Presidente do PSB convida Flávio Dino para se filiar ao partido

Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita

O Globo

Presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira convidou o governador do Maranhão, Flávio Dino, para se filiar ao partido. Hoje no PCdoB, Dino pretende disputar a presidência da República em 2022 e teria, na nova legenda, mais possibilidade de atrair alianças de centro e centro-direita, além de um fundo eleitoral mais robusto e mais tempo de televisão.

“Abri as portas do PSB para o Flávio Dino, que é um ótimo nome. Mas se ele aceitar e vier, tem que ser porque se reconhece alinhado com as propostas do partido. E não por um projeto presidencial. O nome do partido para 2022 ainda será discutido internamente”, frisou Siqueira.

Procurado, Dino afirmou que um “rearranjo” nos partidos políticos é esperado após as eleições municipais, previstas para novembro deste ano. Segundo ele, a aglutinação é uma tendência que acompanhará não só a esquerda, pois, com as mudanças nas regras eleitorais, como o fim da coligação proporcional, candidatos de partidos menores terão muita dificuldade de se eleger para a Câmara dos Deputados.

“Minha relação com o PSB vem de antes do Eduardo Campos. Fui vice-líder do bloco PSB-PCdoB na Câmara. Temos uma trajetória em comum e, por isso mesmo, te diria que, nesse processo de reaglutinação da esquerda, o PSB é um parceiro preferencial do PCdoB. Tenho uma ótima relação com o PSB, que integra o nosso governo aqui no Maranhão. É um diálogo muito provável que se estreite. No que isso vai resultar, é como o próprio Siqueira disse: ‘Temos que ver mais para frente’. Eu jamais colocaria sobre a mesa a candidatura de 2022 para ir para o PSB. Seria desrespeitoso”, afirmou Flávio.

Dino minimizou a necessidade de deixar o PCdoB (Partido Comunista do Brasil) para conseguir atrair aliados e eleitorado de centro e centro-direita. “No Maranhão, fui eleito pelo PCdoB duas vezes no primeiro turno. Em 2014, meu vice era do PSDB. Em 2018, 16 partidos me apoiaram. Eu te diria que a questão partidária não é a que decide o tamanho da aliança. O que decide o tamanho da aliança é a sua atitude”.

Dino, que tem participado de conversas públicas na internet com Lula (PT) e Ciro Gomes (PDT) — o petista e o pedetista não conversam entre si —, defende uma candidatura única da esquerda para 2022, mas, ao mesmo tempo, afirma não ver viabilidade em um nome do PT para encabeçar a chapa, como defende Lula.

“Olhando o Lula que governou o Brasil, não consigo imaginar que ele só veja esse caminho do isolacionismo. Falar em candidatura própria do PT em 2022 é só um movimento inicial, feito para resgatar a imagem do PT hoje. Mas isso não se sustenta até 2022. Seja pelo amor, seja pela dor. Contudo, o principal é compreender que, num país como o Brasil, só é possível a esquerda ganhar e governar fazendo alianças para além da esquerda”, afirma Flávio Dino.

Bira do Pindaré promove encontro entre PSB e PSOL

Outros partidos como o PCB e PSTU também serão chamados para dialogar.

O deputado federal e pré-candidato a prefeito em São Luís, Bira do Pindaré, promoveu um diálogo entre o PSB e PSOL, que visa uma aliança para as eleições na capital.

As duas legendas da esquerda conversaram sobre o cenário político e sobre a possibilidade de uma composição na chapa do socialista.

Vale lembrar que o PSOL já tem a tradição de lançar nomes para a disputa pela prefeitura. A possiblidade da composição na chapa de Bira será levada para a militância.

Uma declaração de apoio do PSOL para Bira fortacele o pré-candidato no campo mais a esquerda.

Outros partidos como o PCB e PSTU também serão chamados para dialogar.

Bira do Pindaré avança com projeto do PSB

O PSB inaugurou a nova sede e lançou o movimento ‘Pense São Luís’

O Partido Socialista Brasileiro inaugurou, na noite de sexta-feira (13), a sede estadual e municipal em São Luís. O evento foi marcado pelo lançamento do movimento ‘Pense São Luís’ e pela declaração do presidente da legenda, Carlos Siqueira, de que a pré-candidatura de Bira a prefeito da capital é prioridade para os socialistas. O evento contou com a presença de lideranças nacionais, estaduais e de todas as regiões da capital maranhense.

Com mais esses passos, Bira avança com o projeto do PSB na capital e pode ser um dos nomes na sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, em 2020, se o seu nome passar pela convenção.

A sigla lançou o movimento o ‘Pense São Luís’, inspirado no movimento nacional do Partido Pense Brasil. Na capital, o movimento vem com o objetivo de dialogar com a população desafios e soluções para a capital maranhense.

Segundo Bira do Pindaré, é por meio desse movimento, que o PSB vai percorrer as comunidades da cidade, escutando as pessoas e organizações. Lideranças, movimentos, entidades, sindicatos, igrejas, organizações não governamentais e especialistas da cidade.

PSB lança pré-candidatura de Bira do Pindaré à prefeitura de São Luís

O ato de lançamento aconteceu durante a Plenária do Diretório Municipal do PSB São Luís

O PSB lançou na noite de quinta-feira (21), a pré-candidatura do deputado federal, Bira do Pindaré. Também foi lançado o Movimento “Pense São Luís”, que pretende discutir e dialogar com a população ludovicense, os desafios da capital maranhense, além das possíveis soluções. O ato de lançamento aconteceu durante a Plenária do Diretório Municipal do PSB São Luís.

Contando com a participação de dezenas de pessoas, entre filiados e representantes de movimentos comunitários de várias regiões de São Luís, a plenária reafirmou a pré-candidatura do deputado federal Bira do Pindaré a prefeitura de São Luís. Além da apresentação de vários pré-candidatos a vereador da capital maranhense para as eleições do ano que vem.

Para Bira do Pindaré, o evento foi um primeiro passo na preparação de um programa que, mais do que discutir, pretende pensar São Luís. “Com o movimento ‘Pense São Luís’, estamos abrindo um canal de comunicação diretamente com o povo de São Luís, para discutir os problemas da cidade, mas também para discutir as soluções. Nós queremos construir um caminho com participação popular, que é uma marca que temos na nossa trajetória”, destacou.

Dado o pontapé inicial para discutir os desafios de São Luís, o próximo passo Movimento ‘Pense São Luís’, é abrir, na prática, um canal com a população de São Luís. Para isso, será lançado um portal, onde as pessoas poderão dar sua contribuição sobre os principais problemas e desafios da capital maranhense. A plataforma deve está disponível no início de dezembro.

Além disso, o PSB São Luís vai realizar no próximo 13 de dezembro, dia da balaiada, um ato de inauguração da nova sede do partido. Na ocasião serão oficializadas as pré-candidaturas a vereadores e de Bira à prefeitura da capital maranhense.

Com candidatura própria do PT, Bira do Pindaré perderia seu grande apoiador

O apoio do PT já era dado como certo em uma candidatura de Bira do Pindaré à prefeitura de São Luís

O apoio do PT ao pré-candidato Bira do Pindaré (PSB) já era dado como certo por alguns dirigentes petistas em uma possível candidatura do socialista ao mandato de prefeito de São Luís, em 2020.

Mas na última semana, toda a movimentação dos petistas e de seus militantes, em destaque à fala do deputado estadual Zé Inácio, foi para que o partido tenha uma candidatura própria na capital.

Com isso, em caso de confirmação, Bira do Pindaré perderia um apoio importante em relação ao tempo de TV e Rádio. Além de perder o apoio do partido do ex-presidente Lula que segue com aprovação dos ludovicenses, o que renderia alguns votos.

De concreto mesmo, o pré-candidato socialista conta apenas com o apoio do seu partido, o PSB, que já deu demonstrações de apoio nos diretórios nacional, estadual e municipal.

Líder do PCdoB afirma que partido lançará Flávio Dino a presidente em 2022

Flávio Dino hoje é um dos principais nomes da esquerda brasileira e além do PCdoB, é sondado pelo PSB para ser candidato a presidente em 2022

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) confirmou, na segunda-feira (16), durante participação no programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, que o PCdoB vai lançar o nome do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), para a disputa ao Palácio do Planalto, em 2022.

“Flávio Dino é um extraordinário candidato a presidente. Nós vamos lançar ele candidato a presidente da República para fazer diferente. Lá no Maranhão ele tem feito uma revolução focando na educação. E é isso que nós queremos experimentar no Brasil”, afirmou Silva.

Flávio Dino hoje é um dos principais nomes da esquerda brasileira e além do PCdoB, é sondado pelo PSB para ser candidato a presidente em 2022.

Flávio Dino articula frente anti-Bolsonaro nas eleições de 2020 em São Paulo

A articulação está sendo feita em São Paulo e pode se estender a Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) está articulando a formação de uma frente de centro-esquerda de oposição a Jair Bolsonaro nas eleições municipais de 2020, informa a jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna na Folha de S.Paulo.

A articulação está sendo feita em São Paulo e pode se estender a Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

Dino já conversou sobre o assunto com o ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB-SP), que pretende se candidatar a prefeito da capital paulista.

Setores do PT paulistano são simpáticos à ideia. Caso a frente se concretize, será a primeira vez, desde 1985, que a legenda não teria candidato próprio na capital.

Dino afirma que a gravidade do momento exigiria uma frente plebiscitária contra Bolsonaro que incluiria PDT, PSB, PCdoB, PSOL e PT.

Bira do Pindaré avança na pré-candidatura à Prefeitura de São Luís

O nome de Bira é o único posto até o momento na legenda e deve ser homologado na convenção do partido

A pré-candidatura do deputado federal Bira do Pindaré à prefeitura de São Luís está, cada vez mais, consolidada. O nome dele já é unanimidade no diretório nacional, estadual e no de São Luís.

Nesta semana, o diretório municipal do PSB esteve reuniu para traçar as estratégias para as eleições de 2020 e já deliberou sobre uma candidatura própria em São Luís.

O nome de Bira é o único posto até o momento na legenda e deve ser homologado na convenção do partido.

Bira já tinha tentado uma candidatura em 2016, mas foi impedido pelo senador Roberto Rocha, que comandava o diretório do PSB antes de migrar para o PSDB.

Flávio Dino pode trocar PCdoB pelo PSB

O ex-juiz maranhense já teve duas conversas com o presidente do PSB, Carlos Siqueira. A mais recente foi em julho, em Brasília

Carta Capital

O presidente Jair Bolsonaro disse no início de agosto que em 2022 ou 2026 entregará o Brasil melhor do que recebeu. Sinal de planos reeleitorais. Se concorrer mesmo, há chance de enfrentar aquele que considera “o pior governador de paraíba”. E de que Flávio Dino, o governador do Maranhão, não seja mais comunista de carteirinha na próxima eleição.

Dino namora o PSB. Sabe que uma candidatura presidencial requer um partido maior, com mais estrutura e dinheiro. E quer que seja do campo progressista. Seu PCdoB não superou em 2018 a chamada cláusula de barreira. Só não ficará sem verba do fundo eleitoral estatal e sem propaganda na TV pois se juntou ao PPL, fusão aprovada em maio pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O ex-juiz maranhense já teve duas conversas com o presidente do PSB, Carlos Siqueira. A mais recente foi em julho, em Brasília, enquanto tirava uns dias de férias. Sua relação com os pessebistas é boa. A legenda faz parte do governo do Maranhão desde o primeiro mandato de Dino, iniciado em 2015. O chefe da estratégica Casa Civil, Marcelo Tavares, é do PSB.

O senador pelo Maranhão Roberto Rocha era pessebista ao eleger-se em 2015, dois anos depois tentou empurrar o partido para que fizesse oposição ao governador, mas o presidente do PSB no estado, Luciano Leitoa, prefeito de Timon, impediu. Rocha mudou de casa. Virou tucano. E Leitoa vê animadamente o flerte do governador com os pessebistas.

Um aliado conta que, se resolver trocar de partido, não será agora, mas só depois da eleição municipal de 2020. E que Dino gostaria de deixar amarrado o apoio do PCdoB a uma eventual candidatura. No PSB, há céticos. Os comunistas aliaram-se ao PT em todas as eleições presidenciais depois da ditadura militar. Em 2018, eram vice na chapa de Fernando Haddad.

“O governador não fala de forma conclusiva nem que é candidato a presidente nem que quer entrar no PSB”, afirma Siqueira. “É bom a gente ir conversando, pra conhecer as ideias dele, mas a eleição de 2022 está longe e temos vários problemas para enfrentar hoje, como o desemprego, o desmonte social, a economia que não cresce, a venda de empresas estratégicas.”

Dino não quer se arriscar a trocar o PCdoB pelo PSB sem a garantia de ser lançado à Presidência. Os pessebistas têm outra carta na manga. O ex-juiz Joaquim Barbosa filiou-se em 2018 para concorrer, mas logo desistiu. Sentiu não ter apoio de dirigentes importantes. Agora tem participado da vida partidária interna, de forma discreta.

Sem a garantia de que seria candidato pelo PSB, Dino tenta deixar uma outra porta partidária aberta, a do PDT. Aqui, porém, há enrosco também. Ciro Gomes disputou o Palácio do Planalto em 2018 e dá sinais de que quer ser presidenciável pedetista mais uma vez.