Olimpíada de Tóquio é adiada para 23 de julho de 2021

Nova data dos Jogos é confirmada após adiamento por conta da pandemia de coronavírus

As Olimpíadas e as Paralimpíadas de Tóquio têm uma nova data. Nesta segunda-feira, os Jogos Olímpicos foram confirmados para serem realizados entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021 na capital japonesa. Os Jogos Paralímpicos serão entre os dias 24 de agosto e 5 de setembro. A decisão foi tomada após estudos e negociações entre o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, e dirigentes das federações esportivas e de comitês nacionais. A nova data cumpre a promessa do COI de que os Jogos seriam realizados até o verão de 2021.

Quero agradecer às Federações Internacionais pelo apoio unânime e às Associações Continentais dos Comitês Olímpicos Nacionais pela grande parceria e pelo apoio no processo de consulta nos últimos dias. Também gostaria de agradecer à Comissão de Atletas do COI, com quem mantemos contato constante. Com este anúncio, estou confiante de que, trabalhando em conjunto com o Comitê Organizador de Tóquio 2020, o Governo Metropolitano de Tóquio, o Governo Japonês e todas as nossas partes interessadas, podemos superar esse desafio sem precedentes. Atualmente, a humanidade se encontra em um túnel escuro. Estes Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 podem ser uma luz no fim deste túnel – disse Thomas Bach, em comunicado oficial divulgado pelo COI (confira o texto completo no fim da matéria).

Na tarde desta segunda-feira em Tóquio (madrugada no Brasil), membros do Comitê Executivo do COI e do Comitê Organizador de Tóquio 2020 realizaram o primeiro encontro desde que as Olimpíadas foram adiadas. Em uma primeira coletiva após o encontro, a nova data não foi confirmada. Logo depois, porém, uma nova coletiva foi convocada às pressas para fazer o anúncio.

Imprensa internacional repercute postura de Bolsonaro diante da pandemia de coronavírus

Presidente fez um passeio por Brasília durante o domingo (29) e foi fortemente criticado por autoridades da Saúde

Diversos veículos da imprensa internacional estão noticiando a postura do presidente Jair Bolsonaro frente à pandemia de coronavírus, pelo fato de defender a retomada de atividades econômicas e o fim do isolamento, contrariando recomendações da Organização Mundial da Saúde e de especialistas.

A rede pública britânica BBC publicou reportagem neste domingo descrevendo as atitudes de Bolsonaro que dão a entender que ele não está levando a sério o perigo da pandemia.

“Enquanto o mundo tenta desesperadamente combater a pandemia de coronavírus, o presidente do Brasil está fazendo o possível para minimizá-la”, afirma o texto. “Jair Bolsonaro tem relutado bastante para levá-la a sério. Indo contra o conselho de seu próprio Ministério da Saúde, no início de março, e enquanto aguardava os resultados de um segundo teste de coronavírus, ele deixou o auto-isolamento para participar de manifestações contra o Congresso”, destaca a BBC.

O diário argentino La Nación publicou reportagem sobre os assessores que estariam influenciando a postura de Bolsonaro. O texto se intitula “O ‘gabinete do ódio’: o corpo de conselheiros de Bolsonaro na crise pela pandemia”.

“Bolsonaro aprofundou a radicalização de seu discurso diante da crise do coronavírus, cada vez mais aconselhado pelo “gabinete do ódio”: um grupo de consultores ideologizados (assim chamados pela imprensa brasileira), com o selo e a presença de seu filho Carlos Bolsonaro”, descreve a reportagem.

Aluísio Mendes é diagnosticado com coronavírus

A informação foi dada na manhã desta segunda-feira (30) pela assessoria do parlamentar.

O deputado federal Aluísio Mendes (PSC) foi diagnostica com o novo coronavírus (COVID-19). A informação foi dada na manhã desta segunda-feira (30) pela assessoria do parlamentar.

“Informamos a todos que, a princípio, o terceiro teste para Covid-19 diagnosticou positivo nos exames do deputado Aluísio Mendes”, disse sua assessoria

O parlamentar maranhense havia se encontrado com o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, que integrou a comitiva que voltou dos EUA. Da comitiva, 23 pessoas foram diagnosticadas com coronavírus.

Aluísio Mendes está em observação médica e seu estado de saúde é fora de risco.

Após reações, governo apaga publicações com slogan ‘O Brasil não pode parar’ de contas oficiais

A Justiça Federal do Rio determinou a suspensão da campanha que prega a volta dos brasileiros ao trabalho.

Após repercussão negativa e diversas ações judiciais contra a campanha “O Brasil não pode parar”, o governo apagou ao menos três publicações com o slogan nas redes sociais que defendiam o fim do isolamento social. Apesar de terem sido deletadas, as imagens ficaram disponíveis por três dias nas contas oficiais do governo, tiveram milhares de reações e estão registradas. Agora, o Palácio do Planalto nega ter divulgado as peças oficiais.

As postagens estavam visíveis até a noite de sexta-feira, 27, mas sábado já não eram exibidas. A Justiça Federal do Rio determinou a suspensão da campanha que prega a volta dos brasileiros ao trabalho.

Na quarta-feira, um dia depois do pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro em cadeia nacional, a Secretaria Especial de Comunicação (Secom) publicou duas imagens no Twitter e no Instagram com a hashtag “#OBrasilNãoPodeParar”.

Na legenda, escreveu que “no mundo todo, são raros os casos de vítimas fatais do coronavírus entre jovens e adultos”. A campanha dá a senha para a defesa do fim do isolamento horizontal. “A quase totalidade dos óbitos se deu com idosos. Portanto, é preciso proteger estas pessoas e todos os integrantes dos grupos de risco, com todo cuidado, carinho e respeito. Para estes, o isolamento. Para todos os demais, distanciamento, atenção redobrada e muita responsabilidade. Vamos, com cuidado e consciência, voltar à normalidade”, dizia o texto, agora apagado.

Nos últimos dias, também começou a circular um vídeo com a mesma temática pelo Whatsapp. Ao final das imagens, aparece a marca do governo federal. Um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro, compartilhou a peça em suas redes sociais.

Eliziane propõe taxar grandes fortunas para combater coronavírus, recurso pode chegar a R$ 40 bilhões

Pela proposta o imposto seria temporário para atender a despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), protocolou projeto de lei complementar que institui imposto sobre grandes fortunas e empréstimo compulsório, que financiará necessidades de proteção social decorrentes da Covid-19.

Pela proposta o imposto seria temporário para atender a despesas extraordinárias decorrentes de calamidade pública. A estimativa é que a arrecadação seja de R$ 40 bilhões este ano.

Eliziane defende que neste momento de grave crise “é natural tributar o patrimônio dos que se enquadram no parâmetro de grandes fortunas”. Para a parlamentar, se este tipo de tributação não é aconselhável em tempos normais, pelo risco de elisão e evasão, este não é mais o caso.

“Tributar grandes fortunas é uma forma de a sociedade receber de volta uma pequena parcela de renúncias fiscais e subsídios dados no passado”, argumenta a parlamentar. Ela ressalta ainda que ao longo do tempo, foram trilhões de reais distribuídos em lucros e dividendos sem pagar imposto de renda, ou rendimentos de aplicações financeiras como letras de crédito agropecuárias ou imobiliárias.

Os brasileiros que vivem com mais de 320 salários mínimos possuem patrimônio declarado superior a R$ 1 trilhão. “Há 30 anos a Constituição autoriza esta cobrança, mas jamais foi instituída”, afirmou.

14 casos confirmados do coronavírus e 663 suspeitos são monitorados no Maranhão

A SES informou que todos os pacientes estão cumprindo isolamento domiciliar e estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas em Saúde (CIEVS).

O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde, informou, na noite desta sexta-feira (27), que segue monitorando 663 casos suspeitos do novo coronavírus no Maranhão. Até o momento, o estado possui 14 casos confirmados da Covid-19 com pacientes em São Luís e Imperatriz.

Três dos novos casos foram confirmados na quinta-feira (26) pelo governador Flávio Dino (PCdoB), duas são mulheres de 44 e 45 anos que foram atendidas na rede pública e outra também é do sexo feminino, tem 29 anos, foi diagnosticada em um hospital da rede privada. O quarto paciente com caso confirmado no estado é o médico Luciano Danda, que está no município de Imperatriz. O médico realizou o teste para coronavírus em São Paulo, onde reside.

A SES informou que todos os pacientes estão cumprindo isolamento domiciliar e estão sendo monitorados pelo Centro de Informações Estratégicas em Saúde (CIEVS).

Câmara aprova auxílio de R$ 600 por mês para trabalhador informal

Benefício vai ser pago por três meses devido à pandemia de coronavírus

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) auxílio emergencial por três meses, no valor de R$ 600,00, destinados aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa durante a crise provocada pela pandemia de coronavírus. A matéria segue para análise do Senado.

Pelo texto do relator, deputado Marcelo Aro (PP-MG), o auxílio pode chegar a R$ 1.200 por família. O valor final, superior aos R$ 200 anunciados pelo Executivo no início da crise em virtude da pandemia, foi possível após articulação de parlamentares com membros do governo federal. O projeto prevê ainda que a mãe provedora de família “uniparental” receba duas cotas.

Os trabalhadores deverão cumprir alguns critérios, em conjunto, para ter direito ao auxílio:

  • ser maior de 18 anos de idade;
  • não ter emprego formal;
  • não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00); e
  • não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.

Pelo texto, o beneficiário deverá ainda cumprir uma dessas condições:

  • exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);
  • ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);
  • ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico); ou
  • ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

Pelas regras, o trabalhador não pode ter vínculo formal, ou seja, não poderão receber o benefício trabalhadores formalizados pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e servidores públicos.

Pela proposta, também será permitido a duas pessoas de uma mesma família acumularem benefícios: um do auxílio emergencial e um do Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio. O pagamento será realizado por meio de bancos públicos federais via conta do tipo poupança social digital. Essa conta pode ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais governamentais, como PIS/Pasep e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), mas não pode permitir a emissão de cartão físico ou cheques.

Primeiro-ministro do Reino Unido está infectado com coronavírus

A mídia britânica afirma que outros ministros poderão se isolar, por terem tido contato com Johnson.

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de 55 anos, está infectado com o coronavírus, de acordo com uma nota do governo divulgada nesta sexta-feira (27). O político conservador teve sintomas leves e vai se isolar.

De acordo com um comunicado do governo britânico, ele vai continuar a liderar os esforços contra a epidemia.

Segundo um porta-voz do governo, os sintomas apareceram na quinta-feira, um dia após Johnson ter ido ao Parlamento do país para uma sessão de perguntas e respostas.

A mídia britânica afirma que outros ministros poderão se isolar, por terem tido contato com Johnson.

Em uma rede social, Johnson afirmou que nas últimas 24 horas ele apresentou sintomas leves e seu teste para a doença Covid-19 foi positivo.

“Agora estou me auto-isolando, mas vou continuar a liderar a resposta do governo via vídeoconferência enquanto nós lutamos contra esse vírus”, afirmou ele.

Johnson ainda agradeceu aos que, como ele, estão trabalhando de casa, de forma remota.

Governo abre cadastro de voluntários de profissionais da saúde para combater coronavírus

As inscrições estão sendo realizadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), no site www.saude.ma.gov.br

Mais de 100 profissionais da área da saúde já se cadastraram para, em caso de necessidade, atuar como voluntários no combate ao novo coronavírus no Maranhão. As inscrições estão sendo realizadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), no site www.saude.ma.gov.br e fazem parte do conjunto de estratégias do Governo para conter o avanço do Covid-19 no estado. 

“Vamos precisar de toda ajuda que for possível. Mesmo desejando que o Maranhão não chegue à situação de vários lugares que foram acometidos pela pandemia, estamos nos preparando para o pior cenário. Os profissionais de saúde estão à frente desta batalha e, em uma situação crítica, podemos precisar de reforços. Para isso, precisamos saber com quem podemos contar”, ressalta o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.  

Os profissionais solicitados são para as funções de técnico de enfermagem, enfermeiro, médicos, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, fonoaudiólogos e farmacêuticos e outras formações na área da saúde. 

Para equipar os voluntários que combaterão o novo coronavírus e os profissionais de saúde, a SES realizou a compra de EPIS como máscaras de proteção, viseiras, óculos de proteção e aventais, gorros cirúrgicos e luvas de proteção, entre outros. E recebeu a doação de insumos como álcool em gel e aventais descartáveis que já estão sendo distribuídos para as unidades de saúde.

A ideia é montar o cadastro de voluntários, que serão chamados de acordo com a necessidade. Ao realizar o cadastro, é importante que o candidato insira seu telefone e e-mail atualizados para contato. Não há limite de vagas.

As equipes formadas por voluntários reforçarão o trabalho que será realizado nas unidades de assistência a pacientes que testaram positivo para a Covid-19 em todo o estado, como o Hospital das Clínicas (HCI), que foi alugada para cuidados exclusivos destes pacientes. 

Além do HCI, o Governo trabalha para concluir a reforma e ampliação do Hospital Genésio Rêgo.  A unidade de saúde terá 50 leitos de isolamento para tratar pacientes diagnosticados com casos graves de infecção pelo coronavírus. Já no Hospital Carlos Macieira, são 20 novos leitos de UTI caso seja necessário o tratamento de pacientes da pandemia.

Em Imperatriz, o Hospital Macrorregional Drª Ruth Noleto está ampliando a capacidade da UTI e dez novos leitos estão sendo criados. Em toda a unidade, inicialmente, serão 22 leitos para tratar coronavírus, entre UTIs e leitos de retaguarda. No Macrorregional de Coroatá, o Governo do Maranhão está finalizando obra de implantação de mais dez leitos de UTI, totalizando 22 leitos de terapia intensiva e mais dois de isolamento.