Bombeiros que atuaram em Brumadinho recebem a mais alta condecoração do Maranhão

A Ordem dos Timbiras é a mais alta comenda ofertada pelo poder executivo estadual

Em cerimônia no Palácio Henrique de La Rocque, na tarde desta segunda-feira (18), o governador Flávio Dino condecorou com a Ordem dos Timbiras os 22 bombeiros militares maranhenses que atuaram por mais de vinte dias no trabalho de resgate de vítimas em Brumadinho (MG).

A Ordem dos Timbiras é a mais alta comenda ofertada pelo poder executivo estadual. Os bombeiros foram enviados pelo Governo do Maranhão em missão humanitária e social, para dar apoio às buscas avançadas na cidade mineira após o rompimento da barragem na mina Córrego do Feijão, no dia 25 de janeiro, que vitimou centenas de pessoas.

Durante a cerimônia, o governador Flávio Dino exaltou a coragem, bravura e o espírito de solidariedade dos Bombeiros que se dedicaram à missão, numa tragédia que comoveu todo o país.

“Nós assistimos essa equipe do Corpo de Bombeiros mostrando dedicação, solidariedade e capacidade técnica. Esta condecoração é a mais alta do nosso estado e eu sempre reservo para momentos muito especiais, como este caso, por exemplo. Aqui estamos homenageando, em primeiro lugar, toda a instituição, que mais uma vez mostrou a qualidade dos seus integrantes e, claro, sublinhando a importância destes atos de solidariedade”, disse.

“É uma situação dramática, limite, que oferece uma série de riscos, inclusive a saúde e a integridade física desses servidores, que cumpriram com êxito a missão e merecem esse reconhecimento”, complementou Flávio Dino, no ato de condecoração, renovando, também, a solidariedade às famílias que foram vítimas da tragédia.

Os bombeiros maranhenses, que participam do grupamento de salvamentos especiais, trabalharam nos serviços de escavação e triagem da lama, na busca por vestígios de locais com maior probabilidade de concentração das vítimas.

Desde 2015, a corporação maranhense tem participado de missões especiais de resgate e salvamento, como o terremoto do Equador e incêndio no Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí, em ato de solidariedade às vítimas e seus familiares, bem como aos militares de outros estados e países, que trabalham nos resgates.

Maranhão envia mais quatro bombeiros para auxiliarem nas buscas em Brumadinho

Os maranhenses se matem em duas equipes, uma tripulando aeronaves e realizando intervenções diretas em locais mais distantes e a outra, atuando na zona quente nas buscas e varreduras

A tragédia de Brumadinho completa o 15º dia nesta sexta-feira (08). O corpo de Bombeiros de Minas Gerais já contabilizou 157 mortos e outros 182 continuam desaparecidos. Nesta semana, a equipe do Maranhão recebeu mais quatro bombeiros, que já reforçam o trabalho de buscas por todo o caminho de lama e destruição provocado pelo rompimento da barragem.

Os maranhenses se matem em duas equipes, uma tripulando aeronaves e realizando intervenções diretas em locais mais distantes e a outra, atuando na zona quente nas buscas e varreduras aplicando técnicas de resgate em áreas com terras deslizadas.

“Nossa expectativa é contribuir para dar resposta a um maior número de familiares, o risco tem aumentado por conta dos frequentes temporais que tem ocorrido na região”, pontuou o major Patrício.

Uma segunda fase da operação foi elaborada pelos bombeiros, o objetivo foi delinear tecnicamente as estratégias de buscas que serão empregadas pelas equipes baseadas nos relatos de sobreviventes e nas informações da própria empresa Vale.

O major Patrício e o capitão Jonatan, do estado do Maranhão, participaram da reunião para discussão do novo planejamento. A partir de agora as buscas contam com auxílio de máquinas, cães farejadores e com emprego de tecnologia.

“Na primeira fase, as buscas por corpos se concentraram na superfície, e praticamente já foram exauridas”, explica o major Patrício, comandante da equipe maranhense empregada na Operação Brumadinho.

Análises técnicas e geológicas também estão sendo implementadas a fim de ampliar a segurança da operação. Agora, os bombeiros usam aparelhos de geolocalização e máquinas pesadas para a escavação do grande volume de rejeitos.