como José Sarney, Roseana Sarney e Edison Lobão, ambos com vários processos na Justiça.

Se a candidatura de Meirelles for registrada, será a primeira vez, em mais de 20 anos, que o MDB terá candidato próprio à Presidência. A última vez foi nas eleições de 1994, com o ex-governador de São Paulo, Orestes Quércia.

Em entrevista coletiva após ser anunciado como pré-candidato, Meirelles disse que sairá em busca de alianças e que o presidente Michel Temer deverá participar da sua campanha. “O nosso palanque terá todas as lideranças dispostas a se engajar neste projeto”, afirmou. “O presidente certamente participará dos eventos que considerar adequado”, disse.

 

 

Roseana reúne em sua residência a turma dos “Exs” para lançar pré-candidatura

A pré-candidatura de Roseana Sarney serve para tentar aglutinar o que sobrou do outrora forte grupo Sarney

A ex-governadora Roseana Sarney (MDB) reuniu, em sua residência, lideranças políticas, ex-prefeitos, ex-deputados e ex-vereadores para anunciar sua pré-candidatura ao Palácio dos Leões. Peso político fraco em comparação a anos passados quando o grupo Sarney estava no poder.

Fazem parte do projeto político de Roseana representantes municipais, amigos que deram sustentação ao grupo Sarney, responsável pelo atraso do estado por mais de cinco décadas.

Nos bastidores, fortes especulações de que Roseana cedeu às pressões para defender os interesses da família. Sua pré-candidatura serve para tentar aglutinar o que sobrou do outrora forte grupo Sarney.

Sem a presença de presidentes de partidos políticos e sem lideranças de peso, a reunião não teve nenhuma nova adesão ou anúncio que poderia dar um gás ao projeto político.

Sem uma multidão, como era característica dos encontros de Roseana, a reunião aglutinou pessoas que perderam espaço no governo ou que, pela representatividade do atraso, não conseguem mais voltar ao poder, como o ex-deputado federal, Chiquinho Escórcio.

Roseana Sarney segue sua pré-campanha, sem tempo de TV, sem antigos aliados e agora sentindo, de perto, que classe política não comparece mais aos seus eventos.

Maura Jorge e o apoio de dois partidos nanicos…

Em questão do tempo de TV, PRTB e PSDC acrescentam pouca coisa na campanha de Maura

A mídia ligada à ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSL), noticiou, com grande estardalhaço, o anúncio do apoio dos partidos PSDC e PRTB a sua pré-candidatura.

O PSDC, agora comandado pelo suplente de senador, Pastor Bel, entrou no projeto de Maura Jorge de olho em uma das vagas para o Senado Federal.

Já o PRTB, presidido pelo empresário Márcio Coutinho, declarou apoio visando à eleição proporcional. Ele busca uma das vagas na Câmara dos Deputados.

Em questão do tempo de TV, no horário político, ambos os partidos acrescentam pouca coisa na campanha de Maura.

O PRTB, por exemplo, não tem tempo de TV, o PSDC não chega a cinco segundos. Os dois partidos, somados ao PSL, que também não tem tempo de TV, não poderão ajudar Maura a conseguir espaço suficiente para ser conhecida no estado e para mostrar seus projetos.

Apesar do anúncio, Maura Jorge continua com dificuldades em manter sua pré-candidatura.

Waldir Maranhão desafia PSDB e continua com sua pré-candidatura ao Senado

Mesmo com a decisão do PSDB, Waldir Maranhão continua tocando sua pré-candidatura de olho no Senado Federal

O deputado federal, Waldir Maranhão (PSDB), parece desafiar seu partido, o senador Roberto Rocha, o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, e o pré-candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin.

Apesar de todos se pronunciarem sobre a formação oficial da chapa majoritária do PSDB no Maranhão, tendo o deputado estadual, Alexandre Almeida, e o deputado federal, José Reinaldo, como pré-candidatos a senador, Waldir Maranhão continua tocando sua pré-candidatura de olho no Senado Federal.

Em recente visita ao município de Balsas, Waldir Maranhão reuniu lideranças políticas e reafirmou sua candidatura. O deputado continua com a mesma tática, de quando pertencia ao grupo governista.

Basta saber se o pré-candidato ao governo, o senador Roberto Rocha, vai aceitar Waldir Maranhão, ao invés do jovem Alexandre Almeida. A disputa interna está acirrada no PSDB, já que Alexandre retirou sua candidatura à reeleição como deputado estadual.

Roseana exige saída de João Alberto da presidência do MDB

O clima de rivalidade entre Roseana Sarney e o João Alberto parece ter aumentado ainda mais

O clima de rivalidade entre a ex-governadora, Roseana Sarney (MDB), e o atual presidente da sigla no Maranhão, o senador João Alberto, parece ter aumentado ainda mais.

Roseana Sarney fez algumas imposições para ser novamente candidata ao governo do estado. Uma das exigências é que ela tenha o controle sobre o MDB no Maranhão.

A pesar de ser um antigo aliado de José Sarney, João Alberto vem perdendo espaço dentro do grupo. Recentemente, viu o deputado federal Sarney Filho (PV) pegar sua vaga como pré-candidato ao Senado.

Agora, a filha do ex-presidente José Sarney (MDB) exige que para entrar na disputa, ela tenha o controle de toda a verba destinada ao diretório estadual pelo Fundo Partidário, escantiando, de vez, João Alberto.

Candidatira de Zé Reinaldo desfalcada…

A nomeação do ex-prefeito de Dom Pedro, Hernando Dias Macedo é classificada como uma perda para a pré-candidatura de José Reinaldo

A reconciliação do grupo Macedo com o governador Flávio Dino (PCdoB) altera o cenário da disputa pelo Senado no Maranhão. A nomeação do ex-prefeito de Dom Pedro, Hernando Dias Macedo, para a Secretaria de Estado do Trabalho, é classificada como uma perda para a pré-candidatura de José Reinaldo (PSDB).

Hernando é filho do empresário e fazendeiro, Dedé Macedo, e irmão do deputado estadual, Fábio Macedo (PDT).

Ainda no final de 2017, o deputado federal José Reinaldo já articulava com o grupo da família Macedo a indicação do primeiro candidato a suplente de sua chapa.

De olho no apoio político, José Reinaldo tinha na família Macedo a segurança que sua candidatura precisava.

Agora, rompido com o grupo do governador Flávio Dino (PCdoB),  José Reinaldo terá que buscar outros nomes para agregar em sua chapa.

A posse de Hernando Macedo aconteceu na manhã desta segunda-feira (21).

União entre PDT e PSB potencializa candidatura de Flávio Dino no Maranhão

PSB oferece três nomes para compor a chapa do pré-candidato, Ciro Gomes. Foto: Jornal Pequeno

Após a desistência do ex-ministro Joaquim Barbosa de concorrer à Presidência da República nas eleições de 2018, o PSB ofereceu, na última quarta-feira (16), três nomes para compor a chapa do pré-candidato, Ciro Gomes (PDT).

Os indicados foram o deputado federal mineiro Júlio Delgado; o ex-prefeito de Belo Horizonte (2009 a 2016), Márcio Lacerda; e o deputado federal paranaense, Luciano Ducci, que também foi prefeito de Curitiba entre 2010 e 2012, após renúncia de Beto Richa para concorrer ao governo estadual.

Os nomes foram apresentados pela cúpula do PSB em reunião com lideranças pedetistas, na casa do líder do partido na Câmara, Wewerton Rocha (MA). A maioria da bancada do PSB aprova a coligação com o ex-governador cearense.

A união entre PDT e PSB potencializa a candidatura à reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB) no Maranhão. A coligação dos dois partidos de esquerda fortalece a disputa para que Ciro Gomes esteja no segundo turno das eleições, brigando diretamente com a candidatura apoiada pelo MDB, presidente Michel Temer, ex-senador José Sarney e cia.

Muito amigo do governador Flávio Dino, Ciro Gomes aparece, na última pesquisa CNT/MDA, com 9% das intenções de voto e é tido por muitos analistas como o principal herdeiro dos votos do ex-presidente Lula (PT), caso este seja impossibilitado pela Justiça de concorrer.

Ambos os partidos também fazem da base de sustentação do governador Flávio Dino.

Indecisão de Roseana desmotiva grupo Sarney

A apatia de Roseana Sarney está desmotivando todo seu grupo político

A apatia da ex-governadora Roseana Sarney (MDB), na disputa pelo comando do Estado, está desmotivando todo seu grupo político. Ela deixou de receber seus aliados e não fala mais com a imprensa, o que motiva, ainda mais, especulações sobre sua desistência.

De fato, uma série de fatores faz com que a filha do ex-presidente, José Sarney (MDB), tenha receio de entrar novamente na disputa.

Uma delas é que seu grupo político não conta mais com a estrutura de antes. Com dificuldade de atrair prefeitos e deputados, a ex-governadora perdeu vários apoios no interior.

Outro fator considerável é a rejeição do presidente Michel Temer, seu correligionário. Essa rejeição também é compartilhada por Roseana Sarney aqui no Estado. Segundo a pesquisa Data Ilha/Difusora, 39,3% da população rejeita seu nome. Isso reflete também para que nenhum outro candidato a presidente queira se aliar ao grupo Sarney aqui no Maranhão.

A perda do apoio de partidos e de antigos aliados também estão pesando bastante para a desmotivação de Roseana. Sem esses apoios, a ex-governadora viu sua Caravana percorrer 30 cidades do interior e contar com poucas adesões.

Flávio Dino conclama união da esquerda e defende candidatura de Ciro Gomes

Flávio Dino e Ciro Gomes foram os criadores da Rede da Legalidade contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rouseff

As últimas manifestações do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em pregar a união da esquerda brasileira, têm ganhado grande destaque nas redes sociais e em site de notícias. Ele foi bastante incisivo em convocar todas as forças sociais para, que, em caso da desistência do ex-presidente Lula (PT), todos apoiem o nome do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), para o Palácio do Planalto.

Essa inclinada de Flávio Dino para a candidatura de Ciro Gomes é uma atitude coerente e decisiva. A esquerda precisa garantir um nome alternativo e, com isso, não corra o risco de o fascismo governar o país por mais quatro anos.

Mesmo que o PT não mude seu entendimento e continue defendendo a candidatura do ex-presidente Lula, as últimas declarações mostram que o governador Flávio Dino tem peso em suas escolhas por conta da repercussão. O exemplo disso é que o atual governador da Bahia, Rui Costa (PT), também começou a defender que os petistas apoiem a candidatura de Ciro Gomes.

Mesmo com todas as críticas do PT contra Flávio Dino e Ciro Gomes, por essas declarações, vale lembrar que foram os mesmos os criadores da Rede da Legalidade, quando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) estava para sofrer o golpe. Ciro Gomes deu palestras e entrevistas todas contra o golpe do atual presidente Michel Temer e virou a sensação até da militância petista.

De fato, a esquerda precisa se unir para que o país volte a respirar ares mais democráticos.