DOSE DUPLA: Um fantasma por cima do outro?

Novo trecho informado pela Sedes fica na estrada
Coroatá/Vargem Grande, também já denunciada como

 fantasma

Os deputados estaduais Bira do Pindaré (PT) e Othelino Neto (MD) metralharam, nesta terça-feira (11),  a última nota divulgada pelo secretário de Desenvolvimento Social, Fernando Fialho, que tentou, mais uma vez, explicar o convênio suspeito de cerca de R$ 5 milhões com a Associação Vera Macieira, que até hoje não foi encontrada. Na informação oficial, há um dado curioso: um dos trechos que estaria sendo beneficiado, entre os povoados Pedras e Poço Comprido, em Coroatá, fica na MA – 020 (Coroatá/Vargem Grande), estrada já denunciada, no Legislativo, como fantasma.


“É um fantasma por cima do outro. Agora são dois. Uma parte desses R$ 4,9 milhões foi para melhoramento de uma estrada vicinal entre os povoados Pedras e Poço Comprido, em Coroatá. Aí para ter certeza que a nota estava dizendo a verdade, nós ligamos para o vereador Cássio Reis, lá de Coroatá, e ele disse que essa área é a mesma MA-020, a estrada Coroatá/Vargem Grande, já denunciada como fantasma”, revelou Othelino Neto.

A verdade é que, quento mais tenta se explicar, Fernando Fialho se complica e coloca o dito convênio, ainda mais, sob suspeita. Nas sempre mal traçadas linhas, há sempre uma brecha  para que a oposição “deite e role” na Assembleia Legislativa. É de se estranhar a neutralidade da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom), gerida por Sérgio Macedo, nesse processo. Os comunicados oficiais estão sendo distribuídos, diretamente, pela assessoria da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes). 
Situação complicada – A Sedes divulgou que a Associação Vera Macieira tem endereço fixo, que é lá na Rua 3, Quadra 18, Casa 1, Planalto Anil 1, porém, mais uma vez, no local não foi encontrado nenhuma entidade. Foi avistada apenas uma casa normal de esquina, sem nome, sem placa, onde  os moradores não quiseram se pronunciar sobre o assunto e os vizinhos nunca ouviram falar do grupo social.


É estranho haver uma associação, naquele endereço, que recebeu cerca de R$ 5 milhões do governo do Estado sem que ninguém tenha conhecimento do assunto. O parlamentar disse estranhar também o fato de não aparecer nenhum diretor da entidade para se pronunciar e explicar o caso.


Trata-se de uma associação que recebeu quase R$ 5 milhões e não tem cara, ninguém fala por ela, ou seja, é um caso mal explicado. Onde foi feita a tal licitação?  Na Raposa?  Em Coroatá? Em Matões do Norte? Em Centro Novo?  Em São Luís? No Anil? Na Beira-Mar? Na Rua do Cacau, lá na Raposa?

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.