Leo Índio, o ‘caçador de comunistas’ e o resultado de Maura Jorge

Léo Índio visitou o Maranhão e teve uma longa agenda ao lado de Maura Jorge

Estadão

O assessor parlamentar Leonardo Rodrigues de Jesus, o Leo Índio, primo dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, virou uma espécie de “espião voluntário” do governo. Nos primeiros quatro meses da gestão do tio, Léo Índio elaborou dossiês informais de “infiltrados e comunistas” nas estruturas federais nos Estados.

Os relatórios começaram a ser feitos de maneira unilateral, sem nenhum pedido oficial do Palácio do Planalto ou da família Bolsonaro, quase sempre de maneira amadora. Leo Índio cruza dados abertos da estrutura federal nos Estados com notícias de jornais e de colunas, para tentar identificar a quem o servidor comissionado está ligado.

O primo dos Bolsonaro já viajou a pelo menos três Estados – Maranhão, Bahia e Minas – nos primeiros meses do ano catalogando “alvos incompatíveis” com a administração federal. Coincidentemente, três Estados que estão ou estiveram sob domínio de “comunistas” do PT e do PCdoB. Durante as viagens, Leo dedicou parte do seu tempo a reuniões políticas com militantes do PSL e apoiadores do presidente. Foi depois de um encontro desses que surgiu o nome da ex-deputada estadual Maura Jorge (PSL), no Maranhão, que passou a comandar a Superintendência da Funasa no Estado, órgão historicamente ligado à família Sarney. Pelas redes sociais, Maura Jorge agradeceu.

“Dias atrás, informei a vocês sobre o convite que o presidente Jair Bolsonaro me fez para compor seu governo. Hoje, fico honrada em anunciar que decidi aceitar essa missão, assumindo o comando da Funasa no Maranhão, pois tenho a certeza de que, desse modo, vamos poder fazer ainda mais pelo progresso do nosso Estado e do povo maranhense. Meus agradecimentos ao presidente da Funasa, Ronaldo Nogueira, Léo Índio, sobrinho do presidente Jair Bolsonaro; à dra. Edna e ao Luís Vannuci pelo carinho e confiança”, escreveu Maura.

Léo Índio ganhou notoriedade por possuir carta branca para entrar no Palácio do Planalto. Nos primeiros 45 dias de Bolsonaro, esteve 58 vezes no Planalto. Com 35 anos, foi estudante de Administração e ocupa o cargo de assessor parlamentar do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), vice-líder do governo, com o salário de R$ 22.943,73. Questionado sobre sua atuação no governo, limitou-se a dizer que está “focado nas missões que o senador (Chico Rodrigues) designou”.

PSL realiza encontro estadual no Maranhão

O evento, realizado no Auditório Neiva Moreira, na Assembleia Legislativa do Maranhão, serviu para discutir ações para o fortalecimento da legenda

O Partido Social Liberal (PSL) realizou seu primeiro encontro estadual no Maranhão. O evento, realizado no Auditório Neiva Moreira, na Assembleia Legislativa do Maranhão, serviu para discutir ações para o fortalecimento da legenda, anunciar novos filiados e debater estratégias para as eleições de 2020.

Liderado pelo presidente estadual da legenda, Chico Carvalho, o evento não teve a participação do grupo da presidente da Funasa no Maranhão, a ex-candidata pelo PSL ao governo, Maura Jorge.

O juiz federal e ex-presidente da Associação de Juízes Federais do Brasil, Roberto Veloso, participou do evento palestrando sobre as mudanças na legislação eleitoral.

O superintendente de Coordenação e Governança do Patrimônio da União no Maranhão, coronel Moreira, fez sua filiação ao PSL no evento.

Quais os planos de Maura Jorge?

Especula-se que o futuro político de Maura esteja entre uma candidatura à prefeitura de São Luís ou em Lago da Pedra

Após assumir o controle da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), no Maranhão, a ex-candidata ao governo do Estado, Maura Jorge (PSL), ainda não deixou claro qual será seu futuro político.

Mesmo não obtendo a vitória, Maura Jorge saiu com um bom cacife político, já que teve quase 250 mil votos, bem mais do que o também candidato, Roberto Rocha (PSDB), que teve pouco mais de 60 mil, por exemplo.

Especula-se que o futuro político de Maura esteja entre uma candidatura à prefeitura de São Luís ou em Lago da Pedra, cidade que sua cidade administra a mais de 40 anos. Mas uma candidatura em Lago da Pedra não daria a visibilidade que Maura precisa pra seguir voos maiores.

De certo, ainda nada. Só o que é visto a olho nu é que o futuro de Maura passa pelas mãos, ou melhor dizendo, por uma articulação que envolva o senador Roberto Rocha, responsável por sua indicação para a Funasa.

Chico Carvalho afasta chances de Maura Jorge assumir PSL

A informação começou a ganhar corpo logo após Maura assumir o novo cargo no governo Bolsonaro.

O vereador de São Luís, presidente estadual do PSL, Chico Carvalho, tratou de negar as articulações da agora superintendente da Funasa no Maranhão, Maura Jorge de comandar o PSL no estado.

A informação começou a ganhar corpo logo após Maura assumir o novo cargo no governo Bolsonaro.

Chico Carvalho afirmou que entrou em contato com o presidente nacional do PSL, o deputado federal Luciano Bivar e afirmou que segue presidente da legenda até 1º de abril de 2021.

A briga interna pelo comando do PSL no Maranhão já é antiga e já proporcionou trocas de farpas entre Chico e Maura publicamente.

Maura Jorge é nomeada para Funasa do Maranhão

A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13)

A ex-prefeita de Lago da Pedra e ex-candidata ao governo do Estado, Maura Jorge, foi nomeada para a Superintendência da Funasa no Maranhão. A Fundação Nacional da Saúde é uma entidade vinculada ao Ministério da Saúde, encarregada de promover saneamento básico à população

A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13) e assinada pelo presidente nacional da Funasa, Ronaldo Nogueira de Oliveira.

Especula-se que a indicação de Maura Jorge para a Funasa foi feita pelo senador Roberto Rocha (PSDB). O que envolve acordos para as eleições de 2020 e 2022.

Após oito meses de muitas articulações, Maura Jorge finalmente foi agraciada com um espaço no governo Bolsonaro, o que vai garantir que a ex-prefeita consiga pavimentar outros projetos.

Luís Vanucci é nomeado pelo Governo Federal

Vannucci foi candidato a deputado federal pelo PSL nas eleições de 2018 e obteve 7.261 votos, sendo o sexto mais votado do PSL no Maranhão

O Diário Oficial da União do dia 04 de junho trouxe a nomeação do advogado maranhense, Luís Vannucci, para o cargo de secretário adjunto da Secretaria Nacional da Juventude do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Vannucci foi candidato a deputado federal pelo PSL nas eleições de 2018 e obteve 7.261 votos, sendo o sexto mais votado do PSL no Maranhão.

A nomeação do novo adjunto da secretaria nacional de Juventude mostra que o governo não está em sintonia com sua base nos estados. Nem mesmo a candidata ao governo pelo PSL, Maura Jorge, conseguiu emplacar um nome em uma autarquia do governo.

A nomeação de Luís Vannucci foi mérito do próprio político, que bem articulado e com anos de trabalho no ministério do Turismo, conseguiu ser agraciado com o novo cargo.

Maura Jorge e Chico Carvalho convocam população para ato no dia 26

Há atos previstos em pelo menos 60 cidades, em todas as capitais e no Distrito Federal

Aliados do presidente Jair Bolsonaro no Maranhão, a ex-candidata ao governo do Estado, Maura Jorge, e o presidente estadual do PSL no Maranhão, o vereador Chico Carvalho, estão convocando a população para ato de apoio ao capitão no próximo domingo (26), que acontecerá na Avenida Litorânea.

Há atos previstos em pelo menos 60 cidades, em todas as capitais e no Distrito Federal. Ainda que o objetivo de alguns setores seja o apoio às pautas do Planalto como a Previdência, o pacote anticrime do ministro Sérgio Moro e a Medida Provisória 870 que reorganiza a estrutura do governo e está sob ameaça, a maioria das pessoas irá para as ruas em apoio ao presidente Jair Bolsonaro que vive dias conturbados na Presidência da República.

Mas o movimento não tem apoio de todos os grupos ligados ao campo da direita. O MBL já negou participação nos eventos e da direita maranhense também ainda não fizeram nenhuma manifestação sobre o ato na Avenida Litorânea.

Questões familiares fizeram Maura Jorge desistir de cargo no Governo Federal

Maura Jorge em recente encontro com o presidente Jair Bolsonaro. O senador Roberto Rocha (PSDB) também participou do encontro, Foto: Marcos Corrêa/PR

A ex-candidata ao governo do Maranhão nas eleições de 2018 Maura Jorge não vai assumir a presidência do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Ela chegou a conversar com o presidente Jair Bolsonaro no final do mês de março. Foi neste período que a então presidente da empresa, Teté Bezerra (MDB-MT), nomeada em maio de 2018 no governo de Michel Temer, entregou a carta de demissão.

Filiada ao PSL, Maura Jorge decidiu não assumir o cargo por questões particulares, segundo apurou o Misto Brasília. Um irmão dela está com câncer e por isso achou melhor ficar no Maranhão. Atualmente a presidência da empresa é ocupada interinamente por Leônidas Oliveira e está subordinado ao Ministério do Turismo.

Outra questão é que a Embratur tem uma política de fomento do turismo no exterior. Maura Jorge gostaria de ter uma atuação mais interna, e se a empresa já fosse urna agência seria possível que pudesse ocupar a presidência do órgão.

Em março do ano passado, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou o pedido de regime de urgência ao PL 2724/2015, que transforma a Embratur em serviço social autônomo, nos moldes da Apex e Sebrae, que permite a ampliação da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas e também moderniza a Lei Geral de Turismo. (Fonte Misto Brasília)

Homem é acusado de usar indevidamente o nome da UDN no Maranhão

Na última semana, o advogado Marco Antônio Vicente, que usa o nome de Marco Vicenzo, esteve no Maranhão, percorreu vários veículos de comunicação e anunciou o Coronel Monteiro como presidente da UDN no Maranhão

Uma verdadeira confusão envolveu a União Democrática Nacional (UDN), partido que ainda nem saiu do papel, mas já está dando o que falar. O auto-declarado presidente nacional da legenda, Marcos Alves de Souza, denunciou que um outro político está se passando por líder nacional da legenda e fazendo acordos nos estados.

Na última semana, o advogado Marco Antônio Vicente, que usa o nome de Marco Vicenzo, esteve no Maranhão, percorreu vários veículos de comunicação e anunciou o Coronel Monteiro como presidente da UDN no Maranhão. Mas de acordo com Marcos Alves, no Maranhão, o partido encontra-se ainda na fase de recolhimento de assinaturas para o registro no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) e deve ser ligado ao grupo político de Maura Jorge.

A direção nacional da UDN informou que já foi feita uma denúncia no TSE contra Marco Vicenzo. Ao que tudo indica, o retorno da antiga UDN vem sendo disputado por dois grupos distintos e o problema deve ser resolvido na Justiça Eleitoral.