Ibope: nova pesquisa mostra Bolsonaro e Marina empatados tecnicamente

Em um cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidenciável do PSL soma 17% das intenções de voto, enquanto Marina Silva tem 13%, configurando empate técnico

Pesquisa Ibope realizada em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada na manhã desta quinta-feira mostra que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) aparece empatado tecnicamente com a ex-ministra Marina Silva (Rede). Em um cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidenciável do PSL soma 17% das intenções de voto, enquanto Marina Silva tem 13%, configurando empate técnico.

Em seguida, aparecem Ciro Gomes (PDT), com 8% e Geraldo Alckmin (PSDB), com 6%. Já em um cenário com a presença do ex-presidente petista, Lula aparece com 33% das intenções de voto. Bolsonaro, em segundo, soma 11%. Em seguida, Marina Silva tem 7% e, logo depois, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin empatam com 4%. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, em substituição a Lula, aparece com 2% das intenções de voto.

A pesquisa também avaliou a rejeição dos pré-candidatos. Jair Bolsonaro, com 32%, e Lula, com 31% são os primeiros nesse quesito. O ex-governador paulista Geraldo Alckmin tem 22% de rejeição, enquanto Marina Silva tem 18%.

A pesquisa CNI/Ibope analisou todo o território brasileiro. O levantamento foi feito de 21 a 24 de junho com 2 mil pessoas em 128 municípios. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-02265/2018. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Confira as intenções de voto de todos os candidatos em um cenário sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

Jair Bolsonaro (PSL): 17%
Marina Silva (Rede): 13%
Ciro Gomes (PDT): 8%
Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
Fernando Haddad (PT): 2%
Flávio Rocha (PRB): 1%
Guilherme Boulos (PSOL): 1%
Henrique Meirelles (MDB): 1%
Levy Fidelix (PRTB): 1%
Manuela D’ Ávila (PC do B): 1%
Rodrigo Maia (DEM): 1%
João Goulart Filho: 1%
Outro com menos de 1%: 1%
Brancos/nulos: 33%
Não sabe/não respondeu: 8%

Cenário com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 33%
Jair Bolsonaro (PSL): 15%
Marina Silva (Rede): 7%
Ciro Gomes (PDT): 4%
Geraldo Alckmin (PSDB): 4%
Álvaro Dias (Podemos): 2%
Manuela D’Ávila (PC do B): 1%
Flávio Rocha (PRB): 1%
Levy Fidelix (PRTB): 1%
Outro com menos de 1%: 2%
Brancos/nulos: 22%
Não sabe/não respondeu: 6%

Bolsonaro vem ao Maranhão mas não fala em Pedrinhas

Durante entrevista a jornalistas, Bolsonaro teceu um comentário pra lá de infeliz. Ele disse que “a única coisa boa do Maranhão era o presídio de Pedrinhas”.

Ontem (14) o pré-candidato à Presidência pelo PSL, Jair Messias Bolsonaro, fez uma passagem relâmpago por São Luís como parte de sua agenda de pré-campanha pelo país. Apesar de ter sido recebido por algumas dezenas de seguidores no aeroporto Marechal Cunha Machado, Bolsonaro não é visto com bons olhos pela grande maioria dos maranhenses.

É que em 2014, durante entrevista a jornalistas, o político teceu um comentário pra lá de infeliz. Ele disse que “a única coisa boa do Maranhão era o presídio de Pedrinhas”.

A fala de Bolsonaro fazia referência ao caos instaurado no Complexo Penitenciário de Pedrinhas durante o último governo Roseana Sarney (PMDB), que ganhou as manchetes da imprensa internacional após o registro de chacinas e decapitações. Em 2015, Flávio Dino (PCdoB) assumiu o governo e reorganizou o Sistema Penitenciário do Maranhão, dando fim às ondas de violência em Pedrinhas.

Mas Bolsonaro não fez nenhuma menção à sua fala desastrosa depreciando o Maranhão e muito menos quis conhecer de perto as mudanças na gestão prisional em Pedrinhas. A visita meteórica de Bolsonaro confirma que para o presidenciável a realidade do estado não é sua maior preocupação. Passou por essas terras apenas para cumprir mero protocolo eleitoral.

A questão Maura Jorge

Maura Jorge (PSL), pré-candidato ao Governo do Maranhão

Bolsonaro tem outro abacaxi pela frente no Maranhão: defender Maura Jorge, pré-candidata ao governo do Maranhão pelo seu partido. O problema é que Bolsonaro é lembrado por frases machistas e não é bem quisto entre as eleitoras. Além de falar que as “mulheres devem ter um salário menor porque engravidam”, Jair Bolsonaro foi condenado a pagar R$ 10 mil a deputada federal Maria do Rosário por dizer que ela não merece ser estuprada por ser ‘muito feia’.

Jair Bolsonaro chega a São Luís para cumprir agenda política

O deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) chegou a São Luís, nesta quinta-feira (14), para cumprir agenda política. O parlamentar desembarcou no Aeroporto Marechal Cunha Machado, por volta do meio-dia, e foi acompanhado por uma carreata.

A ex-prefeita de Lago da Pedra e pré-candidata ao Governo do Estado, Maura Jorge (PSL), acompanhou-o nos atos políticos realizados em São Luís.

O ato político com Bolsonaro e Maura Jorge foi programado para oo Multicenter Sebrae, no bairro do Cohafuma.

À noite, Bolsonaro reúne-se com as entidades empresariais Associação Comercial do Maranhão (ACM), Câmara dos Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL), Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio), que devem ouvir as propostas do pré-candidato para a classe empresária.

Jair Bolsonaro aparece em segundo lugar em todas as pesquisas de intenções de voto, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Bolsonaro sofre grande resistência dos movimentos sociais por defender o fim das cotas em universidades públicas e já ter dados declarações preconceituosas contra negros e gays.

Em apoio a Lula, Moro e Bolsonaro, deputados pedem troca de nome parlamentar

Após terem o direito de visita ao ex-presidente Lula negado, vários petistas deram entrada a ofícios no Congresso Nacional solicitando a inclusão “Lula” no nome parlamentar de todos, dentre eles o deputado Zé Carlos da Caixa (PT/MA), os senadores Lindeberg Farias Gleise Hoffman, entre outros. A notícia repercutiu negativamente pelas redes sociais.

A iniciativa também chamou atenção do Democratas, que reagiu à decisão dos petistas de acrescentarem Lula no nome e também estão encaminhando ofícios aos presidentes da Câmara Federal e Senado nos quais solicitam que seja incluído Moro em seus nomes parlamentares. A decisão partiu do deputado federal Sóstenes Cavalcante, do DEM do Rio de Janeiro.

Após a reação do DEM, para se contrapor a Lula, agora foi a vez do deputado federal Capitão Augusto, do PR de São Paulo. Presidente da Comissão de Segurança da Câmara dos Deputados, o parlamentar acaba de enviar ofício a Rodrigo Maia pedindo que seu nome parlamentar seja mudado para capitão Augusto Bolsonaro.

Ministério Público Eleitoral pede retirada de outdoors com Bolsonaro

Os outdoors foram localizados em 33 municípios de 13 Estados com mensagens de apoio a Bolsonaro.

O vice procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, apresentou recurso ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no qual solicita a retirada imediata de outdoors com suposta propaganda eleitoral antecipada em favor do deputado federal e pré-candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PEN-RJ).

O artigo 39 veda a propaganda eleitoral mediante outdoors, inclusive eletrônicos, sujeitando-se a empresa responsável, os partidos, as coligações e os candidatos à imediata retirada da propaganda irregular e ao pagamento de multa no valor de R$ 5.000 a R$ 15 mil.

Segundo Humberto Jacques, os outdoors têm “o objetivo de massificar a imagem do pré-candidato para o pleito futuro, retirando o equilíbrio da disputa”. No agravo interno, o vice-procurador questiona a decisão do ministro Luiz Fux, que, no exercício da presidência do TSE durante o período de recesso, negou liminar do Ministério Público Eleitoral que pedia a retirada dos outdoors, alegando não haver pedido expresso de votos nas peças.

No documento enviado ao TSE, Humberto Jacques lembra que outros outdoors foram localizados em 33 municípios de 13 Estados com mensagens de apoio a Bolsonaro. Segundo ele, ao admitir a prática, a decisão do TSE pode dar ensejo à utilização indiscriminada desse tipo de propaganda.

Após a decisão que manteve provisoriamente os outdoors em circulação, Bolsonaro publicou um vídeo na internet defendendo que o uso do artifício estaria liberado pela Justiça Eleitoral.

Zé Inácio pede que Segurança investigue ataque à sede do PT…

O deputado disse que atos como esse não intimidarão o PT

O deputado estadual Zé Inácio (PT) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa  para pedir que a Secretaria de Segurança Pública do Estado tome providências a respeito do ataque de vândalos à sede estadual do Partido dos Trabalhadores (PT), ocorrido na madrugada do último dia 2 deste mês. Na faixada do prédio, ficaram pichações em apoio e defesa ao deputado Jair Bolsonaro.

Zé Inácio caracterizou o ato como “uma ação antidemocrática, criminosa, fascista. ” Nós, que defendemos a democracia, só temos que repudiar atos criminosos dessa natureza que vão contra a liberdade de opinião”, disse Zé Inácio.

O parlamentar afirmou ainda que os vândalos, que atacaram a sede do PT, são disseminadores de ódio, da intolerância e do preconceito no país, são saudosistas do regime militar que não aceitam a livre manifestação de pensamento.

O deputado disse que atos como esse não intimidarão o PT. Zé Inácio finalizou com uma crítica à União da Direita Maranhense (UDM), que apoia a candidatura de Jair Bolsonaro para presidência do Brasil. “Eles disseminam muito mais ódio do que esperança, e nós não disseminamos ódio, disseminamos esperança de ter um estado cada vez melhor e um país cada vez melhor para todos os brasileiros”, disse.

A presidência estadual do PT no Maranhão já registrou o ocorrido junto à Polícia Militar.