Eleições 2018: Pesquisa aponta vitória de Flávio Dino no 1° turno

Segundo a pesquisa, Flávio Dino teria 62,39% dos votos válidos, contra 29,15% de Roseana Sarney.

Divulgada na manhã desta quinta-feira (15) pela TV Difusora, a primeira pesquisa eleitoral de 2018 mostra um cenário em que o atual governador  do Maranhão, Flávio Dino, tem mais que o dobro das intenções de voto de sua principal concorrente, a ex-governadora Roseana Sarney.

A pesquisa do instituto DataIha mostra que Flávio Dino teria 62,39% dos votos válidos, contra 29,15% de Roseana Sarney.

Com cerca de 5%, o deputado estadual Eduardo Braide aparece em terceiro colocado. Atrás dele, estão empatados Ricardo Murad, o senador Roberto Rocha e a ex-prefeita de Lago da Pedra, Mara Jorge, todos na “lanterninha”.

Caso a disputa fosse realizada apenas entre Dino e Roseana Sarney, o comunista também venceria, com 66,14% dos votos válidos, contra 33,86% de Roseana.

Aprovação

O estudo revela ainda o nível de satisfação do governo Flávio Dino entre os maranhenses. Segundo o Instituto, o governador mantém a mesma média de aprovação de pesquisas anteriores, com 61,2%.

Perguntados em qual candidato não votariam em hipótese alguma, a maior parte (37,3%) dos eleitores disseram que não escolheriam Roseana Sarney.

Disputa presidencial

A projeção aponta ainda que, caso saia candidato em outubro, o ex-presidente Lula (PT) teria 59,2% dos votos contra 17,4% do segundo colocado, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC).

Registrada no TRE-MA com o número 06345/2018, a pesquisa do Instituto Datalha ouviu 2.137 eleitores em 37 cidades do Maranhão de todas as regiões do Estado, entre os dias 8 e 9 de fevereiro, logo antes do Carnaval. A margem de erro é de 3,2% para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

Joãozinho Trinta será homenageado pelo governo do Estado

O carnavalesco morreu no dia 17 de dezembro de 2011, em São Luís.

O artista plástico e famoso carnavalesco, Joãozinho Trinta, será homenageado pelo governo do Estado com a inauguração de uma praça em seu nome, na Avenida Beira-Mar, em São Luís.

A nova praça conta com área total de 1.699,18 metros quadrados, quiosque, bancos, lixeira, área de plantio, rampa de acessibilidade, caminho de piso tátil com sensibilidade para deficiente visual, piso de bloquete e industrial de alta resistência.

Até os dez anos, Joãozinho Trinta viveu em São Luís, onde trabalhou como dançarino. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1957 para estudar dança clássica no Teatro Municipal. Durante 30 anos, fez parte do Corpo de Baile do Teatro Municipal.

O artista começou sua carreira carnavalesca na Salgueiro e ganhou o bicampeonato do carnaval do Rio de Janeiro em 1974. Em 1975 transferiu-se para a escola de samba Beija-Flor, onde criou enredos que deram à agremiação de Nilópolis os títulos de 1976, 1977, 1978, 1980 e 1983. O carnavalesco morreu no dia 17 de dezembro de 2011, em São Luís.

Flávio Dino poderá ceder palanque a mais um candidato a presidente…

Joaquim Barbosa não esconde a satisfação de ser lembrado como alternativa em um cenário político que busca um nome novo.

Têm avançado as articulações de uma possível candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, pelo PSB.

De acordo com o jornal O Globo, Barbosa conversa com uma ala do PSB interessada em vê-lo presidente do país. Cortejado, ainda não deu sua resposta. Vai deixar a decisão final para março, nono f do prazo para a filiação de candidatos.

Joaquim Barbosa se diz preocupado com o futuro do país, que vê assolado pela corrupção. E não esconde a satisfação de ser lembrado como alternativa em um cenário político que busca um nome novo.

No Maranhão, o PSB é um antigo aliado do governador Flávio Dino (PCdoB). Na eleição de 2014, o comunista cedeu palanque para o candidato Eduardo Campos, substituído por Marina Silva após seu falecimento.

Nomesmo ano, Flávio Dino cedeu palanque a mais dois candidatos: Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), em uma coligação que envolveu várias tendências pelo fim do império da oligarquia Sarney.

Frente partidária amplia discussões e reitera apoio à reeleição de Flávio Dino

Presidentes e representantes de partidos reiteraram o apoio à reeleição de Flávio Dino

O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), reuniu, na noite de terça-feira (30), em sua residência, para um jantar, 12 presidentes e representantes de partidos que reiteraram todo apoio à reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB). O objetivo do encontro, além de fortalecer a frente partidária em torno do comunista, foi intensificar o diálogo para a definição de um projeto coletivo, visando às disputas majoritária e proporcional nas eleições deste ano.

Participaram da mesa de diálogos PP, PSB, PPS, PTB, Solidariedade, PROS, PR, PT, PDT, PTC, DEM e PCdoB por meio de presidentes estaduais e representantes partidários. Faltaram apenas o PEN e o PRB que justificaram as ausências.

Marcaram presença os deputados André Fufuca (PP), Pedro Fernandes (PTB), Eliziane Gama (PPS), Simplício Araújo (Solidariedade), Gastão Vieira (PROS), Josimar de Maranhãozinho (PR), Augusto Lobato (PT), Edivaldo Holanda (PTC), Juscelino Filho (DEM), Márcio Jerry (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB), Erlânio Xavier (PDT), Rafael Leitoa (PDT) e Stenio Rezende  (DEM). Os diretores da Assembleia Legislativa, Rubens Pereira (Institucional) e Edwin Jinkings (Comunicação), também acompanharam a reunião.

Todos os representantes partidários reiteraram empenho para a reeleição de Flávio Dino. Em relação ao Senado, o grupo liderado pelo governador do Maranhão tem, pelo menos, quatro pré-candidatos: os deputados federais Weverton Rocha (PDT), Eliziane Gama (PPS), José Reinaldo Tavares (Sem partido) e Waldir Maranhão (Avante).

Ampliando o diálogo eleitoral

Durante a reunião, Othelino Neto disse que tomou a iniciativa de puxar mais um encontro do grupo para ampliar o diálogo sobre o projeto eleitoral com democracia e participação de todos os partidos envolvidos neste processo. “Esse debate tem como foco a reeleição do governador Flávio Dino com o apoio de uma frente partidária plural. Estamos fortalecendo, ainda mais, o grupo, traçando estratégias e discutindo um projeto coletivo para as eleições deste ano”, enfatizou o deputado.

O presidente do PCdoB e secretário estadual de Comunicação e Articulação Política, Márcio Jerry, destacou a iniciativa de Othelino em intensificar esse debate em torno de um projeto coletivo para as eleições deste ano, tendo como foco principal a reeleição do governador. “A reunião foi muito oportuna, nosso grupo prioriza o diálogo e o consenso, dando oportunidade de manifestação a todos. Defendemos a unidade em torno dos partidos aliados. E, a cada dia, vamos avançando mais”, disse.

Discutir Plano B agora ajuda elite a impedir candidatura de Lula, diz governador

Flávio Dino contestou os que desejam fazer julgamento político do ex-presidente Lula

Debater uma candidatura presidencial alternativa ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, neste momento, é tudo o que a elite deseja para impedir de vez o petista na disputa. A avaliação é do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), durante entrevista a jornalistas de mídias alternativas na sede do Barão de Itararé, em São Paulo. Para ele, a esquerda está caindo em uma armadilha ao aceitar tal debate.

“Falar em Plano B ajuda a inviabilizar a candidatura de Lula neste momento. A imensa maioria da elite quer ganhar a eleição por W.O, sem fazer força, sem adversário. E a gente não pode facilitar a vida desse segmento. Se começar com esse negócio de Plano B, Plano C, criamos um cenário de facilitação desse jogo”, disse.

Parte da esquerda já tem especulado quem pode ser o candidato mais competitivo no lugar do petista. Para Dino, “quem está falando em Plano B é porque na verdade já escolheu seu Plano A, que não é o ex-presidente Lula”.

Juiz por formação, o maranhense vem sendo uma das principais vozes de contestação jurídica ao julgamento do recurso de Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Ele tem apontado uma série de distorções, fragilidades e contradições na decisão.

Além de Lula

Segundo o governador, não está havendo apenas uma violação contra uma pessoa, e sim algo muito mais complexo. “Os direitos de um personagem políticos estão sendo violados como um caminho para a consecução de um programa antipopular. Essas forças todas estão mobilizadas não apenas para tirar Lula do jogo. É apenas um meio para a consecução desse programa que representa um retrocesso para o povo e para o Brasil”.

Dino afirmou ter ficado “impressionado como o nível de ódio dos julgadores”, como se dissessem “nós somos a Casa Grande e vamos enquadrar todo mundo”. Para ele, “o defeito do Lula é este, não ser da Casa Grande”.

O governador do Maranhão disse que, com o julgamento no TRF-4, houve um “retrocesso de 300, 400 anos do direito penal”, já que o processo tomou “feições inquisitoriais, primeiro incriminando para depois procurar as provas; e houve condenação por alguma coisa que não se sabe bem o que é”.

Conexão

Dino contou que, logo em seguida ao julgamento, esteve no interior do Maranhão, onde presenciou um “sentimento de orfandade” entre aposentadores, trabalhadores rurais e moradores em geral.

“Não podemos perder essa corrente do lulismo, é o que nos conecta com o povo mais humilde e simples do Brasil.”

O governador acrescentou que não há sinais visíveis de que as ruas se manifestem neste momento. “É muito difícil imaginarmos que segmentos mais amplos vão para as ruas, nada sugere isso. Por isso o jogo institucional é importante”.

Durante evento em Vargem Grande, Gastão Vieira oficializa apoio a Flávio Dino

“Mudei minha posição política porque achei que será melhor para o meu eleitor”, disse Gastão Vieira ao elencar todos os avanços que o estado conquistou nos três últimos anos.

Em 2014, o ex-deputado federal Zé Vieira, mesmo com todas as investidas do grupo Sarney, conseguia levar o recém fundado Partido Republicano da Ordem Social (PROS) para a coligação do candidato Flávio Dino ao governo do estado. Em uma convenção lotada de militantes no município de Bacabal, Flávio Dino recebia o apoio do casal Zé Vieira e Patrícia Vieira.

As eleições se passaram, Zé Vieira decidiu não disputar a reeleição para o Congresso Federal e sua esposa, Patrícia Vieira, amargou uma derrota na corrida para a Assembleia Legislativa, o que significou a perda do partido pouco tempo depois.

O então candidato derrotado ao senado, Gastão Vieira, num processo de oxigenação, decidiu afastar-se das bases do grupo Sarney e assumiu o PROS no Maranhão. Gastão  assumiu o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o que contribuiu na aproximação com o governador Flávio Dino.

Após muitas especulações, Gastão Vieira declarou sua entrada no grupo governista no final do ano passado e, nesta sexta-feira (26), reafirmou que estará com o governador Flávio Dino, em um evento na cidade de Vargem Grande: “mudei minha posição política porque achei que será melhor para o meu eleitor”, disse Gastão ao elencar todos os avanços que o estado conquistou nos últimos três anos.

Gastão Vieira é mais uma perda significativa para o grupo Sarney, por seu histórico e seu trabalho desempenhado ao longo da sua vida pública. E o PROS soma-se a outras legendas de peso numa coligação governista que pode chegar a 15 partidos.

Em entrevista, Flávio Dino anuncia novos concursos públicos para este ano

Sobre o Concurso do Corpo de Bombeiros, Dino esclareceu que o projeto básico do concurso está pronto desde outubro do ano passado e o edital deverá ser divulgado ainda neste semestre.

Em entrevista ao site Folha Dirigida, maior portal de concursos do Brasil, o governador Flávio Dino (PCdoB) falou sobre o lançamento do Edital do concurso do Corpo de Bombeiros Militares do Maranhão.

Na entrevista, o governador fez referência a órgãos que estavam com carência de pessoal, como a Polícia Militar do Maranhão. Ele ainda citou outros concursos que estão previstos para 2018, como o da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac); e o da Secretaria de Planejamento, que ofertará vagas para analista de planejamento.

Sobre o Concurso do Corpo de Bombeiros, Dino esclareceu que o projeto básico do concurso está pronto desde outubro do ano passado e o edital deverá ser divulgado ainda neste semestre: “A seleção ofertará vagas para a carreira de oficial, que tem exigência de nível superior, e soldado, de nível médio. O concurso será no mesmo padrão do da Polícia Militar” , disse o governador.

Sobre a previsão do lançamento dos concursos, Flávio Dino garantiu que já existe uma comissão formada para algumas seleções e todos os editais devem sair entre março e junho deste ano.

A Folha Dirigida reconheceu que o Maranhão foi o “paraíso dos concurseiros” em 2017, mesmo com uma conjuntura completamente desfavorável de aguda crise econômica em todo o país. O ano de 2018 promete ainda mais oportunidades para aqueles que sonham em ingressar no serviço público.

“Provas de baixíssima qualidade”, diz Flávio Dino sobre acusações que culminaram na condenação de Lula

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que é advogado e ex-juiz federal, classificou como “provas de baixíssima qualidade” as acusações que levaram à sentença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Por meio das redes sociais, ele disse que “Nem Lula, nem ninguém, pode ser condenado a 12 anos de prisão com base em alegados indícios e em palavra de delator”.

Para o governador, a continuidade do bom debate não pode ser impedida por uma unanimidade formal ou previamente ajustada. Na publicação, Dino também afirma que o aumento da pena de Lula fica mais esquisito quando se nota que o objetivo nítido é evitar prescrição.

Confira na íntegra a publicação feita pelo governador.

“Nem Lula, nem ninguém, pode ser condenado a 12 anos de prisão com base em alegados indícios e em palavra de delator. Ou seja, ‘provas’ de baixíssima qualidade. É o que dizem a Constituição e as leis brasileiras.

Sou político, com muito orgulho e por opção. Mas não desaprendi conceitos básicos de Direito e por eles tenho dever de lutar. Uma unanimidade formal ou previamente ajustada não deve impedir a continuidade do bom debate.

O aumento da pena de Lula fica mais esquisito quando se nota que objetivo nítido é evitar prescrição. Mas este critério não consta do Código Penal como legítimo para sustentar dosimetria das penas”.

Condenação de Lula é para tentar gerar inelegibilidade, diz governador do Maranhão

 

Portal Vermelho

Flávio Dino contestou os que desejam fazer julgamento político do ex-presidente Lula

O governador maranhense, que foi juiz federal por mais de 10 anos, afirmou, em sua página no Facebook, que é ínfima a chance do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), instâncias máximas da justiça brasileira, confirmarem a sentença do juiz Sergio Moro, que condenou o ex-presidente Lula a nove anos e meio de prisão no caso do tríplex pertencente à construtora OAS. Ainda segundo Flávio Dino, a imensa maioria dos juristas brasileiro também pensa assim. Para ele, “uma eventual condenação em 2ª instância só serviria para tentar gerar inelegibilidade em 2018. O que a tornaria ainda mais iníqua [a sentença de Sergio Moro]”.

O governador voltou a dizer, como o fez em outras ocasiões, que “a sentença é frágil porque não tem relação com Petrobras, logo o juízo era incompetente; Lula não solicitou ou recebeu apartamento, que continua sendo da OAS; não houve a contrapartida de Lula como funcionário público (ato de ofício). Portanto, não houve crime”. Dino reforçou que tem absoluta convicção jurídica sobre o tema do tríplex e que não conhece especialistas em Direito Penal que defendam a sentença que considera absurdamente precária. “Espero que o TRF da 4ª Região aplique bem o Direito ao caso”, enfatizou.

Flávio Dino contestou os que desejam fazer julgamento político do ex-presidente Lula. Para ele esse tipo de julgamento deverá ser feito através da eleição, nas urnas e não através dos tribunais. “Que deixem Lula ser candidato e que o povo o julgue politicamente”, reforçou Dino.