Julho alcança o menor número de homicídios dos últimos 14 anos no Maranhão

Os investimentos do Governo do Estado influem positivamente no controle dos casos de mortes violentas e da criminalidade em geral

Mês de férias, julho registra considerável aumento no fluxo de pessoas que visitam a capital e outras áreas turísticas do Maranhão. No período, são intensificadas as ações de segurança, com um policiamento mais ostensivo e efetivo presente em pontos estratégicos. O resultado é a diminuição da criminalidade e garantia de segurança à população. Batendo recorde do mesmo mês do ano passado, julho contabilizou o menor número de homicídios dos últimos 14 anos no Estado.

O mês manteve ainda a queda consecutiva dos registros nos últimos três anos. Em 2016, os homicídios somaram 67 casos, reduzindo para 30 em 2017. A redução permanece no ano seguinte, quando foram registrados 14 casos e se manteve em 2019, com 11 ocorrências. Ao longo destes anos, a diminuição das mortes violentas foi de 84%.

“É um resultado muito expressivo, que tem sido gradativo e comprova o trabalho sério, compromissado e bem planejado da Segurança Pública, que tem total apoio do Governo do Estado em investimentos e recursos. Estamos mantendo uma linha de atuação com foco no controle e prevenção dos homicídios, e, assim, reduzindo também a criminalidade”, explica o secretário de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), Jefferson Portela.

Julho apresentou também redução nos índices de homicídios, no comparativo com o mesmo mês do ano passado, segundo dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), a partir de levantamento nas cidades que compõem a Região Metropolitana de São Luís. Foram registradas 11 ocorrências este ano, contra 14 no mesmo período de 2019, representando queda em 21% nos casos.

Os homicídios estão no grupo de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que incluem ainda o latrocínio (roubo seguido de morte) e a lesão corporal com morte. Estes registros também apresentaram queda no período. Totalizaram 12 casos em julho deste ano, contra 15 no mesmo mês do ano passado, representando queda de 14% nestas ocorrências. Os CVLIs são critério da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir o nível de violência no país, seguindo convenção da Organização das Nações Unidas (ONU).

Os investimentos do Governo do Estado influem positivamente no controle dos casos de mortes violentas e da criminalidade em geral, avalia o superintendente da SHPP. Na lista está a criação da própria SHPP, que tornou mais qualificada a investigação destes casos; a implantação da Delegacia Móvel que tornou mais ágil a solução das ocorrências; e medidas para melhor estrutura, aumento de efetivo e aquisição de equipamentos.

Deputado Zé Inácio destaca decisão judicial que obriga segurança armada em bancos

Zé Inácio contou que nesses últimos meses, na capital, aconteceram vários assaltos a agências bancárias, e na semana passada, novamente, uma agência do Banco do Brasil, no João Paulo

O deputado Zé Inácio Lula (PT) destacou, na sessão desta segunda-feira (1), a decisão judicial que obriga seguranças armados por 24 horas em bancos, sentença proferida pelo juiz titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, Douglas Martins. A Lei 10.605/2017 é de autoria do parlamentar petista e os bancos têm prazo de 30 dias para cumprir a determinação.

Zé Inácio contou que nesses últimos meses, na capital, aconteceram vários assaltos a agências bancárias, e na semana passada, novamente, uma agência do Banco do Brasil, no João Paulo, foi praticamente toda destruída na tentativa de ser assaltada. De acordo com o parlamentar, já foram dez agências assaltadas somente na capital em 2019. Ele lembrou que há quinze dias, logo após o assalto à agência do Banco do Brasil da Avenida dos Holandeses, em frente ao Golden Shopping, subiu à tribuna para pedir providências por parte do Ministério Público e do Procon.

“Depois de alguns meses, quando observamos que os bancos não estavam dando cumprimento à lei, em companhia do Sindicato dos Vigilantes do Estado do Maranhão e do Sindicato dos Bancários do Estado do Maranhão, por meio das suas diretorias, é bom ressaltar, nós visitamos o Ministério Público Estadual, mais especificamente o Ministério Público do Consumidor, e visitamos também o Procon. E, naquele momento, nós encaminhamos uma representação ao Ministério Público e ao Procon, pedindo que o órgão de proteção ao consumidor tomasse as devidas providências para garantir o direito dos consumidores que estavam sendo lesados pelo não cumprimento da nossa lei”, contou.

O deputado destacou a atuação do Procon e a decisão do juiz em acatar a ação civil pública. “O juiz Douglas Martins concedeu uma liminar determinando que os bancos cumprissem a nossa lei. Eu também destaco que, assim como o Procon fez o seu dever de ofício, encaminhando a ação, protocolando a ação para garantir-se que o Banco do Brasil, o Santander, Itaú, na verdade, seis bancos estabelecidos no Maranhão, cumprissem a lei, eu também continuo reiterando a cobrança ao Ministério Público, que se some a essa ação importante do Procon como fiscal da lei para garantir que essa lei, de fato, seja cumprida, e atenda aos anseios da nossa sociedade, aos consumidores maranhenses que frequentam essas agências bancárias”, afirmou.

O deputado lembrou que protocolou, há duas semanas, uma indicação aprovada pela Mesa Diretora da Casa, e encaminhada ao procurador-geral de Justiça, pedindo que o Ministério Público também tome a mesma providência no sentido de fazer com que os bancos possam garantir o cumprimento da lei. “E, mais uma vez, ressaltar que o juiz Douglas de Melo Martins, com a coerência de sempre e com a determinação de sempre, faz justiça no nosso estado, e faz garantir o cumprimento de uma lei que é importante para garantir a segurança dos consumidores maranhenses nas agências bancárias e a segurança dos funcionários dos bancos que estão nos estabelecimentos bancários”, assegurou.

Operação prende quadrilha que dava golpes em sites de vendas no Maranhão

Segundo as autoridades policiais maranhenses, o trio era investigado por receber valores provenientes da venda fraudulenta de veículo

A Polícia Civil do Maranhão, através da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) e Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV), executou mandados de prisão preventiva e de busca domiciliar contra Elzyo Jardel Xavier Pires, Gabriella Vanuzzi Pouso Gomes, ambos residentes em Cuiabá, capital do Mato Grosso. Na ocasião ainda foi preso em Ribeirão Preto, em São Paulo, Dani Israel da Silva.

Segundo as autoridades policiais maranhenses, o trio era investigado por receber valores provenientes da venda fraudulenta de veículo automotor na cidade de São Luís, a partir da réplica de anúncio falso no site OLX. Ainda segundo a Polícia Civil, em dezembro de 2018, duas vítimas foram induzidas a erro por ocasião da negociação e do pagamento de um veículo da marca Toyota, modelo Corolla, vendido por um dos investigados, que resultou em um prejuízo patrimonial na ordem de R$ 39.200,00, valor transferido para contas bancárias da quadrilha.

As prisões contaram com apoio do Departamento de Combate ao Crime Organizado (DCCO) do Mato Grosso e do Centro de Inteligência da cidade de Ribeirão Preto. A operação policial ainda constatou Elzyo Jardel Xavier Pires possui registros criminais nos Estados do Acre, Pernambuco e Paraíba.

Segundo o delegado Tiago Dantas, cumpridos os mandados, os presos permanecem nas respectivas jurisdições à disposição da Justiça do Estado do Maranhão e as investigações devem continuar no intuito de identificar outras ramificações da quadrilha.

Agência do Banco do Brasil do João Paulo é alvo de ação criminosa

Segundo informações da polícia, os bandidos destruíram uma parte dos caixas eletrônicos, mas não conseguiram roubar o dinheiro

Mais uma agência do Banco do Brasil, desta vez na Avenida São Marçal, em São Luís, foi atacada na madrugada desta quarta-feira (26). Segundo informações da polícia, os bandidos destruíram uma parte dos caixas eletrônicos, mas não conseguiram roubar o dinheiro.

O crime aconteceu por volta das 3h da madrugada. Ainda segundo a polícia, os bandidos conseguiram quebrar a porta de entrada e entrar na agência. Durante a ação criminosa, três explosivos e uma carteira de identidade foram deixados na entrada da agência do Banco do Brasil.

A polícia investiga o caso para identificar os envolvidos na ação criminosa. Qualquer informação sobre os suspeitos pode ser passada pelo Disque Denúncia 3223.5800

Número de mortes violentas na Grande Ilha é o menor dos últimos cinco anos

No estudo do G1, o ano de 2014 fechou com 910 mortes violentas; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 336

As mortes violentas na Região Metropolitana de São Luís apresentaram queda de 63%, entre os anos de 2014 a 2018. O índice é o menor dos últimos cinco anos e a redução se manteve ano a ano no período, segundo comparativo realizado a partir do Mapa da Violência, estudo nacional elaborado pelo site G1. O estudo aponta os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), que incluem homicídios, latrocínios (roubo seguido de morte) e lesões corporais com morte. Este conjunto é a base da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para medir a violência no país.

No estudo do G1, o ano de 2014 fechou com 910 mortes violentas; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 336. Nos demais anos, a redução se manteve consecutivamente. Em 2015, totalizaram 799; em 2016, foram 693; em 2017, os registros somam 539; e mantêm a redução em 2018, com 336 casos – 37% menos que no ano anterior. A Região Metropolitana de São Luís inclui os municípios de Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Rosário e a capital São Luís – cidades onde há maior demanda de ocorrências.

O trabalho para manter os índices de queda reflete, também, nos dados de todo o Maranhão, que no período de cinco anos reduziu em 19% os registros de morte violenta. Em 2014, os registros apontam 2.098 casos; ao final de quatro anos, em 2018, este dado somou 1.699 casos. Nos demais anos, os registros oscilaram até a redução gradativa. Em 2015, totalizaram 2.191; em 2016, foram 2.215; em 2017, os registros diminuem 33% somando 1.948 casos; e mantêm a redução em 2018, com 1.699 ocorrências – 14% menos que no ano anterior.

Levantamento mais recente da SSP-MA, que refere ao primeiro quadrimestre deste ano, reforça a diminuição dos casos de mortes violentas na Grande Ilha e o geral no Estado. De janeiro a abril de 2019, totalizaram 123 casos em 2018; caindo para 100 em 2019, o que representa 18,7% menos ocorrências destes crimes. Considerando o Maranhão, a redução é semelhante – 18,9% menos mortes violentas, sendo que em 2018, somaram 571 registros, caindo para 463 em 2019.

14 governadores divulgam carta aberta contra decreto de armas de Bolsonaro

O Jornal Nacional revelou que o decreto de Bolsonaro que regulamenta o uso e porte de armas no país libera compra de fuzil por qualquer cidadão

Governadores de 13 estados e do Distrito Federal, entre eles o governador Flávio Dino, divulgaram, nesta terça-feira (21), uma carta aberta contra o decreto de armas, editado pelo presidente Jair Bolsonaro, no começo do mês. Na avaliação do grupo, o decreto que amplia o direito do cidadão à arma vai aumentar a violência no país.

Na carta, as autoridades afirmam que “as medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros. Ao contrário, tais medidas terão um impacto negativo na violência – aumentando por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos – e aumentarão os riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias”.

Na segunda-feira (21), o Jornal Nacional revelou que o decreto de Bolsonaro que regulamenta o uso e porte de armas no país libera compra de fuzil por qualquer cidadão. O documento permite que as pessoas consigam comprar arma produzida pela Taurus. O Fuzil T4 foi criado em 2017 e se enquadra em novas especificações.

O decreto das armas está em vigor desde o início de maio. Ainda não há um cronograma para regulamentação, mas, desde que foi anunciado, o decreto dividiu opiniões. O Ministério Público Federal, em Brasília, pediu a suspensão do decreto. Atualmente, existem três ações contra o decreto na Justiça Federal e três no Supremo Tribunal Federal (STF).

Assinaram o documento os governadores de Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins.

Em Londres, Flávio Dino defende escola de tempo integral e Sistema Nacional de Segurança

No evento, estiveram reunidos especialistas e autoridades de diferentes pontos de vista e setores da sociedade para debater questões essenciais e urgentes ao desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil

Governador à frente da gestão que criou 49 escolas de tempo integral no Maranhão e que reduziu índices de violência na ordem de 63% na Região Metropolitana da capital São Luís, Flávio Dino defendeu os investimentos em educação e a consolidação de uma Política Nacional de Segurança na palestra realizada no sábado (18), na London School of Economics and Political Science, em Londres.

A participação foi parte da programação da edição 2019 do Brazil Forum UK, que busca construir diálogos para uma agenda construtiva para o país. O governador do Maranhão defendeu a aplicação de leis como as que criaram, em 2018, o Sistema Único de Segurança Pública e o Fundo Nacional de Segurança Pública.

“São ferramentas imprescindíveis para que nós tenhamos a alavancagem de investimentos na direção correta, medidas de qualificação e aprimoramento da polícia, da ação do sistema de segurança pública”, afirmou o governador, que também ressaltou a importância do enfrentamento a questões sociais ligadas aos índices de violência nas grandes cidades.

“Ao mesmo tempo é preciso combater as causas sociais que levam à violência, sobretudo agora a recessão econômica, o desemprego, e investir em escolas, juntando as duas visões principais sobre segurança pública, nós chegamos ao caminho correto”, completou.

“O Brasil precisa de livros, não de armas”, afirma Márcio Jerry

“O Brasil tem graves problemas, a começar pelo elevado nível de desemprego que atormenta milhões de pais e mães de famílias. Enquanto isso, Bolsonaro se dedica a atacar a educação e a estimular a violência no país”, completou o deputado

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB), criticou o decreto assinado por Jair Bolsonaro publicado na manhã de quarta-feira (8), no Diário Oficial da União. O texto amplia o porte de armas para 20 profissões, de políticos a caminhoneiros, advogados e jornalistas.

Em Brasília, Jerry afirmou que presidente comente mais um destino. “O decreto vai aumentar a violência e a insegurança no país. O Brasil precisa de livros, mas Bolsonaro só oferece a opção obsessiva por armas, que em nada contribui com a cultura da paz, com o combate à violência; ao contrário, estimula a violência, coloca nas mãos das pessoas a responsabilidade pela segurança que é do Estado”.

“O Brasil tem graves problemas, a começar pelo elevado nível de desemprego que atormenta milhões de pais e mães de famílias. Enquanto isso, Bolsonaro se dedica a atacar a educação e a estimular a violência no país”, completou o deputado.

Todas as medidas do presidente têm sido alvo de críticas por parte dos especialistas em segurança pública, que alegam que a medida vai sobrecarregar o Exército e propiciar o aumento da violência, em detrimento de toda a sociedade. O site Brasil247 chegou a dizer que “o regime de faroeste instala-se no país”.

Grande São Luís: Homicídios caem 37% no mês de abril em comparação com mesmo período de 2018

São Luís deixou em 2017 a lista das 50 capitais mais violentas de todo o mundo.

Os homicídios na Grande São Luís caíram 37% no mês de abril deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2018. Em abril do ano passado, tinham sido 30 casos desse tipo. Em abril de 2019, foram 19 – queda de 36,66%.

Os homicídios vêm caindo ano a ano no Maranhão. Em abril de 2014, foram 69 homicídios nos quatro municípios da Grande Ilha; em abril de 2015, 53; em abril de 2016, 46; em abril de 2017, 41; em abril de 2018, 30; em abril de 2019, 19.

“Queda de 72% após cinco anos de trabalho sério e honesto, com muitos investimentos”, afirmou o governador Flávio Dino. A queda na criminalidade reflete os investimentos e a nova política de segurança que passaram a ser adotados após 2015.

Hoje, o Maranhão tem mais de 15 mil policiais, a maior tropa da história do Estado. Foram entregues mais de mil viaturas, dando condições de trabalho para a polícia. Também houve investimento em armamento e equipamentos. Com isso, a capital maranhense enfim deixou, em 2017, a lista das 50 capitais mais violentas de todo o mundo.